sábado, 5 de maio de 2012

No Brasil do PT, maconheiros unidos...

Um bando de maconheiros fez nesta tarde no Rio de Janeiro, a apologia do uso de drogas. 
O que querem? Ora, uma coisa bem simples:  Plantar maconha em casa para o consumo.
Seria uma reivindicação justa, principalmente no momento onde a sociedade combate o uso dos derivados do tabaco ( cigarros,charutos,etc) em ambientes públicos e privados com acesso do público?
A "sociedade" ainda reivindica a não inserção de propaganda de bebidas nos meios de comunicação, etc
Eu sei que estou cheio de "eteceteras" hoje." É que eu não consigo entender uma "sociedade" apoiando uma lei que libere o uso da maconha. Uma droga que vicia, abre portas para drogas mais fortes e provoca violência, degradação moral e social nos usuários.

A escolha de Fux...

O senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) disse ao empresário Carlinhos Cachoeira que o governo federal condicionou a nomeação de um ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) à absolvição de réus no processo do mensalão, informa reportagem de Fernando Mello, Breno Costa e Leandro Colon, publicada no Jornal Folha de São Paulo(a íntegra está disponível para assinantes do jornal).

A conversa, que ocorreu em 23 de março de 2011 e foi obtida pela Folha, foi gravada com autorização judicial pela Polícia Federal, na operação que prendeu Cachoeira em fevereiro.

Demóstenes disse a Cachoeira que "um amigo" que havia recusado a vaga no Supremo dissera a ele que as condições do Planalto para aceitá-la eram votar contra a aplicação da Lei da Ficha Limpa na eleição de 2010 e absolver os denunciados pela Procuradoria da acusação de participar do mensalão.

"O Fux [ministro Luiz Fux] votou a favor da Ficha Limpa? Vai valer já a partir de 2012?", perguntou Cachoeira a Demóstenes. O senador então respondeu: "Exatamente. Já estava cantada a pedra. Eu te contei, o amigo meu recusou lá e as condições eram aquelas. Vai votar assim e vai votar pela absolvição da turma do mensalão". Fux votou contra a aplicação da Ficha Limpa nas eleições de 2010.

Porque hoje é Sábado, uma bela mulher.

A bela atriz Debora Nascimento

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Dinheirinho para tia Dilma.



O TRE divulgou quanto e de quem os candidatos do PT receberam de doações de Campanha. E como não poderia deixar de ser, entre as dezenas de Empreiteiras, está a DELTA de Cavendish. Aquela que praticamente monopoliza todas as obras do PAC e as do Rio de Janeiro, seja por obras licitadas e as não.
Foram apenas R$ 1,15 milhão mas que rendeu a Delta Mais de R$ 4 Bilhões em contratos. Contratos Bilionários até com a Petrobrás onde ela não tem capacidade e nem deveria executar por LEI.
Mas como o PT é criativo e domina a arte de enganar o povo, virá com desculpas como essas feitas pelos criminosos:
► Tesoureiro do PT - Delúbio Soares, sobre roubo para compra de apoio político "Mensalão"
" SÃO VERBAS NÃO CONTABILIZADAS "
► Deputado Federal PT - João Paulo Cunha, sobre roubo para compra de apoio político "Mensalão"
" FINANCIAMENTO IRREGULAR DE CAMAPANHA "
► Ex-Presidente do PT - Ricardo Berzoini, sobre roubo para compra do "Dossiê Pelocano"
" É DINHEIRO QUE NÃO SE SABE A ORIGEM "
► Ex-Ministra da pesca - Ideli Salvatti, sobre compras sem licitação de dezenas de lanchas que ficaram encalhadas mas que renderam R$ 150 mil para sua campanha.
" A DOAÇÃO FOI PARA O PT "
► Ex-Presidente do PT e Ex-Presidente da República - Luis Inácio Lula da Silva sobre o "Caixa 2 que os Partidos supostamente usam em campanhas"
" É UMA PRATICA COMUM DOS PARTIDOS "
Vejam que todas as declarações acima, são confissões criminosas. E, por se tratar de desvio de dinheiro público deveria no mínimo dar cadeia pois é um crime inafiançável.
O que temos aí é mais um crime. Vemos a Delta ajudando ao PT e hoje vemos a Delta sendo beneficiada pelo PT. São pequenas doações contabilizadas. Mas como se trata de PT, sabemos que por trás disso existe malas com milhões não contabilizados carregadas por Bispos do Edir Macedo ou Dólares carregados nas cuecas por parentes de José Genoino do PT.
*Texto por Carlos Parrini, por e-mail, via Resistência Democrática

Sebento de bengala.


