sábado, 11 de junho de 2011

Desgovernado...

Arte: Sérgio Almeida
O núcleo duro do governo Dilma Rousseff agora é formado pela própria presidente, por Gleisi Hoffmann, chefe da Casa Civil, e por Ideli Salvatti, ministra das Relações Institucionais. Juntaram-se o neurônio solitário, a normalista oradora da turma e um berreiro à procura de uma ideia. Todas dependentes de Lula, também dependem dos humores do PT e do PMDB.
É como entregar o comando de um Boeing a três comissárias de bordo, orientadas por um controlador de voo que se promoveu a melhor piloto do mundo sem saber onde fica o manche e atarantadas com o bando de passageiros que não param de berrar pedidos.
Oremos!
*Augusto Nunes

Porque hoje é Sábado, uma bela mulher.

A bela atriz Dira Paes

Escondendo o jogo.

A CNI decidiu adiar a pesquisa que faria sobre a economia e a aprovação do governo Dilma, divulgada mensalmente. Prefere esperar o "pico da crise" passar e para evitar dados ruins para Dilma.
Coragem, como se sabe, é um tipo de qualidade que costuma faltar nos momentos em que é mais exigida.
Tome-se o exemplo da Confederação Nacional da Indústria. A entidade patronal costuma encomendar ao Ibope uma pesquisa mensal.
A sondagem do mês de junho subiu no telhado. A coluna de Mônica Bergamo, veiculada na Folha, explica a razão: o medo de ser inconveniente.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

O "Paulinho" que tem a "força".

Advinha quem tem "força" neste país?
O Paulinho Bernardo, claro!
Este sim, tem a força...da Gleisi, é claro!

O país da piada pronta.

"Ideli Salvatti é mesmo a nova ministra da Relações Institucionais.
Luiz Sérgio, por incrível que pareça, pode assumir o seu lugar no Ministério da Pesca.
Parece piada?
É uma piada."
*Reinaldo Azevedo

Após soltura de Battisti, Itália chama embaixador no Brasil para consultas.

Decisão tem caráter temporário, segundo a chancelaria italiana. Itália manifestou indignação com a decisão do STF brasileiro.
O Ministério de Assuntos Exteriores da Itália convocou nesta sexta-feira (10), para consultas, o embaixador da Itália no Brasil, Gherardo La Francesca. A decisão, segundo o ministério, está relacionada à decisão do STF de negar a extradição do ativista Cesare Battisti, e tem caráter temporário.
Roma pede a extradição de Battisti por quatro supostos assassinatos e cumplicidade em assassinato.
A medida foi tomada para "aprofundar, conjuntamente com as autoridades competentes, os aspectos técnicos e jurídicos relacionados com a aplicação de acordos bilaterais existentes, visando a iniciativas e recursos ante as instâncias judiciais internacionais", acrescentou o comunicado no site da chancelaria.
A Itália manifestou na véspera indignação e revolta com a decisão do Brasil e anunciou que pode apresentar um recurso à Corte Internacional de Justiça de Haia. (G1)

STF pode garantir reajustes anuais ao funcionalismo

   Foto:Folha
O STF iniciou nesta quinta (9) o julgamento de uma ação que pode resultar na garantia de reajustes anuais para servidores federais, estaduais e municipais.
Relator do processo, o ministro Marco Aurélio Mello reconheceu o direito do funcionalismo à reposição das perdas impostas pela inflação.
Disse que a correção monetária anual dos contracheques dos servidores públicos está prevista no inciso 10o do artigo 37 da Constituição.
A despeito disso, realçou o ministro, estabeleceu-se um “círculo vicioso” nas esferas “federal, estadual e municipal”.
No dizer do ministro, os governantes mantêm “os olhos fechados” para o texto constitucional, descumprindo-o.
A ação é movida por servidores públicos de São Paulo. Está submetida, porém, ao princípio da “repercussão geral”.
Significa dizer que a decisão do Supremo valerá para todos os servidores do país, inclusive os do Poder Judiciário. Coisa de 10 milhões de pessoas.
O julgamento não foi concluído porque a ministra Cármen Lucia, primeira a se pronunciar depois da leitura do voto do relator, pediu vista dos autos.
Os servidores de São Paulo, Estado governado pelo PSDB há 16 anos, reivindicam no STF uma indenização pelos reajustes que não receberam nos últimos anos.
Marco Aurélio não se limitou a deferir o pedido. Decidiu que a indenização terá de ser paga com juros e correção monetária.
Para ele, ao sonegar ao funcionalismo a reposição dos indices de inflação, o Poder Público aufere “vantagem indevida”.
Algo que, diante do poderio do Estado, aproxima-se do “facismo”. O ministro acrescentou:
“Não se pode adotar entendimento que implique supremacia absoluta do Estado, em conflito com o regime democrático e republicano”.
O Judiciário não tem poderes para obrigar União, Estados e municípios a conceder reajustes salariais.
Porém, o ministro fez uma distinção entre reajuste e reposição inflacionária.
“Correção monetária não é acréscimo, não é ganho, é mera reposição com o escopo de preservar o valor” do salário, disse ele.
Marco Aurélio serviu-se de emenda aprovada sob FHC para justificar a concessão do pedido feito pelos servidores do Estado governado pelo tucano Geraldo Alckmin.
Lembrou que a redação do inciso 10o do artigo 37 da Constituição, que prevê os reajustes anuais, foi fixada por uma reforma administrativa de 1998.
O ministro reproduziu trecho da justificativa enviada ao Legislativo por Clóvis Carvalho, à época o chefe da Casa Civil de Fernando Henrique Cardoso.
O auxiliar de FHC escreveu que os objetivos da reforma eram: “recuperar o respeito e a imagem do servidor público perante a sociedade; estimular o desenvolvimento profissional dos servidores e; por fim, melhorar as condições de trabalho”.
E Marco Aurélio: “Vê-se, então, que a reforma administrativa veio para melhorar as condições do servidor”. Daí a sua interpretação do texto constitucional.
O julgamento será retomado quando Cármen Lucia devolver o processo ao plenário do Supremo. Não há, por ora, data prevista. (Josias de Souza, na Folha)

A escolha de Mercadante: Colo ou cadeira.

Um incidente na posse da ministra Gleisi Hoffmann ilustra a dificuldade do governo no Congresso.
O senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) estava sentado ao lado de Roberto Requião (PMDB-PR) quando chegou o ministro Aloizio Mercadante (Ciência e Tecnologia), com a arrogância peculiar:“Este lugar é meu”.
Valadares não se alterou: “Se quer sentar, puxe uma cadeira”.
Requião fez graça: “Se não encontrar, pode sentar no meu colo...”
Mercadante fechou a cara e saiu de fininho.(CH)

Aposentadoria precoce de Ellen Gracie.

Nos corredores de Brasília cresce a informação de que a desembargadora Neuza Maria Alves da Silva, do Tribunal Regional da 1ª Região (Brasília), é a mais forte candidata a substituir a ministra Ellen Gracie no Supremo Tribunal Federal.
A ministra Ellen Gracie deve anunciar a qualquer momento a aposentadoria, antecipando-a em sete anos. Hoje aos 63 anos, poderia permanecer no cargo até fevereiro de 2018.
Com a iminente saída de Ellen Gracie, Dilma passou a procurar uma magistrada negra para o lugar, fixando-se na desembargadora Neuza que é baiana, nascida em Salvador, e magistrada federal desde 1988 e no TRF-1 desde 2004. ( CH )
COMENTO: A ministra Ellen Gracie, tem uma postura elogiável e não controversa no STF. Trata-se de uma pessoa de inteligência e capacidade elogiáveis.
É uma das poucas vozes "independentes" em relação a indicação do grupo político que detém o Governo Federal há mais de oito anos.
Sua aposentadoria precoce deixa uma indagação intrigante: Por quê Ellen anteciparia sua aposentadoria? O que a faria abrir mão de um cargo tão importante?

