sábado, 5 de janeiro de 2013

A agenda que revela o poder da "amiga de Lula",

 
ESTRELADA - Rosemary Noronha, fotografada três semanas depois de ser indiciada pela Polícia Federal: batom, brincos, unhas feitas e estrelas vermelhas tatuadas no pulso
A poderosa Rose e sua influência junto ao molusco apedeuta
A Revista Veja, desta semana, traz uma reportagem pra lá de interessante sobre a agenda que revela todo poder da amiga de Lula".
 
A amiga de Lula é Rosemary Noronha, a qual é atribuida uma relação tão íntima que a levaria a ser uma suposta amante do ex presidente.
 
No alto do seu poder como Chefe de Gabinete da Dilma, no escritório da Presidência da República em São Paulo, ela controlava a agenda de lula em seus contatos com membros do governo, do PT, da base aliada e até empresários.

Segundo o Blog do Aluizio Amorim:"o gabinete paulistano a partir da ascensão de Lula, o demiurgo nordestino, tornou-se uma extensão da sede do PT. Tanto é que Rose, como é chamada na intimidade petralha, decorou o gabinete com um mega-poster de Lula, enquanto as almofadas dos sofás tinham como estampa, claro, Lula."

Há quem diga que Rose mandava no Gabinete da Presidência, em São Paulo, e nem Dilma teria tanta autoridade por lá. A reportagem da Revista Veja traz, em sintese, que Rose sabe de muita coisa, inclusive as sujeiras que foram varridas para baixo tapete.
Será que isso é uma das razões do silêncio do apedeuta?
Será que ele tem medo que seus segredos, inclusive de alcova, sejam revelados? 
Ou apenas estaria esperando a hora certa para aparecer, contando com a fraca memória dos brasileiros e da imprena aliada?

Vamos ler a Veja.

Governo Federal usa apenas 13,6% das verbas de prevenção de desastres naturais.


Foto: Reprodução de Inetrnet

 
O governo federal teve em 2012 a maior verba disponível em dez anos para investir em ações de prevenção contra desastres naturais em todo o país – R$ 3,47 bilhões –, mas só usou 13,6% desse valor no ano, segundo levantamento do G1. Ao mesmo tempo, para remediar as tragédias o governo usou 87% dos R$ 2,27 bilhões disponíveis.
Os dados estão no Orçamento federal, que prevê quais gastos a União pode fazer durante o ano e autoriza a verba para cada área. Conforme vão aparecendo os projetos, a verba é empenhada (reservada) e, se aprovados, é repassada, ou seja, paga. É a execução da verba, o uso efetivo pela União do dinheiro disponível.

Porque hoje é sábado, uma bela mulher.





A bela atriz Lucy Ramos

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Político que nos envergonha!



Henrique Alves diz que não obedecerá ao STF.

 

 
           Foto:Sergio Lima - 28.mar.2012/Folhapress
Favorito para comandar a Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves, discurso no plenário
Deputado Henrique Alves não respeitará determinação do STF
Em entrevista à Folha, Henrique Alves, candidato favorito à presidência da Câmara, afirma que o Congresso não abrirá mão da prerrogativa de dar a palavra final. Isso inclui votação secreta no plenário da Casa, onde uma cassação só ocorre com o apoio de pelo menos 257 dos 513 deputados.
Segundo Henrique Alves, a "Constituição é clara" e, portanto, cada Poder deve ficar "no seu pedaço".
"Não [abro mão de decidir]. Nem o Judiciário vai querer que isso aconteça. Na hora em que um Poder se fragiliza ou se diminui, não é bom para a democracia."
O deputado afirmou ainda que "algum mais desavisado pode ter esquecido", mas a Constituição de 1988 foi elaborada pelos congressistas.
"Cada palavra, vírgula e ponto ali foram colocados por nós. Então, temos absoluta consciência de nossos direitos, deveres, limites e prerrogativas. A questão da declaração da perda do mandato é inequívoca que é do Parlamento", afirma o peemedebista, em plena campanha pela presidência da Casa.

