sábado, 15 de outubro de 2011

Homenagem ao professor, em seu dia.

Cena do filme "Ao mestre com carinho!"

Dilma acha a vassoura ou será assediada pela sujeira

 
As coisas ficaram definitivamente complicadas para o comunista sem multidões Orlando Silva, ministro do Esporte e homem-chave — deveria ser ao menos — na organização da Copa de 2014. A presidente Dilma Rousseff pode prestar um favor à moralidade pública e à competição com um único ato: a demissão de Silva, que tem de ir cantar em outra freguesia. Será uma decisão tardia. Deveria ter sido demitido por Lula. Jamais deveria ter sido reconduzido por ela própria.
Vocês se lembram daquele imbróglio envolvendo o PCdoB e ONGs de fachada que recebiam uma bolada do Programa Segundo Tempo e não prestavam serviço nenhum? Alguns militantes do partido foram presos. Entre eles, estava o policial militar João Dias Ferreira. Em entrevista à VEJA desta semana, ele dá detalhes de como funcionava (funciona ainda?) um esquema instalado dentro do Ministério do Esporte que pode ter desviado R$ 40 milhões em 8 anos.
Mas isso ainda é muito pouco.
O chefe do rolo, ele garante, é o próprio Orlando Silva.
João Dias afirma que, quando secretário-executivo do Ministério — o titular era Agnelo Queiroz, do PT, atual governador do Distrito Federal —, O MINISTRO RECEBEU PESSOALMENTE SOMAS DE DINHEIRO NA GARAGEM DO MINISTÉRIO.
Ele diz que, na gestão Agnelo, que também se beneficiava da maracutaia, o programa Segundo Tempo já funcionava como caixa dois do PCdoB.
A roubalheira era simples e eficiente. As ONGs só recebiam o dinheiro mediante uma taxa previamente negociada, que podia chegar a 20% do valor dos convênios. O PC do B indicava tudo: de “fornecedores” a pessoas encarregadas de dar notas fiscais frias para justificar despesas fictícias.
O próprio João Dias, amigão de Agnelo, controlava duas entidades, que receberam R$ 3 milhões. Segundo o inquérito, dois terços desse dinheiro desapareceram.
Quando foram presos, os militantes do PC do B deram algumas pistas sobre o funcionamento do esquema.
João Dias ficou de bico calado.
Agora decidiu falar.
Ele dá o nome do homem que fazia a coleta e levava dinheiro para o ministério, inclusive para o agora ministro. Trata-se de Célio Soares Pereira, que também fala a VEJA. O relato sobre uma ocorrência de 2008 impressiona: “Eu recolhi dinheiro com representantes de quatro entidades aqui do Distrito Federal que recebiam verba do Segundo Tempo e entreguei ao ministro, dentro da garagem, numa caixa de papelão. Eram maços de notas R$ 50 e R$ 100″.
Por que agora?
E por que Ferreira resolveu romper o silêncio? Leiam um trecho da reportagem de Rodrigo Rangel:
A lua de mel do policial com o ministério e a cúpula comunista começou a acabar em 2008, quando passaram a surgir denúncias de irregularidades no Segundo Tempo. Ele afirma que o ministério, emparedado pelas suspeitas, o deixou ao léu. “Eu tinha servido aos interesses deles e, de repente, quando se viram em situação complicada, resolveram me abandonar. Tinham me prometido que não ia ter nenhum problema com as prestações de contas.”
O policial diz que chegou a ir fardado ao ministério, mais de uma vez, para cobrar uma solução, sob pena de contar tudo.
No auge da confusão, ele se reuniu com o próprio Orlando Silva.
“O Orlando me prometeu que ia dar um jeito de solucionar e que tudo ia ficar bem”, diz. O ministro, por meio de nota, confirma ter se encontrado com o policial. Diz que o recebeu em audiência, mas nega que soubesse dos desvios ou de cobrança de propina. “É uma imputação falsa, descabida e despropositada. Acionarei judicialmente os caluniadores”,afirmou o ministro em nota.
Dinheiro na campanha do Apedeuta
Leiam na edição impressa a íntegra da reportagem, de seis páginas. Entre outras coisas, João Dias revela que repassou, em 2006, R$ 1 milhão da dinheirama para a campanha presidencial de Luiz Inácio Apedeuta da Silva. Dinheiro dos impostos. Dinheiro dos pobres.
O policial afirma que, numa das idas ao ministério para tentar resolver seus problemas, foi recebido pelo secretário nacional de Esporte Educacional, Júlio Cesar Filgueira, também do PC do B: “Eu fui lá armado e dei umas pancadas nele. Dei várias coronhadas e ainda virei a mesa em cima dele. Eles me traíram”.
Filgueira admite o encontro, mas nega ter apanhado…
O fato é que, vejam lá, ele conseguiu parte do que queria com ou sem os sopapos.
Credibilidade?
Já posso ouvir certo alarido: “Que credibilidade tem alguém com esse perfil?” Ora, a pergunta não deve ser feita à reportagem de VEJA, mas ao agora governador Agnelo Queiroz e a Orlando Silva. Do primeiro, o policial é amigo; do segundo, é correligionário. Tanto o ministro como um secretário da pasta o receberam em gabinete.
Se João Dias é bandido, temos um ministro e um secretário que se encontram com bandido, certo?
VEJA cumpre o seu papel: contar o que sabe.
De resto, não há dúvida de que o Programa Segundo Tempo era uma pilantragem controlada pela turma do PC do B. Agora é um militante do partido e um ativo participante do esquema quem diz: o chefe é Orlando Silva.
É evidente que o ministro não tem condições de continuar na pasta. Moralmente, já não tinha desde o ano passado, quando o esquema foi revelad. A (des)organização da Copa do Mundo de 2014 prova, também, que ele é incompetente. A partir de agora, corre o risco de ter seu tempo tomado pela necessidade de se defender.
A República e o próprio torneio podem arcar com esse custo?
Não faltam motivos, como a gente vê, para que a população saia às ruas com uma vassoura na mão.
Está na hora de Dilma descobrir onde esqueceu a sua.
*Texto por Reinaldo Azevedo

Dilma, o que a midea amestrada não divulga.

Dilma: Tipo Exportação from Implicante on Vimeo.

O país infestado pela esquerda retrógrada e improdutiva.

O gramscismo anda solto nas hostes do Poder PTralha em Brasilia.
Agora, o Tribunal Superior Eleitoral, deferiu, por unanimidade, o registro do Partido Pátria Livre, para o grupo do antigo MR-8, alinhado com Exército do Povo Paraguaio  e as FARC.
O MR-8, sigla adotada pelo Frankin Martins, Sérgio Rubens e Fernando Gabeira, participando das guerrilhas urbanas e rurais, sequestraram o embaixador americano e conseguiram liberar os quarentas prisioneiros, dentre eles o Zé Dirceu que foi deportado para Cuba,para fazer treinamentos de Guerrilhas sob comando do seu líder Fidel Castro.
Na linha gramscista, os PTralhas estão destruindo a democracia brasileira, para implantação de um Ditadura no Brasil, conforme preceitos do marxismo-leninismo. ( Reinaldo Azevedo)

Parabéns aos professores do Brasil.

"O que é ser professor hoje? Ser professor hoje é viver intensamente o seu tempo com consciência e sensibilidade. Não se pode imaginar um futuro para a humanidade sem educadores. Os educadores, numa visão emancipadora, não só transformam a informção em conhecimento e em consciência crí­tica, mas também formam pessoas. Diante dos falsos pregadores da palavra, dos marqueteiros, eles são os verdadeiros "amantes da sabedoria", os filósofos de que nos falava Sócrates. Eles fazem fluir o saber – não o dado, a informação, o puro conhecimento – porque constróem sentido para a vida das pessoas e para a humanidade e buscam, juntos, um mundo mais justo, mais produtivo e mais saudável para todos. Por isso eles são imprescindí­veis."