Crime da USP: Preso confessa que participou mas não revela nome do assassino

Foto: TIAGO QUEIROZ/AGÊNCIA ESTADO
O jovem Irlan Graciano Santiago, de 22 anos, detido na tarde de ontem, confessou a participação no assassinato do estudante Felipe Ramos de Paiva dentro do campus da Universidade de São Paulo (USP), no dia 18 de maio. A revelação foi feita durante encontro com jornalistas realizado na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil. Santiago, que se apresentou espontaneamente, foi liberado pela polícia já que a prisão não foi feita em flagrante. O morador da favela de São Remo, localizada atrás da Cidade Universitária, no Butantã, zona Oeste, afirmou em depoimento que quem atirou em Felipe foi seu parceiro. Santiago disse que não revelaria o nome do autor dos disparos em nome da "ética do crime".
De acordo com o delegado Maurício Guimarães Soares, antes de atacar o universitário, a dupla tinha feito refém uma mulher dentro do campus. Segundo ele, uma mulher em um carro de cor escura foi abordada antes de Paiva. A dupla resolveu não assaltá-la depois de perceber que ela era deficiente, mas pediu que ela dirigisse até eles encontrarem outra vítima. Foi quando avistaram o estudante.
Santiago disse que ficou no carro, ao lado da motorista, enquanto o parceiro desceu do veículo. Paiva teria reagido e o comparsa atirou. Os dois, então, fugiram no veículo. O jovem foi indiciado por latrocínio e responderá em liberdade. Ao final do inquérito, a polícia pedirá a prisão preventiva de Santiago. ( Brasil247 )

Luiz Sergio vai sair. Quem assume? Vaccarezza ou Ideli?

Foto: Agência Brasil
Rodolfo Borges_247, de Brasília – A bolsa de apostas no Congresso Nacional trabalha com dois fortes candidatos a ocupar a vaga que o ministro de Relações Institucionais, Luiz Sérgio, deve ficar vaga até esta sexta-feira. Dentro do Congresso, o nome mais forte é o do líder do governo, Cândido Vaccarezza (PT-SP), que passou a quinta-feira em reuniões, para fortalecer a própria indicação. A outra possibilidade mais clara é Ideli Salvatti, que seria a preferida da presidente Dilma Rousseff.
O problema de entregar a Secretaria de Relações Institucionais a Vaccarezza é abrir a vaga ocupada por ele atualmente. O PMDB já está de olho na posição de líder do governo na Câmara, posto que o PT não estaria disposto a arriscar. Além do mais, Vaccarezza não é lá um nome muito querido entre os petistas, apesar de contar com a confiança de Dilma. O líder do governo é visto como um dos petistas mais tucanos. Até por isso ocuparia a posição deixada por Palocci numa frequência parecida.
A alternativa, Ideli Salvatti, recupera uma antiga líder do governo no Senado escanteada no Ministério da Pesca e acrescenta outra mulher ao staff da presidente Dilma Rousseff – ser mulher nunca contou a tanto favor num governo brasileiro. Mas Ideli não tem fama de se dar bem com a oposição e, apesar de ser ex-senadora e ex-lider do governo no Congresso, nunca passou pela Câmara dos Deputados, de onde geralmente saem os ministros de Relações Institucionais.
Enquanto as apostas correm soltas, o ministro Luiz Sérgio negou via Twitter que esteja de saída do governo. Em viagem ao Rio de Janeiro, Luiz Sérgio desmentiu notícias do IG e do Estado de S.Paulo, que dão conta de que o ministro teria decidido pedir demissão, aconselhado que foi pela família a deixar o cargo. “Informação do Ig não corresponde à verdade. Não falei com o jornalista. Repito: ‘há hora de falar e hora de calar. Agora é hora de calar’.”, disse.
As notícias dão conta de que o ministro estaria magoado com os boatos sobre sua iminente queda e, sem disposição para enfrentar a pressão que se instalou no Congresso por sua saída, teria decidido entregar o cargo. “Fiquei estarrecido de terem colocado informação falsa sobre a posição de minha família”, disse Luiz Sérgio no microblog, acrescentando: “Notícia no site do Estadão é falsa. Não pedi para sair do governo, não conversei com a jornalista em momento algum. Péssimo jornalismo”.
COMENTO: Dilma escolherá o sucessor do atual ministro das Relações Institucionais entre dois nomes de sua confiança.Vacarezza tem a preferência e o aval do PMDB. Deverá ser o novo Ministro.
ATUALIZADO ÀS 17:32 HS - O blog, e muitos neste país, errou. Deu Ideli o mais antipático, irritante, estridente, insípido, incoveniente e intratável quadro do PT.

Humala no Brasil

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente eleito do Peru, Ollanta Humala, foi recebido pela presidente Dilma Rousseff nesta quinta-feira em Brasília e declarou que o Brasil é um parceiro estratégico para o país andino.
"O Brasil é um sócio estratégico, um sócio importante do Peru. Somos vizinhos e justamente... necessitamos fortalecer uma política de fronteiras, desenvolver a fronteira", disse Humala a jornalistas após o encontro com Dilma, no Palácio do Planalto.
O líder eleito peruano demonstrou preocupação com o narcotráfico e segurança na fronteira, "problema comum" aos dois países e disse que fortalecerá a relação com os Estados Unidos, principalmente no combate às drogas.
O Peru é o maior produtor de folha de coca do mundo.
"Temos que fortalecer a relação com os EUA, são um sócio importante do Peru. Temos que melhorar, por exemplo, o que é a cooperação na luta contra as drogas, respeitando obviamente a soberania nacional peruana", disse Humala, que deverá visitar o país norte-americano antes de sua posse, em 28 de julho.
Militar aposentado de 48 anos, o político de esquerda venceu por pequena margem o segundo turno das eleições presidenciais no domingo, derrotando a candidata conservadora Keiko Fujimori.
Em sua campanha, Humala destacou um plano para aumentar a inclusão social em um país que ainda tem um terço da população vivendo na pobreza.
Durante o encontro, os presidentes discutiram programas sociais brasileiros como o Brasil sem Miséria, o Prouni e o Bolsa Família, que poderão servir de exemplo ao Peru. Segundo Humala, o Brasil "é um "modelo bem-sucedido que aliou crescimento econômico e inclusão social".
A presidente Dilma deverá participar da cerimônia de posse de Humala em Lima.

Impunidade na terra nostra.

A da Veja da semana passada -- 1º de junho -- traz uma matéria sobre Achille Lollo, "terrorista italiano que queimou dois garotos e, assim como Battisti, veio buscar a impunidade do Brasil." Atirou fogo no apartamento do varredor de rua Mario Mattei, representante do Movimento Sociale Italiano, de direita. Achille despejou 2 litros de gasolina na porta do apartamento onde Mattei vivia com a família e riscou um palito de fósforo...Os dois filhos de Mattei, de 22 e 8 anos morreram carbonizados. Na reportagem não consta que Mattei morreu. Talvez não estivesse lá.
Aqui no Brasil entrou para o PT não aceitou sua orientação, saiu e entrou para o PSOL. Ficou no Brasil até início deste ano. Sua pena prescreveu na Itália e voltou para lá.
O crime ficou impune porque o Supremo negou sua extradição, e ele ficou no paraíso brasileiro até prescrever a pena.
*Carmen Gomes, por e-mail, via resistência democrática

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Bombeiros Militares foram vítimas de golpe de Sérgio Cabral, diz Coronel da PM

Petrobrás: Se essa rua fosse minha...

