sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Perfil do militante do caos.

É o cara que se escandaliza com Bolsonaro, mas não vê problema algum em Graça Foster, em Dilma, em Lula.
É o cidadão que se preocupa com os centavos da passagem de ônibus, mas ignora os milhões da Petrobras.
É a moça que defende o aborto, mas considera a palmada um crime hediondo.
É aquele que odeia os judeus e quer a destruição do Estado de Israel, mas faz campanha contra o racismo e xinga os adversários de nazistas.
É aquele que acusa Bolsonaro de ser apologista do estupro, mas ignora o professor que defendeu o estupro de Rachel Sheherazade.
É aquele que chama empresário de sonegador, mas aceita a maquiagem fiscal da Dilma.
É aquele que protesta quando morre um traficante, mas festeja quando morre um policial militar.
É aquele que não se importa em destruir a vida do adversário, se isso for importante para a causa ou o "partido".
É aquele que passa a odiar sua cidade quando a maioria não vota em sua candidata.
É aquele que chama o caso Celso Daniel de “crime comum”.
É aquele que usa a expressão “ação penal 470” para se referir ao mensalão.
É aquele que prega a estatização do financiamento eleitoral.
É aquele que usa a palavra “estadunidense”.
É aquele que tem uma grande simpatia pelos nanicos da linha auxiliar do PT.
É aquele que não vê nada demais no fato de o PIB per capita da Coreia do Sul ser de 32 mil dólares e o da Coreia do Norte, de 1.800 dólares. Afinal, a Coreia comunista é mais igualitária.
É aquele que apoia o movimento gay, mas também apoia o regime cubano, que já fez campos de concentração para homossexuais.
É aquele que acredita em governo grátis, mesmo quando o País trabalha até maio só para pagar impostos.
É aquele que odeia a censura, mas quer o controle social da mídia.
É aquele que faz tudo para acabar com a família e a igreja, pois sabe que elas são os principais focos de resistência ao poder do Estado e dos movimentos sociais.
No fundo ele sabe que o país está sendo saqueado, exaurido, violentado – mas diz que o problema é o Bolsonaro.
É aquele que nunca perdoa.
Pax et Lux et Bonum!
Publicado originalmente no Jornal  de Londrina, por Paulo Briguet em 19.12.2014.

Governo tem rombo de R$ 17,24 bi em contas de 2014, pior desempenho desde 1997.

Puxada por um grande déficit da Previdência, as contas do governo central ficaram negativas pela primeira vez no acumulado de um ano desde o início da série histórica.

Em dezembro, as contas do Governo Central registraram superávit de 1,039 bilhão de reais

                                Em dezembro, as contas do Governo Central registraram superávit de 1,039 bilhão de reais.              (Ivan Pacheco/VEJA.com)
As contas da presidente Dilma Rousseff fecharam 2014 com um déficit primário de 17,242 bilhões de reais. O resultado do chamado governo central, que reúne as contas do Tesouro Nacional, INSS e Banco Central, registraram o pior desempenho da série histórica que teve início em 1997. Foi o primeiro déficit da série e corresponde a 0,34% do Produto Interno Bruto (PIB). Em 2013, o superávit acumulado foi de 76,993 bilhões de reais, ou 1,59% do PIB.
O rombo histórico das contas do governo, divulgado pelo Tesouro nesta quinta-feira, consolidou um processo de forte deterioração fiscal que a presidente Dilma tenta agora reverter para retomar a confiança no país. Apesar das pedaladas fiscais (atrasos nos pagamentos de despesas) que ainda ficaram para 2015 e receitas extraordinárias, o resultado de 2014 ficou distante da última previsão do governo, de fechar o ano com um superávit de 10,1 bilhões de reais. No início do ano, o governo prometeu fazer um superávit de 80,7 bilhões de reais nas contas do governo central.
O resultado reflete uma combinação de aumento de despesas, queda forte da arrecadaçãopor causa da atividade econômica fraca e desonerações tributárias em volume elevado. 
Dados do Tesouro mostraram que as despesas subiram 12,8%, para 1,013 trilhão de reais, enquanto as receitas avançaram apenas 3,6%, totalizando 1,031 trilhão de reais.
A Previdência foi, de longe, o setor que mais contribuiu para o rombo anual. Separadamente, as contas do Tesouro tiveram um superávit de 39,570 bilhões de reais, o do INSS um déficit de 56,698 bilhões de reais e o resultado das contas do Banco Central foi negativo em 114,8 milhões de reais.
Dezembro - Apenas em dezembro, as contas do governo central registraram um superávit de 1,039 bilhão de reais, decepcionando mais uma vez. No final do ano passado, o ex-secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, havia garantido que o superávit seria de dois dígitos, o que não ocorreu. O resultado de dezembro é pior para o mês desde 2008, quando as contas fecharam com déficit primário. Para não ser responsabilizado pela Lei de Responsabilidade Fiscal, o governo conseguiu que o Congresso Nacional aprovasse uma alteração na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) que permite o descumprimento da meta.
(Com Estadão Conteúdo)

