sábado, 25 de outubro de 2014

O debate na Globo e a pústula governamental.

O debate na Globo entre Dilma e Aécio teve início tenso, com troca de acusações, ironias, risos dos convidados e até "cagada", digo,erro de William Bonner...
E a anta continua dizendo nada com nada, cobrando a Aécio o que não é responsabilidade sua- pois ainda não é o Presidente- gagueja, não raciocina lógico e não diz uma só verdade.
Só um imbecil dá crédito uma mulher incapaz de gerir uma lojinha de produtos de R$ 1,99 que só sabe mentir, caluniar, difamar, se apropriar dos projetos e ações alheios, doar nosso dinheiro a países comunistas, ditadores e defender os assassinos islâmicos.

E ainda, proteger bandidos do seu partido, pagar mais à presidiários do que ao trabalhador honesto brasileiro.
Esta mulher não é apenas uma contradição. É uma hecatombe. 
É uma pústula que infecciona as instituições do país.

A calúnia como arma de destruição.

No editorial da nova edição de ISTOÉ: o massacre de reputações promovido pelo PT é algo sem precedentes na história do Brasil.
*Carlos José Marques -  EDITORIAL
Foram dias de massacre de reputações sem precedentes. Para se manter no poder, os articuladores da candidata Dilma Rousseff adotaram o que chamaram de estratégia de desconstrução do adversário cuja essência era um bombardeio de mentiras e calúnias, transformando essa na mais torpe eleição dos últimos tempos.
Nas peças de campanha e nas palavras dos principais arautos petistas, liderados pelo ex-presidente Lula, o oponente de Dilma, Aécio Neves, foi classificado de nazista, que agride mulheres, não gosta de trabalhar, tem problemas com bebida e, para completar, iria desempregar os brasileiros e acabar com o programa “Bolsa Família”.
Qualquer um que avaliasse mais detidamente a tática oficial, que despejou milhões em campanha, poderia perceber a inconsistência de tamanha artilharia de insultos e ilações – e o intuito por trás dela. Nada ficaria de pé nesse carnaval de difamações. Mas o seu martelar incessante nas propagandas de TV, nas mídias digitais e nos palanques Brasil afora foi inebriando massas, tentando convencê-las de uma falsa luta do bem contra o mal, de “nós contra eles”. Faltou lucidez e a esperança de parte da população foi embalada por quem controla a máquina numa caixa de promessas vazias. Nas ruas a militância partidária, incessante no seu afã de caluniar, distribuía panfletos apócrifos com teores terroristas, falando da ameaça que viria de uma vitória da oposição.
Era o apogeu de um plano covarde que se repetia depois da destruição implacável imposta à ambientalista Marina Silva, chamada até de homofóbica e acusada de assassinato de um manifestante gay por parte de seus seguranças, segundo ela mesma informou em entrevista ao jornal britânico Financial Times. Indignada com o jogo sujo, Marina fez uma declaração de apoio aberto a Aécio e às mudanças propostas por ele que estão no bojo de um amplo anseio da Nação.
Depois das urnas, qualquer que seja o seu resultado, torna-se imperativa uma revisão das regras eleitorais que abriram margem a tantas manobras rasteiras. Os golpes baixos no plano pessoal e na biografia de conquistas administrativas do mineiro, cuja gestão no governo de seu estado mereceu aprovação recorde, somaram-se a um estratagema maroto de esconder a realidade de crise evidente. Nos últimos quatro anos, os números atestam, o País vive uma paralisia econômica que se agrava, com descontrole dos gastos públicos e desmoralização de instituições como a Petrobras, cujos cofres foram assaltados por partidários do Governo, que desviaram bilhões.
Seguir nesse caminho insano é insistir em um erro, de consequências imprevisíveis, que pode levar muito tempo para se consertar e cujo único antídoto, ou resposta eficaz, está na urna eleitoral.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

"Elles sabiam"...


Lula e Dilma sabiam do esquema criminoso do Petrolão', diz Youssef
Reportagem de VEJA que está nas bancas traz trechos inéditos da delação premiada do doleiro Alberto Youssef. Em depoimento formal a procuradores e delegados, o caixa do esquema deixa claro que as duas grandes figuras do Planalto sabiam de tudo. Augusto Nunes e Ricardo Setti ainda comentam as pesquisas eleitorais e a campanha suja do PT.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Os arautos da omissão e da permissividade.

OS ARAUTOS DA OMISSÃO E PERMISSIVIDADE.

