sábado, 28 de junho de 2014

Lula diz besteira e goleiro da seleção se revolta.

video

Barbaridade, tchê!


São Julio Cesar, enfim, apareceu!

Foto Portal G1
Por muito pouco o Brasil não perdeu o jogo contra a excelente equipe do Chile. Os chilenos foram melhores a todo tempo mas não traduziram em gols sua atuação, tendo, inclusive, com o jogo empatado, chutado uma bola na trave de Julio Cesar, razão pela qual o jogo terminou no empate de 1 x 1 no tempo normal e prorrogação.
Na disputa de penalidades máximas, o goleiro brasileiro, responsabilizado pela desclassificação da Seleção , na última Copa, pelos gols da Holanda em duas falhas de saída da meta, se redimiu e salvou a seleção brasileira do vexame de ficar fora da Copa, em casa, e já nas oitavas de final.
A seleção de Felipe Scolari continua sem conjunto, sem meio de campo atuante e na dependência de Neymar, jogador muito bem marcado pelo time chileno.

Porque hoje é Sábado, uma bela mulher.

A bela atriz Mariana Ximenes 

O PT fora do eixo.


O PT não é um partido muito tolerante já a partir de seus próprios pressupostos originais e de seu nome: quem se pretende um partido “dos” trabalhadores, não “de” trabalhadores, já ambiciona de saída a condição de monopolista de um setor da sociedade. Mais ainda: reivindica o poder de determinar quem pertence, ou não, a essa categoria em particular. Assim, um operário que não vota no PT, por exemplo, não estará, pois, entre “os” trabalhadores; do mesmo modo, o partido tem conferido a “carteirinha” de operário padrão a pessoas que jamais ganharam o sustento com o fruto do próprio trabalho.
A fórmula petista é conhecida: a máquina partidária suja ou lava reputações a depender de suas necessidades objetivas. Os chamados bandidos de ontem podem ser convertidos à condição de heróis e um herói do passado pode passar a ser tratado como bandido. A única condição para ganhar a bênção é estabelecer com o ente partidário uma relação de subordinação. A partir daí não há limites. Foi assim que o PT promoveu o casamento perverso do patrimonialismo “aggiornado”, traduzido pela elite sindical, com o patrimonialismo tradicional, de velha extração.
Afirmei no final de 2003 o que nem todos compreenderam bem, que o petismo era o “bolchevismo sem utopia”. Aproxima-se do bolchevismo nos métodos, no propósito de tentar se estabelecer, se possível, como partido único; nas instâncias decisórias aproxima-se do chamado “centralismo democrático”, que nada mais é do que a ditadura da direção central do partido. É bolchevista também na certeza de que determinadas ações até podem ser ruins para o Brasil, mas serão implementadas se parecerem boas para o partido. Como se considera que é ele que conduz a História do Brasil, não contrário, tem-se por certo que o que é bom para o partido será, no longo prazo, bom para o País e para o povo. Nesse sentido particular os petistas ainda são bastante leninistas.
Quando afirmei que lhes faltava a dimensão utópica, não estava emprestando um valor necessariamente positivo a essa utopia. Na minha ação política miro a terra que há, não a Terra do Nunca. E nela procuro sempre ampliar aquilo que é percebido como os limites do possível. De todo modo, é inegável que o bolchevismo tinha um devir, uma prefiguração, um sonho de um outro amanhã, ainda que isso tenha desembocado na tragédia e no horror stalinista. Mas isso não muda a crença genuína de muitos que se entregaram àquela luta. Isso o PT não tem. E chega a ser piada afirmar que o partido, de alguma maneira e em alguma dimensão, no que concerne à economia é socialista ou mesmo de esquerda. Muitas correntes de esquerda são autoritárias, mas convém não confundir o autoritarismo petista com socialismo. O socialismo tem sido só a fachada que o PT utiliza para lavar o seu autoritarismo – associado, infelizmente, a uma grande inépcia para governar, de que tenho tratado sempre nesta página.
Quero chamar a atenção é para o recrudescimento da face intolerante do partido. Como também já abordei aqui, vivemos o fim de um ciclo, que faz cruzar, episodicamente, a História do Brasil e a do PT. As circunstâncias que permitiram ao petismo sustentar o modelo que aí está – que nunca foi “de desenvolvimento”, mas de administração oportunista de fatores que não eram de sua escolha – se esgotaram. Na, infelizmente, longa agonia desse fim de ciclo temos a economia semiestagnada, os baixos investimentos e a desindustrialização, os déficits do balanço de pagamentos em alta e a inflação reprimida. E, nota-se, o partido nada tem a oferecer a não ser a pregação terrorista de que qualquer mudança implicará desgraça nacional.

