terça-feira, 23 de setembro de 2014

"É preciso restabelecer a decência no Brasil", diz FHC.




Fernando Henrique Cardoso (FHC)

Por Luís Lima, na VEJA.com, via Reinaldo Azevedo 

Em almoço com empresários promovido pelo Grupo Lide nesta segunda-feira, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) cobrou responsabilidade do governo federal em relação aos escândalos de corrupção na Petrobras. O ex-presidente manifestou indignação com as denúncias envolvendo diretores e partidos políticos — e a indiferença do governo federal em relação ao material revelado pela imprensa. “Ou (o governo) é conivente ou é incompetente”, disse o ex-presidente. “(O governo) Tem de ser cobrado, pela razão de que é preciso restabelecer a decência do Brasil. Acredito na decência da presidente Dilma Rousseff, mas isso não a exime de sua responsabilidade”, disse. 

Questionado sobre possível apoio do PSDB a Marina no segundo turno, caso o tucano Aécio Neves não avance na disputa, FHC desconversou: “Uma coisa aprendi na política. Cada passo na sua hora. E o passo agora é Aécio”, afirmou. Depois de recuar ao longo do mês de agosto, o candidato tucano vem recuperando pontos nas pesquisas de intenção de voto. No últimolevantamento do Datafolha, Aécio tinha 17% das intenções, diminuindo a distância em relação á segunda colocada, Marina Silva, que se manteve com 30 pontos. 

FHC também aproveitou a oportunidade para alfinetar Dilma Rousseff. Ele lembrou as críticas que a candidata à reeleição fez de que o governo FHC quebrou duas vezes por causa de ter pedido empréstimos ao Fundo Monetário Internacional (FMI). “Dilma não sabe economia, por isso que não foi doutora pela Unicamp”, disparou. 

O ex-presidente voltou a criticar o conhecimento de Dilma na área econômica. Questionado sobre a fala da presidente de que o Brasil não cresce tanto por conta do cenário de desaceleração da atividade econômica dos Estados Unidos, dada em entrevista à TV Globo na manhã desta segunda, ele afirmou: “Os EUA já estão se recuperando. Há cinco anos os EUA vão para frente e o Brasil vai para trás. Não sei como Dilma é economista”, rebatou. 

Segundo FHC, o Brasil está, aos poucos “perdendo o rumo”, ou seja sua “visão estratégica”, e que o país já não sabe mais onde está. “No âmbito da política externa, perdemos a noção de que pertencemos a um lado, do Ocidente. Hoje, o país não sabe onde está”, afirmou. “Escolhemos o ‘sul’, mas não tem razão para escolher ficar de um lado só. Esquecemos o Ocidente e fomos nos isolando”, afirmou, exemplificando sua fala com a falta de acordos comerciais do Brasil. Ainda de acordo com FHC, hoje há um “mal marketing” por parte do governo, que pinta um cenário perfeito”O governo cria uma ilusão de que está tudo maravilhoso”, concluiu. 

Para tentar recuperar espaço na corrida, o PSDB tem lançado mão do discurso de indignação, sobretudo em relação aos acontecimentos envolvendo a Petrobras e outros escândalos de corrupção no governo. Sobre isso, o ex-presidente disse que é preciso dramatizar alguns fatos para que a população entenda o que está acontecendo no âmbito do poder. “O que acontece na Petrobras é passível de dramatização. Ela exemplifica o que acontece em muitos outros lugares (da política). A gente, que está informado da vida pública, sabe disso. Então é preciso mais indignação”, disse. 

Para o ex-presidente, ou o Brasil passa a limpo casos como o da estatal, ou os mesmos erros se repetirão no futuro. “Pessoalmente não gosto de atacar ‘A’, ‘B’ ou ‘C’, mas é o Brasil que está em jogo. Houve um assalto aos cofres públicos”, disse. Segundo ele, os recursos desviados da estatal estão sendo usados, no mínimo, para fins político-partidários, e, na pior das hipóteses para fins pessoais. Ele lembra que Dilma foi presidente do conselho da Petrobras e ministra de Minas e Energia e disse que ela também deve se mostrar indignada com o caso. “Tem que apurar, se não passa para história uma dúvida”, finalizou. 