Na Índia e na China ainda são encontrados alguns especiemes dos pré extintos Tigres de Bengala.

Na Amérdica do Sul pesquisadores descobrem uma nova especie do reino animal.

.......Batizado cientificamente como Defuntus Fraudulentus.

O único exemplar deste raro animal foi visto vagando pelos corredores da sede do BNDEs no Hell de Janeiro.
Cantemos....

Um câncer engana muita gente...

Uma bengala engana muito mais...

Um câncer pode ser uma fraude...

Uma bengala pode ser muito mais...

Os descritérios na nomeação de ministros do STF por Lula

Como esperar que alguma justiça emane de um tribunal em que a escolha dos seus membros é feita apenas pelo Presidente da República, que não tem nenhuma obrigação de ter conhecimentos jurídicos? No caso de Lula ainda foi pior, porque a sua ignorância não se limita à área – ela é abrangente –, sem contar com sua notória predileção por “companheiros” mais – digamos – mansos e que compartilhem com as suas ideias de jerico.
Apesar disso, Lula nomeou sete ministros do STF. Os “critérios” de nomeação de seis – apadrinhamentos, parentescos, amizades, opções raciais e de gênero e comadrios – foram os seguintes:
Quem apresentou Lula, interessado em nomear um jurista negro, a Joaquim Barbosa foi o padreco petralha Frei Betto, cujo nome não merece maiores considerações;
Quem indicou Ricardo Lewandowski foi Marisa Letícia, vizinha da mãe do doutor em São Bernardo – comadrio puro;
Ayres Britto não precisou de protetores: Lula o conhecia desde 1990, quando tentou eleger-se deputado federal pelo PT de Sergipe – era petista de carteirinha;
Carmen Lúcia ganhou a vaga porque o Lula resolveu que o STF precisava de mais uma mulher;
Já José Antônio Dias Toffoli, tem uma história surpreendente. Foi reprovado no 165º e no 166º concursos para juiz de primeiro grau em São Paulo e, nas duas vezes, caiu fora na primeira fase do concurso, naquela de Conhecimentos Gerais e noções básicas de direito. O que fez então o rapaz que queria ser juiz: em vez de ralar em busca da judicatura, estudando mais, preferiu o caminho fácil trilhado por todo petista que se preza e foi ser assessor parlamentar da liderança do PT na Câmara Federal, onde ficou até 2000.
E montou um escritório, o “Toffoli & Telesca Advogados Associados SC”, que foi condenados, em 2009, pelo juiz da 2ª Vara Cível do Amapá, a devolver R$ 420 mil aos cofres públicos do Estado. O escritório de Toffoli foi acusado de “conluio” com o então governador do Amapá, João Capiberibe (PSB), para firmar o contrato ilegal e receber, mensalmente, R$ 35 mil para representar o Estado nos tribunais superiores em Brasília. De acordo com o juiz Mario Cezar Kaskelis, houve afronta à Lei de Licitações e ao princípio da moralidade administrativa.
Coincidentemente, uma semana após Lula tê-lo indicadopara ministro do Supremo, o juiz Mário Euzébio Mazurek, da 2ª Vara Cível e Fazenda Pública de Macapá, suspendeu a condenação imposta pela Justiça do Amapá ao então Advogado-Geral da União, José Antonio Toffoli. A decisão, porém, ainda não significa que Toffoli foi absolvido, pois o processo continua tramitando na Justiça amapaense.
Quem indicou Luiz Fux (já escolhido por Lula antes de encerrar seu mandato), oficialmente nomeado por Dilma Rousseff, foi Sérgio Cabral, outro que dispensa considerações.
Como confiar em um Supremo armado por Lula e pelo PT?
*Por Ricardo Froes, por e-mail, via Resistência Democrática.

Pega a Veja, Zé Dirceu!

Anota aí, Zé Dirceu! Existem duas formas de pegar a Veja: assinando ou comprando na banca da esquina.
Quem é do bem já sabia que a Turma do Mensalão e a sua gang na esgotosfera não conseguiriam provar nada contra a maior revista do Brasil, com mais de 8 milhões de leitores semanais e várias marcas na coronha por derrubar petistas corruptos. A CPI mal começou e tudo o que foi plantado contra a revista começa a desabar. Nenhuma acusação foi provada, muito antes pelo contrário, como vocês podem ler em mais um post no blog do Reinaldo Azevedo. Então, Zé Dirceu, se você quer pegar a Veja, faça uma assinatura ou compre na banca da esquina. De outro jeito, não dá.
*Fonte: Coturno noturno

Os iguais ?

