sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Falta mais gente no cárcere

O ex-general e ditador argentino (1976-1981) Jorge Rafael Videla durante seu julgamento, na última  quarta-feira (22).
Ele foi condenado à prisão perpétua pelo assassinato de 31 opositores e por outros crimes contra a humanidade.
Ora essa, e o que estão esperando para julgar Fidel e Raul Castro pelo fuzilamento de mais de 70 mil inocentes cubanos, tendo escravizado os pobres sobreviventes que vivem em regime de fome na ilha-cárcere há meio século?
Falta mais gente no cárcere...ou não?

Transa oficial

Em um paizinho desavergonhado como foi transformado esse Brasil petralha, nada mais natural do que esse episódio em que o deputado Pedro Novais (PMDB-MA), recém indicado por Dilma Rousseff para o Ministério do Turismo, foi flagrado em uma auditória da Câmara Federal, por haver incluído um recibo de motel entre as Notas Fiscais usadas na prestação de contas de junho, para justificar o uso de verbas destinadas à atividade parlamentar. Pedrinho não é o primeiro, e, infelizmente, não será o último dos parlamentares brasileiros "pegos com a boca na botija", usando dinheiro público para financiar suas atividades particulares, inclusive aquelas mais indecentes. Talvez seja por isso que alguns acreditam que o real objetivo de muitos parlamentares, ao partir em defesa da legalização da atividade das prostitutas, tornando-as profissionais do sexo, estaria por conta de permitir que as "meninas" possam fornecer recibos "prestação de serviço", permitindo que Suas Excelências, todas as vezes que saírem para a "raparigagem", possam jogar o custo da farra para a "conta da viúva". Na verdade, a maior curiosidade em relação a esse episódio protagonizado pelo deputado Pedro Novais, é saber o que ocorreu naquela "alcova", posto que a justificativa "oficial", segundo a qual teria alugado a suíte mais cara de um luxuoso motel de São Luiz-MA, para promover uma "festinha", deixa margens para especulações, inclusive sobre que políticos maranhenses teriam participado dessa "bacanal da terceira idade", custeada pelos cofres públicos. Será que cúpula local do PMDB estava presente?
*Júlio Ferreira - Recife - PE - por e-mail

Adesivo da hora

http://odiariodaalegria.blogspot.com/2010/12/adesivo-que-circula-em-brasilia.html

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

A herança de Dilma

É preciso o Financial Times publicar para ter destaque na imprensa oca, omissa e conivente, brasileira.
O jornal observa que Dilma tomará posse no dia 1º de janeiro com o desafio das taxas de inflação dos preços ao consumidor muito acima da meta anual do governo, de 4,5%. "Os preços aumentaram 5,6% nos 12 meses até novembro, e espera-se que a taxa chegue a quase 6% até o final do ano", relata a reportagem.Com isso, os juros já devem disparar em janeiro. É o pior da herança maldita de Lula.

José Alencar agoniza. Lula festeja...

Do Blog do Coturno Noturno:
Enquanto José Alencar agoniza no Sírio Libanês, Lula dá uma festança para ministros e ex-ministros no Palácio do Alvorada. Depois de quase três horas de cirurgia os médicos desistiram de retirar o tumor que provoca a hemorragia digestiva grave no vice-presidente José Alencar. Segundo o médico Raul Cutait, a operação sofrida pelo vice-presidente no mês passado impediu que os médicos chegassem ao tumor. Ele respira por aparelhos. "É o pior momento pelo qual ele está passando. Porque a doença começa a ficar mais agressiva. As possibilidades de tratamento mais cerceadas e, embora todos continuem lutando com extremo envolvimento, a gente percebe que a situação não está mais tão tranquila", disse o médico. O médico afirmou que o melhor neste momento é esperar o sangramento parar. Ele está internado na UTI. "Ele foi operado há um mês e quando isso acontece as aderências dentro da cavidade abdominal são muito intensas. Elas impediram que a gente entrasse e chegasse ao tumor, que é o que nos parece que causa esse sangramento", explicou Cutait. Enquanto isso, Lula brinda com José Dirceu, que já chegou à festa.Se tivesse um mínimo de sensibilidade, teria cancelado a festa e vindo até o hospital prestar solidariedade.