Em coletiva após o evento, FHC foi questionado sobre a importância da “dramatização” no discurso, como forma de captar a atenção do eleitor. “Não sou marqueteiro, eu não sei. A dramatização é um modo de comunicação, que é importante”, afirmou, usando como exemplo a resposta de Marina ao PT sobre um possível fim do Bolsa Família. Em propaganda veiculada desde a semana passada na TV, a candidata falou sobre ter passado fome quando criança. “Por que o Aécio não pode também? Pode!”, disse. 
Por Luís Lima, na VEJA.com


Em almoço com empresários promovido pelo Grupo Lide nesta segunda-feira, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) cobrou responsabilidade do governo federal em relação aos escândalos de corrupção na Petrobras. O ex-presidente manifestou indignação com as denúncias envolvendo diretores e partidos políticos — e a indiferença do governo federal em relação ao material revelado pela imprensa. “Ou (o governo) é conivente ou é incompetente”, disse o ex-presidente. “(O governo) Tem de ser cobrado, pela razão de que é preciso restabelecer a decência do Brasil. Acredito na decência da presidente Dilma Rousseff, mas isso não a exime de sua responsabilidade”, disse. 

Questionado sobre possível apoio do PSDB a Marina no segundo turno, caso o tucano Aécio Neves não avance na disputa, FHC desconversou: “Uma coisa aprendi na política. Cada passo na sua hora. E o passo agora é Aécio”, afirmou. Depois de recuar ao longo do mês de agosto, o candidato tucano vem recuperando pontos nas pesquisas de intenção de voto. No últimolevantamento do Datafolha, Aécio tinha 17% das intenções, diminuindo a distância em relação á segunda colocada, Marina Silva, que se manteve com 30 pontos. 

FHC também aproveitou a oportunidade para alfinetar Dilma Rousseff. Ele lembrou as críticas que a candidata à reeleição fez de que o governo FHC quebrou duas vezes por causa de ter pedido empréstimos ao Fundo Monetário Internacional (FMI). “Dilma não sabe economia, por isso que não foi doutora pela Unicamp”, disparou. 

O ex-presidente voltou a criticar o conhecimento de Dilma na área econômica. Questionado sobre a fala da presidente de que o Brasil não cresce tanto por conta do cenário de desaceleração da atividade econômica dos Estados Unidos, dada em entrevista à TV Globo na manhã desta segunda, ele afirmou: “Os EUA já estão se recuperando. Há cinco anos os EUA vão para frente e o Brasil vai para trás. Não sei como Dilma é economista”, rebatou. 

Segundo FHC, o Brasil está, aos poucos “perdendo o rumo”, ou seja sua “visão estratégica”, e que o país já não sabe mais onde está. “No âmbito da política externa, perdemos a noção de que pertencemos a um lado, do Ocidente. Hoje, o país não sabe onde está”, afirmou. “Escolhemos o ‘sul’, mas não tem razão para escolher ficar de um lado só. Esquecemos o Ocidente e fomos nos isolando”, afirmou, exemplificando sua fala com a falta de acordos comerciais do Brasil. Ainda de acordo com FHC, hoje há um “mal marketing” por parte do governo, que pinta um cenário perfeito”O governo cria uma ilusão de que está tudo maravilhoso”, concluiu. 

Para tentar recuperar espaço na corrida, o PSDB tem lançado mão do discurso de indignação, sobretudo em relação aos acontecimentos envolvendo a Petrobras e outros escândalos de corrupção no governo. Sobre isso, o ex-presidente disse que é preciso dramatizar alguns fatos para que a população entenda o que está acontecendo no âmbito do poder. “O que acontece na Petrobras é passível de dramatização. Ela exemplifica o que acontece em muitos outros lugares (da política). A gente, que está informado da vida pública, sabe disso. Então é preciso mais indignação”, disse. 

