sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Um fato que comprova que os petistas são “uns filhos da...!"


O Senhor MANOEL FIRMINO, é de Maceió-Alagoas. Foi Pedreiro durante 18 anos. Aos 40 anos sofreu um acidente na obra. Rebentou três vértebras.
Ficou seis meses de licença médica ( auxílio doença ). Ao retornar ao trabalho a construtora não o quis de volta. Com visíveis sinais de limitação de trabalho, vagou em busca de um trabalho sem conseguir. O INSS não o quis aposentar.
Sem emprego, seu Manoel também ficou sem esposa que o deixou e levou seu filho. Hoje ela vive em São Paulo com outro e o ignora.
Ele entrou numa escola de artesanato e hoje vende jarros de barro na rua, que ele mesmo os faz no quintal de uma casinha de fundos cedida por sua mãe e seus irmãos.
Seu artesanato rende em média R$ 1.200,00 ( Hum Mil e Duzentos Reais ). Quase a metade é destinado a aquisição de seus remédios, dos quais não pode abrir mão.
Seu Manoel não votou em Dilma, mais pela negativa do INSS de aposentá-lo do que pela sua performance como gestora pública. Ele ri, pelo canto da boca, e de forma sarcástica, quando lhe digo que ele pertence a “alta classe média”, segundo o Governo Petista.
Quando acrescento que ele é um privilegiado pois tem uma “família de uma só pessoa”, pois mora só e o cálculo é pela renda individual por pessoa da família, ele ri e diz “na lata”: 
-"Esses petistas são uns filhos da puta!”

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Romero Jucá, o "bem mandado".

Se Jucá perder emprego de líder de qualquer governo pode fazer sucesso como narrador esportivo. O senador atropelou tanto a sessão na Comissão de Orçamento que deu munição para a oposição reverter o processo. No Aqui entre Nós com Joice Hasselmann, o colunista de VEJA, Augusto Nunes analisa ainda as novas notícias do Petrolão.

Dilma, por suas ações, já poderia ter impeachment pelo Congresso Nacional.

Especialista em direito internacional diz que dinheiro que Dilma tem tirado do Brasil para emprestar e doar a outros países é motivo de IMPEACHMENT.

Doutora em direito internacional declara em entrevista que atos promovidos pela presidenta Dilma, com empréstimo milionários a outros países, alguns até em segredo, são mais do que justificáveis para se promover o impeachment, pois são atos que violam a constituição e caracterizam improbidade administrativa. Veja o vídeo completo e tire suas próprias conclusões!

Não é novidade para ninguém.

De acordo com o partido, o PT teria comprado votos no Estado. Em Minas, Dilma Rousseff venceu Aécio Neves na corrida presidencial.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

"Dilma se beneficiou de desvios na Petrobras"


O líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (SP), disse na segunda-feira (17) que a presidente Dilma Rousseff se beneficiou diretamente dos desvios na Petrobras revelados pela Operação Lava Jato. "A presidente se beneficiou politicamente porque esse esquema de corrupção da Petrobras, a exemplo do mensalão, é uma forma de formar maioria parlamentar, arrumar apoio político para sua eleição, de somar tempo de rádio e televisão", disse ele.
Apesar de ressalvar que não há provas de enriquecimento pessoal da chefe do governo, o tucano afirmou que a corrupção na Petrobras mostra que os desvios eram parte do método petista de governar, uma espécie de "política de estado para formar maioria parlamentar".
Aloysio esteve numa passeata que pedia o impeachment da presidente, em São Paulo, no sábado. Ele diz, entretanto, que é preciso produzir provas "muito contundentes" antes de iniciar um eventual processo de cassação. O tucano também afirmou que a base aliada não terá argumentos para impedir novamente a convocação de Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras que foi preso na sexta-feira. "Depois dos fatos desse último fim de semana, penso que a base governista não terá condições políticas nem morais de impedir aquilo que nós já tentamos fazer na semana passada, que é a convocação de Renato Duque, Sérgio Machado e Leonardo Meirelles". Machado é o diretor licenciado da Transpetro. Meirelles é diretor do Labogen, um laboratório do doleiro Alberto Yousseff que era usado para movimentar dinheiro sujo. Na semana passada, a base aliada manobrou para impedir a convocação do trio.
Já líder do governo no Congresso, senador José Pimentel (PT-CE), descartou aprovar um requerimento de convocação de Duque. Antes mesmo de saber se o depoente pretende colaborar, o senador disse que a convocação seria inútil: "Tenho clareza de que simplesmente transportar de um ponto para outro um preso eu entendo que essa não é a melhor forma de investigar", afirmou.