O ex presidente da Associação de Moradores da Rocinha, William de Oliveira, foi preso na manhã de sexta-feira, em dezembro passado, por agentes da Delegacia de Roubos e Furtos de Autos, (DRFA) acusado de associação para o tráfico e venda de armas.
As fotos abaixo comprovam que os iguais se atraem. Vejam com quem ele se confraternizava.

Uma imagem vale mais do que mil palavras.

E no caso em questão:

"Quadrilheiro conhece quadrilheiro".
Os iguais se atraem. Esse é o Brasil do PT, onde para ter votos as ratazanas fazem acordos até com o CaPeTa.
*Pedro Paulo - rocha.pp1@uol.com.br - Via Resistência Democrática

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Código Cabral

"Nunca na minha vida misturei amizade com interesse público". (Sérgio Cabral, governador do Rio de Janeiro)

Gente: menos rigor com Sérgio Cabral, governador do Rio. Somente em 2011 ele teve a feliz ideia de encomendar um código de ética para orientar sua conduta. Não havia código quando ele voou em jatinho de Eike Batista.
Nem quando dançou agachado à porta de um hotel em Paris junto com Fernando Cavendish, dono da empreiteira Delta e seu amigo. A viagem a Paris em 2009 foi uma festa. O ex-governador Garotinho publicou em seu blog fotografias de Cabral e Cavendish; de Cavendish dançando abraçado com os secretários Wilson Carlos (Governo) e Sérgio Côrtes (Saúde); e de Cavendish ao lado dos sorridentes secretários Júlio Lopes (Transporte) e Régis Fichtner (Casa Civil).
A Delta foi beneficiada pelo governo Cabral com obras avaliadas em R$ 1,49 bilhão. Pasmem: o governo desconhece o número exato de contratos celebrados com ela. Parte dos contratos foi dada à Delta sem que ela precisasse disputar licitações. A Delta tem obras em todos os estados — mas em nenhum se deu tão bem como no Rio.
Na semana passada, Cavendish afastou-se da presidência da Delta depois de descoberta a ligação da empresa com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, preso desde o início de março último, acusado de formação de quadrilha e de patrocínio de jogos ilegais. Cachoeira é suspeito de ser sócio oculto da Delta.
Datam do mesmo ano da milionária viagem a Paris com Cabral declarações gravadas de Cavendish onde ele diz o que pensa sobre os políticos durante conversa com diretores da Delta e da empresa Sigma. "Se eu botar 30 milhões na mão de um político, eu sou convidado pra coisa pra caralho. Pode ter certeza disso", diz. E segue: "Estou sendo muito sincero com vocês: seis milhões aqui, eu ia ser convidado (para tocar obras). "Ô, senador fulano de tal, se convidar, eu boto o dinheiro na tua mão"". Cavendish deixa claro que não é qualquer um que receberá propina dele. "Eu não me interesso pela arraia miúda. Nenhum interesse por arraia miúda." Cabral é arraia grande.
De volta a 2009. Como Cabral poderia supor que desrespeitava a ética com a viagem a Paris se não dispunha de um código que estabelecesse os limites de ação de um homem público? Sem um código, o que é aético para você pode não ser para mim — e vice-versa. Concorda?
Digitei "ética" no Google. Fiz isso no último sábado. Sabe quantas páginas me foram oferecidas? Em números redondos, 57 milhões. Digitei "código de ética". Havia quase 17 milhões de páginas disponíveis. Quer dizer: trata-se de um assunto complexo, sujeito a interpretações que variam de acordo com o tempo (época) e o espaço (lugar).
Antes da confecção do código, Cabral só contava com a própria intuição para guiá-lo. Digamos que tivesse lido este trecho: "Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade. Serve para que haja um equilíbrio e bom funcionamento social, possibilitando que ninguém saia prejudicado".
Talvez se perguntasse: "O bom funcionamento social esteve ameaçado nas vezes que viajei com Cavendish ou telefonei para Eike pedindo seu jato emprestado?" Em certa ocasião, o jato ficou uma semana com ele e a família. Foi às Bahamas, voltou a Manaus, foi às Bahamas, voltou ao Rio, foi às Bahamas e finalmente voltou ao Rio.
Cabral é inteligente e esperto, mas um tanto descuidado. Não deve ter identificado nenhum conflito de interesses em governar um estado que favorece negócios de Cavendish e de Eike e, ao mesmo tempo, ser passageiro contumaz do jato de um e par constante do outro. Mas depois do código, isso é passado, acredite. Ou não é?
O código, por exemplo, exalta a transparência. O "Jornal Nacional" quis saber como Cabral e a sua turma chegaram a Paris há três anos. E quem pagou as despesas. A resposta foi o silêncio envergonhado. Sabe de uma coisa? Dever de casa para Cabral: ler todo dia uma página do código, recomeçando depois de ler a última.
*Texto por Ricardo Noblat - O Globo