Por Pettersen Filho :
Prestes a ser Inaugurada , cerca de cinco anos após o início das Obras , e algumas centenas de Milhões de Reais, a mais, a Sede Administrativa da Petrobras , em Vitória/ES, um dos últimos “Colossos” a serem erigidos no Brasil , ainda carrega consigo inequívocas contradições.
Luxuosamente erguida em Terreno da Igreja Católica Apostólica Romana, junto a Reta da Penha, uma espécie de Wall Street Capixaba, onde estão os principais Bancos do País, orçada inicialmente, em menos de Cem Milhões de Reais , com prazo de conclusão de cerca de dois anos, a Obra , questionada na Justiça, objeto de Ação Popular contra a Empresa e a Municipalidade , por ser consumada em Terreno com Cobertura Vegetal inédita, em Zona de Ocupação Controlada , portanto, uma ZOC, restritíssima, justamente por abrigar resquícios da Mata Atlântica , uma das ultimas do Litoral Brasileiro, ainda assim, vem sendo levada a cabo, ultrapassando, ora, a cifra do Bilhão de Reais, dizem as más línguas.
Não bastasse Processo contra a sua Edificação , postulado na Vara da Fazenda Pública Municipal de Vitória, desde 2007, ao Cargo do Juiz Cristóvão Pimenta , e do Promotor de Justiça, Gustavo Senna , já contestada pelos Réus , e impugnada pela Associação Autora, ABDIC, apesar de todas as irregularidades apontadas, pesa, ainda, inconclusa, sem Sentença , mesmo que completamente instruído o Feito, e sem mais Provas a produzir, aguardando a Publicação de Intimação, para os Memoriais , desde 04/10/2010, a espera que se intime as Partes,via Diário Oficial .
Previsto, inclusive, como Compensação à Comunidade, segundo Ajuste de Conduta feita com o Ministério Público , pelo menos, um Parque destinado a Comunidade, originalmente previsto possuir 15.000 metros quadrados, totalmente inviabilizado, face ao Projeto Original não haver contemplado tal contingência, ora ocupada a Área por Edificações , restou a Empresa , e a Municipalidade , deixar de realizar extensão da Rua Guilherme Serrano, que ligaria a Praia do Canto ao Barro Vermelho, desafogando o Trânsito na Região, para, assim, cumprir a Conduta tratada, mas, também, até a presente data, nem Rua , e nem Parque ...
Enfim, uma sangria sem Fim...
Como diria a Cantiga Infantil: “Se essa Rua, se essa Rua, fosse minha. Eu mandava, eu mandava ...”
*ANTUÉRPIO PETTERSEN FILHO é Advogado Militante e Presidente da ABDIC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO INDIVÍDUO E DA CIDADANIA além de EDITOR do Periódico Eletrônico JORNAL GRITO CIDADÃO

O ultimo olhar.

Que pena toinho! Nós fomos tão felizes!
O ex-ministro-chefe da Casa Civil Antonio Palocci, demitido na terça-feira, tem mandato de um ano como membro do Conselho de Administração da Petrobras e não perde o cargo automaticamente, segundo afirmou o presidente da empresa, José Sérgio Gabrielli. Palocci foi eleito em 28 de abril para o mandato de um ano pela assembleia geral ordinária de acionistas da companhia. "O cargo é da pessoa e não do ministro. O ministro é uma pessoa de alta competência e a Procuradoria [Geral da República] arquivou as denúncias contra ele. E ele saiu para não prejudicar o governo", disse Gabrielli. Palocci, porém, pode ser destituído do cargo pelo governo federal, acionista controlador da companhia que o indicou. Nesse caso, o posto pode ficar vago ou os demais membros do Conselho de Administração da Petrobras tem autonomia para indicar um novo nome até a próxima reunião ordinária da assembleia.
..........................................................................................................................
Quem deve estar comemorando é a WTorre, que possui um contrato de centenas de milhões com a Petrobras, no Porto de Rio Grande, pelo qual recebeu adiantado. Agora, sem o impedimento do cargo, Palocci poderá aconselhar muito melhor o seu cliente. ( Gracialavida)

Caso Palocci: Vai-se um anel para preservar os dedos.

Essa "carreira" que o ministro Palocci deu ao ser pressionado para explicar como havia enriquecido sem fazer força, deixa a nítida impressão de que a "fuga" não teria passado de uma sórdida estratégia para esconder os "podres" que poderiam envolver outros membros da administração pública, caso o assunto acabasse descambando para a exigência de explicações entre a "mistura" do dinheiro de Palocci e o que foi arrecadado para a campanha eleitoral da presidente Dilma Rousseff.
 Na verdade, vejo essa "defenestração" de Palocci como algo análogo ao que, segundo a sabedoria popular, costuma-se classificar de "perder os anéis, para não perder os dedos". Não precisa ser muito observador para perceber que, mais uma vez, tal como já havia acontecido com Zé Dirceu e Erenice, os nazipetralhas estão simplesmente "varrendo a sujeira para baixo do tapete", de forma a tirar o assunto da mídia, com o propósito de evitar que a "lama" respingue em "gente ainda mais graúda". Alguma dúvida?
* Júlio Ferreira- Blog: www.ex-vermelho.blogspot.com

A senadora e a ministra.

Sorrisos demonstram alegria. Palocci, embora rico, não queria deixar o cargo e nem sorriu tanto assim.
A ministra Gleisi Hoffman (PT-PR), que assumiu nesta quarta (8) o comando da Casa Civil em substituição a Antonio Palocci, tem um patrimônio declarado de R$ 659,8 mil, segundo a relação de bens apresentada por ela ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no ano passado.
De acordo com informações do site do TSE, a futura ministra é dona de um apartamento em Curitiba, no valor de R$ 245,5 mil, um veículo avaliado em R$ 88 mil, aplicações bancárias de R$ 269 mil, além de R$ 34 mil em ações e R$ 23 mil em conta corrente.
Na comparação com os bens declarados em 2006, quando Gleisi Hoffmann concorreu pela primeira vez ao Senado, o patrimônio dela aumentou quase 40%. Naquele ano, a então candidata declarou à Justiça possuir dois apartamentos – o mesmo citado em 2010 e outro, em construção, avaliado em R$ 234,33 mil, totalizando R$ 479,83 mil.
A evolução do patrimônio do ex-ministro Palocci, que, segundo reportagem do jornal “Folha de S.Paulo”, aumentou 20 vezes entre 2006 e 2010, resultou nas pressões que o levaram a pedir demissão do cargo.
Campanha
Na corrida ao Senado, a futura ministra da Casa Civil declarou ao TSE previsão de gasto máximo de R$ 15 milhões durante a campanha, mas a arrecadação total declarada foi de R$ 7,979 milhões e os gastos, de R$ 7,944 milhões. Ela teve as contas de campanha aprovadas pela Justiça Eleitoral.
Segundo a prestação de contas final da campanha de 2010, apresentada em novembro do ano passado à Justiça Eleitoral, as maiores doações para a senadora vieram de construtoras, excetuando-se as doações do Diretório Nacional do PT e do comitê único de financiamento. A construtora Camargo Correa doou R$ 1 milhão e o Grupo OAS, R$ 780 mil.

Receptação de veículos roubados no Brasil,é legalizada na Bolívia.