Governo faz manobra para "fechar" a meta fiscal.

Ministro da Fazenda, Guido Mantega, participa de audiência pública promovida pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, em conjunto com a Comissão Mista da Medida Provisória 567/2012
Mantega ri. E assim, de manobra em manobra, ilude os incautos
Se alguém fala em hipocrisia política, no Governo Federal, não conhecia a hipocrisia econômica e contábil.
Numa "criatividade" típica da malandragem o Governo fez diversas manobras contábeis para dar uma aparência de normalidade quanto a meta fiscal de 2012.
Vejamos a reportagem de Adriana Fernandes, em O Estado de S. Paulo:
"Nos últimos dias de 2012, o Ministério da Fazenda fez uma série de manobras para aumentar receitas e cumprir a meta fiscal. O governo pôs em prática uma gigantesca operação de triangulação financeira com o uso do Fundo Soberano do Brasil (FSB), Caixa Econômica Federal e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que garantiu o ingresso de pelo menos R$ 15,8 bilhões nos cofres em dezembro.
O dinheiro reforçou o superávit primário - a economia feita para pagar as despesas com juros da dívida -, mas minou ainda mais a credibilidade da política fiscal brasileira.
A operação consumiu a maior parte dos recursos depositados no Fundo Fiscal de Investimentos e Estabilização (FFIE) - onde estavam aplicados os recursos do FSB. O Tesouro resgatou, em 31 de dezembro, R$ 12,4 bilhões do FFIE, reduzindo o patrimônio para R$ 2,85 bilhões, de acordo com dados da Comissão de Valores Mobiliários.
Manobras. Portarias do Ministério da Fazenda, editadas no último dia de 2012, mas publicadas somente nesta quinta-feira no Diário Oficial da União, revelaram como as operações foram feitas.
A operação começa com o BNDES. O banco comprou ações da Petrobrás que estavam no FFIE e pagou com títulos públicos. O Tesouro transformou esses papéis em dinheiro, no valor total de R$ 8,84 bilhões.
Ao trocar os títulos por dinheiro, os recursos foram contabilizados como ‘caixa’ do governo, engordando as contas públicas.
O BNDES também antecipou mais R$ 2,31 bilhões em dividendos à União. Ao mesmo tempo, o governo reforçou o caixa do banco, antecipando a liberação da última parcela - de R$ 15 bilhões - de um empréstimo de R$ 45 bilhões do Tesouro. Esse dinheiro só seria liberado em 2013.
A Caixa completou as manobras, com antecipação do pagamento de dividendos no valor de R$ 4,6 bilhões. O banco, que registrou lucro de R$ 4,1 bilhões até setembro, pagou volume recorde de R$ 7,7 bilhões de dividendos à União em 2012. Para compensar, o governo aumentou o capital da Caixa em R$ 5,4 bilhões, com ações da Petrobrás.
Essas manobras, que são conhecidas como "contabilidade criativa", foram feitas para fechar as contas em dezembro e tentar garantir o cumprimento da meta fiscal de R$ 139,8 bilhões.
O governo recorreu às manobras, mesmo depois de ter usado outro expediente polêmico: o abatimento dos gastos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da meta fiscal. Mesmo com o desconto dos R$ 32 bilhões do PAC, faltavam ainda cerca de R$ 20 bilhões para cumprir a meta de 2012.
Esse valor será alcançado com a ajuda da engenharia financeira do Tesouro. O valor exato que será usado dos R$ 15,8 bilhões obtidos com as manobras contábeis só será conhecido no fim do mês, quando o governo fechar a contabilidade de 2012.
Moribundo. Todo esse malabarismo contábil está sendo bombardeado até mesmo dentro da área econômica do governo. A avaliação de importantes integrantes da equipe econômica, ouvidos pelo Estado, foi de que o Tesouro, desta vez, se excedeu na "contabilidade criativa", minando a credibilidade da política fiscal. A percepção, segundo essas fontes, é que o superávit primário pode ter perdido definitivamente seu valor como indicador da política fiscal.
Além disso, ficou difícil qualquer avaliação sobre a qualidade do resultado, com influência negativa também sobre as contas públicas em 2013 e nos anos seguintes. "O superávit primário, que estava moribundo, agora foi sepultado", disse um integrante da equipe econômica.
Uma área importante do governo avalia que essa maquiagem contábil não faz sentido econômico e que seria melhor ter reduzido a meta fiscal.
Desde o início de 2012, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o secretário do Tesouro, Arno Augustin, afirmavam que a meta seria cumprida para ajudar o BC na redução dos juros. O compromisso só foi abandonado depois que o BC reduziu a taxa Selic para o menor valor da história e indicou a manutenção dos juros por um "período prolongado". Procurada pelo Estado, a Fazenda não se manifestou."