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Mantega queria abafar rombo da Petrobras.

Mantega queria abafar rombo da Petrobras. Conselheiros ameaçaram denunciar estatal na CVM, se perdas de R$ 88,6 bi não fossem divulgadas.

(Valor) R$ 88,6 bilhões é a cifra que os brasileiros devem ter em mente, a partir de agora, para avaliar o tamanho do problema provocado pela gestão da Petrobras nos últimos anos - não apenas por corrupção, mas também por ineficiência, orientação política e risco do próprio negócio. Esse número foi apurado após um pente-fino em 52 empreendimentos da estatal, que tiveram como fornecedores empresas citadas na Operação Lava-Jato. O valor foi obtido a partir de um estudo individual de cada ativo, como se não fizessem parte da mesma companhia. Portanto, ele exclui as sinergias da operação conjunta - fato que pode levar a uma redução do ajuste e, num extremo pouco provável, torná-lo desnecessário.
A partir desse número, a diretoria da Petrobras terá de chegar a um entendimento com sua auditora, a PricewaterhouseCoopers, sobre o efetivo ajuste nas demonstrações financeiras - se ele será feito e qual seu montante. Os R$ 88,6 bilhões representam a diferença entre o valor pelos quais os ativos estão registrados no balanço da Petrobras e o preço que um terceiro aceitaria pagar por eles, conceito conhecido como "valor justo".
A divulgação dessa cifra bilionária dominou as discussões da reunião do conselho da Petrobras, presidida pelo ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, na segunda feira, que durou quase dez horas. O Valor apurou que representantes do governo não queriam inicialmente divulgar o número, ainda não definitivo. Os conselheiros independentes ameaçaram denunciar o caso à CVM e renunciar aos cargos caso o dado não fosse divulgado. A decisão de informar prevaleceu, porque a cifra, apurada nas avaliações de duas empresas independentes - Deloitte e BNP - foi considerada, ao final, um "fato relevante". A Petrobras espera publicar seu balanço completo, auditado, no fim de maio.
Valor também apurou que a presidente da estatal, Graça Foster, deve ser substituída quando ficar claro que ela não teve envolvimento no esquema de corrupção. Na avaliação do Planalto, o afastamento de Graça, neste momento, poderia deixar dúvidas sobre sua participação nas irregularidades.
Investidores se decepcionaram com o fato de a Petrobras não ter realizado a tão aguardada baixa contábil em seu balanço e venderam ações da estatal, que lideraram a lista de baixas de ontem na bolsa de São Paulo - Petrobras PN caiu 11,2% e ON, 10,47%. Em nota, o presidente da gestora americana Aurelius Capital Managment, Mark Brodsky, afirmou que a empresa corre o risco de entrar em default técnico.
*http://coturnonoturno.blogspot.com.br/2015/01/mantega-queria-abafar-rombo-da.html

Estelionato eleitoral na educação.


No apagar das luzes de 2014, o governo federal decidiu mudar as regras do financiamento do ensino superior, uma das bandeiras de campanha do PT, sem justificativa, sem negociação com os estudantes ou com as instituições de ensino envolvidas.

As novas regras estabelecidas pelo Ministério da Educação para o Fies prevêem que o subsídio estatal será concedido apenas aos alunos que obtiverem uma nota mínima de 450 e que não tirem zero na redação no Enem. Além disso, o governo alterou os pagamentos para as universidades estabelecendo um intervalo mínimo de 45 dias, feitos mensalmente anteriormente. Com isso, ao final do ano, essa instituições terão recebido o pagamento das mensalidades apenas de janeiro a julho. As demais serão reembolsadas somente em 2016!