Não tendo mais auroras a oferecer, não sabendo por que governa nem por que pretende governar o País por mais quatro anos, e percebendo que amplos setores da sociedade desconfiam dessa eterna e falsa luta do “nós” contra “eles”, o petismo começa a adentrar terrenos perigosos. Se a prática não chega a ameaçar a democracia – tomara que não! –, é certo que gera turbulências na trajetória do País. No apagar das luzes deste mandato, a presidente Dilma Rousseff decide regulamentar, por decreto – quando poderia fazê-lo por projeto de lei –, os “conselhos populares”. Não por acaso, bane o Congresso do debate, verticalizando essa participação, num claro mecanismo de substituição da democracia representativa pela democracia direta. Na Constituição elas são complementares, não excludentes. Por incrível que pareça – mas sempre afinado com o bolchevismo sem utopia –, o modelo previsto no Decreto 8.243 procura substituir a democracia dos milhões pela democracia dos poucos milhares – quase sempre atrelados ao partido. É como se o PT pretendesse tomar o lugar da sociedade.
Ainda mais detestável: o partido não se inibe de criar uma lista negra de jornalistas – na primeira fornada estão Arnaldo Jabor, Augusto Nunes, Reinaldo Azevedo, Diogo Mainardi, Guilherme Fiuza, Danilo Gentili, Marcelo Madureira, Demétrio Magnoli e Lobão –, satanizando-os e, evidentemente, expondo-os a riscos. É desnecessário dizer que tenho diferenças, às vezes severas, com vários deles. Isso é parte do jogo. É evidente que o regime democrático não comporta listas negras, sejam feitas pelo Estado, por partidos ou por entidades. Mormente porque, por mais que se possa discordar do ponto de vista de cada um, em que momento eles ameaçaram a democracia? Igualmente falsa – porque há evidência dos fatos – é que sejam tucanos ou “de oposição”. Não são. Mas, e se fossem? Num país livre não se faz esse tipo de questionamento.
Acuado pelos fatos, com receio de perder a eleição, sem oferecer uma resposta para os graves desafios postos no presente e inexoravelmente contratados para o futuro, o PT resolveu acionar a tecla da intolerância para tentar resolver tudo no grito. Cumpre aos defensores da democracia contrariar essa prática e essa perspectiva. Não foi assim que construímos um regime de liberdades públicas no Brasil. O PT está perdendo o eixo e tende a voltar à sua própria natureza.

*Por Assessoria ( Jose Serra), no Estadão

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Esta esquerda realmente não tem CURA e nem VERGONHA na cara.


O fracasso venezuelano é culpa do capitalismo, afirma economista do BNDES.A capacidade de inverter a realidade é a marca registrada da nossa esquerda, que jamais assume a responsabilidade pelos constantes fracassos de suas medidas. A Venezuela chavista, nunca é demais lembrar, recebeu o elogio de inúmeros membros dessa esquerda. Agora, diante do retumbante fracasso de seu modelo, eis que a mesma turma culpa o capitalismo!
*Rodrigo Constantino

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Black Bloc preso é transferido para CDP de Tremembé (SP).