Ditadura do PNHD-3

Maria do Rosário, quer ditar normas mesmo sem aval do legislativo
Temos falado muito do termômetro do PNDH-3. Subiu mais um grau. E o Brasil vai chegando perto de uma intensa febre.
Que grau foi esse? A futura ministra de Direitos Humanos do governo Dilma Roussef, Maria do Rosário, disse que vai implantar o PNDH-3 “como ele está”.
Foi o que afirmou em entrevista para a Folha de S. Paulo (18/12/10).
Chamo a atenção para alguns pontos da entrevista:
a) Ela afirma que é preciso aceitar a adoção de crianças por “casais” homossexuais, dizendo que o fato de serem homossexuais não influencia na educação (sic!)
b) Sobre a lei de “homofobia”, que instaura a perseguição religiosa contra quem se oponha por princípio e consciência à prática homossexual, as declarações nos deixam perplexos. Ao ser perguntada sobre o projeto de lei da homofobia, ela respondeu:
“Quem tem urgência não espera a lei ser votada no Congresso. Muitas vezes as legislações demoram nessa área de direitos humanos mais do que deveriam. Não vou começar pela lei, mas pela mobilização nacional.”
Em outras palavras, ditadura do Executivo, através de seu “Soviet Supremo”, a Secretaria de Direitos Humanos, passando por cima do Legislativo.
c) Sobre a questão do aborto, a futura ministra tergiversou, acabando por dizer que vai implantar exatamente o que está no PNDH-3. Em última análise, aborto em todas as ocasiões no sistema público de saúde.
Quer o leitor uma prova mais rotunda de que precisamos agir? É por isso que no dia 5 de Janeiro sairá mais uma Caravana Terra de Santa Cruz, contra o aborto e o PNDH-3. São mais de 35 jovens que estão na lista para sair, a maioria já confirmados.
E você, caro leitor, ajudará os jovens a sairem em Caravana para combater o PNDH-3? Clique aqui e ajude a Caravana Terra de Santa Cruz com um tanque de combustível. Serão mais 450Km que, por sua contribuição, serão percorridos. Já pensou o que isso significa?
É com doações assim que poderemos mobilizar um grande número de brasileiros. Se nos mobilizarmos, o PNDH-3 dificilmente se implantará! E o Brasil continuará a ser a Terra de Santa Cruz. Se não…
Fonte:Daniel Martins- http://www.ipco.org.br/home/

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

O cachê de Chico Buarque

Foto: mpbnet.com
Dilma, com seu espírito natalino de gratidão e bondade,  paga o cachê de Chico Buarque de Hollanda: o Ministério da Cultura.
Em 10 de dezembro, o blog Coturno Noturno publicava um post falando sobre a cobrança de Chico Buarque ao apoio ao governo Lula.
Ontem Dilma Rousseff confirmou Ana de Hollanda, irmã do compositor Chico Buarque, para comandar o Ministério da Cultura. Ela aceitou. Ha informações de que a conversa ocorreu pela manhã no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil), sede do governo de transição.
Quem não aceitaria o Ministério das Emendas que saem mais fáceis do que Sonetos?
Preparem-se para dar boas risadas. Leiam ( aqui )  a biografia de Ana de Hollanda.
* Do blog Coturno Noturno

