terça-feira, 4 de agosto de 2015

José Dirceu instituiu o petrolão, afirma Ministério Público,

Questionado se a Lava Jato mira também o ex-presidente Lula, o procurador afirmou que "ninguém está isento de investigações".
*Da redação da Veja.com
(Dida Sampaio/Estadão Conteúdo)

O ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, é preso pela PF na 17ª fase da operação da Lava Jato.
Ao prender nesta segunda-feira o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, a Operação Lava Jato chegou nesta segunda-feira a um dos "instituidores do petrolão", segundo o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, integrante da força-tarefa que investiga o megaesquema de corrupção que sangrou os cofres da estatal. De acordo com o Ministério Público, o mensaleiro foi um dos principais líderes na instituição do petrolão, ainda quando era ministro da Casa Civil, no primeiro mandato do governo Lula. Questionado se a Lava Jato mira também o ex-presidente Lula, o procurador afirmou que "ninguém está isento de investigações". Ele lembrou, contudo, que parte das apurações segue em sigilo. Sobre os demais artífices do petrolão, o procurador afirmou que "estão sendo investigados" - e que esta estapa da Lava Jato mira os núcleos empresarial e político. 


Segundo o MPF, o ex-ministro deu continuidade ao esquema durante o mensalão e se beneficiou dele mesmo após o julgamento do Supremo Tribunal Federal que o mandou para a cadeia. "Chegamos a um dos líderes principais, que instituiu o esquema na Petrobras e, durante o período de ministro da Casa Civil, aceitou e se beneficiou desse esquema", afirmou o procurador. "Temos uma operação que vai além do Dirceu recebedor, mas sim como instituidor do esquema Petrobras, ainda no tempo da Casa Civil", continuou. "Dirceu era aquele que tinha a responsabilidade de definir os cargos na administração Lula. No momento em que ele aceitou a nomeação de Renato Duque para a Petrobras, teve início o trabalho de captação das empreiteiras". O MPF afirma, também, que o ex-ministro recebeu dinheiro do esquema criminoso mesmo preso. De acordo com o procurador, a investigação e a prisão não inibiram a atuação de Dirceu. 


Ainda segundo Santos Lima, Dirceu "repetiu o esquema do mensalão" - desta vez, contudo, com uma diferença crucial: o ex-ministro não se utilizou do dinheiro para compra de apoio de parlamentares, mas em benefício pessoal. 


"A responsabilidade do Dirceu é evidentemente, aqui, como beneficiário, de maneira pessoal, não mais de maneira partidária, enriquecendo pessoalmente", afirmou o procurador.

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Zé Dirceu II: Os inimigos agora são outros.

Hoje, com a prisão de José Dirceu, encerra-se um ciclo do processo político brasileiro. A geração revolucionária da esquerda brasileira, que confrontou a ditadura militar, vê um dos seus principais líderes novamente atrás das grades, porém sem poder erguer o braço com o punho fechado, em sinal de resistência política. O gesto cínico dos tempos do mensalão já não lhe cai bem. Não há quem possa com um mínimo de seriedade sustentar o viés político da sua prisão.
A desgraça pessoal da história de Dirceu não é o sinal da decrepitude de uma biografia apenas; trata-se do fim de uma visão hegemônica e autoritária do fazer política, apropriando-se do Estado brasileiro e usando-o a serviço de um grupo que desejava se eternizar no poder, não porque houvesse um projeto de país, porém simplesmente porque o poder era uma razão suficiente e única do agir político. José Dirceu é o símbolo do pragmatismo oportunista: com a retórica de esquerda, as suas práticas eram típicas da... esquerda. O aparelhamento do Estado, a destruição lenta e gradual dos mecanismos democráticos, a contaminação das instituições, a formação de uma quadrilha disposta a tudo para a conservação em suas mãos do poder político e econômico.
Se bem analisarmos os desdobramentos da Operação Lava-jato, o caminho aponta para Palocci como um dos próximos prováveis alvos. A ser assim, os dois homens fortes do primeiro governo Lula estarão na cadeia. Acima deles, só o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva. E começa a se formar aquela inelutável sensação que a prisão de Lula já não é um cenário impossível, fora da realidade que começa a se desenhar de um modo caudaloso.
Tirando o messianismo de membros do Ministério Público Federal envolvidos com as investigações da Operação Lava-Jato, o perigoso voluntarismo em nome de boas intenções que o inferno do fascismo está cheio, o fato é que o ocaso do lulopetismo vem por meio dos ventos que sopram em Curitiba e congelam a alma do mundo político nacional.
*Adriano Soares da Costa, via Facebook