Compre seu bilhete e entre no Brasil

Lei Geral, da Copa do Mundo no Brasil, prevê a dispensa do visto aos estrangeiros que adquirirem ingressos para os jogos de futebol. Polícia Federal teme que flexibilização estimule a vinda de criminosos.
Comprovante de renda, de residência, de emprego fixo, declaração escolar e extratos bancários. A pilha de documentos exigidos atualmente para que estrangeiros possam fazer turismo no Brasil deve ser reduzida a um simples ingresso para algum dos jogos da Copa do Mundo de 2014. A brecha consta na Lei Geral da Copa, em análise no Congresso. O texto do projeto estabelece o afrouxamento nas rotinas de concessão de vistos a estrangeiros vindos de países que atualmente só deixam os brasileiros partirem de seus aeroportos mediante um pente-fino financeiro e criminal em suas vidas.
Depois da Copa do Mundo da África do Sul, em 2010, o Brasil será o segundo país a suspender suas regras vigentes de seleção de imigrantes temporários para se adequar às exigências da Federação Internacional de Futebol (Fifa). A Lei Geral da Copa diz que "considera-se documentação suficiente para obtenção do visto de entrada ou para o ingresso no território nacional o passaporte válido" em conjunto "com qualquer instrumento que demonstre a sua vinculação com os eventos", resumido no capítulo três da lei como "ingressos ou confirmação de aquisição".
A Alemanha, na Copa de 2006, divulgou regras de emissão de vistos e o país fez questão de ressaltar que, apesar de estar "aberto" ao evento, não mudaria normas para facilitar a entrada de turistas e sugeriu aos torcedores que tirassem o visto antes de comprar o ingresso: "O Ministério das Relações Exteriores recomenda a todos os fãs de futebol que necessitam de visto a encaminhar os documentos o mais cedo possível". Na época, o governo germânico ainda acrescentou que os ingressos não seriam sinônimo de comprovação de boa-fé do viajante. "A apresentação de bilhete para um jogo de Copa do Mundo ou uma prova de que esse tipo de bilhete foi comprado será vista apenas como uma forma de fundamentar o propósito da viagem, mas em si não concede o direito a um visto", orientou o governo alemão. Nas Copas de 2002, na Coreia do Sul/Japão, e de 1994, nos Estados Unidos, também não houve abertura irrestrita de fronteiras.
Na África do Sul, entretanto, para resolver o encalhe de ingressos, as autoridades liberaram a entrada de estrangeiros com bilhetes e deixaram até mesmo de cobrar a taxa de visto, que custava cerca de US$ 60 no ano passado. Quando perceberam que o afrouxamento temporário das regras estimulou o aumento da procura por viagens ao continente africano, as autoridades lançaram mão de tratamento diferenciado na concessão de vistos.
Pedofilia
Enquanto o Congresso se prepara para analisar a Lei Geral da Copa, a Polícia Federal se preocupa com os problemas que a abertura dos aeroportos e das fronteiras aos turistas-torcedores pode trazer ao Brasil. A inteligência brasileira analisa a possibilidade de o evento atrair criminosos dos mais variados tipos, especialmente os ligados à rede internacional de pedofilia e conta com a ajuda da Interpol para ampliar alertas de "difusão vermelha" com o objetivo de barrar viajantes alvo de mandado de prisão.
De acordo com a Secretaria Extraordinária de Grandes Eventos, do Ministério da Justiça, coordenada por José Ricardo Botelho, se a Lei Geral da Copa for aprovada como está, os agentes de segurança pública terão que fazer o pente-fino durante o desembarque dos turistas nos aeroportos. A secretaria estuda a criação de um banco de dados integrado, com informações da Interpol, das polícias dos estados que sediarão a Copa e da Polícia Federal para municiar consulados, embaixadas e agentes envolvidos na análise de imigração temporária.
O especialista em direito internacional Carlos Pellegrino afirma que usar o ingresso como condição para a entrada no país é "temerário", mas acrescenta que o Brasil já possui experiência na deportação de estrangeiros caso a polícia identifique problemas. "Do ponto de vista do controle jurídico-político, acho problemático adotarmos essa flexibilização. Atrelar a entrada no país à compra do bilhete de ingresso é um pouco temerário."
Governo e Fifa discutem regras
Integrantes do governo federal, da Fifa e do Comitê de Organizador Local (COL) se reuniram na tarde de ontem para discutir pontos polêmicos do projeto da Lei Geral da Copa. A reunião foi a primeira após o encontro em Bruxelas realizado no último dia 4 entre a presidente Dilma Rousseff e o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke. No encontro, realizado a portas fechadas no Ministério do Esporte, a pauta foi direcionada para pontos específicos do projeto de lei, como o credenciamento e os direitos de transmissão. Após a reunião, que durou seis horas, ninguém deu declarações à imprensa. Em nota, o Ministério do Esporte disse apenas que o debate serviu para "aprofundar o diálogo entre as partes envolvidas e o Congresso , que examina o projeto de Lei Geral da Copa". Entre os participantes, estavam o secretário nacional de Futebol e Direitos do Torcedor da pasta, Alcino Rocha; o chefe de Direito Comercial da Divisão de Assuntos Jurídicos da Fifa, Jörg Vollmüller; o advogado da Fifa Julian Chediak; e o representante do COL Álvaro Jorge. (Erich Decat)
Outros Mundiais
2010 – África do Sul
Após verificar o encalhe de boa parte da carga de ingressos colocada à venda, em abril de 2010, a dois meses do início do Mundial, a África do Sul abriu as portas para os turistas e chegou a isentar da taxa de visto, de cerca de US$ 60. Na prática, segundo a Fifa, houve aumento na procura por bilhetes.
2006 – Alemanha
O Ministério das Relações Exteriores da Alemanha divulgou documento informando que os ingressos seriam apenas um documento a mais para o pedido de visto de turismo e que o país não modificaria suas regras em função dos jogos de futebol.
2002 – Coreia do Sul e Japão
Para entrar na Coreia do Sul, os brasileiros não precisavam de visto em viagens de até 30 dias. O Japão, porém, manteve a exigência de vistos para a entrada no país, mas redobrou o efetivo de funcionários envolvidos no atendimento aos turistas.
1998 – França
O país europeu não flexibilizou a concessão de vistos para os países cuja autorização era exigida. No entanto, os brasileiros já eram dispensados da exigência, bastando apenas apresentar passaporte válido.
1994 – Estados Unidos
Os brasileiros tiveram que tirar visto para acompanhar os jogos do Mundial. No mês que antecedeu a Copa, o consulado americano em São Paulo registrou aumento de 19% no número de pedidos de visto em relação ao mesmo período em 1993. Preocupados com a entrada de estrangeiros, o Serviço de Imigração dos EUA reforçou a fiscalização para evitar que os torcedores se transformassem em imigrantes ilegais depois dos jogos.
*Do texto de Josue Jeronimo - CORREIO BRAZILIENSE - 13/10/2011

Porque hoje é Sábado, uma bela mulher.

A bela atriz Giovanna Antonelli

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Uma decisão típica de uma soberana de Banânia!

