sábado, 2 de maio de 2009

Porque hoje é Sábado, uma homenagem a uma bela mulher

A bela atriz Flavia Alessandra, em pleno explendor.

Visita de Ahmadinejad a Lula intriga Israel

Este é o Presidente que Lula receberá com honras
O embaixador do Brasil em Israel, Pedro Motta, desembarca neste domingo em São Paulo, três dias antes da chegada ao país do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad. Motta foi chamado semana passada pelo Ministério do Exterior israelense para dar explicações sobre a visita do presidente iraniano, inimigo declarado de Israel, e deverá transmitir ao Itamaraty a insatisfação do governo israelense pelo convite feito ao tresloucado Ahmadinejad, que ameaça a paz no Oriente Médio. O presidente Lula receberá na quarta (6) o presidente porralouca do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, quando se dará o primeiro encontro oficial de Lula com o governo iraniano. Segundo fontes do palácio do Planalto consta do roteiro que o presidente Lula vai aproveitar a presença de Ahmadinejad para conversar sobre o comércio bilateral uma vez que o mercado do Irã ainda não é consistente para os produtores brasileiros.O embaixador chega a Guarulhos (SP) no primeiro vôo direto entre os dois países, inaugurado domingo pela empresa aérea israelense EL AL.

Prostituta pode ser Senadora! Você acha estranho?

A estrela do cinema pornô dos Estados Unidos, Stormy Daniels, está levando a sério a ideia de se candidatar ao Senado pelo estado de Louisiana, nas eleições de 2010. A atriz de 29 anos, que tem mais de 100 filmes na carreira, começará na próxima semana um “tour de ouvidoria” para encontrar vários homens e mulheres e ouvir as principais queixas de seus potenciais eleitores.
Fãs de Stormy criaram até um site para ajudar na campanha, no qual afirmam que é a “oportunidade de começar a limpar a política de nosso estado, com nomes idôneos dos quais poderemos nos orgulhar”.
Conheça aqui o site que os amigos e fãs criaram para ajudar na campanha política de Stormy Daniels.

Todas as acusações do casal Zoghbi

Na noite da quinta-feira 23, reporteres da revista ÉPOCA mantiveram duas conversas com o casal João Carlos e Denise Zoghbi na mansão em que eles moram no Lago Sul, área mais nobre de Brasília. No primeiro encontro, a revista mostrou ao casal o resultado de três meses de apuração sobre as empresas de fachada em nome da ex-babá de João Carlos, Maria Izabel Gomes. A babá é uma senhora de 83 anos que não tinha renda até 2006. ÉPOCA mostrou que a família Zoghbi usou o nome de Maria Izabel para ocultar quantias milionárias recebidas de bancos que tinham autorização para fazer operações de empréstimos consignados com os funcionários do Senado. Diante das evidências, João Carlos e Denise confirmaram a história. No primeiro momento, atribuíram a fraude aos filhos, demitidos do Senado após o Supremo Tribunal Federal vetar o nepotismo. No primeiro encontro, o casal Zoghbi parecia desesperado. Repetiam que a divulgação da história da babá acabaria com eles.Durante a conversa, a reportagem sugeriu que, se os Zoghbis revelassem um escândalo ainda maior, com potencial para ser capa da revista, o caso da babá não seria o destaque principal da edição. Meia hora após o fim da primeira conversa, João Carlos ligou para o repórter Andrei Meireles e pediu um novo encontro. De volta à casa dos Zoghbis, ÉPOCA recebeu propostas de barganha. Denise ofereceu um carro para a reportagem não ser publicada (ÉPOCA apurou depois que se tratava de um Mercedes-Benz). Diante da recusa, passaram a oferecer denúncias sobre supostos esquemas de corrupção em todas as grandes compras, licitações e contratações no Senado. João Carlos e Denise afirmaram que há corrupção nas contratações do Sistema de Processamento de Dados (Prodasen), na comunicação social, no transporte, na vigilância e no serviço de segurança. Ao falar da área de taquigrafia, são mais específicos: “A taquigrafia é um escândalo. O serviço público tem o órgão dele de taquigrafia e contrata uma empresa para taquigrafar e fazer o mesmo serviço”, diz ela. Segundo o casal, a quadrilha que opera todos os negócios no Senado tem um chefe. Trata-se, segundo eles, de Agaciel Maia, que foi diretor-geral do Senado por 14 anos. Agaciel deixou o cargo há dois meses, depois da denúncia de que havia registrado uma mansão sua em nome do deputado federal João Maia (PR-RN), seu irmão. “Esses anos todos, o Senado tem dono. Um único dono”, diz Denise, sobre Agaciel. “Ele é sócio de todas as empresas terceirizadas (que têm contrato com o Senado)”. Agaciel Maia nega as acusações e atribui as denúncias de Zoghbi a uma antiga rivalidade. “Ele (João Carlos) sempre teve diferenças comigo. Sempre sonhou em ser diretor-geral”, diz. Agaciel afirma que nem teria como manipular os milionários contratos com empresas terceirizadas que fornecem mão de obra ao Senado: “A comissão de licitação é formada por 13 integrantes de diversas áreas, que são nomeados pelo presidente do Senado. Não havia como eu interferir”. Agaciel é investigado pelo Ministério Público e pela Polícia Federal por suspeita de fraude em licitações. “Já me viraram do avesso e não encontraram nada. Nem vão encontrar”, diz.