Servidor Fábio Harano havia sido detido em protesto contra a Copa na Avenida Paulista. Também preso, o professor Rafael Marques permanece no 8º DP.
O servidor da USP Fábio Hideki Harano é detido após manifestação contra a Copa na Avenida Paulista
O servidor da USP Fábio Hideki Harano é detido após manifestação contra a Copa na Avenida Paulista.  
O manifestante Fábio Hideki Harano, de 26 anos, foi transferido nesta quarta-feira para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Tremembé II, complexo penitenciário no interior de São Paulo. Policiais do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) prenderam Harano nesta segunda-feira, no fim do 11º protesto contra a realização da Copa do Mundo na Avenida Paulista.
Harano foi preso em flagrante pelo crime de associação criminosa e estava detido no CDP III de Pinheiros, na capital paulista. Segundo o secretário da Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella Vieira, Harano é adepto do Black Bloc, portava explosivos e incitou atos de vandalismo.
Rafael Marques Lusvarghi, detido na segunda em ato anti-Copa na avenida Paulista, região central de São Paulo.
Harano trabalha como funcionário público na Universidade de São Paulo e se diz manifestante pacífico. No momento de sua detenção, vestia um capacete de moto branco e carregava uma mochila preta. Ele foi abordado dentro da Estação Consolação do Metrô.
A Secretaria da Segurança Pública (SSP) informou que o professor de inglês Rafael Marques Lusvarghi, de 29 anos, também detido por associação criminosa e incitação à violência, permanece na carceragem do 8º Distrito Policial, no Brás, Centro de São Paulo. Ao ser preso ao lado de uma banca de jornal, Marques lutou com um investigador do Deic, momento em que um policial civil fez disparos com arma de fogo para o alto. No dia 12 de junho, Marques havia sido detido pela Polícia Militar em protesto na abertura da Copa do Mundo.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Maduro sufoca venezuelanos, mas o governo comunista-petista brasileiro silencia e aplaude.

Maduro sufoca venezuelanos, mas Brasil silencia e PT aplaude
Enquanto os venezuelanos são detidos sem acusações, torturados nas prisões e assassinados por franco-atiradores e milicianos chavistas, o Brasil silencia e o PT aplaude
Ainda que Maduro tenha dito as mais absurdas acusações contra os manifestantes, nenhum deles apareceu em momento algum com uma pistola. Desarmados e sem a proteção de uma imprensa ou de uma Justiça independente, os venezuelanos continuam indo às ruas. Entregam-se a um massacre inevitável. 
Até quando?
* Ana Lima, via Facebook

José Sarney anuncia que desistiu da reeleição e deixará vida pública; boa parte do Brasil está em festa.