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

A oposição dobra os joelhos


De Augusto Nunes:
Nessa versão 2010 do espetáculo da covardia, como observou Reinaldo Azevedo, não há um único parágrafo, uma só sílaba, sequer uma vírgula que impeça um Tarso Genro de subscrevê-lo. O palavrório nem procura camuflar a rendição sem luta, a traição aos eleitores que souberam só agora que a relação com o governo de Dilma Rousseff, se depender dos tucanos, será regida pelo signo do servilismo. “Um Estado como Alagoas, que concentra os piores indicadores sociais do país, não pode se dar ao luxo de brigar com o governo federal”, subordinou-se o anfitrião Teotônio Vilela Filho. “Nós dependemos, e muito, dos repasses de verbas e programas federais”.
Os convivas do sarau em Alagoas ainda não aprenderam que, segundo a Constituição, o Brasil é uma república federativa. Um governador não precisa prestar vassalagem ao poder central para receber o que lhe é devido, nem pode ser discriminado por critérios partidários. Um presidente da República que trata igualmente aliados e adversários não faz mais que a obrigação.
“Devemos buscar sempre o entendimento e a cooperação, na relação tanto com o governo federal como com os governos municipais”, recitaram em coro ─ e em nome de todos ─ o paulista Geraldo Alckmin e o paranaense Beto Richa. Previsivelmente, foram abençoados por outra frase equivocada do presidente do PSDB, Sérgio Guerra: “Fazer oposição não é papel dos governadores”.
Claro que é. Mais que isso: é um dever. Os eleitores que garantiram a vitória de cada um dos oito signatários da Carta de Maceió não escolheram um gerente regional, mas políticos incumbidos de administrar com altivez Estados cuja população é majoritariamente oposicionista. Se dessem maior importância à afinação com o Planalto, teriam optado por candidatos do PT. O convívio entre governantes filiados a partidos diferentes é regulamentado por normas constitucionais, regras protocolares e manuais de boas maneiras. Isso basta.
É natural que governantes de distintos partidos colaborem na lida com problemas comuns. Outra coisa é a capitulação antecipada e desonrosa. Quem se elege pela oposição e se oferece ao inimigo como colaborador voluntário é apenas colaboracionista. Os franceses sabem o que é isso desde a Segunda Guerra Mundial. Os governadores tucanos que já se ajoelham diante de Dilma Rousseff logo saberão.
COMENTÁRIO: O texto de Augusto Nunes retrata, fielmente, a frágil e despersonalizada oposição brasileira ( leia-se PSDB), que já demonstrou que a participação na eleição presidencial foi de "mentirinha", enganando a mais de 40 milhões de eleitores.
Agora a tal oposição, representada pelos governadores eleitos do PSDB, dão uma clara demonstração de servilismo ao futuro governo petista.
A incompetência, ou opção pela bajulação, é tanta, que os governadores, renidos em Alagoas, ignoraram os princípios e normas constitucionais que os ampara, na condição de administradores públicos e representantes dos entes federativos, e dobraram os joelhos diante do governo federal.
Decididamente, PSDB não é oposição. Confundir gestão responsável com ato servil é, no mínimo, uma falta de senso. É uma vergonha!

Lula gasta e o povo paga

Essa gravura ilustra o texto de The Economist, que diz que Lula fala manso e carrega um cheque em branco, quando se trata de dar ajuda.
Uma reportagem publicada nesta semana pela revista britânica The Economist calcula que os recursos gastos pelo Brasil em ajuda humanitária e desenvolvimento no exterior podem chegar a US$ 4 bilhões por ano.
 A revista inglesa The Economist estranha que o Brasil gaste tanto em “diplomacia de generosidade”, com países emergentes, da África e America Latina, enquanto existem enormes bolsões de miséria no Brasil. Traduzindo: Lula quer aparecer como pai da humanidade, torrando o dinheiro dos brasileiros no exterior. E tome carga tributária!
O cálculo, que inclui as iniciativas brasileiras de assistência técnica, cooperação agrícola e ajuda direta a países da África e América Latina, mostra que o Brasil “está se tornando rapidamente um dos maiores doadores mundiais de ajuda aos países pobres”, diz a revista.
A reportagem chega ao montante de US$ 4 bilhões somando os recursos da Agência Brasileira de Cooperação, projetos de cooperação técnica, ajuda humanitária a Gaza e ao Haiti, recursos destinados ao programa de alimentos da ONU e outros, e financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento, o BNDES, nos países emergentes.
Entretanto, The Economist vê o que chama de “ambivalência” nos programas de ajuda do Brasil. Lembra que o país ainda precisa combater bolsões de pobreza dentro de seu próprio território, aponta deficiências na estrutura burocrática voltada para a cooperação internacional e avalia que funcionários e instituições voltados para esse fim estão “sobrecarregados” com o crescimento exponencial do volume de assistência durante os anos do governo Lula.
A revista diz que o governo brasileiro está indo longe demais, rápido demais...
Na desesperada busca de tentar ganhar o Premio Nobel da Paz ou de um emprego na ONU, Lula joga em outros países os recursos que deveriam ser destinados aos brasileiros.
Somos nós brasileiros que estamos bancando a mais cara campanha para o prêmio Nobel da Paz da história da humanidade.
*VARLEI DISIUTA, por e-mail

Dilma faz. A gente paga!