O cocaleiro Evo vai legalizar os carros roubados no Brasil e ainda espera arrecadar 200 milhões.
Desde o governo do golpista Luiz Garcia Meza, que ficou apenas um ano no poder, no começo da década de 80, a Bolívia não tinha um governo abertamente criminoso. Mas eis que chegou Evo Morales, o querido companheiro de Lula, aquele com quem ele já dividiu palanque e guirlanda de folhas de coca. À Bolívia, o Brasil já deu uma refinaria da Petrobras de presente e financiamento do BNDES para fazer uma estrada que só serve ao transporte de… folhas de coca. Oitenta por cento da cocaína consumida no Bananão vem daquele país. Mas, vocês sabem, seguimos a máxima de Chico Jabuti Alheio: procuramos falar grosso com os EUA e fino com os bolivianos.
Ontem, Dilma anunciou um plano de proteção às fronteiras. É puro factóide. Foi só uma cascata para tentar responder a uma série de reportagens do Jornal Nacional. Do outro lado da linha, na Bolívia, “meu querido Evo” (como Lula chama aquele índio de araque) também agiu: ele sancionou uma lei aprovada por sua turma no Parlamento que, ATENÇÃO!, LEGALIZA TODOS OS CARROS ROUBADOS QUE CIRCULAM NO PAÍS. Noventa por centro deles têm origem no Chile e no Brasil. A maioria vai para Yungas e Chapare, zonas de produção de coca.
Não pensem que Evo é do tipo que não explica as suas medidas. Ele expôs o alcance social da decisão: são carros comprados pelas pessoas pobres por serem mais baratos! Faz ou não faz sentido? E ainda sentenciou: “Todos temos direito de ter nosso carro”.
Severo, o falso índio avisou: “A partir de hoje, os que tiverem carros sem documentos devem apenas registrá-los, num prazo de 15 dias; depois disso, não vamos perdoar”. Uau!!! O governo vai cobrar pela legalização. Esperto, este monumento moral pretende arrecadar uns US$ 200 milhões com taxas. O governo do Chile já decidiu reforçar a vigilância em áreas de fronteira. Vale dizer: cuidem-se, brasileiros! A menos que vocês confiem na competência de José Eduardo Cardozo!
É evidente que uma delinqüência dessa natureza mereceria um protesto formal do Brasil na OEA e naquela porcaria chamada Unasur… Nada vai acontecer. O Brasil compreende os irmãos mais pobres e lhes entrega o patrimonio dos brasileiros.

Que que é isso, companheiro?

A imprensa nacional critica a soltura e permanência de Cesare Battisti em território nacional. Puro preconceito e falta de visão politica.
O companheiro Battisti tem condições de se candidatar a deputado federal e defender a Lei de Anistia a criminosos inernacionais.
Só assim teremos reconhecimento mundial na áerea dos direitos humanos de bandidos, terroristas e assassinos.
Hoje temos apenas uma presidenta representando a classe dos terroristas. Precisamos de mais gente aguerrida.

Battisti é a solução.
Louve-se a grande decisão do STF.
Viva Battisti, que se lixe o povo honesto e ordeiro do Brasil!

PT rachado, briga pelo lugar de Luiz Sérgio.

A presidente Dilma Rousseff busca o consensosobre o substituto de Luiz Sérgio Secretaria de Relações Institucionais (SRI). Já o ministro, sabendo que vai cair, não quer esperar.
Segundo interlocutores do ministro, o anúncio de sua saída deve acontecer hoje ou amanhã.
Dilma disse a Temer que não queria dar a imprensa o sair de ter influido na demissão de Luiz Sérgio, mas terá que fazê-lo já.
O problema maior, dizem, é que o PT está completamente rachado quanto às pretensões de substituição no time.
Luiz Sérgio nada quer declarar a imprensa. Provavélmente negocia uma saída "honrosa" e ainda sonha com uma outra posição digna no governo, mas deixou vazar que Câdido Vacarezza e Arlindo Chinaglia "brigam" pelo cargo.
Zé Dirceu, acampado em Brasília, há vários dias, mantém-se em contato com ministros e políticos e.
comanda um grupo que quer manter o PT de São Paulo em evidência. Isso fortalece Chinaglia.
Dilma pretendia segurar a substituição de Luiz Sérgio para começar a redesenhar o comando da articulação política no Planalto. Mas sabe que, antes, precisa parar com as brigas no Congresso, não só no PT como também no PMDB. A possibilidade de mudança na gestão da articulação política abriu uma corrida dentro dos partidos. Segundo interlocutores, houve irritação no Planalto com a "fome" do PT pelo cargo. ( com informações de O Globo)

quarta-feira, 8 de junho de 2011

O país que abriga bandidos?


Terroristas, assassinos, bandidos de todo o mundo: venham, o Brasil é de vocês!
Não é só no cinema que os criminosos fogem para o Brasil.
Terroristas islâmicos andam livremente por aí.
Achille Lollo, o terrorista italiano que ateou fogo a uma casa, matando crianças, até ajudou a fundar um partido político, o Psol (que também lutou por Battisti).
" Padre Camilo", delegado das FARC, também teve sua extradição recusada anos atrás.
Impunidade garantida.
Diante disso, a libertação de Cesare Battisti, por decisão do STF, não chega a causar espanto.
O lulismo transformou o país em covil de ladrões e assassinos.
P.S.: a Itália, que mantém tratado de extradição com o Brasil, deveria romper relações.
* No Blog do Orlando Tambosi

Mais um bilhete azul?

O ministro Luiz Sergio, das relações Institucionais, que até hoje não disse a que veio, participa, neste momento, de solenidade no Palácio do Planalto sabendo que sua "batata está assando" há tempos.
Luiz Sérgio parece estar em primeiro lugar na lista dos possíveis dispensáveis.
Vamos aguardar. Quem sabe o minisro tem "costas quentes" e ainda não sabemos?
Quem sabe se depois da demissão de Palocci ele não resolva "trabalhar?

Qual é a tua Cabral?

Filigrana jurídica livra Dantas da cadeia

Foto: Fernando Donasci
O Superior Tribunal de Justiça (STJ) anulou nesta terça-feira as provas obtidas pela Operação Satiagraha, que resultou na condenação por corrupção do banqueiro Daniel Dantas, dono o grupo Opportunity, a 10 anos de prisão. Por 3 votos a 2, a 5.ª Turma do STJ concluiu que foi ilegal a participação de integrantes da Agência Nacional de Inteligência (Abin) nas investigações.
A maioria dos ministros aceitou um pedido de habeas corpus no qual os advogados do banqueiro solicitaram a anulação das provas obtidas na investigação e a extinção da ação penal na qual Dantas foi condenado por tentativa de suborno a policiais. Autor do voto de desempate, o presidente da 5.ª Turma, Jorge Mussi, afirmou que os agentes da Abin não poderiam ter atuado de forma clandestina nas apurações.
"Poderia a Abin, numa operação compartilhada, participar dessa investigação? Eu penso que sim, mas com autorização judicial", disse Mussi. "Poderia ela participar sem autorização judicial? Poderia, se fosse requisitada. Mas o que não pode é na clandestinidade, de forma oculta", respondeu. "Não é possível que esse arremedo de prova possa levar a uma condenação com esse tipo de prova. Essa volúpia desenfreada de se construir arremedo de prova acaba por ferir de morte a Constituição desse País. É preciso que se dê um basta, colocando freios inibitórios antes que seja tarde", afirmou Mussi.
O presidente da 5.ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) citou jurisprudência tradicional do Supremo Tribunal Federal (STF) que reconhece a teoria dos "frutos da árvore envenenada". De acordo com essa teoria, provas obtidas de forma irregular podem contaminar uma investigação. Entre essas provas estão escutas telefônicas, interceptações telemáticas de e-mails e ação controlada. "Não posso admitir que essa prova seja usada contra um cidadão do meu País para se buscar uma condenação", disse Mussi. "Toda prova decorrente de investigação ilícita não deve ser admitida", afirmou.
O advogado Andrei Zenkner Schmidt, que defendeu Dantas, disse que a decisão de hoje acarreta a nulidade de todas as provas amparadas na Operação Satiagraha e deverá levar à prejudicialidade das outras ações que tramitam na Justiça de 1.ª Instância, inclusive uma contra o banqueiro.

Irmão do locador do apartamento-mansão de Palocci é ligado ao PCC

O ex-ministro Antonio Palocci (Casa Civil) alegou não ser responsável pelos atos do dono do apartamento onde ele mora, em São Paulo, mas precisa escolher melhor seus parceiros de negócios. O locador, Gesmo Siqueira dos Santos, que foi filiado ao PT, teve postos lacrados por vender gasolina adulterada e seu irmão Gildásio, foragido, é acusado pelo Ministério Público de usar postos de gasolina no ABC para lavar dinheiro do PCC, organização criminosa de presídios paulistas. Gildásio Siqueira Santos foi sócio de hospital em Santo André, onde bandidos do “Primeiro Comando da Capital” se reuniram, em 2008. Gesmo Siqueira dos Santos foi executado, este ano, pela Fazenda Nacional, que cobra R$ 3,5 milhões por sonegação fiscal.(Videversus)

A nova ministra e também consultora.