Conselho.


domingo, 2 de agosto de 2015

Calma Bethe! Doeu só um pouquinho.

video
Depois de falar uma série de baboseiras para desafiar a campeã Ronda Rousey, Bethe Correia recebeu sua sua sova e não mais suportou aos 34 segundos de luta.
Ainda sem condições de ganhar a luta da melhor do mundo, Bethe criou uma espectativa em torno da luta, bradando que seria "casca grossa" para a lutadora americana.
Ledo engano! Bete Correia foi desmoralizada em apenas 34 segundos. 
- Eu espero que ninguém mais fale de família. Espero que essa seja a última vez - disse Ronda, voltando a alfinetar Bethe. Ela ainda falou português e levou o público ao delírio, antes de sair acenando para os fãs com seu cinturão.
Ronda foi com tudo logo de cara. Jabs poderosos e uppercuts no clinche. Bethe se desequilibrou, deu uma cambalhota para trás e ficou de pé. O combate foi para a grade, e Rousy disparou um direto de direita potente que fez a brasileira desabar. Não precisava mais nada. A campeã apenas olhou com desdém, soltou uma provocação e foi comemorar com a sua equipe. Ainda não há adversária para Ronda Rousey.

Dilma e os delatores.

Num processo de mistificação do passado a serviço da corrupção do presente, a doutora confundiu o STF com o DOI.
Um dos enigmas do comportamento político de Dilma Rousseff está na sua capacidade de viver numa realidade própria. É a essa característica que se deve atribuir parte do descrédito que acompanha sua administração. Diz uma coisa, faz outra e vai em frente. Recuando quase meio século na história do país para manipular os desdobramentos da Operação Lava-Jato, a doutora afirmou o seguinte:
“Eu não respeito delator, até porque estive presa na ditadura militar e sei o que é. Tentaram me transformar numa delatora. A ditadura fazia isso com as pessoas presas e garanto a vocês que resisti bravamente”.
Mistificando o presente, associou o comportamento de quem passa pela carceragem de Curitiba com o dos presos do DOI durante a ditadura. Seu paralelo ofende o Ministério Público, o Judiciário e o Supremo Tribunal Federal, que homologa cada um dos acordos onde estão as confissões. Nenhum preso da Lava-Jato passou por qualquer constrangimento físico. Até agora, todos os atos praticados pelos investigadores respeitaram o devido processo legal.
Deixando-se essa questão de lado, o que não é pouca coisa, vai-se ao coração da fala: “Eu não respeito delator". Num lance de autoexaltação, lembrou que “resisti bravamente". Ela sabe que o comportamento de um preso sob tortura nada tem a ver com sua bravura. Relaciona-se apenas com o caráter do torturador e do regime a quem ele serve. Quem fala sob tortura não é delator, é apenas um cidadão torturado e a doutora respeita muitos deles. Dilma Rousseff, a “Wanda” do Comando de Libertação Nacional, sabe que o “Kleber” não foi um delator. Em 1969, depois de ter sido torturado por vários dias, ele indicou para a polícia o endereço de um aparelho da Rua Atacarambu, em Belo Horizonte, onde estavam sete de seus companheiros. Dos milhares de presos torturados durante a ditadura, talvez não tenham chegado a uma dezena aqueles que, livres, continuaram colaborando com os agentes da repressão. Se os acusados que estão colaborando com a Lava-Jato são mentirosos, não merecem respeito e seus acordos devem ser cancelados. Insultá-los leva a lugar nenhum.
Misturar empreiteiros milionários com militantes torturados é um truque que desmerece o estado de direito e o regime democrático de hoje. Nas palavras de um ministro do governo Médici, referindo-se aos presos de seu tempo, “a delação, para eles. é o supremo opróbrio". Outro hierarca elaborou o lance seguinte: os presos, tendo delatado, justificavam-se inventando que haviam sido torturados. Donde, não havia tortura, mas delatores. No paralelo de Dilma não haveria roubalheiras, mas delatores que não merecem respeito.
Há ainda outra diferença entre os presos que eram torturados nos DOI e os que passam pela Lava-Jato. Uns sequestravam diplomatas, assaltavam bancos e roubaram o cofre onde a namorada de um ex-governador de São Paulo guardava dois milhões de dólares, parte dos quais vindos de empreiteiras. Seus alvos faziam parte do arco de interesses que todos, inclusive a doutora, pretendiam destruir. Nenhum deles pensava em aumentar seu patrimônio. Os empreiteiros da Lava-Jato buscavam o enriquecimento pessoal e o PT enfiou-se nesse mundo de pixulecos porque quis.