Tucano aloprado.

Teotonio Vilela Filho: mal informado ou aloprado?
O Governador do Estado de Alagoas, Teotonio Vilela Filho (PSDB), demonstrou como está  alheio , ou desinformado, a respeito da área de segurança Pública de seu Estado.
Em entrevista à TV Gazeta de Alagoas, Vilela afirmou que todas as Delegacias de Polícia do Estado estariam sendo reformadas.
Na mesma TV Gazeta, pertencente à família de Fernando Collor ( seu desafeto e provável adversário nas próximas eleições  ao Senado ), foi apresentada uma reportagem mostrando todo o estado precário e de penúria das Delegacias de Polícia e a declaração de um membro do seu Governo afirmando que as reformas das instalações físicas das Delegacias de Polícia, estavam estacionadas já que a  construtora responsável havia desistido da “empreitada” e abandonado as obras.
Custava o Governador dizer a verdade? Custava se informar, afinal, a área de Segurança Pública é uma das mais precárias do Estado de Alagoas, com índices de homicídio superiores á média nacional?
O governador, que era tido como uma pessoa séria e bom gestor público, demonstra  seu alheamento às questões cruciais de sua administração, dá “munição” a oposição e age, como diria seu amigo Luiz Inácio, como um “aloprado”.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Genoino e o primeiro fato negativo do ano.

Foto:Sergio Lima/Folhapress
Genoino,com sua filha, toma posse na câmara dos Deputados
O primeiro fato negativo do ano, no âmbito político, foi sem dúvida a posse como Deputado Federal, do ex-presidente do PT e  condenado pelo  STF por corrupção e formação de quadrilha, José Genoino (SP).
A posse nesta quinta-feira (3) caracterizou-se como uma das terríveis falhas ( ou omissão ) Constitucionais que permitem a um condenado por corrupção, ser empossado como representante do povo.
Cinicamente, Genoino não perdeu tempo e teria afirmado: "Eu tenho a consciência sincera dos inocentes. Além da minha consciência serena de inocente, estou cumprindo o dever como deputado federal, respeitando as leis do meu país e as leis constituídas da República."
Que diabo de inocência é essa, senhor Genoíno, se o Supremo Tribunal Federal o condenou com fulcro em provas consideradas incontestáveis?
É certo que mentir é uma prática contumaz dos membros de seu partido, mas não precisava exacerbar. Todos sabem que Vossa Excelência foi condenado por práticas de crimes repugnantes, principalmente em se tratando de um político e Presidente de um Partido Político que se dizia ético e hoje está mais sujo que "pau de galinheiro”.
Neste episódio, chama atenção, também, o posicionamento do irmão de Genoíno, o atual Deputado José Guimarães (PT-CE), hoje líder do Partido na Câmara, que afirmou “não há nada de constrangedor” no fato de o irmão tomar posse. José Guimarães nos traz a lembrança de ter sido seu assessor flagrado com milhares de dólares na cueca, episódio típico de quem quer esconder origem e destino de quantias em dinheiro.
Vai ver que naquele episódio ele também não tenha achado “nada constrangedor”.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Petista forja o próprio sequestro no Paraná.