Sempre há a hora de contestar o mendigo de rua, o Vaticano, o deputadozinho-celebridade e, por que não?, a presidente da República.
Um dia, talvez, o país se torne, de fato, uma República.
Enquanto isso não acontece, para não imitar Chico Jabuti, “a gente não vai levando”…
Vai contestando, vai reivindicando, vai enchendo o saco dos poderosos — que o jornalismo existe é para isso mesmo.
Na terça-feira, quase na surdina, apenas com notinhas não mais do que regulamentares aqui e ali, Dilma Rousseff nomeou a advogada Luciana Lóssio para ministra substituta do Tribunal Superior Eleitoral.
A vaga estava aberta desde abril, quando venceu o mandato de Joelson Dias, nomeado em 2009. Ele teria direito a uma recondução por mais dois anos - a praxe tem sido a recondução. Não aconteceu desta vez.
Muito bem, até aqui, indagará o leitor, o que quer este Reinaldo Azevedo?
O nome de Luciana foi incluído numa lista tríplice, de livre escolha da presidente da República, por Ricardo Lewandowski, presidente do TSE e ministro do Supremo Tribunal Federal.
Aos 36 anos, parece que a advogada reúne todos os predicados, sim, para ocupar o cargo, e não serei eu a dizer que não — até porque, confesso, não acompanho em detalhe o cargo da agora ministra, oficializada ontem, com despacho no Diário Oficial.
Mas cadê a notícia?
Luciana foi nada menos do que a advogada da candidata Dilma Rousseff na eleição de 2010! Não, senhores! Aí não dá!
O país não pode continuar a ser governado contra não só a essência do que é a impessoalidade, mas também contra a sua aparência.
Por que Joelson não foi reconduzido?
O que terá ele feito de errado?
Pois é…
Eu não conheço o ex-ministro.
Na verdade, já critiquei aqui decisões suas.
Vocês sabem como sou: discordo de muita gente; quando gosto digo “sim”; se não gosto, digo “não”.
Estou entre aqueles que acham que obedecer a Justiça é um dever, mas discutir suas decisões é um dever e também um direito garantido pelas sociedades livres.
Assim, não tenho motivo especial para defender Joelson — como fica claro, ele já decidiu contra aquilo que eu achava o certo.
Acontece, E AQUI ESTÁ O BUSÍLIS, que ele tomou também um monte de decisões na eleição passada CONTRA AQUILO QUE O PT, LULA E A ENTÃO CANDIDA, DILMA ROUSSEFF, ACHAVAM O CERTO.
Em suma, Joelson decidiu ora a favor de pleitos da oposição, ora de pleitos do petismo.
Conversei ontem à noite com pessoas que transitam nessa área, nos corredores dos tribunais propriamente.
O homem entrou na lista negra do PT.
Passou a ser considerado um inimigo.
Sendo o partido o que é, e sendo os petistas quem são, essas nobres almas consideraram que Joelson fez Justiça todas as vezes em que atendeu aos petistas e praticou tucanismo todas as vezes em que não atendeu. Eles são assim.
Mas poderiam, em nome do bom senso, do bom gosto e de uma afetação da virtude — já que lhes parece impossível o decoro sincero —, escolher, então, para o seu lugar, para remeter a um poema de Drummond, o J. Pinto Fernandes, aquele “que não havia entrado na história”, um nome neutro, que não estivesse envolvido com a narrativa eleitoral passada.
Mas quê…
Se assim procedessem, não seriam petistas.
Decidiram fazer o contrário: decidiram deixar clara a censura a Joelson, escolhendo para o seu lugar nada menos do que aquela que atuou na banca de Dilma.
Fosse ela advogada pessoal da cidadã Dilma Rousseff,  já seria um tanto escandaloso.
Não! Luciana Lóssio foi sua ADVOGADA na eleição; advogou para a candidata.
É claro que as coisas não devem ser assim numa República. Noto, por apreço à história, que os petistas são useiros e vezeiros nesse expediente.
Dias Toffoli, ministro do Supremo, também foi advogado do candidato Luiz Inácio Lula da Silva.
Sou preciso e justo.
Até agora, considero que ele tem tido, nas votações do tribunal, uma atuação impecável.
Precisa, de todo modo, escolher melhor as festas de casamento a que vai, como deixou claro reportagem da VEJA da semana retrasada.
Afirmei então e afirmo agora: a prática de premiar com cargos de estado quem serve ao mandatário remete ao que há de pior no mandonismo brasileiro.
Vivemos dias um tanto estupidificados pelo politicamente correto. Aqui e ali se noticiou a nomeação de Luciana Lóssio destacando-se que ela é “a primeira mulher indicada para esse cargo…”
Ora, tenham paciência!!!
E daí?
Nomear o amigo do rei para um cargo é coisa tão velha quanto a história do poder!
Luciana Lossio pode ser competentíssima e digna de todos os louros. Mas a sua nomeação para o TSE é uma vergonha que depõe contra a República.
Ainda que venha a ter uma atuação impecável — e espero que sim, para o bem do Brasil —, a mácula a forma como se seu a escolha permanece nas instituições.
Dilma Rousseff está perdendo a mão.
Anotem aí.
*Texto por Reinaldo Azevedo

O Brasil brinca com fogo!

Antes de 1 de março de 1994, quando foi lançada a URV, moeda virtual que congelou a inflação em cruzeiro real, a troca de nomes de moedas era fato deplorável e corriqueiro: cruzeiro, cruzado, cruzeiro real. Uma salada.
Éramos um país sem identidade, porque sem economia estável, sem moeda, roubado minuto a minuto pela inflação.
Em 1993, o IPCA foi de 2.477%. Pois veio a URV, que permitiu o lançamento do real, em 1 de julho de 1994: ganhamos credibilidade internacional, a inflação passou a ser controlada ferrenhamente.
Em 1998, a elevação média dos preços cravou apenas 1.66%. Em 2002, houve pressão dos mercados, pela desconfiança em relação a Lula e suas ideias econômicas passadistas.
Mas quando ficou claro que o governo petista não iria promover uma ruptura, entregando o comando do Banco Central ao deputado tucano Henrique Meirelles, as nuvens passaram e o Brasil passou a atrair fortes fluxos de capitais externos.
O primeiro governo Lula manteve o tripé que herdou de Fernando Henrique: metas de inflação, câmbio flutuante e responsabilidade fiscal. O segundo mandato abriu as comportas da farra fiscal, origem de muitos males hoje vivenciados por nossa economia.
Lula II mostrou-se mais licencioso que Lula I: um pouco mais de inflação, em troca de um pouco mais de “crescimento”.
Tiro no pé.
Brincou com o dragão, chegando ao paroxismo quando trocou o calendário econômico pelo calendário eleitoral, acelerando irresponsavelmente os gastos públicos.
Dilma Rousseff, que participou na linha de frente do governo Lula II e se elegeu a bordo da gastança desenfreada, herdou a volta da carestia. Poderá passar quatro anos lidando com inflação acima da meta.
Dilma parece disposta a conviver com inflação entre 5% e 7%, na ideia de não sacrificar o “crescimento”.
Crescimento sustentável é o que se dá por longo espaço de tempo com inflação baixa. O mais é enganação que poderá custar muito caro ao País.
Do ponto em que está para perder o controle é um pequeno passo, infelizmente. E os setores mais penalizados serão as camadas menos favorecidas da população.
O ministro Mantega se perde em devaneios, falando em juros reais baixos, como se isso fosse, no Brasil, a invenção da pólvora. Antes do Plano Real, quando o descontrole inflacionário era a tônica, vivemos vários momentos de taxas de juros reais negativas. A inflação disparava e os juros, até eles, ficavam para trás.
Mas o ultimo Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central, exibe que o mercado espera inflação de 6.52%, acima do teto da meta (6.5%), portanto. E elevou a previsão de 2012 para 5.59%. O PIB ficaria em 3.5% e 3.3%, respectivamente, para este ano e o próximo.
Meu palpite é que esses números se deteriorarão mais, até dezembro. Não creio em crescimento de 3.5% em 2011.
A grande verdade: a discussão passou a ser pautada por ser o governo capaz de garantir – ou não – a inflação no teto da meta. Ou seja, o fundamental perdeu relevância. O governo faz equilíbrio de circo sem rede de proteção.
O Banco Central virou departamento do Ministério da Fazenda. Fraco para ancorar as expectativas do mercado quanto à inflação. Abandonou a meta de 2011 e começa a fazer o mesmo com 2012.
Enquanto o presidente do Banco Central vira pombo correio do ministro da Fazenda, quem começa a voar alto mesmo é o dragão da inflação.
O Brasil brinca com fogo!
* Texto por Arthur Virgílio, diplomata, ex-senador e foi líder do PSDB no Senado

Por quê os petistas têm tanto ódio de quem marcha contra a corrupção?