Para o ex-presidente, ou o Brasil passa a limpo casos como o da estatal, ou os mesmos erros se repetirão no futuro. “Pessoalmente não gosto de atacar ‘A’, ‘B’ ou ‘C’, mas é o Brasil que está em jogo. Houve um assalto aos cofres públicos”, disse. Segundo ele, os recursos desviados da estatal estão sendo usados, no mínimo, para fins político-partidários, e, na pior das hipóteses para fins pessoais. Ele lembra que Dilma foi presidente do conselho da Petrobras e ministra de Minas e Energia e disse que ela também deve se mostrar indignada com o caso. “Tem que apurar, se não passa para história uma dúvida”, finalizou. 

Em coletiva após o evento, FHC foi questionado sobre a importância da “dramatização” no discurso, como forma de captar a atenção do eleitor. “Não sou marqueteiro, eu não sei. A dramatização é um modo de comunicação, que é importante”, afirmou, usando como exemplo a resposta de Marina ao PT sobre um possível fim do Bolsa Família. Em propaganda veiculada desde a semana passada na TV, a candidata falou sobre ter passado fome quando criança. “Por que o Aécio não pode também? Pode!”, disse. 

A perseguição dos socialistas petistas aos homens de bem do Brasil.


O MÉDICO GAÚCHO MILTON PIRES FOI SUSPENSO POR 60 DIAS PELA DIREÇÃO DO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO POR SER UM NOTÓRIO OPOSITOR DO PT. A REPRESÁLIA É POLÍTICA, E DEIXA CLARO A DITADURA SOCIALISTA IMPOSTA PELAS ESQUERDAS, QUE PERSEGUEM, POLICIAM E PUNEM AQUELES QUE FAZEM OPOSIÇÃO AO SOCIALISMO E AO COMUNISMO. O GRUPO HOSPITALAR É DIRIGIDO PELO PCdoB E PELO PT E A PERSEGUIÇÃO AO CARDIOLOGISTA PODE SE ESTENDER OU ATÉ AFASTA-LO DEFINITIVAMENTE.

Milton pires é um notório opositor ao petismo e ao comunismo. O médico cardiologista e intensivista foi afastado de forma arbitrária de um grupo hospitalar que é dirigido pelo PCdoB. A represália é por questões políticas, uma vez que o médico condena a política corrupta do PT e a socialização do país. Ser de direita ou ser um conservador no Brasil vermelho, é como ser um terrorista, pronto para praticar um atentado às esquerdas marxistas. É como disse Fernando Henrique Cardoso, "o pai golpe comunista no Brasil", "A Direita é Nada!, a Direita Precisa Ser Destruída". FHC foi o grande instrutor das esquerdas, o pai do gramscismo, o homem que fez a esquerda se multiplicar como vermes em cima da ferida, que destruiu a direita e implantou a revolução marxista na cultura e na mídia, além de ser cúmplice direto na criação do Foro de SP. Hoje, o que transpira e se respira nas esquerdas é o ódio ao conservadorismo, o ódio ao que é tradicional, moral e familiar. Pisam em tudo e em todos, matam, roubam, enganam e perseguem. O médico Milton Pires é mais uma vítima de FHC e de sua escória esquerdista disseminada pelo PSDB, PT, PMDB, PSOL, PCO, PCdoB, PSTU, PP, PSC,SDD e por aí vai.
Não é nenhuma novidade a promoção de uma cruzada de desmoralização para com os médicos brasileiros promovida pelo PT e pelo Governo Federal, principalmente através do fraudulento e escravagista programa Mais Médicos, ajudando a financiar a ditadura cubana com dinheiro tomado do contribuinte e desmoralizando o trabalho da classe médica brasileira. O médico gaúcho não é o primeiro e nem será a última vítima deste governo, outros ainda virão.

Mais 40 razões para não votar em Marina Silva.