A vereadora Ana Maria Holleben (PT), reeleita em Ponta Grossa, nos Campos Gerais, forjou o próprio sequestro no início da noite de terça-feira (1º), no trajeto entre o teatro onde ocorreu a cerimônia de posse e a Câmara Municipal, onde seria escolhida a nova Mesa Diretora do Legislativo. A informação foi confirmada pelo delegado do Grupo Tigre, Luiz Alberto Cartaxo, em entrevista coletiva concedida na noite desta quarta-feira (2).

A parlamentar foi 'encontrada' no final da tarde desta quarta. Ela deu entrada por volta das 18h30 na Santa Casa de Ponta Grossa. Segundo informações da rádio Difusora de Ponta Grossa, Ana Maria não apresentava agressão física, mas estaria bastante nervosa. Ela passou por exames com sua médica particular no Hospital Regional, para onde foi transferida. A vereadora foi autuada em flagrante por falsa comunicação de sequestro, fraude e formação de quadrilha.

Segundo o delegado do Tigre, a vereadora deve prestar depoimento sobre o caso depois que se recuperar. "Ela já está autuada. Mas, antes de ser ouvida, deve passar por atendimento", disse Cartaxo. De acordo com ele, Ana Maria já está presa, de modo temporário, e sob escolta policial no hospital.

Segundo ele, o falso sequestro foi planejado pela vereadora, pelo assessor dela, Idalécio Valverde da Silva, e por familiares dele, Adalto e Suzicleia Valverde. Os três, além da parlamentar, já tiveram a prisão temporária decretada e estão detidos. Um quinto participante, identificado como Reginaldo da Silva Nascimento, está foragido. Os quatro também vão responder por falsa comunicação de sequestro, fraude e formação de quadrilha.

Cartaxo explicou que o assessor da vereadora ficou responsável por sabotar o carro dela antes de Ana Maria usá-lo para ir à Câmara Municipal. A sabotagem foi necessária por que a parlamentar estava com a mãe no veículo. Após a pane, Reginaldo da Silva abordou a parlamentar e colocou em prática o falso sequestro.

Segundo o delegado, ainda não há informações sobre o local onde a vereadora ficou entre a noite de terça e o final da tarde desta quarta-feira. Ele também contou que, quando estava 'sequestrada', a vereadora usou o celular de Adalto, irmão do assessor Idalécio, para ligar ao próprio filho comunicar o crime, mas garantir que estava bem.

O delegado do Tigre destacou que a vereadora forjou o próprio sequestro para não participar da eleição da Mesa Diretora da Câmara de Ponta Grossa. "Por interesses pessoais, ainda não revelados, ela decidiu por não votar e, por isso, planejou todo o crime", complementou. Luiz Alberto Cartaxo não descartou a possibilidade da participação de outros agentes públicos no caso. "A possibilidade surgirá caso a investigação avance neste sentido. Dependendo das informações, certamente que isso será trazido ao conhecimento de todos", disse.
* Bondenews

Falcão, enfim, admite a podridão do PT.