A irresponsabilidade do governo é tamanha que não deixou tempo hábil para que os estudantes pudessem se preparar, ou seja, as regras foram mudadas no meio do jogo prejudicando milhares de jovens, que não sabem se vão conseguir efetivar as matrículas, e promovendo um verdadeiro calote às universidades. 

Para piorar a situação, o site do Ministério da Educação (MEC) ficou dias fora do ar impossibilitando que os estudantes pudessem solicitar a renovação dos contratos. Muitos dos alunos que ficarão de fora do Fies são de baixa renda. Até o momento apenas os estudantes com contratos já existentes podem solicitar o aditamento. Novos alunos terão de esperar pela boa vontade do MEC.

Em tão pouco tempo o governo Dilma trai novamente o seu eleitor descumprindo mais uma promessa de campanha! Uma bandeira forte do marketing do PT, que era não mexer NUNCA nos programas sociais. 

Apesar de ter negado durante meses, todos sabíamos da necessidade de um ajuste fiscal num governo irresponsável, que gasta além dos limites e ainda que gasta mal. Mas por que não começar os cortes no próprio Executivo, excluindo ministéros, cortando cargos, diminuindo o orçamento? 

Não, o governo da "Pátria Educadora" optou por cortar o efetivo para a Educação: foi justamente o ministério que mais sofreu cortes no seu orçamento. 

Fica a pergunta: isso pode, Dilma?

Dossiê PT.


O PT vive fazendo alarde contra a ditadura de 64. Será que é porque, atualmente, a DITADURA é monopólio do PT?

O PT censura e ataca todos aqueles que se opõem contra os objetivos do partido: sua perpetuação no poder.
Sua principal moeda de troca é o patrocínio das estatais nas mídias. Quem não fizer o jogo do governo, perde milhões em publicidade. 
Só se esquecem que barganham com o nosso dinheiro, proveniente do nosso suor.

Também é mais que sabido que o aparelhamento da máquina pública é utilizado de forma criminosa pelo PT. 
Atacaram Joaquim Barbosa de todas as formas, ameaçando-o até de morte (aliás, onde está o processo contra o criminoso?) http://on.fb.me/1pp19v4
Tentaram retirar o Juiz Sérgio Moro das investigações do Lava Jato e atacam impiedosamente Venina Velosa após a mesma ter delatado esquema de corrupção na Petrobras, envolvendo o ex-presidente Lula.
Ataques a Rachel Sheherazade e Paulo Eduardo Martins por criticarem o PT abertamente terminaram em CENSURA contra o SBT.
Celso Daniel não teve a mesma chance. Foi eliminado após descobrir esquema de corrupção do PT em Santo André. Ministro Chefe da Secretaria de Dilma, Gilberto Carvalho está envolvido: http://on.fb.me/1xYPyvW
Vejam ameaça velada à BAND nas eleições 2014: http://on.fb.me/1tqXoNM

PT é pura hipocrisia. Reclama da ditadura do passado, mas tenta implantar outra pior ainda.
Errata: pedimos desculpas pelo erro no nome da Rachel Sheherazade que saiu errado na imagem.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Dilma e o discurso desconectado da realidade.

O Discurso de Dilma ESTÁ desconectado da Realidade. Tanto Que Ela demonstrou desconforto, nervosismo e gaguejou o ritmo TODO. Estilo Dilma venceu a eleição defenestrando SEUS opositores e ágora recorre Ao 'João Santana "Para Que Ministros vendam Esse Brasil de Ilusão Que foi forjado Durante a Campanha De:.. De: Não se vence COM Palavras Uma crise Económica, presidente Não É com Uma Continuação da mentira Que a INFLAÇÃO vai Diminuir OE Pais voltar vai a Crescer.
Como E Que DEPOIS de s uspender R $ 10 bilhões em Direitos trabalhistas se PODE Falar que eles São intocáveis? Como E Que o Brasil Quer ser Uma pátria educadora retirando Recursos Fazer MEC e bolsas de ensino.
A presidente escolhe Muito Bem Como Palavras Para tentar Esconder O Que VEM por ai. Mas se DEPOIS de tanta maldade com o bolso da classe de Mídia, com OS DIREITOS do trabalhador, com o aumento nsa tributos, com Uma Suspensão de Direitos estudantis, com Uma escalada dor Juros e Fazer IOF, ELA AINDA Fala em reequilíbrio fiscal 'gradual', E Porque Muita maldade AINDA VEM por ai.
* Ronaldo Caiado, via Facebook

Temer admite: mudança trabalhista foi pensada antes da eleição.