* Texto do Jornalista Elio Gaspari, em O Globo

sábado, 1 de agosto de 2015

A entrevista e o imbróglio...

Conforme antecipei aqui, a advogada Beatriz Catta Preta concedeu uma entrevista — no caso, ao repórter Cesar Tralli, da Globo — em que diz ter desistido dos seus clientes porque estava se sentindo ameaçada pela… CPI.
Ameaçada de quê? Não ficou claro! Falou em ameaças “cifradas, veladas” e só. Não acusou diretamente Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, mas a sugestão ficou no ar. Segundo disse, a pressão ficou maior depois que Julio Camargo mudou a versão e passou a acusar Cunha.
Voltarei o assunto. Para mim, a história ficou mais enrolada do que antes e direi por quê.
OAB
A OAB entrou com um pedido no Supremo para que Beatriz não tivesse de depor. Ricardo Lewandowski, presidente do tribunal, que responde pelo plantão, não tinha, obviamente, como proibir o depoimento sem cometer uma violência contra o Legislativo. Ele a autorizou a não falar sobre coisas que dizem respeito ao sigilo profissional.
Não mudei de posição: sou contra a convocação da advogada pela CPI — embora não seja ilegal. Mas isso não quer dizer que essa não seja a história mais mal explicada da Lava Jato até agora.
Ainda volto ao assunto.
Não estou acusando Beatriz de nada, mas a sua história não me convenceu. Ela é uma penalista. Fosse espectadora da própria entrevista, acharia tudo muito estranho, não é?

Porque hoje é Sábado, uma bela mulher!

A bela Ronda Rousey, a bela do UFC

E o desgoverno do PT humilha os aposentados, mais uma vez.

Mais uma vez os aposentados que recebem acima de um salário mínimo são perseguidos e humilhados por este desgoverno do PT!!
Quem disse que o governo do PT não tem tido vitórias nesses 13 anos no poder está totalmente enganado. Só que essas vitórias mais uma vez é contra uma classe que contribuiu e muito para o crescimento e desenvolvimento do país que são os aposentados que recebem acima de um salário mínimo. Como ocorreu nos dois mandatos do ex-presidente Lula, está ocorrendo nos dois da presidente Dilma.