Cassado por corrupção, ex-presidente Fernando Collor quer "aparecer" na CPI do Cachoeira

Abuso total – A instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito significa que há algo de putrefato nos bastidores do poder. No caso do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, o escândalo de corrupção poder maior do que muitos imaginam. O alcance dos tentáculos de Cachoeira no mundo político e empresarial é tamanho, que não deve ser descartada a possibilidade de a República implodir caso os acusados revelem parte do que sabem.
Por conta dessa possibilidade não tão remota é que os governistas, em especial petistas e peemedebistas, estão empenhados em limitar as investigações. A CPI foi instalada por pressão do ex-presidente Luiz Inácio da Silva, que tinha como objetivo maior alcançar o governador de Goiás, Marconi Perillo, cujo partido, o PSDB, não se importa em entregar sua cabeça para ter livre o caminho para investigar. O próprio Lula pode ser atingido pela CPI, uma vez que a Delta Construções, do empresário Fernando Cavendish, envolvida no esquema criminoso comandado por Cachoeira, foi a empreiteira nacional que mais cresceu na última década.
A situação mais degradante do primeiro capítulo dessa ópera bufa em que pode se transformar a CPI do Cachoeira ficou por conta do senador Fernando Collor de Mello, que agora jogando do lado do PT tentou dar lição de moral durante seu pronunciamento. Disse Collor, ao se referir aos acusados na Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, “esses senhores notáveis que foram aqui citados”.
Ora, Fernando Collor, primeiro presidente brasileiro a sofrer um processo de impeachment, teve o seu calvário político iniciado dentro de um Fiat Elba. O tombo só não foi maior porque Paulo César Farias, seu tesoureiro, era mais cuidadoso que Carlinhos Cachoeira quando fazia uso do telefone. O que não significa que sobre sua cabeça não gravitava a sensação da impunidade. Quem acompanhou o desdobramento do caso Collor depois do impeachment sabe a extensão do primeiro grande escândalo de corrupção da era pós-ditadura.




Desgaste a Cabral pode fazer PMDB pode mudar de posição em CPI

Reportagem do Jornal Folha de São Paulo de hoje, nos traz a informação de que o Palácio do Planalto calcula que o desgaste causado ao governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), pela profusão de imagens mostrando sua intimidade com o empresário Fernando Cavendish, presidente licenciado da Delta, terá pelo menos um efeito imediato: o PMDB será forçado a rever sua posição de distanciamento da CPI do Cachoeira.
O PSDB (que tem envolvido no escândalo o governador de Goiás, Marco Perillo), questiona a suposta conexão entre a amizade de Cabral com o dono da Delta, Fernando Cavendish, e o aumento dos contratos entre a construtora e o Estado do Rio.
A Delta virou um dos focos da CPI devido à relação de executivos da empresa com o empresários Carlos Cachoeira, investigado pela Polícia Federal. (Folha online)

Delta tentou blindar vice-líder do PMDB

Segundo o Jornal Folha de São Paulo, telefonemas interceptados pela Polícia Federal mostra que a cúpula da empreiteira Delta Construções atuou para proteger o vice-líder do PMDB na Câmara, deputado Eduardo Cunha (RJ), em processo que o parlamentar movia contra uma jornalista.
Em conversa gravada no dia 25 de março de 2011, o então diretor regional da Delta no Centro-Oeste, Cláudio Abreu, conversa com o suspeito de contravenção Carlinhos Cachoeira a respeito de um depoimento que o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) daria quatro dias depois em um processo que Cunha move contra a jornalista Dora Kramer, de "O Estado de S. Paulo".
Demóstenes e Cunha são adversários políticos.
A ação, que está trancada desde maio passado no Tribunal de Justiça de São Paulo, questiona um artigo sobre a disputa pelo controle do fundo de pensão de Furnas, que citava Cunha.  (Folha online)

quarta-feira, 2 de maio de 2012

"Restaure-se a moralidade, ou locuplemo-nos todos!"