O vice-presidente Michel Temer (PMDB)
O vice-presidente Michel Temer (PMDB) (Marcio Ambrosio/Futura Press)


Vice-presidente afirmou que questão foi discutida 'no passado'. Sobre a eleição na Câmara, disse que não crê que Eduardo Cunha seja alvo de perseguição.

Bruna Fasano

O vice-presidente da República, Michel Temer, presidente nacional do PMDB, admitiu nesta segunda-feira que o pacote de endurecimento de regras para a concessão de benefícios como o seguro-desemprego foi desenhado antes da campanha eleitoral do ano passado. Mas saiu em defesa da presidente Dilma Rousseff, negando que ela tenha mentido durante a corrida eleitoral – a petista, mesmo já trabalhando em um pacote de ajustes, insinuava que seus adversários pretendiam alterar a legislação que garante direitos trabalhistas.
Questionado se as alterações anunciadas teriam sido discutidas antes da eleição, afirmou: “Os ajustamentos começaram a ser examinados no passado e agora vão ser implementados”. E prosseguiu: “São variações mais do que naturais”. Temer participou de debate na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) na capital paulista.
Reportagem desta segunda-feira do jornal Folha de S. Paulo informa que os ajustes começaram a ser traçados antes das eleições. Ainda em agosto, o governo reduziu em 8,8 bilhões de reais a previsão de gasto com o abono salarial para 2015 – como consta no Projeto de Lei Orçamentária Anual deste ano, enviado naquele mês pelo Planalto ao Congresso. Segundo o jornal, um integrante do governo afirmou que tal previsão foi feita já com base nas novas regras, que seriam anunciadas apenas depois do pleito.
Em meio ao vale-tudo promovido pelo PT para frear o "furacão Marina" em setembro de 2014, Dilma sugeriu que a adversária pretendia acabar com direitos trabalhistas em vigor e disparou uma frase cunhada pela sua equipe de marketing para chacoalhar a militância petista nas redes sociais: "Nem que a vaca tussa", esbravejou. A expressão foi usada à exaustão pela campanha, numa ofensiva pela desconstrução da imagem de Marina – cuja candidatura minguou vertiginosamente na sequência. Na reta final do primeiro turno, uma vaquinha malhada chegou a ser mote de sindicalistas alinhados à então presidente-candidata para uma “mobilização nacional” em defesa dos trabalhadores.
Câmara – Temer comentou ainda a disputa pela presidência na Câmara dos Deputados, que será decidida em eleição no próximo domingo. O vice-presidente apoia a candidatura de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), desafeto da presidente Dilma. “Tenho certeza de que, ao final desta semana, feita a eleição, a Câmara se pacificará em torno do candidato eleito”, afirmou o peemedebista.
O vice-presidente também falou sobre a gravação, tornada pública por Cunha, em que o nome do parlamentar é citado numa negociata. Para Temer, o candidato do partido não é alvo de perseguição dos adversários. “É natural que ocorram acidentes e incidentes. Nesta última semana, há um agravamento desses incidentes”, disse.

Quem?


terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Dilma, a Desaparecida do Cerrado, e a "recessão de salvação" como nova utopia.

Por Reinaldo Azevedo

Enquanto o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, defendia em Davos as medidas ditas de austeridade aplicadas no Brasil, fazendo um discurso que os petistas costumavam chamar de “neoliberal”, a presidente Dilma Rousseff, a Desaparecida, deu as caras na Bolívia: compareceu à terceira posse de Evo Morales, o índio de araque, que se vangloriou de os “Chicago’s boys” não mandarem em seu país. Nota: na língua ideológica de Evo, Levy é um “Chicago’s boy”. 

Qual presidente Dilma está no governo? A que sustenta Levy ou a que vai puxar o saco de bolivarianos? Convém não confundir esse ecletismo com pluralidade. Pode ser, e tudo indica que seja, falta de clareza. Dilma parece tentada a tocar cítara e flauta ao mesmo tempo, coisa que Paulo, o apóstolo, não recomendava. 