Caminhão de mudança


Por  


Como noticiou o ucho.info na edição da última sexta-feira (20), a presidente Dilma Rousseff tentaria, nesta segunda, de algum modo salvar o futuro político do caudilho maranhense José Sarney (PMDB), que é senador pelo estado do Amapá. 
Dilma esteve em Macapá nesta segunda-feira para participar da cerimônia de entrega de um conjunto habitacional, mas aproveitou a viagem para tentar desfazer um nó político que se formou no estado. 
O PT do Amapá se antecipou e selou acordo com o PSB, do presidenciável Eduardo Campos, de olho nas eleições de outubro próximo. Os petistas locais decidiram apoiar a reeleição do governador do estado, Camilo Capiberibe. 
O problema maior não está no apoio ao candidato do PSB, mas na indicação da petista Dora Nascimento, atual vice-governadora, para concorrer a uma vaga no Senado Federal. Com isso, Sarney ficou sem espaço para buscar a reeleição. 
Como a incursão da presidente da República não surtiu resultado algum, o senador José Sarney informou no começo da noite que não concorrerá ao Senado Federal e que deixará a vida pública. 
O que já faz com enorme atraso, pois sua participação no cenário político nacional foi marcada por episódios absurdos, muitos deles ainda sem as devidas explicações. 
Ao comunicar sua decisão à presidente Dilma, o tirano do mais miserável estado brasileiro disse que a saúde frágil de sua mulher, Marly, lhe fez desistir da reeleição. 
Na verdade, o que José Sarney quer evitar é ser alvo de uma fragorosa derrota nas urnas, o que é considerado muito provável, porque é grande a resistência a seu nome entre os eleitores amapaenses. 
Para escapar desse enorme vexame, Sarney preferiu arrumar uma desculpa esfarrapada, colocando o peso de sua decisão sobre a ex-primeira-dama Marly Macieira Sarney. 
Em nota divulgada por assessores, no Amapá, o peemedebista afirma que “chegou a hora de parar um pouco com o ritmo de vida pública” que consumiu 60 anos de sua vida e lhe “afastou da convivência familiar”. Outra mentira colossal nesse dramalhão decadente que Sarney tenta esculpir para continuar em evidência como personalidade política. 
Há muito experimentando a resistência dos eleitores em relação ao clã político que comanda no Maranhão, Sarney agora depende do senador Edison Lobão Filho, o Edinho, para manter sua influência no estado que é reduto nacional da pobreza. 
Isso porque sua filha, Roseana Sarney, decidiu cumprir até o fim o mandato de governadora como forma de garantir a eleição do sucessor. Acontece que Edinho Lobão, que está senador por ser suplente do pai, o ministro Edison Lobão (Minas e Energia) entende tanto de administração pública quanto o editor do ucho.info sabe sobre vida extraterrestre. 
Esse cenário nada favorável indica que José Sarney perderá o poder de forma substancial, pois a corrida ao Palácio dos Leões, sede do Executivo maranhense, deve ser vencida por Flávio Dino, candidato do PCdoB e que conseguiu aglutinar em sua campanha todos os que fazem oposição ao caudilho. 
Entre os mais recentes desvarios que cometeu na política nacional, Sarney carregará em sua bagagem a decisão obtusa e irresponsável de blindar o então presidente Luiz Inácio da Silva, o agora lobista Lula, na CPMI dos Correios, que investigou o Mensalão do PT. 
Não fosse a atuação de José Sarney nos bastidores políticos, Lula certamente seria cassado. E motivos para isso não faltavam, começando pela compra de apoio político e a confissão do marqueteiro Duda Mendonça sobre o fato de ter recebido em conta bancária aberta em paraíso fiscal parte dos honorários da campanha de 2002. 
Em suma, o que o Brasil tanto sonhou e esperou em termos políticos durante longos anos está prestes a acontecer: Sarney deixando a vida pública. Mas é preciso ver para crer, porque largar a mamata ninguém quer.

Petrobras pagará R$ 15 bi por direito de explorar pré-sal sem licitação.

A decisão do governo federal de contratar sem licitação a Petrobras para explorar o óleo excedente em quatro áreas da chamada cessão onerosa, no pré-sal, deve levar a estatal a gastar R$ 15 bilhões em bônus e antecipações, de acordo com fato relevante divulgado pela empresa.
A cessão onerosa foi assinada com a Petrobras em 2010, no processo de capitalização da companhia, e garantiu a ela o direito a explorar 5 bilhões de barris nos campos de Búzios (antigo campo de Franco), Entorno de Iara, Florim e Nordeste de Tupi.
A exploração será pelo sistema de partilha, por meio do qual a União recebe parte do óleo lucro, mesmo sistema assinado no contrato de campo de Libra, no RJ.
Pagamento
A companhia informou em fato relevante que deverá antecipar o pagamento de parte das receitas com o excedente em óleo, num total de R$ 13 bilhões. Deste total, R$ 2 bilhões serão desembolsados em 2015, R$ 3 bilhões em 2016, R$ 4 bilhões em 2017 e R$ 4 bilhões em 2018.

Além disso, a Petrobras pagará ainda em 2014, R$ 2 bilhões como bônus de assinatura do acordo.
A decisão foi tomada em reunião do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), com a participação da presidente Dilma Rousseff.
Ações
As ações da Petrobras fecharam em queda após o anúncio do acordo. Os papéis preferenciais da companhia fecharam com perdas de 3,61%, enquanto o Índice Bovespa avançou 0,13%.