1-É e sempre foi socialista
2-Foi criada no PT
3-Antes de se filiar ao PT Marina era integrante do PRC (Partido Revolucionário Comunista), uma organização política clandestina, de orientação marxista, mais extremista do que o PT
4-Foi fundadora da CUT no Acre
5-Foi ministra de Lula e conivente com diversos desmandos do PT
6-Marina fala muito sobre ética, mas estava no PT durante o Mensalão (2005 e 2006) e permaneceu no PT mesmo após o estouro do escândalo na mídia.
7-Só saiu do PT em 2009, por interesses próprios, i.e., para concorrer à presidência pelo PV em 2010
8-Seu partido, o PSB, cuja sigla significa Partido Socialista Brasileiro, é de extrema esquerda
9-O PSB é membro ativo do FORO DE SÃO PAULO, a maior desgraça presente na América Latina, depois do regime cubano, e que deseja transformar essa América num “paraíso” socialista.
10-O PSB historicamente foi aliado do PT, desde a década de 1980 e só “deixou” a base aliada do governo Dilma em setembro de 2013. Dando indícios de “estratégia das tesouras” com o PT para tentar diminuir os votos do PSDB
11-O PSB também tem condenados no Mensalão. O Deputado Romeu Queiroz(PSB – MG) é um exemplo disso.
12-Se diz cristã, mas quer convocar um plebiscito para discutir o ABORTO 
13-Se diz cristã, mas quer convocar um plebiscito para discutir a legalização da maconha
14-Marina posa de ecologista, mas não passa de uma ECOTERRORISTA, um dos habitats naturais das viúvas do Comunismo Clássico falido, que não passa de ideologia marxista travestida de “Defesa do Meio Ambiente”
15-Marina apoia ONGs ecoterroristas como o Greenpeace que incute pânico nos leigos, com profecias catastróficas, apenas para forçar mais concentração de poder e recursos nas mãos do Estado e destruir o estilo de vida vigente, ou seja, o sistema capitalista
16-Seu marido, Fábio Vaz de Lima, continuou como secretário da SEDENS do Acre (Estado há 16 anos nas mãos do PT) mesmo após o início da campanha eleitoral e ele só pediu exoneração do cargo em 19/08/2014
17-Não conseguiu gente suficiente para criar o “seu” partido e agora quer administrar o Brasil?
18-Se diz defensora dos mais pobres, mas sua campanha é coordenada por uma das herdeiras do Banco Itaú, maior banco privado do país, e com uma dívida em impostos federais da ordem de 18 BILHÕES DE REAIS
19-O eleitores típicos de Marina Silva são, em sua maioria, o jovens idealistasou o membros da elite que flerta com a esquerda “festiva” também conhecidacomo esquerda “caviar
20-Marina Silva é a personificação da esquerda “caviar”. Prega vida simples e sustentável aos outros, mas costuma voar em luxuosos (e poluentesjatinhos de milhões de dólares.
21-Enquanto ministra de Lula atravancou o desenvolvimento do agronegócio
22-Seu marido está envolvido no caso Usimar, que envolve 40 pessoas em suposto desvio de R$ 44,2 milhões da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia para a construção, em São Luís, no Maranhão, de uma fábrica de autopeças que nunca saiu do papel.