Janeiro vai chegando ao fim trazendo, adicionalmente, o fantasma da conjugação da falta de água nas regiões metropolitanas mais densamente povoadas do país com a falta de luz. Aquela que exige ser chamada de “presidenta”, no entanto, está muda. Parece imersa em sua perplexidade, sem energia para tocar nem cítara nem flauta. O PT está perdido. Vê desmoronar o seu castelo de cartas e, desta vez, não tem o que dizer porque já não tem mais como culpar… FHC!!! 

A falsa herança maldita de FHC mobilizava a fanfarronice de um partido falastrão, com suas soluções simples e erradas para problemas difíceis. Mas a verdadeira herança maldita, que é a do PT, calou a boca do… PT — e essa, convenham, é a única boa notícia nesses tempos de desolação. 

Nunca antes na história “destepaiz”, para citar o chavão do Babalorixá de Banânia, um governo se desmoralizou com tamanha rapidez. Dilma nem havia ainda tomado posse de seu segundo mandato, e suas promessas de campanha iam, uma a uma, descendo ralo abaixo. As burrices feitas pelo PT — oriundas, reitero, lá dos governos Lula — terão de ser minoradas (nunca corrigidas!) por um período de recessão econômica. E não que tenhamos experimentado, nos últimos quatro anos, uma farra, não é mesmo? 

Convém que a oposição se organize logo — agora, não depois — para ocupar esse vazio de discurso. É preciso definir com celeridade uma narrativa que dê conta da complexidade desse momento. Antes que Levy — que está aí tentando recuperar os escombros deixados pelo PT — passe por arquiteto de uma nova utopia. 

Como horizonte, o país merece um pouco mais do que uma recessão de salvação

Boletim Focus mostra projeção de PIB zero e inflação próxima a 7% para 2015.



Por O EDITOR - Via 
Valor Econômico
Inflação chegando aos 7% e crescimento da economia se aproximando do zero em 2015. Este é o cenário visto pelos analistas de mercado, de acordo com o boletim Focus, do Banco Central. A mediana das estimativas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deu um salto, de 6,67% para 6,99%, na última semana, enquanto a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) caiu de 0,38% para 0,13% neste ano. Os analistas veem a inflação mais pressionada pelos preços administrados, cuja mediana subiu de 8,2 0% para 8,70%. 

Em 12 meses, a estimativa para o IPCA subiu de 6,66% para 6,69% e para o índice de janeiro houve ajuste de 1,10% para 1,20%. Na semana passada, o IBGE informou que o IPCA-15, prévia da inflação deste mês, subiu 0,89%. Em 12 meses, acumulou avanço de 6,69%. 

Apesar da inflação mais salgada, os analistas não alteraram suas apostas para a taxa básica de juro, que seguem em 12,50% no fim deste ano. Na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a Selic de 11,75% para 12,25% ao ano. Já o PIB deve ter ajuda menor da indústria, uma vez que a estimativa para o aumento da produção industrial neste ano passou de 0,71% para 0,69%. 

O mercado vê um cenário um pouco melhor em 2016, com a inflação menos pressionada, uma taxa de juro menor e um crescimento maior que em 2015, embora o PIB de 2016 tenha sido revisado para baixo. A mediana das estimativas para o IPCA caiu de 5,70% para 5,60%. A estimativa para a Selic permaneceu em 11,50% e a do PIB cedeu de 1,80% para 1,54%, assim como a da produção industrial, de 2,65% para 2,50%. 

Top 5 
Os analistas Top 5, os que mais acertam as previsões, agora veem o IPCA deste ano em 6,86%, ante 6,60% na semana passada, e mantiveram a estimativa para a Selic em 13% ao fim de 2015. Para 2016, a projeções para o IPCA seguiu em 5,60%, mas a da Selic caiu de 12% para 11,75%. 
Para compartilhar esse conteúdo, por favor, utilize o linkhttp://www.valor.com.br/brasil/3877780/mercado-eleva-projecao-para-ipca-e-reduz-previsao-para-pib-diz-focus ou as ferramentas oferecidas na página. 
Textos, fotos, artes e vídeos do Valor estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do Valor (falecom@valor.com.br). Essas regras têm como objetivo proteger o investimento que o Valor faz na qualidade de seu jornalismo.