COMO DIZIA SÉRGIO PORTO: "OU RESTAURE-SE O MORALIDADE OU LOCUPLETEMO-NOS TODOS!"
É consenso que esse tal senador Demóstenes Torres, com aquela sua carinha de leso, é um “espertalhão de pesada”, claramente envolvido em mil e uma maracutaias com Carlinhos Cachoeira, um bem sucedido “empresário do ramo de entretenimento zoológico”, porém não podemos deixar que essa CPMI recém instalada no Congresso, fique restrita as safadezas cometidas pela dupla dinâmica (Demostinho e Cachoeirinha), deixando de fora das investigações outras tantas relações pessoais igualmente promíscuas, a exemplo da “profunda amizade” entre o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral e o empresário Fernando Cavendish, dona da Delta Construções, uma das maiores beneficiárias as verbas do PAC. Ou essa CPMI deixa de ser “retranqueira”, e também investiga todas as podridões existentes nos meandros das negociações (ou seriam negociatas?) que fizeram da Delta Construções uma verdadeira campeã na arte de ganhar licitações para obras públicas, ou então é melhor acabar logo com essa palhaçada, pois estará mais do que claro que a tal CPMI foi criada exatamente com o propósito de escamotear a verdade e providenciar camuflagens para alguns dos maiores “maracuteiros” desse Brasil Tiririca, evitando que acabem na cadeia. Tomara que o povo brasileiro saia do seu tradicional marasmo, deixe de lado essa postura de “tô nem aí”, e acabe por considerar a possibilidade de agir em defesa de seus direitos.
*Júlio Ferreira - www.ex-vermelho.blogspot.com/

Brizola Neto vai surfar no Ministério do Trabalho

SURFANDO EM MAR AGITADO - Brizola Neto (PDT) é mais que um surfista de fim de semana, no ano passado, venceu o Osklen Surfing Arpoador Clássico, categoria Open. A habilidade no mar poderá ser útil para enfrentar as ondas adversas dentro do próprio partido? Como uma “Back door” (Parte da onda que quebra da direita para a esquerda), ou uma “Back Wash”(onda que vem ao contrário, da direção da areia).
Depois de quase cinco meses, após de ter dado o bilhete azul a Carlos Lupi, por corrupção, Dilma anunciou o deputado Brizola Neto, como o novo Ministro do Trabalho. O PDT, partido do velho e do novo ministro, sentiu-se desprestigiado, por falta de consultas. O PDT esperneia sem muita razão: como levar a sério um partido que deixa Lupi, assumir a presidência da legenda, após ter sido posto para fora do ministério sob a pecha de corrupto? O avô do futuro Ministro, o gaúcho Leonel Brizola é o fundador do PDT.
*Blogdolobo

Desculpa esfarrapada.

Procurador-geral da República alega que falar na comissão seria legalmente impossível, já que ele conduz investigações do Ministério Público.

Desculpa mais esfarrapada do que esta é difícil...O Procurador Geral da República, Roberto Gurgel, disse nesta quarta-feira ao presidente da CPI Mista do Cachoeira, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), e ao relator, deputado Odair Cunha (PT-MG), ser legalmente impedido de depor na comissão.
O procurador, não tendo uma outra desculpa para se safar de prestar esclarecimentos a CPI, argumentou que seu depoimento seria legalmente impossível, uma vez que cabe a ele conduzir as investigações pelo Ministério Público Federal e, se depusesse, não poderia atuar simultaneamente como  mas como fonte de informação, extremamente, necessária para se pegar o "fio da meada" de todo este imbróglio.
Todos sabem que o Procurador "segurou" as informações que tinha em mãos até o momento "propício" para descarregá-las. Não sei de sua verdadeira intenção. Pode até ter agido na forma da lei e ter uma atuação ilibada.
Mas, considerando sua "proximidade" com o poder e o grupo a quem Reinaldo Azevedo chama de "petralhas", seria de bom alvitre as declarações do procurador.
Afinal, tem medo de quê? Deve o quê? Tem a esconder o quê?
Fala aí Robertão!

Sistema Financeiro, a "bola da vez".