Afinal, por que os petistas têm tanto ódio das pessoas que marcham contra a corrupção?
Ou: o PT vomita porque está com medo, como o urubu!
O PT apóia, sim, manifestações de rua. Em Nova York!
O PT apóia, sim, o povo na praça. No Egito!
O PT apóia, sim, atos contra a corrupção. Na Bulgária! Ooops! Na Bulgária, não, companheiro!
Chega a ser fascinante o que está em curso. As várias marchas contra a corrupção país afora têm uma característica comum: o baixo grau de partidarização. Não se vêem as bandeiras de sempre nem se ouve aquela rima-clichê em “ido”: “O povo unido/ jamais será vencido”. Isso se tornou marca registrada de quem tinha um projeto de poder, que está em plena vigência. O petismo queria, em suma, isso que vemos hoje: corrupção, impunidade, maracutaia, mas com o partido no comando. Os males antes a serem vencidos se tornaram instrumentos da luta política. “Se a gente não os emprega, os nossos adversários farão uso deles primeiro”, explicam. Essa é a justificativa (i)moral de todo canalha.
Mas retomo o fio: os que marcham nem sequer recorrem a palavras de ordem contra o PT. Ao contrário até: não deixa de haver certo apelo governista nos protestos quando se exibem as vassouras, numa alusão à faxina que a presidente Dilma Rousseff começou a fazer no governo. Depois ela descobriu que era mais confortável esconder a sujeira debaixo do tapete. Ou seja: a população apoiou a sua iniciativa. Ela é que decidiu não mais levá-la, e se levar, a sério.
Se o PT nem mesmo é um dos alvos dos protestos, por que, afinal de contas, os petistas e petralhas odeiam tanto as manifestações e os manifestantes e dirigem, nas redes sociais, palavras violentas, de baixo calão até, contra aqueles que se mobilizam? Não há outra resposta possível: diante de uma marcha contra a corrupção, eles se sentem discriminados, pessoalmente atingidos, ameaçados. Ou por outra: eles se tornaram beneficiários da corrupção, da malversação do dinheiro público, da roubalheira. Não me espanto que tenham chegado a tal ponto. Revelam a sua natureza. Agem à moda dos urubus.
Até um ator do terceiro ou quarto escalão da TV Globo, que vive de braços dados com notórios detratores da emissora, um desclassificado que deve estar lá por conta de alguma cota (partidária talvez), um mamador asqueroso de dinheiro público, até esse vagabundo petralha decidiu atacar as marchas contra a corrupção. E, de quebra, me xingou também porque, como é público e notório, apóio os protestos. Urubus quando se sentem ameaçados vomitam e começam a soprar nervosamente. É o caso desse asqueroso: sempre fazendo o trabalho de sopro. Um ladrão que vive de joelhos!
Ao se voltar contra os protestos, especialmente nas redes sociais - já que não têm nem coragem moral nem física para dar pinta da praça e combater gente decente cara a cara -, esses vadios revelam qual era o seu anseio, o seu horizonte utópico, o seu ideal. Lembram-se da expressão “um outro mundo possível”? Para eles, já chegou; é esse que está aí. Eles eram contra homens que roubavam homens porque achavam que o certo seria fazer o contrário…
Muita gente apostou que as convocações de ontem não dariam em nada. Em Brasília, havia pelo menos 20 mil pessoas na praça, que se mobilizaram para aquele fim  (não houve público-carona de qualquer outro evento). Em São Paulo, Rio e Goiânia, mas de 2 mil manifestantes foram as ruas; centenas mandaram seu recado em muitas outras cidades. Como já escrevi em outro texto, ignorem aqueles que tentam caracterizar os protestos como manifestações de uma rebeldia sem causa, sem alvo, sem organização. Esses não são defeitos, mas qualidades.
Em décadas, essa é a primeira vez que UMA PARTE DO POVO DE VERDADE está saindo às ruas. Chamo de “povo de verdade” o indivíduo, o homem-célula, o cidadão-em-si-mesmo, o homem-sem-partido, o homem-sem-sindicato, o homem-sem-movimento-social, o homem-sem-ONG, o homem-sem-chefe-político, o homem-sem-cabresto-ideológico, o homem-sem-projeto-de-poder, o homem-sem-um-apedeuta-pra-chamar-de-seu. As diretas-já e o impeachment de Collor foram importantes, sim, para o Brasil, mas tinham uma marca ideológica muito clara e obedeciam a comandos partidários.
É por isso que os petistas e seus porta-vozes ou amiguinhos na imprensa fazem pouco dos protestos. Na verdade, eles os temem. Essas pessoas que se manifestam refletem a boa consciência conservadora dos brasileiros. E não me refiro necessariamente àquele conservadorismo ideológico; falo de um outro, de que o ideológico até pode ser uma expressão política: a maioria das pessoas é decente, direita e luta para ganhar a vida honestamente.
E isso, sem dúvida, embrulha o estômago dos urubus. Os petistas e petralhas hostilizam as marchas contra a corrupção porque não suportam a idéia de que o povo possa fazer algo por si mesmo sem precisar pagar o caríssimo pedágio cobrado pelo PT - inclusive o pedágio institucional.
E não se enganem. Os 30 mil nas ruas são muitos milhões operando em suas respectivas casas, em seu trabalho, nas escolas, na rede.
O PT vomita nos manifestantes porque está com medo. Como o urubu.
*Texto por Reinaldo Azevedo

Calcinha 20 X 0 Calçola

Gisele, a bela ganhou das "feras"
O Conselho de Ética do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) recomendou nesta quinta-feira (13), em primeira instância, o arquivamento do pedido de suspensão da campanha da fabricante de roupas íntimas Hope, estrelada pela modelo Gisele Bündchen. Com isso, a propaganda pode continuar sendo veiculada normalmente. A decisão do conselho do Conar foi por unanimidade. Participaram da reunião cerca de 20 conselheiros. Segundo a assessoria do Conar, caso não ocorra nenhum recurso, no prazo de 5 dias, o processo será arquivado em definitivo. Os membros do conselho acompanharam o voto do relator, que considerou que "os estereótipos presentes na campanha são comuns à sociedade e facilmente identificados por ela, não desmerecendo a condição feminina", informou o Conar, em nota. A representação foi aberta a partir de denúncias encaminhadas ao Conar por cerca de 40 consumidores e também pela Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM).

Bilionário é condenado a 11 anos de prisão nos Estados Unidos

O bilionário Raj Rajaratnam dos 'hedge funds' caido em desgraça recebeu nesta quinta feira a maior sentença de prisão por venda de informações privilegiadas nos EUA, pela lavagem de dinheiro subsequente, num momento em que o governo se torna mais agressivo em extirpar as transações derivadas de venda de informações privilegiadas sobre Wall Street.
O juiz Richard J. Holwell proferiu a sentença contra Rajaratnam, o ex chefe do grupo Galleon Group de 'hedge fund', a 11 anos de prisão. Um juri popular consideou-o culpado de fraude securitária e conspiração contra a ordem econômica em maio após um julgamento que durou dois meses e o chamou de “a face moderna do tráfico de influência e da venda de informações privilegiadas no mercado”.  Os promotores ausaram Rajaratnam de usar uma rede corrupta de testas de ferro bem situados – incluindo ex-executivos da Intel, da I.B.M. e a empresa de consultoria McKinsey & Company – para ganhar de forma ilícita cerca de $64 milhões de dólares.
COMENTÁRIO: Fosse o nosso judiciário parecido com o americano e muita gente graúda estaria atrás das grades...(Francisco Vianna)

Corrupção é feio!

* http://www.ocaoquefuma.com/2011/10/12-de-outubro-de-2011-corrupcao-e-feio.html

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

A atriz Letícia Sabatella quer ser cantora, e o governo, com nosso dinheiro, paga a aventura da bela atriz.

Sabatella;:Também vai pegar uma "boquinha"
A ótima atriz Letícia Sabatella (foto) foi autorizada a captar R$ 1,5 milhão para realizar um show. E isso é DINHEIRO PÚBLICO, POIS ESTARIA OBRIGATORIAMENTE DESTINADO AO ESTADO.
Leiam nota da coluna de Ancelmo Gois:
Letícia solta a voz – Letícia Sabatella, a atriz, pretende investir fundo na carreira de cantora. A bela, que já tem se apresentado na turnê de Carlos Careqa, foi autorizada a captar, pela Lei Rouanet, R$ 1,5 milhão para um show solo.” (grifos nossos)
Comentário: No mundo extranovelístico, Letícia ficou conhecida por CHORAR depois de autorizada a transposição do Rio São Francisco. Agora, talvez sorria com essa “transposição de verbas”.

Persona non grata.

Petistas pedem a Dilma que Marta não seja candidata em SP.
Lideranças do PT de São Paulo pediram a Dilma Rousseff que ela faça um "apelo" a Marta Suplicy para que não concorra à prefeitura da capital paulistana em 2012, informa a coluna de Mônica Bergamo, publicada na Folha desta quarta-feira (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).
A presidente diria publicamente que "precisa" de Marta no Senado.
Isso daria à petista um discurso para desistir de disputar as prévias do partido contra Fernando Haddad, lançado pelo ex-presidente Lula para concorrer ao cargo.
Também pretendem concorrer, além de Haddad e Marta, o deputado Jilmar Tatto, o senador Eduardo Suplicy e o deputado Carlos Zarattini.

Marcha Contra a Corrupção pelo Brasil


Em Brasília, o povo demonstrou sua indignação. Parabéns Brasília!