O Itaú BBA afirmou que a notícia "confirmou seus piores medos" e que não há forma de a Petrobras antecipar a produção do volume previsto no acordo a menos que adie outros projetos em seu portfólio. "Em outras palavras, a Petrobras vai pagar R$ 15 bilhões ao governo em cinco anos para barris que serão produzidos no longo prazo", afirmou o Itaú BBA em nota a clientes.
"A diretoria da Petrobras, em reuniões com o mercado, disse que não esperava nenhum impacto no caixa da empresa por conta dessa reavaliação de reservas. Parece que não será assim", afirmou a Elite Corretora, em nota.
* Via Reuters

terça-feira, 24 de junho de 2014

Aécio: "O governo de Dilma é tão ruim que até o PT quer mudá-lo”.

AÉCIO GANHA APOIO DO SOLIDARIEDADE E DIZ QUE GOVERNO DE DILMA É TÃO RUIM QUE ATÉ O PT QUER MUDÁ-LO.
O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, disse, ontem, que o governo da presidente Dilma Rousseff é “tão ruim que até o PT quer mudá-lo”.
O tucano aproveitou a coincidência de receber o apoio do Solidariedade (SDD) em São Paulo no mesmo horário em que os petistas realizavam convenção nacional, em Brasília, para criticar a sua principal adversária na corrida eleitoral.

Em sua mais difícil disputa presidencial desde 2002, o PT adotará o slogan “Mais Mudanças, Mais Futuro”, e Dilma deve reforçar o discurso de que só quem fez no passado tem credibilidade para fazer mais de agora em diante.
“Sabe qual é a palavra que mais se fala hoje na convenção do PT? É mudança! A constatação que eu faço é que esse governo é tão ruim que até o PT quer mudá-lo”, afirmou Aécio Neves, aplaudido pelo novos aliados.
*Fonte: O Tempo

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Vamos lá Brasil!







Oi, eu sou o PT e quero dar um golpe; sabe o que eu faço?

1-Fundo o Foro de São Paulo com Fidel Castro (1990) e, junto com meus camaradas das FARC da Colômbia e Hugo Chávez da Venezuela, tramo os passos do socialismo do século XXI.
2-Elejo um símbolo populista como Lula e chego à presidência.

3- Aperfeiçôo um programa que já existia e dou-lhe o nome de Bolsa Família, para garantir votos vitalícios e a miséria que os sustentam.
4- Uma vez eleito afago o empresariado com o BNDES enquanto causo a ira das inofensivas esquerdas mais radicais, mas tentando jogar pelos dois lados como manda um Governo de Transição.
5- Aprovo o Estatuto do Desarmamento, que desarma apenas cidadãos honestos e enfraquece a população civil em geral.
6- Uso o Lula para eleger a Dilma e quando o empresariado já virou um bichinho dócil de estimação afago mais aquelas esquerdas radicais (fingindo para os investidores que eu não sou uma delas).
7- Financio suas arruaças, MST e escória gayzista, abortista, feminista e maconheiros.
8- Assim semeio a discórdia e o caos na população, fazendo-a crer que existe uma gravíssima opressão social nunca antes vista na mesma (através de um coletivismo imposto por uma minoria vitimista, ressentida e sem amor-próprio, onde bandido é vítima da sociedade, todos são oprimidos e ninguém é responsável direto pelos seus atos e por sua consciência), de modo que pareça que as minorias são maioria e o caos seja uma pseudo-justificativa para num breve futuro instaurar uma “Reforma Constituinte”.

9- Compro e aparelho institutos de pesquisas (IPEA, IBGE etc.) para este fim – caos e agitação social -, distorcendo os resultados das pesquisas (brasileiro é “machista-patriarcal-opressor-piramidal”, claro!).
10- Ainda seguindo os preceitos do meu ídolo Antonio Gramsci, vou doutrinando alunos de escolas de nível fundamental, médio e superior, familiarizando-os com o conceito de luta de classes e outras farsas marxistas e encorajando a militância de idiotas úteis.
11- Aparelho não só escolas, universidades (quem estuda Mises e Voegelin é ridicularizado e não ganha bolsa) e institutos de pesquisa, como aparelho o STF e todo o judiciário.
12- Continuo comprando a oposição com os mensalões da vida para me perpetuar no poder até o fim dos tempos, quer dizer, até o Apocalipse do qual sou eu mesmo o catalisador.
13- Crio o programa mais médicos e escolho médicos, adivinha, de Cuba, e se forem agentes cubanos infiltrados de jaleco ninguém se surpreenderá.
14- Aparelho não só escolas, universidades, institutos de pesquisa, STF e judiciário, mas a mídia em geral.