A 72 horas do início das eleições do dia 26, os arautos da omissão e permissividade, soltam suas garras e anunciam, numa pesquisa efetivada mediante paga, um prognóstico eleitoral que põe à frente da preferência do povo brasileiro a candidata cujo passado e presente são ligados ao terrorismo, ao engajamento comunista, e a crimes de toda ordem, em nome de uma ideologia equivocada, através da qual planejava instaurar uma ditadura comunista no Brasil. Todos sabemos que em nome do comunismo milhões de pessoas inocentes foram mortas por defender a democracia e a liberdade.
Hoje, infelizmente, a própria imprensa brasileira, posiciona-se omissa não só quanto a escalada da implantação de um regime tirânico em solo brasileiro mas, sobretudo, diante dos inúmeros crimes de dilapidação do erário perpetrado por gente diretamente subordinada e/ou ligada, pessoalmente ou ideologicamente, a atual Presidente do Poder Executivo do País.
O país apodrece e com ele nossas instituições democráticas pela qual tanto lutamos para garanti-las num ambiente de paz e ordem.
É lamentável que DATA FOLHA e IBOPE, instituições comprometidas por contratos milionários, celebrados com este Governo de viés comunista, a menos de 72 horas das eleições presidenciais definitivas, publiquem uma pesquisa de opinião tão absurda quanto o é a omissão dos homens e mulheres do Brasil que, diante do apodrecimento da República, iniciada a quase 12 anos atrás, não percebem que este Governo se alimenta da mentira, da infâmia, da difamação e mantém-se graças, não apenas a sua omissão e permissividade, mas acima de tudo pela omissão de órgãos da imprensa que se esbanjam às custas do dinheiro dos impostos de todos os brasileiros, dando em troca uma equivocada e criminosa visão irreal deste país.
Resta-nos, no fundo da alma e do coração, voltar nosso pensamento à Deus e pedir serenidade ao povo brasileiro para votar certo, contrariando a vontade dos incautos ideológicos, interesseiros e imbecis, que desejam dominar a nação e escravizar o povo à exemplo da Venezuela e Cuba, exemplos negativos e nocivos tão admirados pelos nossa atual governante e seus áulicos.
Que Deus nos dê fé, força e perseverança. NÃO VAMOS DESISTIR DO BRASIL!

Mario Jorge Tenorio Fortes – 23/10/2014

"Aécio é nosso grito de socorro pelo Brasil".

Falam em "copa das copas". Eu digo que essa será a "eleição das eleições". É hora de devolver o Brasil aos brasileiros. Nenhum partido deve ser maior que o país e seus interesses não são os da nação. É essencial mudar de rumo.

Aécio esta à frente de Dilma com 53,2% da preferência do eleitorado.

Divulgação/Flickr
Aécio tem 53,2% contra 46,8% de Dilma, mostra pesquisa do instituto Veritá
Aécio Neves aparece em vantagem sobre Dilma Rousseff na pesquisa do instituto Veritá
O senador Aécio Neves (PSDB) seria eleito presidente da República com 53,2% dos votos válidos, caso a eleição fosse hoje. 
É o que diz pesquisa do instituto Veritá ( o único que acertou as pesquisas do primeiro turno), encomendada pelo jornal Hoje em Dia. A presidente Dilma Rousseff (PT) não seria reeleita pois conta com 46,8% da preferência do eleitor.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

A farsa dos Institutos de Pesquisa contratados no governo petista.


Dilma quer transformar o Brasil em um país comunista.

A presidente Dilma Rousseff decidiu que quer modificar o sistema brasileiro de governo. E decidiu fazer isso por decreto. Para isso editou uma medida que obriga os órgãos do governo a promover consultas populares sobre grandes temas, antes de definir a política a ser adotada e anunciada pelo governo.
O Decreto 8.243, de 23 de maio de 2014, que cria a Política Nacional de Participação Social (PNPS) e o Sistema Nacional de Participação Social (SNPS), é um conjunto de barbaridades jurídicas, ainda que possa soar, numa leitura desatenta, como uma resposta aos difusos anseios das ruas.
"Na realidade é o mais puro oportunismo, aproveitando os ventos do momento para impor velhas pretensões do PT, sempre rejeitadas pela Nação, a respeito do que membros desse partido entendem que deva ser uma democracia.O decreto 8243/2014 cria a Política Nacional de Participação Social (PNPS) e diz que o objetivo é “consolidar a participação social como método de governo”, afirma editorial do jornal O Estado de S. Paulo.
“Esse decreto da presidente Dilma é uma afronta à ordem constitucional do País. Sabedor que vai perder as eleições, o PT age no sentido de criar um sistema paralelo de poder como Hugo Chávez fez na Venezuela que em um primeiro momento tenta vender a ideia de participação popular para depois ter suporte para implantar o sistema bolivariano no País”, declarou o deputado Ronaldo Caiado (GO).
O decreto presidencial institui os conselhos populares compostos por “cidadãos, coletivos, movimentos sociais institucionalizados ou não institucionalizados, suas redes e suas organizações”, conforme o artigo 2º da Norma.
O parlamentar afirma que medida do governo petista vai criar cidadãos de 1ª e 2ª classe ao privilegiar um pequeno grupo de pessoas ligadas ao partido na participação do processo decisório do País.
Em resposta ao golpe institucional do PT, o Democratas apresentou hoje um Projeto de Decreto Legislativo pedindo a revogação do decreto da presidente Dilma. Segundo o líder na Câmara, Mendonça Filho(PE) o partido não descarta acionar o Supremo Tribunal Federal contra essa medida antidemocrática.
“É uma invasão à esfera de competência do parlamento brasileiro e uma afronta à ordem constitucional do País. A democracia se dá por meio dos seus representantes no Congresso, legitimamente eleitos. Não bastasse as tentativas de controle da mídia e a ideologização e o aparelhamento da cultura no país, agora eles querem impregnar toda a máquina governamental”, declarou.
‪#‎golpedoPT‬
Cu

Uma presidente decepcionante.