Pobre Venezuela,

Pouco a pouco, as fotos urbanas da Venezuela estão se tornando indiferenciáveis das de cuba . A mesma miséria. A mesma tristeza. A mesma gente andando sem rumo.A mesma depredação . A mesma favelização. A única diferença " por enquanto" é que na Venezuela as ruas tém asfalto. Até quando? É inadmissível pensar que o país que possui a SEGUNDA maior reserva petrolífera do mundo caminha para a miséria a olhos vistos.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Eu não combato petralhas porque eu aceite ditaduras, eu os combato porque não as aceito!

Democracia sempre!
Sou imensamente grato a alguns defensores da “intervenção militar” que resolveram me contar “como é de fato o Brasil”, me dar aulas (!?!?!) sobre o “Foro de São Paulo” (pra mim?) e me advertir sobre a minha “ingenuidade”… Um deles, fazendo piada involuntária, escreveu: 
“Você não sabe como são os petralhas, Reinaldo…”. 
Ninguém deve ter lhe contado que eu sou o criador da palavra. Agradeço, mas dispenso as lições. Não! Gente defendendo ou justificando intervenção militar não escreve no meu blog nem na área de comentários. Se alguma opinião assim escapou, vou cortar.
O blog é meu! É feito para defensores da democracia, das liberdades civis, dos direitos individuais — tudo aquilo que governos militares, em qualquer tempo e em qualquer lugar, jamais garantiram. É claro que um regime civil não significa a certeza desses fundamentos. Mas só regimes civis podem provê-los. E não porque militares sejam homens maus. É que eles são treinados para a guerra, não para a política. Há gente com vontade de defender “intervenção militar ou golpe?” À vontade!!! Há milhares de blogs desesperados para ter leitores. No meu, não! “Ah, mas as pessoas têm o direito de ter essa opinião…” E eu disse que não têm??? Só não quero na minha casa. É simples.
Ora, ora… Eu não combato os petralhas com tanta energia porque aceite ditaduras… Eu os combato justamente porque não as aceito. Mas notem: não é que eu rejeite só a ditadura dos petralhas e de outros esquerdistas. Eu rejeito todas as ditaduras, inclusive a dos petralhas e de outros esquerdistas.
Eu escrevi ontem dois textos sobre a manifestação. No primeiro, em que lastimo a estupidez dos que pedem intervenção militar, afirmei que ainda escreveria um outro, destacando os aspectos virtuosos do protesto. Alguns tontos me acusam de querer me comportar como dono da agenda. Uma ova!
Se eu me sentisse assim, iria atuar de modo político, fazendo vista grossa para aquele carro de som só para não criticar um “aliado”. Ocorre que um defensor de intervenção militar é tão meu adversário intelectual como um petralha. Não tenho apreço nem por um nem por outro. Gente que vai à rua pedir a ação dos quartéis é, lamento!, aliada objetiva do PT e das esquerdas. Estudem o conceito de “aliado objetivo”. Não quero ser dono de nada nem me sinto líder de coisa nenhuma. Eu sou apenas dono da minha opinião. E eu a expresso. E ponto.
Tolices
Há pessoas me recomendando obsessivamente que leia o Artigo 142 da Constituição, como se eu já não o tivesse citado dezenas de vezes no blog. Há um arquivo nesta página, santo Deus! Mas lhes faço a vontade e reproduzo o caput:
“Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem.”
Sim, as Forças Armadas podem ser convocadas para a garantia da ordem interna, desde que sua presença seja solicitada por um dos Poderes da República. Aliás, aconteceu durante a Copa do Mundo, não é mesmo? Não cabe aos militares brasileiros cuidar da política.