23-Marina posa de super ambientalista, mas seu marido (de novo!) está sendo investigado sobre envolvimento em um desvio milionário de madeira clandestina
24-Se diz cristã evangélica, mas é adepta da Teologia da Libertação, que de Evangelho não tem nada. Não passa de um sincretismo tosco entre bíblia e marxismo
25-É pupila de Leonardo Boff, um dos expoentes da Teologia da Libertação, que dentre tantos disparates (além de tentar conciliar Cristianismo e Marxismo, acusa Israel de usar “métodosnazistas contra os palestinos”)
26-O vice de Marina, Beto Albuquerque (PSB), que também se diz cristão é a favor do casamento gay.
27-Marina se diz ambientalista, mas seu vice, Beto Albuquerque, teve as duas últimas campanhas financiadas por dois gigantes do agronegócio (Celulose Rio-grandense e a Klabin). No Congresso, ele defendeu leis que atendiam a interesses do segmento, a que Marina e outros ambientalistas tanto criticam
28-Marina se diz a favor do desarmamento, mas seu vice, Beto Albuquerque, teve campanha financiada pela Taurus (uma das maiores fabricantes de armas do Brasil)
29-Marina Silva defendeu o MARCO CIVIL DA INTERNET, que trouxe a censura à rede
30-Marina Silva é a favor do Decreto 8.243, o decreto bolivariano que Dilma e o PT querem fazer vigorar a todo custo e aparelhar ainda mais o Estado com pelegos do MST, MTST, CUT, Movimento Passe Livre e afins
31-Marina Silva apoia os bandidos do MST, que na base da violência tem como único objetivo abolir a propriedade privada rural, chamando isso de “reforma agrária”
32-O MST apoia a campanha de Marina Silva
33-Marina Silva é amada pelos ecobobos globalistas, que pregam que a “Velha Ordem Mundial” de soberania das nações é um modelo ultrapassado que deve ser substituído por um governo global, acima das nações
34-O “desenvolvimento sustentável” que Marina defende se trata, grosso modo, de aplicar leis supranacionais cujo conteúdo é ditado por aquilo que a ONU pensa ser melhor para o mundo. O que não passa na realidade de afrontas à soberania nacional
35-Marina Silva, sempre apoiou o governo de Tião Viana (PT – Acre), o mesmo envolvido em inúmeros escândalos e, mais recentemente, na “desova” em São Paulo dos refugiados haitianos que estavam no Acre
36-Coordenador do programa de governo de Marina e do PSB, Mauricio Rands, era parte da base aliada durante o escândalo do Mensalão. Aliás, ele foi testemunha de José Dirceu no processo do Mensalão
37-Marina Silva vende uma imagem de “novidade”, de “uma novo forma de fazer política” mas seu histórico mostra o oposto. Diante de todos os escândalos do PT, com os quais ela foi no mínimo conivente, Marina representa a mais lastimável e velha política brasileira
38-Marina Silva defende o PT contra toda e qualquer acusação de ligação com asFARC, mesmo diante da confirmação de Raúl Reyes (um dos líderes das Farc) que tinha ligações com Lula
39-O avião que transportava Eduardo Campos no fatídico acidente, no qual Marina viajou diversas vezes em campanha, até agora “não tem dono”

40-Na criação de seu partido REDE SUSTENTABILIDADE, Marina falou muito sobre ética e combate à corrupção, como o PT de antigamente, mas tem entre seus membros políticos envolvidos no escândalo do bicheiro Carlos Cachoeira. Dois exemplos disso são Elias Vaz de Andrade e Martiniano Pereira Gonçalves Neto, ambos de Goiás.
*Blog do Navarro

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

A ignorância de Dilma.

Guardem este frase de Dilma dita, hoje, em Brasília durante encontro com um grupo de jornalistas:
- Não é função da imprensa fazer investigação e sim divulgar informações.
Era razoável imaginar que uma figura pública, ainda mais um presidente, tivesse o mínimo de conhecimento do que seja jornalismo. E de como funciona a imprensa. Mas, não.
Dilma estava particularmente irritada com jornalistas que perguntaram sobre as revelações feitas por Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, a propósito da corrupção na empresa.
Ao dizer que pedira à Polícia Federal acesso às confissões de Paulo Roberto, e que isso lhe fora negado pela Procuradoria Geral da República, Dilma mostrou-se inconformada. Foi quando cometeu a frase.
Quanta ignorância!
Nem Richard Nixon, o presidente dos Estados Unidos que renunciou ao cargo por que mandara espionar um comitê do Partido Democrata em Washington, disse uma barbaridade dessas.
Nem Fernando Collor, que culpa a imprensa por sua deposição em meio ao mandato de presidente. Collor caiu porque seu governo era corrupto.
Jornalismo é investigação. Você não conta como ocorreu um acidente de carro, por exemplo, sem ouvir eventuais vítimas, testemunhas e a polícia, no mínimo. Se é assim com um mero acidente, quanto mais com um escândalo de grande porte.
Um dos papéis da imprensa é vigiar os poderosos e denunciar seus desmandos. Ela existe - ou deveria existir - para satisfazer os aflitos e afligir os satisfeitos.
O sonho de Dilma, e não somente dela, seria ver a imprensa limitada a publicar declarações e anúncios oficiais. Teve com quem aprender.
Em 2003, Lula, o mentor de Dilma, fez um desabafo que se tornou famoso. Disse:
- Eu não gostaria de ver notícia publicada. Gostaria de ver propaganda publicada.
Em outras palavras: Lula não gosta de jornalismo independente. Prefere jornalismo servil. Ele, Dilma, Renan Calheiros, Collor, Eduardo Cunha et caterva.
Quando quer agradar a imprensa, Dilma repete:
- Prefiro o barulho da democracia ao silêncio da ditadura.
Com o que disse hoje, fica claro que não é bem assim. Ela enxerga a imprensa com os mesmos óculos de Lula.
**Por Ricardo Noblat