Mais uma vez ela vai usar dois pesos e duas medidas, como diz o dito popular, para ajustar as aposentadorias dos trabalhadores que se aposentaram pela iniciativa privada no INSS. Agora o que não dá para entender é que se trata da mesma instituição e que contribuíram como manda a Lei e ela como o seu padrinho Lula, usaram dois pesos e duas medidas, como já falei, para conceder o reajuste das aposentadorias e o pior mesmo se tratando da mesma instituição e os mesmo contribuíram dentro da Lei, por sinal, os que recebiam mais sempre contribuíram em termo de valor durante a sua vida de trabalhador do que os que recebiam menos, então é mais do que justo que os mesmos recebam mais nas suas aposentadorias.
Por isso, presidente Dilma mais uma vez o governo do seu partido, que um dia disse que defendia os trabalhadores, mas odeia os ex-trabalhadores aposentados, está sendo injusto com essa classe de trabalhador que contribuiu para a Previdência Social, dentro da Lei como já falei, por 35 anos e muitas vezes por 40 anos, como foi o meu caso. Agora eu lhe pergunto é justo esses 13 anos de perseguição em cima dessa classe de aposentados?
Eu sei presidente Dilma que a senhora não acredita em Deus e que Deus não existe para a senhora, como a senhora falou para o Datena no programa dele quando ele lhe perguntou se a senhora acreditava em Deus. Eu presidente Dilma acredito em Deus e que Deus existe e que a justiça dele é completamente diferente da justiça do homem, a palavra de Deus diz na Bíblia que “a justiça do homem são trapos de imundices”. E a justiça dele já está caindo sobre o seu governo e os resultados aí estão, a inflação galopante, os preços dos alimentos nas alturas, os hospitais públicos sem médicos e remédios para atender justamente os pobres que mais necessitados do nosso país. Deus não é mau não, ele só está mostrando a sua maldade e incompetência.
Agora presidente Dilma, uma coisa que a imprensa comprada pelo o seu governo não divulgam e que todas essas consequências na economia do país que estamos vendo, primeiro no governo do ex-presidente Lula e agora no seu, devido ter seguido as orientações dele e continuou com os mesmos erros, foi de usar o dinheiro público indevidamente concedendo empréstimos secretos milionários para vários países comunistas africanos e da América Latina a perder de vista pelo BNDES. Agora presidente Dilma para dar um reajuste digno para os aposentados que recebem acima de um salário mínimo não tem dinheiro?
A pior consequência de todas essas perseguições nesses 13 anos de governo do PT contra os aposentados que recebem acima do piso é que os que se aposentaram com cinco salários mínimos, hoje recebem no máximo dois e meio e as consequências no achatamento das aposentadorias, temos aposentados que têm dificuldades até para comprar os remédios que necessitam. Presidente Dilma, como eu acredito na justiça de Deus, ajustiça dele já está sendo providência contra esse seu desgoverno e DIA 16 DE AGOSTO O BRASIL, irá de Norte ao Sul e de Leste ao Oeste para as ruas das nossas cidades, dar um basta nesse desgoverno do PT!!

sexta-feira, 31 de julho de 2015

A babaquice, ingenuidade ou safadeza dos governadores da oposição?

A cafajestada a que se submeteram os governadores tucanos, ontem à tarde, rendeu a Dilma Rousseff uma falsa manchete.
Quem relata o caso é Josias de Souza:
"Às 23h23 da noite passada, a Presidência da República divulgou em seu blog uma ótima notícia para a inquilina do Palácio do Planalto:
Os governadores das cinco regiões do país, que estiveram reunidos com a presidenta Dilma Rousseff, nesta quinta-feira (30), em Brasília, fizeram uma defesa clara da democracia, do Estado de Direito e da manutenção do mandato legítimo da presidenta Dilma e dos eleitos em 2014. Na ocasião, os representantes dos 27 Estados brasileiros deixaram clara sua posição de unidade em favor da estabilidade política do país.
Quem lê o texto fica com a impressão de que Dilma arrancara dos governadores que se reuniram com ela no Palácio da Alvorada, inclusive os de oposição, uma manifestação unânime contra o impeachment. O único problema é que essa notícia é falsa.
A falsa notícia veiculada no blog do Planalto realça uma declaração feita pelo governador do Maranhão, Flávio Dino, do PCdoB".
Geraldo Alckmin desmentiu Flávio Dino, dizendo:
“Isso não foi tema da reunião nem está em discussão. Não há nenhuma discussão em relação a isso [o mandato da presidente]. Nós defendemos o quê? Investigação, investigação, investigação e cumprir a Constituição. Nosso dever é cumprir a Constituição.”
Mas é claro que o Palácio do Planalto ignorou Geraldo Alckmin e se concentrou na mentira pronunciada pelo apaniguado comunista.
Geraldo Alckmin, assim como Beto Richa, é "desnecessário".
*Texto via O Antagonista
COMENTO:  Seria muita ingenuidade os Governadores da oposição acharem que gente como Dilma e cia, não iriam buscar tirar proveito da reunião que eles, "tão bonzinhos", compareceram no Planalto.
Se realmente "encarnam" a oposição porque compareceram? 
Como sabemos que político ingenuo não existe, sobra a babaquice ou safadeza...Quem escolherá o que atribuir às tais excrescências?