Banqueiros e empresários não são santos e a lógica da livre iniciativa é a busca do lucro, ou de maneira mais sofisticada a maximização da satisfação dos donos ou acionistas.O discurso da presidente contra os banqueiros depois que o BB e a Caixa Econômica Federal derrubaram artificialmente seus juros, não passa de uma mensagem populista e sem fundamento econômico.A queda foi artificial porque uma empresa para baixar o preço de seus produtos ou serviços precisa promover choques de redução de custos ou de aumento de eficiência, ambas não praticadas pelos bancos estatais, pelo contrário.Se a presidente tivesse um mínimo de coerência criticaria duramente os péssimos serviços prestados pelos bancos citados e a sacanagem que praticam para um pedinte de empréstimo para que o mesmo seja obrigado a abrir conta e aceitar as vendas compulsoriamente cruzadas, isto é, empurrar pela garganta do correntista os seguros de todos os tipos, investimentos em fundos entre outras formas de extorsão da fragilidade das pessoas que não têm ou não sabem procurar alternativas, conhecimento ou iniciativa para questionar ou não aceitar as chantagens dos gerentes.Essa gente é muito descarada não tendo o menor pudor de dizer ao potencial tomador de um empréstimo ou financiamento que a assinatura do “aprovador” sai mais rápido se as vendas cruzadas forem aceitas.Essa bosta chamada socialismo utópico agride frontalmente a natureza humana, que somente funciona de forma competitiva empreendedora se for conduzida pela educação e pela cultura a não pensar no Estado como o maior empregador da sociedade e sim como um eficiente prestador de serviços para a sociedade, prestação de serviços paga pelos impostos recolhidos pelos contribuintes.Porque o poder público não incentiva a criação de novos agentes do mercado financeiro para acirrar a competição entre eles e cumpre corretamente suas obrigações de fiscalização para evitar os intermináveis abusos praticados pelos bancos, especialmente os bancos federais e estaduais?É importante a sociedade entender que a ineficiência ou o prejuízo dos bancos estatais é pago pelo contribuinte assim como a extorsão praticada pelos bancos privados não tem limites graças à ineficiência do poder público em fiscalizá-los.A velha frase de que “não existe prato de comida de graça” continua cada vez mais verdadeira e a absurda dívida pública do país comprova essa assertiva.Que a sociedade fique atenta, pois o “capitalismo de estado” está prestes a ser expandido sem limites no país agora no caminho do controle do Sistema Financeiro, um dos mais modernos e eficientes do mundo no que diz respeito aos grandes bancos privados, mas um dos mais ineficientes no que diz respeito aos bancos estatais. Quem tiver alguma dúvida vá a uma agência do Banco do Brasil ou da Caixa tentar fazer um empréstimo sem abrir uma conta. Depois de aberta a conta (isso é rápido) comece a operar com o banco e não se surpreenda com as imensas filas entre muitas outras mazelas que irá ter que enfrentar.
*Geraldo Almendra, por e-mail, via Resistência Democrática.

terça-feira, 1 de maio de 2012

O governo da mentira.

Em dezembro de 2008, três dias antes do Natal e no auge da crise econômica mundial, o então presidente Lula, com o objetivo de evitar que o país entrasse em recessão, conclamou o povo: “Meu amigo e minha amiga, não tenha medo de consumir com responsabilidade (…) se tem um dinheirinho no bolso ou recebeu o 13º, e está querendo comprar uma geladeira, um fogão ou trocar de carro, não frustre seu sonho, com medo do futuro”, disse Lula.
O descompasso entre a implantação de infraestrutura hídrica no semiárido nordestino e o crescimento da renda fez surgir moradores que não têm água encanada, mas possuem máquinas de lavar roupa e TVs de LCD, informam Fábio Guibu e Daniel Carvalho. A renda no Nordeste subiu 42% de 2001 a 2009, segundo a FGV. Já os domicílios com água encanada na zona rural cresceram 7% entre 2000 e 2010, de acordo com o IBGE.
Estes fatos mostram que durante 8 anos o Brasil foi governado, por um bêbado, mentiroso, desonesto e demagogo. Pior que ele, só os técnicos subservientes que o aplaudiam, por falta de coragem em denunciar essas atitudes tão danosa ao país e ao povo.
*Giulio Sanmartini

Um acinte ao trabalhador brasileiro.

A ostentação e o acinte, marca registrada de um grupo que ajudou e eleger e manter o PT no poder.
Na foto acima, a esposa de Sérgio Cabral e do secretário Sérgio Côrtes acompanhadas de mais duas amigas exibem os sapatos Christian Louboutin, griffe que faz os modelos mais caros do mundo.
Para se ter uma idéia o modelo que Adriana Ancelmo ( esposa de Cabral) calça, custa cerca de R$ 10 mil. Isso mesmo.
São sapatos caríssimos e usados por milionárias e estrelas do cinema mundial. Na foto vê-se que as dignas senhoras mostram, acintosamente, as "jóias" que tem nos pés.

Nenhuma novidade.

Velha conhecida – O escândalo envolvendo Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e a Delta Construções não é o primeiro da história política nacional. É apenas mais um capítulo de uma epopeia criminosa sem fim, o que impede a imprensa brasileira de se mostrar indignada diante dos fatos.