A história se repete. Lula, para garantir as mordomias de Lurian, tais como seguranças, motoristas e mais sete automóveis, abriu um escritório presidencial em Florianópolis, onde jamais assinou um autógrafo. Fez o mesmo para tomar conta do outro filho e dos seus bens em São Bernardo do Campo, para onde ia aos finais de semana e de onde jamais despachou, pois as visitas sempre foram para comícios e cachaçadas. Além disso, também tinha um escritório em São Paulo, usado pouquíssimas vezes, que também botava a presidência a serviço do Lulinha Telemar, o filho "fenômeno". Agora Dilma já escolhe local para instalar um escritório em Porto Alegre, conforme informa Zero Hora. Para botar a infra-estrutura presidencial a serviço da filha, do genro, do neto e até do ex-marido, Carlos Araújo, dotando-os de todas as mordomias. Quem viver, verá!
*gracialavida, por e-mail, via resistência democrática

Rumo ao título

“A liberdade de imprensa é uma coisa maravilhosa. A liberdade de imprensa só garante uma coisa: que a imprensa é livre. Que a imprensa é boa, não garante. A imprensa livre faz muita besteira, faz bobagem, desinforma”.

Franklin Martins,louco para tolher a liberdade de imprensa no Brasil, ganhador do Homem sem Visão de Dezembro, disposto a tudo para garantir a conquista do título de Homem sem Visão do Ano, troféu dado por Augusto Nunes em sua coluna no Globo.

domingo, 19 de dezembro de 2010

Banco PanAmericano, uma "organização criminosa", segundo a PF

Envolto em um rombo de R$ 2,5 bilhões, o Banco PanAmericano teria sido classificado como uma "verdadeira organização criminosa voltada para a prática de crimes contra o sistema financeiro nacional" pela Polícia Federal (PF), segundo o jornal O Estado de S. Paulo deste domingo. A PF teria apurado que a cúpula do braço financeiro do Grupo Sílvio Santos teria participado da arquitetura e execução de uma fraude, seguida do compartilhamento do montante obtido com esta.
De acordo com a Polícia, as fraudes nas operações do PanAmericano não foram notadas pelos dirigentes por má fé, justamente para desviarem dinheiro. A destituição de sete diretores da companhia em novembro reforça a tese das autoridades. A PF investiga o Banco PanAmericano em três artigos da lei de crimes contra o sistema financeiro, que incluem os delitos de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal, gestão temerária e fraudulenta, falsidade contábil e indução do investidor ao erro, que culminariam no rombo de R$ 2,5 bilhões no caixa da empresa.
Caso
O Banco PanAmericano anunciou em novembro que o Grupo Silvio Santos, seu controlador, iria aportar R$ 2,5 bilhões na instituição para restabelecer o equilíbrio patrimonial e a liquidez, após "inconsistências contábeis" apontadas pelo BC. Um processo administrativo de investigação apura a origem e os responsáveis pelo problema de falta de fundos.
A injeção de recursos no banco foi feita por meio do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que é uma entidade sem fins lucrativos que protege os correntistas, poupadores e investidores. São as instituições financeiras que contribuem com uma porcentagem dos depósitos para a manutenção do FGC - sem recursos públicos.
A holding do Grupo Silvio Santos colocou à disposição empresas como o SBT e a rede de lojas do Baú da Felicidade, entre outras, como garantia pelo empréstimo, que tem prazo de dez anos. Especializado em leasing e financiamento de carros, o PanAmericano teve 49% do capital votante vendido para a Caixa Econômica Federal em dezembro de 2009, por R$ 739,2 milhões. Com autorização do BC, as atividades das lojas e o atendimento ao público continuam sem problemas, segundo a instituição.
*Fonte: Jornal do Brasil