Campanha de Dilma pagou R$ 6 mi à gráfica presidida por motorista.

Além disso, Rede Seg não tem funcionários registrados – o que levantou suspeitas durante análise das contas da campanha petista pelo Tribunal Superior Eleitoral, segundo jornal. (Da redação de Veja.com
)
(Evaristo Sá/AFP)

Gráfica contratada pela campanha eleitoral da presidente Dilma Rousseff, em 2014, também não tem funcionários registrados.
Pagamentos a uma gráfica sem funcionários registrados e presidida por um motorista levantaram suspeitas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) durante análise das contas da campanha da presidente Dilma Rousseff à reeleição. Segundo reportagem da edição desta quinta-feira do jornal Folha de S. Paulo, a Rede Seg Gráfica e Editora, em São Paulo, recebeu 6,15 milhões de reais - o que a coloca na oitava posição entre os maiores fornecedores de campanha da presidente. As suspeitas de que a gráfica não tem estrutura para prestar os serviços pelos quais recebeu tiveram início quando técnicos do TSE cruzaram a prestação de contas da petista com dados do Ministério do Trabalho. Algumas notas da gráfica entregues ao tribunal informam que a empresa produziu folders para a campanha eleitoral. 

Leia mais: 
O jornal visitou o endereço da gráfica e foi informado por Rogério Zanardo que a empresa pertence à família dele, e não ao motorista Vivaldo Dias da Silva. Zanardo não soube, contudo, informar por que a empresa está registrada em nome de Silva. Ele afirmou também que as máquinas estavam desligadas porque a gráfica estava sem serviço. Já o irmão de Rogério, Rodrigo, saiu-se com outra explicação: afirmou que Silva é mesmo o dono da empresa, embora também trabalhe como motorista para a própria Rede Seg. Aos irmãos caberia, segundo Rodrigo, administrar o local. A família Zanardo teria sido procurada por Silva porque já tem experiência no ramo, uma vez que é dona da gráfica Graftec. Em relação a inexistência de funcionários, Rodrigo afirma que o serviço para a campanha contou com terceirizados. 
Silva dirigiu-se ao local mais tarde, afirmando que é mesmo o dono da gráfica, além de motorista. "Eu gosto de trabalhar, e é um rendimento a mais que tenho", afirmou à Folha. Segundo o TSE, Silva manteve vínculos empregatícios com a Graftec entre 2006 e 2007, como eletricista. De 2009 a 2013, ele foi registrado como motorista em uma empresa chamada Artetécnica Gravações, com salário mensal de 1.490 reais. 
Esse não é o primeiro motorista a receber uma fortuna da campanha petista. Reportagem do jornal revelou no ano passado que a Focal Confecção e Comunicação Visual, segunda maior fornecedora da campanha da presidente - recebeu 24 milhões de reais do PT -, tem como um dos sócios Elias Silva de Mattos, que até 2013 declarava ser motorista e recebia salário de cerca de 2.000 reais mensais. 
A Secretaria de Comunicação Social da Presidência informou ao jornal que selecionou as empresas que apresentaram preços mais baixos. A secretaria não informou qual serviço foi prestado pela Rede Seg. "A elaboração do material foi auditada pela campanha e a documentação que comprova a elaboração e entrega do material foi auditada pelo TSE", diz a nota. As contas da campanha de Dilma foram aprovadas com ressalvas, o que levou o TSE a seguir com as análises.