A cada novidade que surge no caso Cachoeira, veículos de imprensa e jornalistas exalam doses de indignação, como se não conhecessem os as entranhas do mundo político. O que esses escribas deveriam fazer ao longo dos anos, mas não fazem, é denunciar a bandalheira que marca a vida pública. E é com a consciência absolutamente tranquila que o ucho.info faz esse alerta, pois sempre afirmamos que política é negócio milionário e que o Congresso Nacional se transformara em um largo balcão de negócios.

Durante quase onze anos de existência o ucho.info chamou a atenção para os custos das campanhas políticas, sempre escandalosamente superiores aos valores informados pelos candidatos à Justiça Eleitoral. Uma campanha à Câmara dos Deputados em um estado do Nordeste, por exemplo, custa, em média, R$ 50 por voto. Ou seja, um candidato que se elege com 150 mil votos, o que não é nenhum absurdo, terá investido R$ 7,5 milhões em três meses de campanha, enquanto seus ganhos salariais em quatro anos de mandato não ultrapassarão a marca de R$ 1,4 milhão.

No âmbito do Senado Federal, uma campanha pelos mais importantes estados brasileiros, capaz de levar o candidato ao triunfo, não sai por menos de R$ 20 milhões. Para o mais alto cargo do País, o de presidente da República, uma campanha com chances de sucesso custa ao candidato por baixo perto de US$ 300 milhões, o que representa R$ 500 milhões.
Na política não há inocentes, assim como quem investe em campanhas não tira o dinheiro do bolso por diletantismo ou patriotismo. Faz porque que mais adiante, cedo ou tarde, cobrará a contrapartida. O grande problema está na forma como se dá a cobrança e o suposto “pagamento”. Quando a sensação de impunidade fala mais alto, o político acaba se descuidando e torna-se alvo principal de um escândalo de corrupção. Muitos dos que foram escalados para compor a CPI do Cachoeira têm extensos telhados de vidro, o que deve fazer com que as investigações sejam rasas.
De tal modo, a imprensa não pode passar à opinião pública essa falsa indignação, pois a bandidagem que marca a política é velha conhecida de todos. A diferença está no compromisso de alguns de sempre denunciar esse tipo de conluio criminoso entre os políticos e seus financiadores. E isso o ucho.info tem feito com reconhecida insistência.
*Texto por  Ucho.info

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Magno Malta se omite.

Magno: Medo ou omissão?
Segundo lí num jornal, o senador Magno Malta (PR-ES) não demonstra o menor interesse pela CPI do Cachoeira pelo fato de ser, conforme ele diz, "chapa branca".
Ora, senador, se o senhor só se interessar e investir esforço no que for de fácil solução, desculpe-me, mas o senhor é dispensável como político principalmente  num momento em que vivemos a maior crise ética justo no universo onde o senhor transita...a política.  Porque precisamos é de pessoas que não se desmotivem ou se acovardem diante das dificuldades das empreitadas, que não se acomodem no espírito de corporativismo...pessoas para as quais a palavra impossível é motivo de desafio instigante e não de oportuna desistência . Me fiz entender?
*Mara Montezuma Assaf - Fonte: coluna de Cláudio Humberto

O transgressor preferido.

O esquema de desvio de dinheiro público através de ONGs e empresas de fachada foi muito bem montado por Agnelo Queiroz desde quando ele ainda era do PDT e responsável pela Pasta do Esporte.Depois, mudou de partido e hoje é do PT e certamente por esse motivo até hoje ele não explicou bem  o seu envolvimento com o comerciante Miguel Santos Souza, um especialista em criar empresas-fantasmas e ONGs fajutas para desviar dinheiro público.
Este tal Miguel além de haver atuado em   5 ministérios, age também na Câmara, no Exército e até no STF, segundo uma reportagem de uma revista semanal de meses atrás. Miguel e outros integrantes da quadrilha detalharam para a Polícia Federal como funcionava e ainda funciona o esquema, mas o assunto não repercutiu. Por que será? Agora os jornais demonstram que assessores de Agnelo são usados como mensageiros entre ele e Cachoeira. Será que também este fato  vai acabar  em águas de bacalhau ? Certamente é pelo fato  de Agnelo Queiroz ser do PT e estar tendo um tratamento privilegiado por parte de Dilma, que alem de privilegiá-lo com verbas gordas, faz questão de demonstrar publicamente que ele é seu "peixinho!  Não fosse por isso, há tempos ele já teria perdido seu cargo e até seus direitos políticos.
*Mara Montesuma Assaf

Homens sem caráter.