Como podemos observar nos documentos abaixo, os documentos atestam que a senadora Gleisi, e hoje Ministra, também exerceu a função de consultora.
Clique na imagem para ampliar

Nova ministra da Casa Civil, arrecadou R$ 7,9 milhões para campanha ao senado

Nas eleições do ano passado para o Senado, a nova ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann (PT), conseguiu o maior volume de arrecadações, segundo informações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Foram pouco mais de R$ 7,9 milhões, enquanto o segundo colocado, o senador Roberto Requião (PMDB), obteve cerca de R$ 3 milhões. Além do diretório nacional do PT, que repassou R$ 1,9 milhão à campanha, o principal doador foi a empreiteira Camargo Corrêa, com R$ 1 milhão. A Construtora OAS foi responsável pela colocação de R$ 500 mil na campanha, enquanto a OAS Empreendimentos contribuiu com outros R$ 280 mil. Outra das grandes construtoras que ajudaram financeiramente na eleição da senadora é a CR Almeida, com R$ 250 mil. Entre os bancos, apenas o Fator aparece na prestação de contas, tendo doado R$ 100 mil. O dinheiro transferido a ela pelo PT nacional também veio direto de empresas que não quiseram aparecer, mas certamente é originário de grandes empreiteiras e bancos. Isso é o petismo.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Palocci, o ministro que enriqueceu rápido demais, dá adeus ao Planalto.

Palocci "enricou" e saiu
Para evitar o burburinho da própria base aliada, uma possível CPI e um desgaste maior para o governo, o ex-ministro Antonio Palocci foi forçado a pedir demissão do cargo de Ministro-Chefe do Gabinete Civil.
Para substituí-lo no cargo será nomeada a senadora Gleisi Hoffmann, a primeira petista a criticar a situação de Palocci ( Aqui ) e pedir sua saída do cargo.
Gleisi criticou e entrou

Palocci, titã do capitalismo.

Incapaz de levar adiante o seu trabalho à frente da Casa Civil por causa do bombardeio da imprensa, o ministro Antonio Palocci decidiu divulgar com exclusividade para the piauí Herald a lista das empresas que contrataram os seus serviços, bem como a natureza da consultoria oferecida. O ministro acredita que as informações dirimirão de uma vez por todas as dúvidas relativas ao patrimônio que acumulou nestes últimos anos.
*Clique e veja: Palocci titã do capitalismo

Lágrimas sem dor?

Dilma , emocionada com a tragédia que abateu 12 alunos na escola de Realengo no Rio, chorou diante das câmeras da TV por estes brasileirinhos abatidos por um psicopata.
Sucede que assistimos não apenas 12, mas toda uma geração de brasileirinhos tendo as suas consciências amortecidas e sua moral deformada pela constante imposição de resultados favoráveis aos governistas que notoriamente praticam a corrupção , seja pelo bem do partido, seja à favor de seu próprio bolso.
No que me concerne o caso Palocci e a resolução do Procurador da República de recomendar ao STF arquivamento do caso é motivo para um pranto de dimensão nacional...
Só falta o povo acordar da modorra a que foi induzido...pelas toadas da Bolsa Familia, da Bolsa Verde, das cotas isso e aquilo...
*Mara Montezuma Assaf

Mera coincidência.

O Jornal Globo informa que o dono do apartamento de luxo alugado ao ministro Palocci no rico bairro de Moema é filiado, há exatos 23 anos, ao PT no município paulista de Mauá.
Há informações de que Palocci jura não conhecer o advogado Gesmo Siqueira dos Santos.
O locador, por sua vez, de memória fraca dados os inúmeros, digamos, afazeres, também não se lembra de que seja filiado ao PT.
O partido informa que a inscrição dele já fora cancelada há muito tempo (sic).
"Daqui a pouco a inventiva petralhada vai jurar que Celso Daniel não morreu torturado e seviciado, embora a perícia do crime constate isto..." (Jorge Ferrão_Alerta Total)

Palocci, o fenômeno!

Sobre esta questão que estão veiculando na mídia, a respeito do aumento do patrimônio do senhor Antônio Palocci, eu realmente não me espanto com mais nada.
Só que realmente fiquei muito curioso com isto, e resolvi fazer uns cálculos breves, a fim de entender melhor a situação.Resolvi compartilhar, para que possam também entender melhor.Segundo informações da mídia, em 2006 o senhor Palocci quando candidato a deputado, declarou sua relação de bens totalizando
R$ 375.000,00.
A mesma fonte informa que seu patrimônio aumentou 20 vezes em 4 anos.
Desta forma, 375 mil se transformaram em R$ 7.500.000,00 (sete milhões e quinhentos mil reais).
Neste período, o ilustre cidadão tornou-se deputado federal, e obteve renda aproximada neste cargo de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais).  Somando-se aos 375 mil que ele já tinha, imaginando que não tenha despesa alguma para sua vida diária, faltam somente R$ 6.125.000,00 (seis milhões, cento e vinte e cinco mil reais).
Agora que vem minha grande admiração por este exímio profissional: Senhor Palocci é um médico sanitarista formado, e iniciou um negócio na área de Consultoria.
Como presto serviços exatamente nesta área de consultoria (financeira e informática), sei que uma empresa nesta área pelo lucro presumido paga 11,33% de impostos, sobre as notas emitidas. Sabemos que uma empresa tem inúmeras despesas, como telefonia, contabilidade, impostos, funcionários, deslocamentos, computadores, aluguel, etc.
Como quero tratar somente com dados reais, sem nenhuma especulação com base em suposições, vou considerar que o atual ministro teve somente despesas de impostos, conforme sua manifestação, e vou ignorar todas as demais despesas.
Para obter os R$ 6.125.000,00 que faltavam, sua empresa de consultoria teve que faturar R$ 6.907.635,00, para após pagar os R$ 72.635,10 de impostos, deixar o resultado líquido esperado. Faturamento bruto anual de R$ 1.726.909,00, ou R$ 143.909,10 por mês. Depois de pagar os seus impostos,
o resultado líquido mensal é de R$ 127.604,20.
Considerando que o excelente deputado neste período atuou no Congresso Federal, imaginamos que não teve muito tempo para se dedicar à consultoria, talvez somente meio turno para esta atividade. Para 84 horas de trabalho por mês, o valor da hora de consultoria é de R$ 1.713,20
(um mil, setecentos e treze reais e vinte centavos POR HORA).
Este excelente profissional sabe muito bem vender seu trabalho, não são muitos neste país que ganham quase dois mil reais por hora de trabalho. Excelente em marketing, excelente na consultoria, excelente na redução de custos operacionais.
Mas agora vem minha maior admiração: o DESPRENDIMENTO desta pessoa, em favor do Brasil: Desativou esta promissora empresa, transformando-a em uma administradora de imóveis, tudo para assumir a função de ministro, ganhando SOMENTE R$ 10.748 aproximadamente por mês. Por amor ao Brasil, este cidadão terá que trabalhar durante 1 ano para ter a renda de um mês de sua empresa desativada. E ainda por cima, aturar críticas descabidas.
Excelente também está o Governo Federal, que conseguiu convencê-lo a tal desprendimento, em busca de um Brasil melhor.
Quero parabenizar a todos os que votaram no PT, que tiveram a visão de realmente compor um governo comprometido com a nação, transformando nossso país no “Brasil que dá certo”. Eu nunca mais quero ver “aquele país que dava errado”, e vou também em busca dos meus milhões, eu também quero multiplicar meu patrimônio por 20 nos próximos 4 anos, neste país de tantas oportunidades.
Um abraço!
Marcos Ferreira, da Pison Consultorias

Às escondidas, Chávez leva mais U$ 673 milhões dos brasileiros.