PSDB deveria é estar atraindo quadros em vez de perdê-los para o PSD

Há algo de aparentemente espantoso na razoável facilidade com que o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, conseguiu liderar a criação do PSD; o partido está em vias de se transformar na terceira força na Câmara dos Deputados, à frente do PSDB. Há críticas que são mais fáceis do que propriamente esclarecedoras.
É aderindo ao poder, mesmo fedendo, que o PSD quer se firmar
Vamos ver:
O núcleo duro da nova legenda nasce de uma crise do DEM, como é de todos sabido. A condução desastrada e desastrosa de divergências internas não deixou a líderes como o próprio Kassab, Guilherme Afif Domingos (SP), Jorge Bornhausen (SC) ou a senadora Kátia Abreu (TO) outra alternativa. Não é a primeira vez que um grupo dissente decide fundar outra legenda: assim foi com o próprio DEM (o então PFL derivou do antigo PDS) e com o PSDB, que se descolou do PMDB. Mas por que pareceu tão fácil? A resposta, acreditem, está no PSDB. Já chego lá.
No rol das críticas fáceis, está a acusação de que Kassab reuniu oposicionistas com sede de governismo - parcela importante do PSD, de fato, tem origem na oposição. Mas o partido - disposto a apoiar o que houver de bom em qualquer governo e a rejeitar o que for ruim!!!…- também atraiu parlamentares da base. Kassab se revela, assim, um hábil articulador. Não foram poucos os que apostaram que daria com os burros n’água. Por enquanto ao menos, seu partido está fora do governo, e não parece haver, num horizonte muito próximo, a possibilidade de que possa se aproveitar de benesses federais.
Os adesistas, imediatistas, do PSD
As circunstâncias não eram, ou não são, exatamente favoráveis ao prefeito. Ele não chega a fazer uma administração aplaudida. Está longe de ser uma unanimidade ou quase, embora eu esteja entre aqueles que consideram exageradas e, muitas vezes, fora do tom as críticas que lhe são feitas. Mas esse é outro problema: o fato inconteste é que não é um desses queridinhos do jornalismo engajado, como Fernando Gugu Dadá Haddad, para citar um exemplo, o incompetente mais incensado da história republicana. Ainda no rol das críticas fáceis, pode-se inferir: “Também, com a máquina da Prefeitura na mão…”
O PSDB tem poder, grandes quadros, mas é lerdo e pouco ambicioso
Olhem cá: o PSDB está no poder em oito estados, governa praticamente a metade da população brasileira e quase 60% do PIB. A “máquina” administrada pelos tucanos é muitas vezes maior do que aquela à disposição do prefeito. É preciso considerar que isso tudo constitui uma posição de poder. Também um oposicionismo forte e estruturado confere prestígio. Chega a ser espantoso que o PSDB, em vez de atrair novas lideranças para o partido, esteja também na condição de quem cede quadros para o PSD.
FHC tem consciência que o brasileiro quer oposição
“Ah, no Brasil, ninguém quer ser oposição!” Como não? Muitos brasileiros, quase 44 milhões, escolheram votar no PSDB no segundo turno da eleição presidencial - ou contra o PT, não importa. O povo tem coragem de se opor, como deu para perceber. E conferiu aos tucanos um poder formidável nos estados. Pergunto-me: como é que o PSDB não conseguiu se transformar num pólo de atração de apoios? Ao contrário! O partido passou a ser, também ele, um fornecedor…
Por que é assim? Porque falta uma mensagem mais clara do partido. Neste primeiro ano de governo Dilma, que “saber oposicionista” gerou o comando dos tucanos, a ponto de poder se colocar como referência no debate e como uma futura alternativa de poder? Muito pouco! Os desmandos são denunciados, sim - e isso está correto -, mas não se vai muito além disso.
Num texto publicado no dia 26 de setembro, demonstrei como Dilma é “ruim de serviço” listando algumas ineficiências do governo. Só para lembrar:
1 - Foi a gerentona no governo Lula e assistiu impassível ao estrangulamento dos aeroportos. Nada fez! Ou melhor, fez, sim, uma coisa muito ruim: bombardeou as propostas de privatização. Depois teve de correr atrás do capital privado, na bacia das almas.
2 -
O marco regulatório que inventou para a privatização das estradas federais enganou o Elio Gaspari direitinho - e todos os “gasparzinhos” que tentam imitá-lo–, mas não conseguiu fazer o óbvio: duplicar rodovias, melhorar o asfalto, diminuir o número de vítimas. Cobra um pedágio “barato” para oferecer serviço nenhum. Ou seja: é caro demais! Um fiasco completo!
3-
O Brasil foi escolhido para a sede da Copa do Mundo há 47 meses. Em apenas nove, de abril a dezembro de 2010, ela esteve fora do governo. Era a tocadora de obras de Lula e é a nº 1 agora. E o que temos? Seu governo quer uma espécie de AI-5 das Licitações para fazer a Copa. Quanto às obras de mobilidade, Miriam Belchior entrega o jogo: melhor decretar feriado.
4 -
Na economia, há um certo clima de barata-voa. Posso não compartilhar das críticas, a meu ver exageradas, ao corte de meio ponto nos juros estratosféricos, mas isso não quer dizer que eu note um eixo no governo. A turma me parece até um tantinho apavorada. A elevação do IPI dos carros importados é um sinal de que estão seguindo a máxima de que qualquer caminho é bom para quem não sabe aonde vai. A Anfavaea foi mais eficiente no lobby. Cumpre aos outros setores fazer também o seu chororô. O único que vai perder é o consumidor…
5 -
Na seara propriamente institucional, Dilma deixa que prospere o debate da reforma política como se ela não tivesse nada com isso. Parece Obama referindo-se aos políticos como “o pessoal de Washington”. Ela poderia dizer: “O pessoal de Brasília”…
6 -
Abaixo, Ideli Salvatti, ministra das Relações Institucionais, afirma que o governo vai tentar, sim, um novo imposto para financiar a Saúde - a presidente prometeu de pés juntos que o governo não recorreria a esse expediente.
7 -
As promessas na área social para seu primeiro ano de governo naufragaram, como se vê acima. Não vai entregar as UPAs, as quadras, as casas, os postos policiais…
Como é que o PSDB não consegue transformar essas falhas evidentes num discurso estruturado, apresentando-se como alternativa de poder? Ao contrário: contratou uma pesquisa a peso de outro que só contribuiu para depor contra a reputação do próprio partido. O que estou afirmando, em suma, é que poucas coisas revelam com tanta clareza a falta de horizontes do PSDB como a criação do PSD. Com muito pouco a oferecer - nem mesmo o tão precioso tempo de TV -, Kassab conseguiu criar um partido que já nasce entre os grandes. Com uma máquina gigantesca ainda nas mãos, o PSDB continua dedicado a seu esporte predileto: caçar tucanos…
*Texto por Reinaldo Azevedo

Lula dá aval a Meirelles no PSD

Provando que Lula também, "manda"  no PSD, dá aval a Meirelles no partido
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi consultado e deu aval à mudança de Henrique Meirelles do PMDB para o PSD, o novo partido fundado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, informa reportagem de Andréia Sadi e Bernardo Mello Franco, publicada na Folha desta quarta-feira (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).
Os dois se encontraram reservadamente para discutir o assunto há cerca de três semanas, na sede do Instituto Lula, em São Paulo.
Presidente do Banco Central durante todo o governo Lula (2003-2010), Meirelles se filiou ao partido na sexta-feira passada, último dia para os políticos trocarem de legenda a tempo de disputar a eleição municipal de 2012.
Meirelles também transferiu o título eleitoral de Goiânia para São Paulo, passando a ser visto como possível candidato à Prefeitura com o apoio de Kassab e a simpatia do ex-presidente.

Lula, um ser desprezível que a história se enarregará de esquecer.

A democracia teve no PT – e particularmente em Lula – um adversário importante em momentos cruciais da história do Brasil. Esse é o partido que não participou do colégio eleitoral que pôs fim ao regime militar; que se negou a homologar a Constituição de 1988; que se recusou a dar sustentação ao governo de Itamar Franco; que sabotou – e cabe a palavra - todas as tentativas de reformar o país empreendidas por FHC e que, agora, se esforça para censurar a imprensa.
A sorte foi, sem dúvida, generosa com Lula caso se considere a sua ação efetiva para a consolidação da democracia política. Seus hagiógrafos tendem a superestimar a sua atuação como líder sindical, ignorando a sua histórica irresponsabilidade no que respeita aos marcos institucionais, que são aqueles que ficam e que compõem o molde no qual a sociedade articula as suas diferenças.
Com o desaparecimento de Lula do cenário político, meu brinde vai para a democracia, que sobreviveu às ações deletérias de um líder e de um partido que se esforçam de modo metódico para solapá-la em nome de suas particularíssimas noções de Justiça.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Nossa Senhora Aparecida, Dom Sebastião Leme e os 80 anos da estátua do Cristo Redentor.