Também deixem os bobalhões de conversa mole. Já fiz duas palestras no Comando Militar do Sudeste e duas no Clube Militar. Mantenho diálogo sereno e profissional com militares, mas não sou carpideira. Os generais que conheço estão empenhados em garantir que as Forças Armadas cumpram o seu papel constitucional e devem encarar com um profundo tédio essa bobajada.
Há ainda aqueles que juram que nunca mais voltarão a me ler porque critiquei esses delírios golpistas. A democracia existe para isso. Se eu não sirvo, certamente encontrarão uma página do seu agrado. As minhas opiniões sempre são claras, inequívocas e com zero de ambiguidade. O fato de eu criticar as tolices ilegais da Comissão da Verdade ou a conversão em heróis de facínoras como Carlos Lamarca ou Carlos Marighella, por exemplo, não autoriza ninguém a inferir que eu ache que a política e o poder devam ser exercidos por fardados. Acaba de ser lançado meu quinto livro. Há milhares — literalmente — de textos meus neste blog. Não há um só, um único que seja, que autorize essa leitura. ISSO É O QUE OS PETRALHAS GOSTARIAM QUE EU ESCREVESSE. Porque são golpistas, pretendem que seus adversários intelectuais ou morais também o sejam, mas do outro lado.
Comigo, não! Eu defendo uma democracia liberal-conservadora — avessa, portanto, tanto a petralhas e seus asseclas como a intervenções e golpes militares. Há quem nunca mais queira visitar meu blog por isso? Paciência!
Agora os Bolsonaros
Não ataquei a moralidade de ninguém. De novo: o arquivo do blog está aí, e qualquer um pode pesquisar o que escrevi, inclusive sobre aquela bobagem do kit gay. É bem provável que eu tenha cuidado do assunto antes do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ). Critiquei, sim, uma fala ambígua de outro Bolsonaro, Eduardo (deputado eleito), segundo quem “não é o momento de pedir intervenção militar”. De fato, não é. Nem agora nem depois!!! Não há esse momento a não ser segundo o que prescreve a Constituição, não é mesmo? E também lamentei que tenha se deixado fotografar com um revólver — e pouco me importa a sua profissão. Numa manifestação política, há coisas que são descabidas. E ponto!
Eu não sou político nem faço política. Quando gosto, digo “sim”; quando não gosto, digo “não”. E jamais pergunto se o meu “sim” ou o meu “não” atendem a esse ou àquele interesses, a essa ou àquela perspectivas.
Os dias vindouros serão densos. Já bastam as hostes da desqualificação petralha e esquerdopata, de que boa parte da imprensa se faz porta-voz, para tentar inibir os que defendem valores como decência e ética. Se os zumbis querem defender intervenção ou golpe militar, que marquem seus próprios atos e não conspurquem a marcha dos que estão nas ruas pedindo democracia, não golpe.
“Ah, os petralhas vão gostar de ler você criticando parte dos manifestantes…” Os petralhas que se danem! Não são meus juízes. Ainda que me aplaudissem, eu continuaria a ter por eles o mesmo desprezo que tenho quando me atacam.
Em matéria de princípios, não tergiverso nem negocio. Se alguém quer ditadura, é meu adversário, pouco me importa se é comuna ou anticomuna. Quem ainda não entendeu isso, deixo claro, ainda não me entendeu.
#prontofalei

*Por Reinaldo Azevedo

Será que a Procuradoria-Geral Eleitoral teme a análise das contas de Dilma por Gilmar Mendes?