Foto: Silva Junior/Folhapress
O presidente do PT, Rui Falcão, sempre disposto a defender os erros e mal feitos ( este é o nome que os petistas dão à prárica de crimes por seus pares ) de seu partido, disse que em alguns momentos dos últimos dez anos o seu partido adotou práticas que não deveria ter adotado e que "o principal [erro] foi, em alguns momentos, termos enveredado por práticas comuns a outros partidos, mas que o PT não deveria ter se enveredado por elas".
Ora, ora!
Aí está o velho Rui Falcão falando até "umas verdades", admitindo a podridão de seu partido, mas não sem antes "espinafrar" os partidos políticos, inclusive, da base aliada do Governo do qual é servil.
Desta vez, ele que é contumaz em defender a safadeza de seu partido ( mais podre do que pau de galinheiro ) admite, nas entrelinhas, que os partidos políticos são todos iguais.
É bem verdade - e isto Falcão não disse - que muitos políticos ainda adotam uma conduta elogiável, mas tais figuras não compõe o partido que ele preside, e disto eu tenho certeza.
Falcão ainda sabe que ninguém mais acredita na "pseudo pureza" do PT e que, ao contrário dos demais partidos, alguns de seus membros, sob a proteção e conivência dos demais, bateram todos os  recordes de "erros" e "mal feitos" na história deste país.
No PT, quem não cometeu crime por ação, o cometeu por omissão, afinal, também é crime se omitir, acobertar ou defender a ação de criminosos.
Como os partidos da base aliada, possivelmente,  não se sentirão ofendidos com a afirmação de Falcão, é fácil deduzir que a falta de vergonha, de respeito ao erário e às instituições está impregnada na maioria dos partidos políticos brasileiros. 
E se gritar "pega..." voces sabem!!!
*Fonte: Folha.uol.com.br

PF adiou operação Porto Seguro ao descobrir elo com Rose Noronha

A descoberta do envolvimento da então chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, Rose Noronha, e do então advogado-geral adjunto da União, José Weber Holanda, com o grupo acusado de comercializar pareceres técnicos de órgãos públicos para beneficiar empresas privadas levou a Polícia Federal a adiar por quase oito meses a deflagração da Operação Porto Seguro.
Os investigadores estavam prestes a fazer buscas nas casas e escritórios de somente quatro suspeitos em março de 2012, mas desistiram depois que escutas telefônicas revelaram a participação de autoridades no esquema. A operação só foi deflagrada de fato em 23 de novembro, com buscas em 44 endereços. No total, 24 pessoas foram denunciadas por envolvimento no esquema.
* Leia mais no  Estadão

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

FELIZ ANO NOVO!


Atolado na Operação Porto Seguro, Paulo Vieira acusa...

Suspeito de fraude acusa presidente da agência de águas
Acusado de ser um dos lideres de um esquema de venda de pareceres no governo federal, o ex-diretor da ANA (Agência Nacional de Águas) Paulo Vieira enviou no dia 20 ofício à ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, com acusações contra o atual presidente da agência.
Preso na Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, Vieira acusa o chefe da Ana, Vicente Andreu Guillo, de uma série de infrações administrativas, como o uso irregular de jatos da FAB. Ele não apresentou provas.
No ofício, de três páginas, Vieira cita primeiro as críticas que recebeu de Guillo em sessão do Senado, no dia 6 deste mês. Guillo disse que o ex-diretor é pessoa "complexa e ambiciosa" que usou o cargo "para delinquir".
O ex-diretor da ANA estaria disposto a fazer acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal sobre supostos crimes apontados pela PF, o que lhe daria benefícios como redução da pena, caso condenado.
Em entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo", Vieira já havia acusado a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, de beneficiar um grupo empresarial suspeito de participar do esquema. A ministra nega.

domingo, 30 de dezembro de 2012

Apagões são falha humana, diz Dilma, "a humana".


Realmente Apagões são devidos a falha humana - Afinal Dilma é humana.
Nem raios nem falta de investimento. Para a presidente Dilma Rousseff os apagões que têm deixado diferentes Estados às escuras por horas são resultado de "falha humana". Ela admite ainda que, apesar dos investimentos em produção e transmissão, houve uma redução nos gastos com manutenção. Fonte: Folha
 
Realmente, os inúmeros apagões que temos visto no Brasil nos últimos tempos são resultado de falha humana.
 
Falha de Dilma Rousseff, acreditem se quiser, ela é humana. Faltam investimentos na área de geração e distribuição de energia elétrica, Dilma, como sempre, só sabe jogar a culpa nos outros, aliás comportamento típico dos nazi-petralhas.
 