A Igreja Católica, no Rio de Janeiro, e seu povo, no dia em que a estátua do Cristo Redentor completa 80 anos, não prestou uma homenagem digna da luta, tenacidade e fé de Dom Sebastião Leme, bispo que com sua coragem, lutou para a construção do maior símbolo católico do Estado e do Brasil.
O povo tem que saber que a estátua é uma obra da Igreja Católica no Brasil - a ela pertence - com o esforço de seus líderes e de seus fiéis.
A pregação, com a simplicidade e mensagem comum aos acomodados, nada acrescentou a história da Igreja, justo não só no dia do aniversário da construção da estátua como no dia da proclamação de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil.
Foi o próprio Dom Sebastião Leme que olhando para o povo exclamou: "Creio que para um povo moreno, como o brasileiro, Nossa Senhora Aparecida seja a santa ideal para ser a sua padroeira".Talvez, literalmente, não tenha sido assim suas palavras, mas traduzia isto mesmo que acima expressei.
O bispo, corajoso e defensor da Igreja e fé que abraçara, não temeu enfrentar a República Velha, sob a influência maçônica-anti-clerical, que não disfarçava seu afastamento da Igreja Católica, e inaugurou a estátua do Cristo Redentor , praticamente, intimando a participação do Governo ditatorial de Getúlio Vargas.
E lá estava Vargas e seu corpo diplomático. O ditador, mansamente, ouviu de Dom Sebastião Leme em seu discurso, claro e direto, diante de todo staf governamental e uma multidão de cerca de meio milhão de pessoas: " Ou este governo respeita a Igreja Católica ou este mesmo povo, que aqui está, não legitimará o governo".
Cabra macho este Dom Sebastião! Está faltando gente assim no Brasil onde a "presidenta" demonstra não crer em Deus e seu governo professa, em sala de aula, ideologia comunista agnóstica e o simplismo no aprendizado, "formando" uma geração desinformada (ou no mínimo mal informada),  despreparada para o futuro.
Resta-nos, creio, ao professar nossa fé em Cristo e N.S. Aparecida, rogar a Deus que este "povo moreno", como diria Dom Sebastião, tenha um futuro melhor, com mais fé, mais atenção dos governantes e mais respeito.
Que Deus nos abençoe e nos proteja. Amém.

Relator da Comissão da Verdade promete deixar texto como está e insiste que Lei de Anistia está em vigor

Por Jorge Serrão – http://www.alertatotal.net
Um dos braços-direitos do líder da facção terrorista Ação Libertadora Nacional (ALN), Carlos Marighella, na segunda metade dos anos 60, o atual relator da Comissão da Verdade, o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), promete manter o texto aprovado na Câmara, que considera bom. Em entrevista ao jornal O Globo, o ex-guerrilheiro e operador de assaltos a banco nos tempos da luta armada contra os militares, acena com uma postura conciliatória.
Ao contrário da petralhada revanchista, o tucano Aloysio não defende punições para antigos agentes do Estado que cometeram torturas: “Para punir, tem que mudar a Lei da Anistia ou acionar o Poder Judiciário. Não deve ser alterada a Lei da Anistia. Ela foi base do processo de redemocratização, referendada e ampliada na convocação da Constituição. Dizia-se que foi aprovada num Congresso manietado e não representativo. Não foi. Por ela, pude voltar ao país. Tenho outra visão”.
Aloysio não acredita que seu passado produza resistências militares à sua indicação para relator do texto da Comissão da Verdade. O Senador joga para a platéia fardada: “Essa geração de militares não tem nada a ver com aquela, marcada pelo golpe de 64. O contexto é outro. As Forças Armadas estão plenamente inseridas na vida democrática. E, entre os que se opunham ao regime, não há mais quem se afaste da democracia como valor permanente”.
Comissão de Mentiras
O problema é: Tal comissão nada quer apurar de verdade.
Seus propósitos verdadeiros são manter o permanente ataque à imagem dos militares, relacionando-os ao autoritarismo, para que todos esqueçam que eles são os guardiães da soberania brasileira.
Assim, os ideológos da CV funcionam como agentes conscientes da Oligarquia Financeira Transnacional, cujo projeto globalitário é inviabilizar a soberania de uma Nação como o Brasil.

Muito besteirol para um só Congresso Nacional

Está pronto para votação pela Comissão de Meio Ambiente da Câmara dos Deputados o projeto (PL 1058/11) que regulamenta a guarda de animais de estimação após o divórcio dos donos. Segundo o texto, quando não houver acordo, caberá ao juiz definir a guarda conforme o ambiente disponível para morada do animal, a disponibilidade de tempo e as condições oferecidas para cuidado com o bicho, bem como o grau de afinidade com o animal. A proposta conta com apoio de defensores dos direitos dos animais. Segundo Simone Lima, da Associação Protetora dos Animais do Distrito Federal, não são apenas os humanos que sofrem com o fim de um casamento ou união estável.
O relatório de Ricardo Tripoli (PSDB-SP) sugere mudanças no texto apresentado pelo autor, deputado Dr. Ubiali (PSB-SP). Entre elas, a possibilidade de a dissolução de uniões estáveis homoafetivas também ser considerada para efeito de guarda de animais de estimação. No caso da guarda unilaterial, a proposta prevê que a outra parte poderá visitar o animal. Além da Comissão de Meio Ambiente, o projeto deverá ser analisado pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). Se aprovado, poderá seguir diretamente ao Senado.
*Folha online 

Plano terrorista iraniano foi desbaratado pelo FMI

Assustado, o embaixador saudita Abdel al-Jubeir agradece, pela mídia, a ação do FBI, dizendo que deve ao birô a sua vida.
            O FBI desbaratou um complô montado por homens ligados ao governo iraniano para matar o embaixador da Arábia Saudita nos Estados Unidos que planejavam bombardear as embaixadas da Arábia Saudita e de Israel em Washington, disse o Procurador Geral da República  Eric H. Holder Jr. numa conferência de imprensa nessa terça feira.
            Os homens acusados de organizar os ataques terroristas eram Manssor Arbab Arbabsiar e Gholam Shakuri, conforme documentos de um tribunal federal no distrito sul de Nova York. Ambos são homens que vieram do Irã, relatou a agência de notícias Reuters. Não há “qualquer base para se acreditar que quaisquer outros co-conspiradores estejam em solo americano”, disse o procurador geral.
            Ele disse ainda que os homens mantinham contato com a Força QUD, uma divisão secreta de elite da Guarda Revolucionária Islâmica, que tem perpetrado operações terroristas em outros países e que o dinheiro que dava suportes ao plano de assassinato chegou a ser transferido por um banco em Nova York, mas qie os homens não tinham ainda obtido quaisquer  explosivos.
*Leia mais no New York Times (em inglês): http://www.nytimes.com/2011/10/12/us/us-accuses-iranians-of-plotting-to-kill-saudi-envoy.html?emc=na

Pedido de vista suspende votação de processo contra Zveiter

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) suspendeu, na 136ª. sessão plenária desta terça-feira (11/10), a votação para decidir se abre processo administrativo para apurar denúncias de supostas irregularidades praticadas pelo desembargador Luiz Zveiter, presidente do Tribunal Regional Eleitoral do estado do Rio de Janeiro (TER-RJ) e ex-presidente do Tribunal de Justiça do estado. Segundo as denúncias, Zveiter teria agido, quando presidente do Tribunal de Justiça  do Rio de Janeiro (TJRJ) , para favorecer uma construtora cliente do escritório de advocacia  da família do desembargador.
A corregedora Nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon, pediu a abertura de processo para apurar as denúncias e foi acompanhada pelos conselheiros José Roberto Neves Amorim e Carlos Alberto Reis de Paula, ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST).  Na sessão anterior , realizada no último dia 27 de setembro, os conselheiros Marcelo Nobre e Wellington Saraiva anteciparam o voto,  seguindo a decisão da relatora. Os conselheiros ressaltaram que não estavam fazendo qualquer juízo de valor, mas apenas votando pelo aprofundamento das investigações. Em seguida, o conselheiro Fernando da Costa Tourinho Neto pediu vista do processo, suspendendo  a  votação.
*Gilson Luiz Euzébio-Agência CNJ de Notícias

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Corrupção no Planalto.