No blog Coturno noturno:
Hoje Chávez levou mais U$ 673 milhões do BNDES para construir um estaleiro dos países da ALBA, Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América, em Sucre, Venezuela. Ora, mas o que o Brasil tem a ver com a ALBA, que é composta por Bolívia, Cuba, Equador, Venezuela, Dominica, Antigua e Barbuda e São Vicente e Granadinas. Quem vai fazer e operar o estaleiro é a PDVSA. A mesma PDVSA que está devendo U$ 5 bilhões na Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, onde não colocou um único centavo, caloteando a Petrobras e o Brasil. Até hoje ninguém sabe se Chávez vai honrar ou não o contrato assinado. No entanto, vejam abaixo a notícia no jornal Últimas Notícias, da Venezuela. Cliquem e ampliem para ler.

Dilma tem um Pelé no banco. O nome? Meirelles.

Foto: MARCOS DE PAULA/AGÊNCIA ESTADO
Antonio Palocci já caiu. Apenas não foi avisado ainda. O que se discute em Brasília é quem a presidente Dilma Rousseff colocará no seu lugar, para que um governo, que começou bem, não navegue em águas ainda mais turbulentas. Acompanhando a crise de muito perto, o Brasil 247 tem uma sugestão a fazer à presidente para a vaga aberta na Casa Civil: Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central. Mas antes de justificar a proposta, vamos antes apontar os prós e contras de todos os nomes que já foram citados na bolsa de apostas:
1) Fernando Pimentel – O ministro do Desenvolvimento, mineiro como Dilma, é o melhor amigo da presidente na Esplanada dos Ministérios (talvez seja o único). Mas não tem trânsito no PT paulista e também é consultor. Sua consultoria, a P-21 (que remete ao nome de plataformas da Petrobras), não foi fechada, ao contrário da de Palocci.
2) Gilberto Carvalho – É um homem afável, respeitado por todo o PT, mas sem a experiência de articulação política. Outro problema é sua ligação umbilical com o ex-presidente Lula. Seria um sinal ruim para a presidente Dilma: o de que ela é tutelada pelo antecessor.
3) Paulo Bernardo – De todos os quadros do PT, é, disparado, o mais preparado para o desafio. Mas ele vem fazendo um bom trabalho no Ministério das Comunicações, onde tem duas missões importantes: a expansão da banda larga e a disseminação dos tablets no Brasil, o que já começou a acontecer com a redução dos impostos. Seu nome perdeu força, quando vazou a informação de que sua esposa, a senadora Gleisi Hoffmann, teria sugerido a queda de Palocci num encontro com o ex-presidente Lula.
4) Miriam Belchior – A ministra do Planejamento seria a “Dilma da Dilma”. Mas ele não tem traquejo político e dificilmente saberia lidar com as demandas de aliados e do próprio PT. Seria, porém, uma escolha salomônica: agradaria ao grupo de Lula e Gilberto Carvalho e ao dos que esperam a “emancipação” de Dilma.
5) Maria das Graças Foster – Eis aí o plano B da estratégia “Dilma da Dilma”. Mas Foster é uma mulher de temperamento difícil, que não tem muitos amigos nem na Petrobras, onde é diretora. Seria um risco exagerado trazer uma noviça para o jogo bruto de Brasília.
Mas, por que, então, Henrique Meirelles? Porque ele reúne todos os atributos necessários para o cargo e vem sendo desperdiçado na Autoridade Pública Olímpica, que ainda não saiu do papel.
Meirelles é um nome técnico, como defende Dilma? Sim, e poderia ser o “gerentão” do governo, cuidando de projetos estratégicos, como as obras da Copa de 2014 e a reforma dos aeroportos.
Meirelles tem o respeito dos empresários? Tão ou mais do que Antonio Palocci.
Meirelles é imune a escândalos? Sobreviveu a oito anos de fogo amigo no governo Lula e, ao contrário de Palocci, construiu seu patrimônio na iniciativa privada mesmo – e não na zona cinzenta entre o público e o privado.
Meirelles tem traquejo político? Sim. É filiado ao PMDB e tem muito bom trânsito no PT e até em partidos da oposição. Aliás, ele sempre fez política, desde os tempos em que esteve no BankBoston. E teria sido o vice dos sonhos nas eleições de 2010. Era esse o plano de Dilma e Lula, que só não ocorreu porque Meirelles foi atropelado por Michel Temer e a turma do jogo pesado do PMDB.
Dilma Rousseff é mineira. Como todo mineiro, deve saber que a vingança é um prato que se come frio. Hoje, ela está sendo explicitamente chantageada pelo PMDB, que, se pudesse, manteria Palocci na Casa Civil apenas para arrancar mais cargos e benesses do governo federal.
Se Dilma, além de mineira, for também maquiavélica, ela poderá dar um golpe de mestre. Basta convidar Michel Temer para uma reunião e anunciar que a Casa Civil será entregue ao PMDB. Mas a Henrique Meirelles.
Esperamos que este seja o seu plano, digníssima presidente.
E esperamos não tê-lo estragado com a divulgação antecipada.
* Brasil247

Prisão dos bombeiros,no Rio de Janeiro, foi ilegal, diz OAB

As prisões dos 439 bombeiros que participaram da invasão do quartel central da corporação na noite de sexta-feira se tornaram irregulares porque não foram comunicadas no prazo legal à auditoria militar do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). A constatação é da presidente da Comissão de Direitos Humanos Ordem dos Advogados do Brasil do Rio (OAB-RJ), Margarida Pressburger. (AE)

Palocci mentiu.

O ministro Antonio Palocci (Casa Civil) mentiu nos trechos mais importantes nos “esclarecimentos” à Rede Globo, sexta (3), segundo atestou o perito em veracidade Mauro Nadvorny, da Truster Brasil, que analisou entrevista a pedido da coluna. O equipamento israelense detectou ser falsa a afirmação da “regularidade” do faturamento da empresa de consultoria Projeto através de notas fiscais e pagamento de impostos. Mas Palocci negou “tráfico de influência” com convicção.
Pagamento adiantado
Palocci mentiu ao relacionar o encerramento da empresa ao maior faturamento, no final de 2010. E que, fechada, “não arrecada mais”. 
Conta de chegar
Ele não mentiu ao garantir que declarou o faturamento aos “órgãos competentes”, mas os “valores aproximados” são lorota. Pode ser mais. 
Eu e eu mesmo
Palocci mostra firmeza ao negar implicação com órgãos públicos, mas “pessoalmente pode ter feito consultoria”, analisa o perito Nadvorny. 
Eufemismo
Verdade: “nem um centavo referente à política”. Mentira: papel só “político” na campanha e que entregará “o que falta” à Procuradoria. ( Claudio Humberto )

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Para que serve o MEC ?

Como a atual intenção de nossos governantes é manter o  povo imbecilizado, agora o MEC volta aos jornais por causa de contas aritméticas bem simples nos livros distribuídos aos alunos, com resultados errados, como foi o caso de um 10 - 7 = 4, dentre outros.  Um erro duplamente caro, pois além de atrapalhar o ensinamento aos alunos, custou aos nossos cofres a quantia relativa a 200 mil exemplares de uma coleção de 35 volumes.  Foram R$ 14 milhões usados no desensinamento.
Para fingir que servem para alguma coisa, pegaram André Lazaro  (era chefe da Secad e hoje respondia pela secretaria executiva dos Direitos Humanos) como   'bucha-de-canhão'  e o tiraram do cargo.  Mas o MEC, muito 'zeloso', encomendou à Controladoria-Geral da República uma sindicância para identificar (?)  os responsáveis por esse último descuido .
Sempre que alguma trapaça ou um erro indecoroso vem à tona,  essa gente acena com a promessa de  abrir uma sindicâcia para apurar os responsáveis.  O que nunca foi apurado em nenhum dos casos, como também não será agora.
É nisso que dá fazer parte de um povo mentalmente amorfo.  Não seria necessário apurar coisa alguma.   Da mesma forma que foram todos os outros órgãos do governo, o próprio MEC é o responsável. 