Vídeo censurado pelo PT.

video

domingo, 21 de setembro de 2014

Panorama sobre a possível reviravolta e mudança no quadro eleitoral para presidente.

Os números são produzidos no laboratório de fraudes dos institutos de pesquisa chapa branca. Ninguém sabe a real situação das intenções de voto.  Sente-se, nas ruas, pelo menos no caso do Grande Rio, que Aécio terá a maior votação (sempre existe um “se”), desde que não seja acionado o dispositivo de multiplicação de votos das urnas eletrônicas.
A propósito: ontem os jornais televisivos mostraram os votos, impressos, em cédulas, sendo despejados das urnas para contagem ... Enquanto isso, a mais perfeita tecnologia de escrutínio de votos (???????), a contagem eletrônica, é usada, egoisticamente, pelo Brasil, que não exporta essa tecnologia de ponta para o 1º. Mundo. Quanto egoísmo !!!!.
* Fernando Batalha, por e-mail, via Grupo Resistência Democrática

Crime eleitoral?



No meu tempo isto era cricme eleitoral. Agora, que a Justiça interpreta as leis de forma diferente de antigamente, e até a "legislar" de forma surpreendente, não posso afirmar nada.
Mas que reputo como crime eleitoral, ah, isto sim!

sábado, 20 de setembro de 2014

E a Patrícia Poeta, hein? Quem diria?

Saída de Patrícia Poeta do JN teria relação com Cachoeira.
Especula-se de que a saída de Patricia Poeta, da bancada do Jornal Nacional, teria associação direta com a notícia de ela e seu marido, o diretor de programação da TV Globo, Amauri Soares, compraram um apartamento no valor de R$ 23 milhões no Rio de Janeiro do empresário Georges Sadala, membro da chamada "gangue do guardanapo" e citado nas investigações sobre o bicheiro Carlinhos Cachoeira.

Quem é Marina?

Marina Silva foi por mais de 20 anos filiada ao PT. No partido, foi contra o Plano Real e votou contra a Lei de Responsabilidade Fiscal. Depois que saiu, filiou-se ao PV, que abandonou dois anos depois para tentar abrir o seu próprio partido. Não conseguiu (havia assinaturas inválidas) e foi parar no PSB. O PSB foi aliado do governo federal durante quase todos esses 12 anos em que o PT comanda o país. Eduardo Campos, inclusive, foi ministro de Lula e cotado para ser vice de Dilma nesta eleição. Marina é do Acre, Estado cujo governador, Tião Viana, do PT, sempre foi aliado da ex-senadora. Aliás, o marido dela trabalhava no governo. A coordenadora do programa de governo de Marina Silva é Neca Setúbal, que apoiou Fernando Haddad, do PT, à Prefeitura de São Paulo. Ele ganhou e, em pouco mais de um ano, já virou um dos prefeitos com a pior avaliação da população na história da cidade. Chega desse mais do mesmo! Muda, Brasil!
*'gracialavida' - Via Grupo Resistência Democrática.

Eu não acredito!

Clique na imagem para ampliar