      Corrupção na reforma do Palácio do Planalto na gestão Lula; quem acusa é um órgão da própria Presidência!
O Palácio do Planalto foi reformado na gestão Lula. Em tão poucas palavras, já se diz tanto, né? Existiria alguma razão para que o processo todo se desse com transparência e lisura? A resposta está na primeira frase do texto. Em agosto de 2010, as obras foram dadas por concluídas, o que é falso, e o palácio foi reaberto. Reportagem de Daniel Pereira, na VEJA desta semana, conta uma história cabeluda. E cara! A obra estava orçada em R$ 78 milhões, mas não saiu por menos de R$ 112 milhões. Pois é… Segundo relatório da Secretaria de Controle Interno da Presidência, datado de outubro de 2010, não há documentos que comprovem a elevação dos gastos. O documento sustenta que o governo pagou à empresa Porto Belo Construções R$ 5,5 milhões a mais do que era devido. Pediu ressarcimento? Não! Ao contrário: o governo negocia o pagamento de mais R$ 3,5 milhões - a empresa pede R$ 11 milhões!
Leiam a reportagem. O rolo todo começa em 2009, com suspeitas de fraude já no processo licitatório. Uma das pessoas que Lula escalou para vigiar o processo foi, podem rolar de rir, Erenice Guerra. Outra personagem do imbróglio é o general Jorge Fraxe, que hoje chefia o Dnit. Fraxe é personagem de uma reportagem na edição passada da VEJA. Ele é acusado de ter montado uma ONG para desviar verbas do departamento.
* Por Reinaldo Azevedo

Crime organizado migrou do Sul para o Nordeste há nove anos, dizem especialistas

“Estamos publicando esse estudo desde 1998. E em 2002 começamos a observar que, enquanto em algumas cidades extremamente violentas diminuiu o número de homicídio, em outras áreas, que não eram consideradas violentas, o número cresceu. Começava ali um fenômeno de desconcentração da violência”, afirmou.
O pesquisador acredita que as organizações criminosas criaram espécies de “filiais” pelo Nordeste. “O crime é dinâmico. Grandes organizações criaram estruturas espalhadas pelo país. São as mesmas estruturas que existiam no Rio, em São Paulo. No Nordeste, geram-se condições ideais --onde falta o controle básico do aparelho público. Mas isso é um fenômeno que vai além do Nordeste. Hoje não existem zonas tranquilas. Houve uma massificação da violência nesse período”, disse.
Para Jacobo, as estruturas criminosas se mudam conforme há deficiência na estrutura policial e judicial. “Essa migração da violência ocorre do local de maior para o de menor eficiência policial. Malandro não vai atacar um banco com câmera, segurança; ele vai para um sem estrutura. Alagoas, que lidera hoje o ranking de homicídios, é o Estado que mais greve da polícia existiu nos últimos anos. E isso faz a festa do malandro”, disse.
O advogado Paulo Brêda, coordenador de uma comissão especial da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) para analisar a proposta de um novo plebiscito sobre o desarmamento, acredita que houve uma "fuga" dos criminosos de centros mais populosos para o Nordeste, o que contribuiu para elevar a violência nos últimos anos.
“É inegável que os dois principais focos de violência até dez anos atrás –SP e RJ– fizeram o dever de casa. São Paulo reduziu significativamente a violência, e isso expulsou boa parte do crime organizado. O Rio foi da mesma forma, só que ainda é mais recente. Isso transferiu violência para outras regiões, e os Estados do Nordeste não estavam, e a grande maioria não está, preparada para combater esse tipo de crime.”
No estudo “Violência homicida no nordeste brasileiro”, os pesquisadores Jorge Zaverucha  e José Maria Nóbrega Júnior apontam que “muitos dos carregamentos descobertos pelas polícias vem de São Paulo, apontando para um processo migratório da criminalidade organizada do Sudeste para o Nordeste.
* Carlos Madeiro - Especial para o UOL Notícias

Os acrobatas da Copa

Primeiro foi a ministra Míriam Belchior admitindo que a mobilidade urbana não estará resolvida na Copa e que a solução seria decretar feriado no dia de jogos.
Agora é o prefeito do Rio, Eduardo Paes, que sugere uma acrobacia para resolver o problema do meio ingresso para idosos e estudantes: o governo paga a outra metade.
Entre os estudantes que querem o meio ingresso e a FIFA que quer todo o dinheiro, Eduardo Paes achou uma terceira via: as pessoas que pagam imposto, logo todo mundo.
As improvisações têm sentido único: difiultar a vida do cidadão. A corda sempre arrebenta do lado mais fraco. E o lado mais fraco escolhido é exatamente a sociedade.
Quem a protege no Parlamento? Quem levantará a voz por ela? A resposta é ninguém. Se o lado mais forte continuar a se comportar como o mais fraco, os acrobatas continuarão se exercitando, protegidos pela rede da indiferença.
*Fernando Gabeira, em O ESTADO DE S. PAULO

Irã diz que Turquia enfrentará problemas se não mudar de direção

Teerã- (Reuters) - Um dos principais assessores do líder supremo do Irã, disse no último sábado que a Turquia precisa repensar radicalmente a sua política sobre a Síria, o escudo antimísseis da OTAN e sua tentativa de promover o secularismo muçulmano no mundo árabe, ou enfrentar problemas com seu próprio povo e seus vizinhos.
Em uma entrevista à agência de notícias semioficial, Mehr, o conselheiro militar do aiatolá Ali Khamanei, descreveu o convite do primeiro-ministro da Turquia, Tayyip Erdogan, para que os países árabes adotem o modelo turco de democracia como "inesperado e inimaginável."
A Turquia e o Irã, os dois maiores países muçulmanos não árabes do Oriente médio, estão disputando uma posição de influência no mundo árabe, que está atravessando a maior mudança desde a queda do Império Otomano, uma rivalidade que estremeceu suas relações.
"O comportamento do primeiro-ministro turco em relação à Síria e ao Irã está errado e, eu acredito, que eles estão agindo em conformidade com os objetivos da América," disse à Mehr o major-general Yahya Rahim-Safavi.
"Se a Turquia não se distanciar desse comportamento político incomum, verá tanto o povo turco se afastar dela, quanto os países vizinhos da Síria, Iraque e Irã repensando suas relações políticas.
Khamenei tem chamado as revoltas árabes de "Despertar Islâmico" prevendo que os povos do Oriente Médio, que derrubaram os regimes ditatoriais, apoiados pelo ocidente, seguirão o caminho que o Irã tomou depois da Revolução Islâmica de 1979.
Os analistas dizem que as revoltas foram, geralmente, de natureza secular.
"Acho que os turcos estão trilhando um caminho errado. Pode muito bem ser o caminho trilhado para eles pelos americanos," disse Rahim-Safavi.
Mas foi a decisão da Turquia de autorizar o posicionamento de um sistema de alarme antimísseis da OTAN que mais irritou Teerã, que vê isso como uma manobra dos EUA para proteger Israel de qualquer contra-ataque, caso o país resolva atacar as instalações nucleares do Irã.
"Se os líderes políticos turcos não conseguirem deixar claras a sua política externa e sua ligação com o Irã, eles terão problemas. Se, como eles dizem, pretendem aumentar o volume de negócios com o Irã, eles terão que, em última análise, favorecer o Irã," disse Rahim-Safavi.
*Por Robin Pomeroy © Thomson Reuters 2011 All rights reserved.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Dilma tipo exportação (que vergonha!)


Seguindo os passos de seu antecessor, Dilma decidiu distribuir soluções aos líderes mundiais sobre como debelar a crise européia. No receituário, medidas que nem a própria ‘presidenta’ se arrisca a pôr em prática no Brasil, como a redução de tributos e o fim do protecionismo comercial.
O que pouca gente sabe é que, além de aconselhar o mundo, Dilma decidiu que é chegada a hora do Brasil expandir horizontes e aumentar a integração com países importantes como a Bulgária, que representa significativos 0,05% do total das exportações brasileiras. Para isso, Dilma acredita que o governo tem de patrocinar o ensino do idioma búlgaro no Brasil e vice-e-versa.
Vídeo e texto do Implicante

Acabou o amor...