Demóstenes vai à forca...e os outros?
Toda a indignação possível na divulgação do fato de que Demóstenes quadruplicou seu patrimônio depois de 2010.

E o fato comprovado de que o patrimônio de Palocci aumentou 20 vezes enquanto trabalhava para o governo do PT, não indigna mais ninguém?

Os petistas vão dizer que esta é uma notícia requentada...mas desde quando crimes tem prazo de vencimento tão rápido?

E o mega patrimônio estilo vapt-vupt dos filhos de Lula...que vão servir a várias gerações do clã Silva? Ninguém fala nada sobre isso?

Eu acho assim: ou todo mundo vai para a fogueira...ou todo mundo vai para a fogueira , senão esta encenação não passa de palhaçada e este país jamais será uma nação de homens de caráter!

*Mara Montezuma Assaf, por e=mail. via Resistência Democrática

Lula e Dilma: manual de destruição do Brasil.

domingo, 29 de abril de 2012

Carlinhos Cachoeira, o bom!

Andressa, crê que seu marido seja inocente porque é um homem bom.
"Julgam o Carlinhos por isso ou por aquilo. Mas a pessoa que eu conheço não é essa. O Carlinhos que eu conheço faz caridade, doa caminhão de macarrão para creche, doa caminhão de brinquedo”,
"Acredito que ele é inocente, que vai ter oportunidade de falar e se defender. Ele se considera um preso político. Fica revoltado.”
* Andressa Mendonça, esposa de Carlinhos Cachoeira, afirmando que ele é inocente e bondoso.

Quem fiscaliza o STF?


O judiciário é um poder, tal como o legislativo e o executivo. Logo, deve ser submetido a controles tal como o são o legislativo e o executivo.
As denúncias do Ministro Joaquim Barbosa contra o Ministro Cesar Peluso devem ser investigadas. Então pergunto: quem fiscaliza o Supremo Tribunal Federal?
Atentem para o teor da denúncia: "Dou exemplos: Peluso inúmeras vezes manipulou ou tentou manipular resultados de julgamentos, criando falsas questões processuais simplesmente para tumultuar e não proclamar o resultado que era contrário ao seu pensamento". Essa é uma acusação séria. Será que vai terminar em pizza?
Outro denúncia: "As pessoas racistas, em geral, fazem questão de esquecer esse detalhezinho do meu currículo. Insistem a todo momento na cor da minha pele. (...) Peluso não seria uma exceção, não é mesmo?"
Racismo é crime inafiançável. Estaria um ministro do STF acusando outro de racismo?

Farra de Cabral, Cavendish e sua turma custou cerca de US$ 400 mil.


Vocês vão ver no vídeo abaixo, o restaurante que Cabral fechou em Paris para comemorar junto com seus amigos, o aniversário da sua mulher Adriana Ancelmo. Fontes que consultei informaram que em condições normais com esse restaurante aberto ao público, um jantar regado a vinhos franceses não sai por menos de US$ 2.000 por pessoa. Imaginem quanto custou fechando restaurante só para a turma de Cabral fazer a festa.

video
Embora Cabral tenha negado na sua nota oficial, trata-se do restaurante L’Espadon, do Hotel Ritz, em Paris, um dos mais sofisticados da Europa. Uma estimativa por alto calculou que uma semana para quatro casais, viajando em 1ª classe, se hospedando num dos hotéis mais caros do mundo, almoçando e jantando nos restaurantes mais sofisticados, fazendo compras em lojas de luxo e ainda comprando ingressos para o show do U – 2, na área mais cara do Stade de France deve ter custado cerca de US$ 400 mil. Mais uma vez a turma de Cabral se diverte com o dinheiro do povo.
Na nota anterior citei que o gasto dessa farra foi em torno de US$ 100 mil, mas esse é o cálculo por casal levando em consideração que a farra em Paris durou uma semana. Somando os quatro casais dá cerca de US$ 400 mil.
Vocês vão assistir Cabral dando uma de maestro regendo o “Parabéns” para sua mulher Adriana enquanto o povo da Região Serrana sofre sem as casas que Cabral prometeu e não fez até hoje. Sérgio Côrtes na maior felicidade enquanto pessoas morrem nas filas dos hospitais estaduais. Parece um filme de conto de fadas, com príncipes encantados e rainhas em palácios. O cinegrafista foi Cavendish usando o seu telefone celular.
O povo revoltado e perplexo assiste à verdadeira orgia praticada por quem deveria dar o exemplo.
* BlogdoGarotinho