“Sou laranja”, diz 'dono' do apartamento de Palocci. É seu atestado de óbito

Antônio Palocci morreu politicamente. Ele não é mais ministro da Casa Civil e não terá mais espaço na vida pública. Nunca mais, como diria o "Corvo", de Edgar Allan Poe. Seu atestado de óbito é a reportagem desta semana da revista Veja em que o representante comercial Dayvini Costa Nunes, dono do imóvel de luxo onde ele mora em São Paulo (outro, não aquele de R$ 6,6 milhões), diz ser "laranja". A demissão é questão de horas (talvez minutos).
Em seis páginas, repletas de documentos, a reportagem de Veja entrevista Dayvini Nunes, que seria o dono da Lion e, por sua vez, dono do apartamento de luxo em que Palocci vive com a família, no bairro de Moema.
- O senhor é empresário?, pergunta a revista, cuja reportagem é assinada por Leonardo Coutinho.
“Olha ao meu redor (bairro pobre do ABC). Sou pobre. Trabalho como representante comercial e ganho 700 reais por mês.”
- Já ouviu falar na emprea Lion?
“Não. O que é isso?”
- Oficialmente, o senhor é dono da empresa.
“Nunca assinei nada. Nunca me perdiram autorização e jamais emprestei documentos.”
- Como o senhor recebe a notícia de que há uma empresa registrada em seu nome?
“Estou assustado (...)”
- O senhor sabe que é dono de um apartamento de 640 metros quadrados em Moema?
“Como assim? Nunca tive bem algum. Mas você está falando que eu tenho um apartamento ‘da hora’ em Moema?
- Sim (...). Em 2008, o senhor recebeu uma hipoteca desse apartamento, em garantia de um crédito de 233.450 reais.
“Quanto?”
- Precisamente 233.450 reais.
“Nunca tive esse dinheiro”.
- O ministro Palocci mora nesse apartamento. O senhor sabe de quem se trata?
“É o ministro que está sendo investigado(...)? Então (o apartamento) deve ser coisa boa.”
- O senhor conhece o ministro Palocci, já falou ou teve contato com ele(...)?
“Nunca”.
Mas houve uma segunda entrevista de Veja com Dayvini.
- Um homem ligou dizendo ser seu tio. O que ele quer?
“Desde que você falou comigo, não consigo dormir, por causa dessas coisas que envolvem pessoas com quem não tenho como brigar, como o Palocci, entendeu? Eu não tenho como bater de frente com essas pessoas. Sou laranja.
- O seu tio disse que o senhor sabia que era laranja.
“Ontem, quando você chegou na minha casa, estava um pouco nervoso”.
- O senhor mentiu ontem ou está mentindo agora?
“Eu menti ontem”.
Conclusão: O ministro Palocci caiu – e, de novo, porque esteve envolvido com gente humilde!
*Li no Brasil247

Feitiço contra o feiticeiro: Hugo Chávez começa a ser rejeitado pelo povo que o elegeu

Uma pesquisa divulgada na última semana pelo jornal El Universal demonstrou que 51% dos eleitores da Venezuela querem um novo líder para seu país. O levantamento, realizado pela empresa Hinterlaces, é um sintoma de que o prolongado governo do presidente Hugo Chávez pode estar perto do fim. A falta de comida, a inflação, a violência e os problemas com a energia elétrica são apenas alguns dos motivos que têm levado os venezuelanos a desacreditarem o coronel, antes tão exaltado popularmente, e apostarem na oposição como fonte de esperança para o fim da era chavista, que já dura doze anos. É nesse clima de desprestígio que o presidente visita o Brasil para fechar acordos com Dilma Rousseff nesta segunda-feira.
As medidas autoritárias do caudilho passaram a afetar diretamente o bolso e o conforto dos venezuelanos. "Produtividade e rentabilidade são conceitos do malvado capitalismo e do neoliberalismo", avisava o coronel em 2004. A má-utilização dos recursos vindos da exportação de petróleo – mais com a compra de armas que com investimento na produção interna – e a própria queda na produção do bem mais abundante do país provocou um grande impacto nas contas públicas.
A oferta de alimentos ficou escassa e os preços subiram drasticamente. A população teve que adaptar a dieta ao que conseguisse encontrar. O governo criou mercados populares com a venda direta de produtos aos consumidores, mas não adiantou. “A equação de Chávez não fecha, ele está destruindo a economia e o povo está passando muita dificuldade“, comenta Norman Gall, diretor executivo do Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial, estudioso da América Latina que viveu seis anos na Venezuela.
Gall relata que a imagem guardada em sua mente da última visita feita ao país comandado pelo coronel é de destruição. “Lá hoje tem um dos mais altos índices de homicídio do mundo, o lixo está espalhado pelas ruas, não existem mais lugares onde as pessoas se reuniam para conversar e tomar café e parece que o Chávez não se importa com isso”, conta.
Outro ponto sensível da realidade venezuelana tem sido os frequentes apagões e a pressão do governo para o racionamento de energia elétrica. "Se você se levanta às três da madrugada para ir ao banheiro, compadre, por que gastar esse pouco de luz? Deixe a lanterna ali, na mesa de cabeceira", incentivou Hugo Chávez em 2009. No mesmo ano, a Venezuela entrou em recessão. Desde então a taxa de inflação do país não sai da média de 30%.

Ainda há gente consciente no país.

Clique na imagem para ampliar

A opção do Palocci.

"Por que Palocci trocou o milionário escritório de consultoria pelo contracheque mixuruca de ministro?
Ninguém perguntou. Mas, decerto, foi por altruísmo, pelo desejo irrefreável de servir à causa pública."
*Josias de Souza

domingo, 5 de junho de 2011

Palocci agoniza.

Reunião em Brasília entre Dilma e Lula foi cancelada porque vazou; eles se falaram pelo telefone e acertaram a demissão; discutem apenas a forma; Palocci está em São Paulo e chega nesta segunda à capital para dar adeus ao poder.

O sebento visita a múmia.

O Ex presidente Defuntus Sebentus esteve em CÚba para se certificar que a Múmia Caribenha Fidel I, O Imorrível está vivo e aproveitou para lamber o saco mofado do velho ditador, como sempre faz todas as vezes que encontra a velha múmia.
O ato é conhecido em CÚba como, "La ceremonia se lame las bolas.
O "primeiro ministro" da presidente Dentuça esteve fazendo turismo em CÚba acompanhado pelo cassado José Dirceu e  pelo ex sinistro Frankenstein Martins.
Foram até Havana para babar os ovos e prestar os rapapés e os salamaleques comuns a todo rato vermelho diante do "grande líder"..huá huá huá... Fidel I, O Imorrível.
Eu só não entendo o porque desses ratos vermelhos não se mudarem de uma vez para a moderna, democrática e progressista CÚba.
Sonham em se tornarem cúbanos, querem o mesmo regime político, mas não querem morar lá? Não dá para entender.
Vejo que o Sebento tem duas grandes invejas na vida. Uma é a inteligência e a classe do FHC, e a outra é nunca ter participado de nada que se relacione a uma revolução. O Sebento é o patetão revolucionário mais frustrado que existe neste planeta.
Ele é o típico caso do molequinho ruim de futebol que só joga no time porque e o dono da bola.
Partiram de CÚba em direção a Merdezuela outro país extremamente democrático da Amérdica Latrina, onde nenhum dos ilustres ratos vermelhos gostaria de morar.
É muito fácil ser comunistóide ou Bostivariano morando em Banânia, eu queria ver é esses boçais vivendo nos países que tanto admiram.

Façam suas apostas.