Acabou a velha e profícua parceria: PT entra na PGR para investigar "vida nababesca" de Aécio Neves.
Nada como três dias depois do outro. Bastou Aécio Neves(PSDB-MG) virar o presidenciável tucano para cair por terra aquela velha amizade entre o PSDB mineiro e o PT, que tantas alegrias rendeu para Lula (Lulécio) e para Dilma (Dilmásia). Belo Horizonte, entregue por Aécio ao PT e ao PSB por estratégia estadual, já vai ter disputa.
E agora o PT quer investigar a riqueza de Aécio, conforme informa a Folha de São Paulo.Em meio à crise do governo no Congresso e ao enfraquecimento de Antonio Palocci (Casa Civil), o PT de Minas ingressou anteontem na Procuradoria-Geral da República com pedido para que o senador Aécio Neves (PSDB-MG) seja investigado por supostas sonegação fiscal e ocultação de patrimônio.
O PMDB-MG subscreve o pedido. A representação acusa Aécio de ter "hábitos caros e pouco comuns à maioria esmagadora da população". Também cita que Aécio leva uma vida "nababesca", frequenta restaurantes de primeira linha, festas com celebridades e viaja em jatinhos, o que seria "incompatível com seus rendimentos".A assessoria de Aécio afirma que todos os bens do senador estão declarados e que seus hábitos são compatíveis com seus rendimentos. No Congresso, PT e PMDB têm se recusado a aprovar pedido para convocar Palocci. Conforme a Folha revelou, o ministro multiplicou seu patrimônio por 20 entre 2006 e o ano passado.
A representação atinge um dos interlocutores de Palocci no PSDB em um momento de fragilidade. Após a revelação dos bens de Palocci, Aécio defendeu um comportamento "sereno" da oposição.Na ação, os deputados mineiros anexaram cópias da declaração de bens de Aécio, documentos sobre empresas de sua família e reproduções de multas de trânsito.Também há cópia de declaração de despesas de sua campanha com o aluguel de um jatinho da Banjet Táxi Aéreo, que ainda seria usado para fins particulares sem pagar nada. A empresa tem como sócio Oswaldo Borges da Costa Filho, nomeado por Aécio para presidir a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais. Um dos autores da ação contra Aécio, o deputado Rogério Correia, líder do bloco PT-PMDB-PC do B na Assembleia, disse que o caso é "mais grave" que o de Palocci pois o primeiro "era governador quando enriqueceu".
COMENTO: Bem feito! Muito bem feito! Quem mandou o "mauricinho mineiro" abrir as pernas para o PT? Ninguém neste país sairá impune de um linchamento moral, mesmo que injusto, ao se defrontar com os comunistas petistas. Aécio sempre soube disso mas achou que estaria imune se bajulasse Lula, seus asseclas e prepostos. Abriu as pernas para Lula e, depois, para Dilma. Agora arque com as consequências. Se tiver podre, quebre-se! Se estiver limpo, crie jeito, seja homem o suficiente para brigar e se livrar de amarras ou conchavos com gente que não merece  o menor crédito quando se trata de democracia e pacto político.

De folga, Dilma passeia em Istambul e você paga a conta.

Dilma passeia na Turquia e nós pagamos a conta
A presidenta Dilma Rousseff deu um termpo na agenda de negócios pela Europa e deu uma de turista em Istambul, capital da Turquia, neste sábado (8).
Segundo matéria do jornal O Globo, ela passeou de barco, visitou uma igreja histórica e fez compras.
Junto com Dilma durante o passeio, estava um grupo de ministros mais próximos – Antonio Patriota (Relações Exteriores), Celso Amorim (Defesa), Helena Chagas (Secretaria de Comunicação Social) e Maria da Graça Foster (diretora da Petrobras).
Além da Mercedes exclusiva para Dilma, havia mais seis carros para segurança e ministros e uma ambulância no passeio.
Hotel com diária de 10 mil Euros
Dilma está hospedada no luxuoso hotel Çiragan Palace Kempinski. A diária do quarto dos ministros é de 2,5 mil euros.
A suíte presidencial, onde Dilma ficou hospedada, custa mais de 10 mil euros, mas, como manda a diplomacia, os turcos devem pagar a hospedagem da presidente e do ministro de Relações Exteriores.
*Texto por Claudio Humberto 

As, prováveis, candidatas a Ministra do STF.

*Fonte: Folha de São Paulo.

Amapá: Mais de 1 bilhão desviados em fraudes.

O inquérito final da Operação Mãos Limpas da Polícia Federal, deflagrada em setembro de 2010, revela que pelo menos 1 bilhão de reais foram desviados dos cofres públicos do Amapá nos últimos dez anos. Ainda segundo o documento, o esquema de desvio de verbas é realizado até hoje. Ao longo deste ano, os policiais analisaram os documentos, vídeos, fotos e escutas produzidos durante as investigações. Entre as infrações estão saques milionários e mensais de verba pública. O dinheiro, fruto de superfaturamentos em numerosos contratos do governo estadual e da prefeitura de Macapá, era tirado da boca do caixa. Ainda aparecem nas investigações suspeitas de assassinato de um policial federal e de pedofilia. Foram encontrados documentos que apontam o envolvimento de integrantes do Tribunal de Justiça do Amapá, da Procuradoria-Geral do Estado, do Ministério Público, passando pelos deputados da Assembleia Legislativa, funcionários de todos os escalões dos governos estadual e municipal, incluindo o ex-governador Pedro Paulo Dias e o então prefeito de Macapá, Roberto Góes, sem falar em uma ampla rede de jornalistas.
*Informações da Agência Estado.

A escolinha da professora Dilma.

Por Carlos Brickmann:
A Escolinha da Professora Dilma já está sendo vista como piada, na Europa.
O tradicional Financial Times ironiza os conselhos que a presidente dá aos europeus (em tradução livre, feita pelo colunista):
"O país classificado em 152º lugar pelo Banco Mundial por seu pesado sistema tributário aconselha contra impostos restritivos".
"A sugestão de que o Brasil deveria resgatar países cuja renda per capita é o triplo da brasileira foi recebida com surpresa".
"Dilma ressaltou a necessidade de combater o protecionismo uma semana depois de aumentar impostos sobre carros importados em colossais 30 pontos percentuais".
Alguém precisa contar a Dilma que eles são ricos, e nós não. Até agora, saíram-se melhor.

O palestrante, milionário, já deve 2 milões ao Imposto de Renda.

Lula, o palestrante milionário, já deve R$ 2 milhões ao IR
O palestrante internacional Luiz Inácio Lula da Silva pagará seu preço por posar de conferencista financiado por banqueiros mundo afora.
Com base nas quinze palestras realizadas até agosto, cachê médio de US$ 300 mil, Lula já deve à Receita Federal mais de R$ 1,9 milhão de Imposto de Renda.
O valor vai passar de R$ 2 milhões com os eventos confirmados até dezembro.
Seu faturamento beira os R$ 7,1 milhões. 
Céu é o limite
Ao posar com becas e diploma de doutor honoris causa, Lula esconde dos anfitriões o que o levou até ali: os jatinhos de empreiteiros amigos. 
Pagou, levou
Em palestra recente, Lula surpreendeu os contratantes: exigiu uma lancha para passear e uísque Blue Label, de 200 dólares a garrafa. 
Cidadão do mundo
Lula tem mais de cem convites aceitos para doutor honoris causa. Gilberto Carvalho, seu eterno secretário particular, cuidou de tudo. 
Sonhar pode
Lula não esconde o sonho de ganhar o Prêmio Nobel da Paz, lançando seu instituto na África, onde empreiteiros amigos ganham milhões.
*Texto por Claudio Humberto

Rola na internet...

domingo, 9 de outubro de 2011

Fifa estima prejuízo de R$ 1,8 bilhão na Copa de 2014


Por Luiz Antônio Prósperi, no O Estado de S. Paulo
A Fifa estima um prejuízo de US$ 1 bilhão (cerca de R$ 1,8 bilhão) se o Brasil não adequar a Lei Geral da Copa às exigências da entidade.
Os cálculos englobam desde os valores da meia-entrada, para estudantes e idosos, até os custos dos direitos de televisão e da proteção das marcas dos patrocinadores.
Para não correr este risco, a Fifa pediu ao governo brasileiro que a lei honre os compromissos assinados há dois anos pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que contemplavam todas as garantias exigidas pela entidade para a realização da Copa do Mundo de 2014.
No encontro entre a presidente Dilma Rousseff e Jérôme Valcke, secretário-geral da Fifa, na segunda-feira, em Bruxelas, ficou definido que o projeto da Lei Geral da Copa vai passar por algumas adequações.
Com as alterações, o prejuízo estimado pela Fifa seria reduzido.
Depois das mudanças, advogados da Fifa vão esmiuçar a nova Lei Geral para, enfim, assinar o contrato entre o Brasil e a entidade garantindo o Mundial no País.