Quando a bomba estoura, ou eles não sabiam de nada, ou foram apunhalados pelas costas ou a culpa é de alguma outra pessoa, certamente no lado mais fraco.
 
Se há acertos no governo, assumem para si os louros dos acertos. Vejam por exemplo o Plano Real que apesar da oposição do PT deu certo e fez com que o desnível social no Brasil fosse reduzido. Quem iniciou o Plano Real foi Itamar Franco e Fernando Henrique, mas Lula assume para si os louros.
 
Precisamos no Brasil de governantes honestos, éticos que não tenham medo de assumir os erros e reconhecer os acertos mesmo que forem acertos de outros.
 
Já estamos cansados desta demagogia populista dos nazi-petralhas.
 

E Cachoeira casou...e bem!

 
 
Cachoeira casou...e bem! com a bela Andressa. Ele explicou por que optou por um grupo restrito de cerca de 35 convidados, a maioria de Anápolis: "Estou me afastando dos políticos."
Num sofá de sua ampla sala de estar, ao lado do piano, ele descreveu um pouco de sua rotina. Disposto a recuperar o peso perdido na cadeia, onde ficou por cerca de nove meses durante este ano, caminha todo dia pela manhã e come enroladinho de queijo com Coca-cola na sequência. Até agora, ganhou 30% da massa perdida. "Aquele spa ali é duro", brinca, copo de uísque na mão.
Andressa diz ter tremido dentro do vestido de renda, modelo curto, da estilista Letícia Bronstein. Questionada sobre a ausência de parlamentares, ela foi na linha do marido: "Nada de político."
Aqui

A face escura de Okamoto.


Um dos fundadores do PT, Paulo de Tarso Venceslau foi expulso do partido e demitido do cargo de secretário de Finanças da prefeitura de São José dos Campos depois de ter revelado a Lula delinquências envolvendo bandidos de estimação do chefe supremo.

Esse foi um dos muitos episódios que lhe permitiram ver de perto a face escura de Paulo Okamotto, iluminada por um artigo publicado no blog do Ucho.

Confira dois trechos do texto reproduzido na seção Feira Livre.:
Okamotto costumava circular pela prefeitura de São José em busca de lista de empresários credores. Ele não ocupava qualquer cargo no paço. Era evidente que buscava recursos paralelos, com a anuência da então prefeita Ângela Guadagnin. No mesmo dia em que a auditoria externa encerrou seus trabalhos e me enviou o relatório, fui exonerado sumariamente a pedido de Paulo Okamotto e Paulo Frateschi, segundo me relatou a própria prefeita.

O administrador do sindicato, Sadao Higuchi, era quem encaminhava os recursos vindos do exterior a Okamotto. Em 13 de junho de 1998, em plena campanha eleitoral, Sadao morreu “afogado” numa represa localizada nas proximidades de Bragança Paulista. (…) Morreu afogado, mas tinha uma contusão na cabeça. Ele teria caído n’água e o barco teria se chocado com ele. Pequeno enorme detalhe: tratava-se de um bote inflável.

Coisa de direitista delirante?

Mais uma da elite golpista?

Invencionice da mídia conservadora?

É difícil enquadrar nesses clichês o economista Paulo de Tarso Venceslau.

Paulista de Santa Bárbara d’Oeste, hoje com 69 anos, Venceslau se engajou na luta armada como ativista da Ação Libertadora Nacional (ALN), participou em setembro de 1969 do sequestro do embaixador americano Charles Burke Elbrick, foi capturado dias depois pela polícia política, passou cinco anos na cadeia e ligou-se a um dos grupos que fundariam o PT. Não é loiro. Nem tem olhos azuis.

Anos depois de ouvir ameaças de morte berradas por torturadores decididos a fazê-lo falar, Venceslau voltou a ouvi-las sussurradas por companheiros decididos a fechar-lhe a boca. Na prisão, poderia ter morrido por insistir em mentira. No PT, quase morreu por ter contado a verdade.
*Blog do Augusto Nunes