Chegou à Procuradoria Geral da República o ofício remetido por Antonio Palocci com as explicaçõse solicitadas pelo procurador Roberto Gurgel a respeito do astrofísico enriquecimento do ministro, ocorrido na velocidade da luz. Após análise, Gurgel, pedirá ou não abertura de inquérito contra  Palocci.  Existe um detalhe importante que a sociedade precisa saber. O mandato do chefe do Ministério Público expira em Julho próximo e a indicação do novo titular é prerrogativa da Presidente. O atual poderá ser mantido  no cargo. Porém sabendo que o Palácio do Planalto é um balcão de negócios, pergunto: o procurador Antonio Gurgel está disposto a não ser reconduzido o cargo?
* Humberto de Luna Freire Filho, por e-mail, via resistência democrática

Uma coincidência de 1 bilhão de reais.

Por Augusto Nunes:
A bordo de um jatinho fretado pela Odebrecht, Lula baixou em Cuba nesta terça-feira para vistoriar as obras do porto de Mariel, construído pela Odebrecht ao preço de 200 milhões de dólares bancados pelo BNDES. Depois de uma escala de dois dias, com todas as despesas custeadas pela Odebrecht, o ex-presidente decolou rumo à Venezuela para fazer uma palestra paga pela Odebrecht. Além dos companheiros José Dirceu e Franklin Martins, foi recepcionado em Caracas por Emilio Odebrecht, presidente do Conselho Administrativo da construtora, e o diretor-presidente Marcelo Odebrecht.
A plateia foi formada por empresários, investidores financeiros e diplomatas convidados pela Odebrecht. A imprensa não pôde testemunhar o evento.
Com mais de um ano de atraso, o presidentte Hugo Chávez ordenou, na véspera da chegada de Lula, o pagamento dos R$ 996 milhões que o governo venezuelano deve à Odebrecht, premiada com a construção do metrô de Caracas e da terceira ponte sobre o Rio Orinoco.
Quase 1 bilhão de reais, parcialmente financiados pelo BNDES. Os diretores da Odebrecht garantem que foi só uma agradabilíssima coincidência. Em todo caso, no encontro com o companheiro Chávez, Lula agradeceu a gentileza. Em seu nome e em nome da Odebrecht.

O poderoso coronel Oliva.

Irmão do ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, em três anos como consultor, o militar da reserva participou da intermediação dos dois maiores contratos das Forças Armadas nas últimas décadas.
Em quase qualquer lugar do mundo a indústria de defesa tem apenas dois tipos de clientes: o Estado ou grupos que querem tomar o controle do Estado. Em qualquer lugar do mundo, também, leva a melhor nesse mercado quem decifra os caminhos do poder, conhece quem tem o controle da chave do cofre e é capaz de influir na elaboração das políticas de regulação do setor. No Brasil, poucas pessoas reúnem esses requisitos como o coronel da reserva Oswaldo Oliva Neto. Desde que deixou o governo o coronel passou a atuar na iniciativa privada, como consultor na área militar, que hoje é alvo de uma plêiade de grupos internacionais – interessados, claro, em abocanhar uma fatia dos bilionários contratos de reaparelhamento das Forças Armadas e de fortalecimento da segurança pública. Em pouco menos de três anos, Oliva Neto foi o responsável pela intermediação dos dois maiores contratos no setor de defesa realizados no Brasil nas últimas décadas – a compra dos helicópteros franceses EC-725 e dos submarinos, também franceses, Scorpéne. Os dois negócios movimentaram mais de R$ 20 bilhões.
Agora Oliva Neto girou suas baterias para a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016. Seu lance mais recente foi unir a consultoria de sua família, a Penta Prospectiva Estratégica, ao grupo Odebrecht, dono da maior empreiteira do País, a Construtora Norberto Odebrecht. Juntas, as duas empresas criaram a Copa Gestão em Defesa. O primeiro objetivo da nova companhia é entrar na briga pelo fornecimento dos sistemas de inteligência e comunicação militar para a Copa de 2014, um pacote que deve superar facilmente os R$ 2 bilhões. “A ideia é desenvolver um sistema nacional, pois os de fora não atendem às nossas necessidades”, disse o ex-coronel à ISTOÉ.
Oliva Neto, para quem não sabe, é irmão do ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante. Seu pai, o general Oswaldo Muniz Oliva, desfruta da amizade de Lula e atuou como uma espécie de fiador do ex-presidente junto à caserna no início do governo petista, em 2003. E foi justamente a chegada do PT ao poder que garantiu a ascensão de Oliva Neto fora dos quartéis. Dentro deles, a verdade é que ele não chegou a se destacar muito. Foi um aluno regular na Academia Militar das Agulhas Negras, viveu praticamente toda a sua vida em São Paulo e só ocupou um posto de comando, atingindo a patente de coronel.
Oliva começou a crescer em 2004, depois de uma rápida passagem pelo gabinete do comandante do Exército. Foi nomeado secretário executivo do antigo Núcleo de Assuntos Estratégicos (depois transformado em secretaria) e elaborou o projeto “Brasil 3 Tempos”, um plano de metas estratégicas até 2022. Com a queda, por conta do mensalão, do ministro-chefe do Núcleo, Luiz Gushiken, em 2007, Oliva Neto assumiu a pasta interinamente, mas deixou o cargo meses depois e se afastou do governo definitivamente em 2008.
Doutor em planejamento militar pela Escola Superior de Guerra e dono de um MBA executivo na Fundação Getulio Vargas, Oliva Neto refugiou-se na pequena consultoria fundada pelo pai, a Penta, logo após deixar o governo. Até então, a consultoria vinha conseguindo um sucesso modesto na busca de mercado externo para pequenos e médios produtores nacionais. Com a chegada de Oliva Neto, a empresa começou a decolar.
Com Oliva Neto, a Penta foi uma das responsáveis por garantir o contrato de construção do estaleiro em que serão montados os submarinos Scorpéne comprados da França (quatro convencionais e um nuclear), além de uma nova base naval no Porto de Sepetiba. A Odebrecht foi escolhida pela Marinha e terá 59% do estaleiro por meio de uma sociedade de propósito específico, a Itaguaí Construções Navais. “A escolha da Odebrecht ocorreu sem transparência, na brecha da lei de licitações para questões de segurança nacional. Mas tenho dúvidas se o estaleiro se enquadra nisso”, afirma o procurador junto ao TCU, Marinus Marsico. Ao todo foram firmados com a França cinco contratos, um deles para a transferência de tecnologia e outro para fornecimento de mísseis. O investimento será superior a R$ 17 bilhões. Sempre discreto, Oliva Neto também trabalhou ativamente no contrato de R$ 5 bilhões para a compra dos helicópteros EC-725 para Marinha, Exército e Aeronáutica.
O último negócio do coronel foi a parceria com a Odebrecht na Copa Gestão em Defesa, cujo capital inicial é de R$ 1 milhão. O negócio mudou o perfil familiar da antiga consultoria. “Agora estamos trabalhando com gente grande, como Microsoft, IBM e Icon”, comemora Oliva Neto, que também ocupa o cargo de diretor de integração de projetos, na Odebrecht Defesa e Tecnologia. O próximo movimento do consultor é conseguir a aprovação da nova Política Nacional de Indústria de Defesa, que define os parâmetros para o desenvolvimento do parque industrial militar e apresenta o conceito de “empresa estratégica de defesa”. Dentre outras exigências, deve ter sede e administração no País, ser aprovada pelo Ministério da Defesa, além de assegurar a participação de representantes da administração pública em seus órgãos consultivos. O texto teve contribuição de Oliva Neto. Mas não agradou a todos. “O Brasil precisa de uma agência reguladora. O Ministério da Defesa não pode fazer esse papel”, diz o consultor em segurança nacional Salvador Raza. Ao que parece, o futuro dessa iniciativa será a prova de fogo do poder do coronel Oliva Neto.

(Claudio Dantas Sequeira, na IstoÉ )