Ministro Gilmar Mendes
Por mais incrível que pareça, a Procuradoria-Geral Eleitoral recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a decisão de redistribuir livremente o processo de prestação de contas da campanha à reeleição de Dilma Rousseff. 
O processo que reúne os dados de arrecadação e despesas da campanha da presidente-candidata em 2014 estava a cargo do ministro Henrique Neves, que deixou o tribunal na última quinta-feira.
Com isso, “acha” o Ministério Público Eleitoral, mas não respaldou por que “acha”, o caso deveria ser repassado a um ministro da mesma classe de Neves, ou seja, da classe dos “advogados indicados” ( e imaginem por quem foram indicados?) para compor a Corte, e não “indiscriminadamente”
(sic) a qualquer magistrado do TSE. 
De acordo com o parecer do MPE, a prestação de contas deveria sair da responsabilidade do ministro Gilmar Mendes, que "herdou" o processo de Henrique Neves, e passar para as mãos do ministro-advogado “Admar Gonzaga”.
Se vocês querem saber quem é Admar Gonzaga, adianto que é gente de "confiança" de Dilma e foi um dos “principais integrantes” do núcleo jurídico da campanha da petista Dilma, nas eleições de 2010.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Faz tempo que a TV americana fala sobre o conluio de Lula e Castro.

FAZ TEMPO QUE A TV AMERICANA DIZ QUE LULA É ASSESSOR DE RAUL CASTRO....
Vergonha !!!!! Tv americana diz que:
* Lula é assessor direto de Raul Castro, e ganha milhões assessorando o ditador cubano.
* Que não entendem como o povo brasileiro é cego e não vê isso. 
* Que filho de Lula só pode ser mágico ou ter muita sorte para enriquecer da forma que enriqueceu, etc, etc, etc,
Assistam e espalhem ao máximo isso !!!

Construtora recebeu aditivo de R$139,8 milhões da Petrobras por usina já concluída.

RIO - As investigações do esquema de corrupção na Petrobras pela Polícia Federal, na Operação Lava-Jato, revelaram a prática reiterada da estatal de reajustar contratos no meio das obras, fazendo disparar o custo final de grandes projetos, como a refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, e o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), alvos de auditorias do Tribunal de Contas da União (TCU). Documentos obtidos pelo GLOBO mostram que a estatal também pagou suplementos a contratos de obra já concluída. É o caso da Termoaçu, termelétrica da Petrobras que fica no interior do Rio Grande do Norte. No final do ano passado, a Petrobras autorizou o pagamento de um valor extra de R$ 139,8 milhões à construtora Camargo Corrêa a título de compensação por despesas adicionais como subcontratações durante as obras da Termoaçu, cinco anos depois da inauguração. A construtora, uma das acusadas pelas investigações da Lava-Jato de participar de cartel e do esquema de pagamento de propinas na Petrobras, já havia recebido pelo menos R$ 690 milhões pela obra.
A Petrobras arcou com a maior parte do investimento porque detinha 77% da usina. A outra sócia era a Neoenergia, dona do restante das ações. Em setembro de 2008, o então presidente Lula inaugurou a Termoaçu ao lado da atual presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, que na época era diretora de Gás e Energia da estatal, à frente da área responsável pelo empreendimento. Construída para produzir 323 MW a partir da queima de gás natural e vapor para injeção em poços de petróleo na costa potiguar, a usina foi apresentada com custo total de R$ 735 milhões.
A inauguração foi por videoconferência numa universidade de Mossoró, a 125 quilômetros da usina e onde Lula tinha compromisso com a então governadora do RN, Wilma de Faria. Se tivesse ido pessoalmente à Termoaçu, Lula poderia ter visto o que observaram executivos da área de auditoria interna e controladoria da térmica, indicados pela Neoenergia: a usina tinha várias falhas de construção.
*Leia mais em