15- Percebo que na verdade a população conservadora, cristã ou simplesmente honesta é muito maior que eu imaginava, de modo que tento calar vozes como a de Rachel Sheherazade, cortando a verba do SBT.
16- Aprovo o Marco Civil como instrumento de censura mais eficiente.
17- Enfraqueço meu exército e todas as Forças Armadas, sucateando o material bélico nacional (mas continuo chamando o exército quando a coisa tá feia nas ruas).
18- Apoio a ideologia de gênero – PL 8035/2010 - como se fosse uma ciência (minha orientação sexual é fruto de coerção social, claro) e empurrando goela abaixo a ditadura gay a revelia da maioria, minando as bases familiares tradicionais e naturais, chamando quem não aceita calado de “homofóbico” e “fascista”.
19- Nesta minha saga contra a Família, aprovo outros absurdos como lei da Palmada - criando uma geração de mimados como na Suécia - e elimino o Dia das Mães (por enquanto só aqui em São Paulo), em claras tentativas de enfraquecer a Família como núcleo formador moral do ser humano, transferindo a formação do homem ao Estado (claro, o PT ensinará muito bem a não roubar, por exemplo).
20-Com o exército fraco e com população desarmada aprovo o projeto 276/02 de livre trânsito de Forças Armadas Estrangeiras no Brasil sem autorização do Congresso.

21- Ameaço de morte todos os que discordam de mim, Romeu Tuma Jr., Joaquim Barbosa etc.
22- Falo mal do agronegócio sendo que é ele que me sustenta e que uma vez gerido pelo MST, afunda, como já aconteceu, mas dou carinho a estes sem-terra que em 90% dos casos não querem é procurar emprego por lá.

23- Elimino a democracia pelo decreto 8.243, dando voz a “movimentos sociais” enquanto enfraqueço as verdadeiras instituições democráticas e o parlamento, composto de cidadãos eleitos pelo povo.

24- Envio dinheiro e realizo obras em Cuba, Venezuela e Nicarágua, unindo o corpo da minha revolução bolivariana.

25- Finalmente fomento um plebiscito popular pela “Reforma Constituinte” sob alegação de que os parlamentares não representam a população – claro que eu, PT, represento.
26- Assim como no desarmamento, o resultado do plebiscito não conta para a implementação do Golpe, que será exercido de qualquer jeito.
27- Assim como na Venezuela onde, elementar meu caro Watson, quem garantiu a lisura das urnas eletrônicas era sócio da empresa que fabricava as urnas na votação que elegeu o camarada Chavez, dou um jeito de sabotar as urnas eletrônicas também.

28- Regulamento a mídia (censuro mais ainda) modificando os artigos 220 e 221 da constituição programada para o segundo mandato dilmista. Viro uma Venezuela.
29- Tudo isso, claro, enquanto ando de Rolex e BMW e sou preso em prisão domiciliar, onde posso assistir meus filmes da galera opressora imperialista de Hollywood, comendo meu Big Mac opressor enquanto completo a coleção de quadros de Stálin, Fidel e Mao Tsé-Tung na parede, na ilusão de que a perfeição e felicidade plena é possível neste mundo e que mais justiça só se faz necessariamente com mais socialismo e controle estatal.
Álvaro Pedreira de Cerqueira , por e-mail, via Grupo Resistência Democrática.

domingo, 22 de junho de 2014

O joga pedra no Skaf já começou.

O PT já avança contra Paulo Skaf, do PMDB, irão avançar pra cima de Skaf e colocar em ação a máquina de desqualificação fazendo picadinho do candidato como fizeram com Celso Russomano. 
A equação continua simples: para que tenha a chance de governar São Paulo, o PT preciso disputar o segundo turno. Para tanto, tem de passar por Skaf. NINGUÉM MAIS AGUENTA O PT.