Um presidente ridículo e seus anfitriões

Em texto, na revista Época, desta semana, Paulo Moreira Leite, nos traz a constatação de que “de tempos em tempos, a humanidade é obrigada a conviver com personalidades ridículas”.Tal papel ridículo, na atualidade, se encaixa, como uma luva, na pessoa e personalidade do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad. Como se não bastasse o discurso doentio “anti-imperialista” e “anti-americanista” o presidente do Irã faz discursos racistas e sem nenhum embasamento, chegando a negar a existência do holocausto. Justo ele, que comanda uma das ditaduras mais retrógradas no mundo atual. Presidente decorativo, posto que quem manda no Irã são os Aiatolás, administra um país sem uma real perspectiva de desenvolvimento. Um governo fundamentalista, para uma sociedade fundamentalista e pobre, embora jorre petróleo por todos rincões iranianos. Mas, como diz Moreira Leite, os homens ridículos tem sua utilidade, mesmo que semelhante ao da babá do Diretor do Senado brasileiro, cujo nome fora utilizado como testa de ferro. O discurso racista e repulsivo de Ahmadinejad, principalmente revestido de caráter belicoso, sobretudo contra Israel, inviabiliza qualquer debate sério sobre o futuro do Oriente Médio. Sua conduta, como chefe de estado, é tão nociva quanto as ações do Hamas. Por causa da visita de Ahmadinejad ao Brasil, o governo de Israel decidiu chamar a embaixada brasileira para protestar.A diplomacia lhes reserva esse direito. Da mesma forma, garante ao governo brasileiro o direito de receber quem deseja em seu território.É compreensível a posição de todo cidadão israelense, todo judeu e de todo o ser humano que se mostra indignado diante de toda tentativa de minimizar o Holocausto. Personagens ridículos como Ahmadinejad tem essa função de embaralhar o debate, e por esta e outras razões são criaturas nocivas e ridículas. Com a visita ao Brasil, o presidente Iraniano, por certo, estará cercado de sua claque e de criaturas que a título de agirem com diplomacia, respeitarão e ouvirão seu discurso viciado, enfadonho e permeado pelo ódio. Por isso, na minha concepção dos fatos, essas pessoas também são ridículas.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Ministro diz que chegada da gripe suína ao Brasil é inevitável

O ministro José Gomes Temporão (Saúde) afirmou nesta sexta-feira que não há motivo para "pânico ou inquietação" em relação à gripe suína --cujo nome oficial é "Influenza A (H1N1)". Em entrevista concedida no Rio, o ministro admitiu, no entanto, que a chegada do vírus é "inevitável", mas voltou dizer que o Brasil está preparado para enfrentar a doença, caso seja confirmada alguma contaminação no país. "A chegada do vírus é inevitável. Ele já está em pelo menos 13 países. [....] Na América do Sul chegou a ser anunciado um caso [no Peru], mas foi descartado", afirmou Temporão. No final da tarde de hoje, o Ministério da Saúde informou que subiu para sete o número de casos suspeitos da gripe suína no registrados no Brasil. O órgão informou que três dos pacientes estão internados em Minas Gerais, dois em São Paulo, um no Espírito Santo e outro no Rio de Janeiro. Ainda não há confirmação de contaminação da doença no país. Os pacientes cujos casos são considerados suspeitos passam por tratamento médico. Segundo o ministro, não há motivo para pânico, já que o Brasil tem matéria-prima para produzir medicamentos para o tratamento de até 9 milhões de pacientes contaminados com o vírus da gripe suína. Temporão alertou ainda que ainda não há necessidade para comprar máscaras ou remédios, e disse que as pessoas não devem ter medo de comer carne de porco. "Não é momento de pânico ou inquietação. Não tem sentido comprar máscaras ou remédios. As pessoas podem comer carne suína", disse. O ministro admitiu ainda que houve problemas no monitoramento de voos vindos dos países atingidos pela doença no início, mas afirmou que a deficiência foi sanada.
Leia mais em:

Gripe suina em Brasília


Charge Sinfronio-Diário do Nordeste

Mais e menos inteiros

SÍMBOLO OFICIAL DO SUS
MabThera. É a marca do remédio usado no tratamento de linfomas iguais ao da ministra Dilma Rousseff – os linfomas de células B. Associado à quimioterapia, ele aumenta a possibilidade de cura dos pacientes em cerca de 20%. Dilma Rousseff fez bem em procurar um hospital particular. Seus hematologistas e seus oncologistas podem receitar-lhe o MabThera, como acontece nos Estados Unidos e na Europa. Os mais de 10 000 pacientes com linfomas que todos os anos recorrem aos hospitais públicos brasileiros, por outro lado, não podem contar com o remédio. Porque ele é caro demais para o SUS: um frasco custa 8.000 reais. O que aumenta mesmo, nesses casos, é só a possibilidade de morrer.No sábado 25, ao lado de seus médicos, Dilma Rousseff falou abertamente sobre seu estado de saúde. Depois de informar que retirara um linfoma e que passaria por um tratamento de quimioterapia, ela declarou o seguinte, com aquela sua gramática um tanto peculiar: "Nós, brasileiros, temos o hábito de sermos capazes de enfrentar obstáculos e sairmos inteiros do lado de lá". Alguns brasileiros enfrentam obstáculos menores do que os outros. E alguns brasileiros possuem mais chance de sair inteiros do lado de lá. Os médicos de Dilma Rousseff sabem disso: um brasileiro com linfoma que toma MabThera tem mais chance de sair inteiro do lado de lá do que um brasileiro com linfoma que é atendido pelo SUS e não toma MabThera. Há brasileiros mais inteiros e brasileiros menos inteiros.
Em seu primeiro comentário público sobre o assunto, Lula garantiu que Dilma Rousseff "não tem mais nada". De certa maneira, ele está certo. Os dados do Ministério da Saúde sobre a incidência de câncer no país nem relacionam o linfoma. Para o governo, trata-se de uma categoria indiscriminada. É como se, oficialmente, o linfoma nem existisse. Para fazer qualquer planejamento, as autoridades sanitárias brasileiras se baseiam nos dados dos Estados Unidos. Há muitos anos, os médicos da rede pública tentam inutilmente incluir o rituximabe – o nome genérico do MabThera – no tratamento dos linfomas. Mas o medicamento só costuma ser obtido na marra, por meios legais, quando um doente processa o Ministério da Saúde. O maior obstáculo que os brasileiros enfrentam, para citar Dilma Rousseff, é o governo.Lula e o PT imediatamente levaram o linfoma de Dilma Rousseff ao palanque, usando o apelo emocional para tentar impulsionar sua candidatura a presidente. Em vez disso, teria sido mais decoroso levar o linfoma aos hospitais públicos, estendendo aos pacientes mais pobres o acesso ao MabThera. Quem sabe alguns deles conseguissem sair inteiros do lado de lá.
*Texto de Diogo Mainardi em:

O que o Brasil pretende com Mahmund Ahmadinejad

A política externa brasileira chega ao extremo na falta de decoro. Para obter um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU, a diplomacia fez barbaridades, chegando ao cúmulo da proteção a tiranos e genocidas, ao se posocionar pela não-ingerência em assuntos internos de outros países. Agora, o governo brasileiro faz "qualquer negócio" para fazer de Celso Amorim o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). O Irã é membro da dita agência, embora não siga nenhuma de suas normas ou sugestões. O Brasil busca o apoio dos aiatolás. Para isso, se submete a receber um delinqüente como Mahmund Ahmadinejad, o polêmico e inconsequente presidente do Irã. Para o embaixador Iraniano, e consequentemente seu presidente, o Brasil não está do lado de ninguém. Mostra imparcialidade, e isso pode ajudar nas pretensões do Irã. É essa a informação que o governo Lula passa aos tiranos: não está de lado nenhum. E isso quer dizer, agora, que está alinhado com... o Irã! Os aiatolás certamente gostariam de ter um Amorim-sem-lado na direção da AIEA...

O cara e o dia do trabalhador...



Lula admite ter participado da farra das passagens

Lula admite ter dado passagens a sindicalistas quando era deputado
Rio - O presidente Lula adimitiu que quando era deputado federal também utilizou passagens da cota dos parlamentares da Câmara para viagens de pessoas não ligadas ao seu gabinete. Segundo Lula, por várias vezes ele convocou sidicalistas da Cut para reuniões em Brasília com passagens pagas por seu gabinete."Graças a Deus eu nunca levei um filho meu para viajar com passagens pagas pela Câmara. Mas um deputado levar a mulher para Brasília não é crime", disse o presidente.Lula criticou a cobertura da imprensa sobre o escândalo das passagens . "Vocês estão dando dimensão demais a uma coisa que pode ser corrigida pela própria Mesa", afirma o presidente. Para ele há coisa mais importantes para se discutir no COngresso, como a política tributária e a reforma política.As afirmações foram feitas logo após a inauguração do Hospital Sarah kubitschek, em Jacarepaguá, no Rio, nesta sexta-feira.
*Charge de Lotti-Jornal Zero Hora

O câncer no palanque

O governo tenta transformar um assunto grave e delicado, a doença da ministra Dilma Rousseff, em trunfo para a campanha presidencial do próximo ano.
Desde que anunciou o diagnóstico de linfoma, um câncer no sistema linfático, a ministra Dilma Rousseff não teve o direito que assiste a toda pessoa que se descobre paciente de uma doença grave: o recolhimento e o silêncio. Nada disso. Mal se soube da doença e ela passou a ser vista sob o único e exclusivo ângulo do animal político. O câncer é bom ou ruim para sua candidatura à sucessão de Lula? A doença fragiliza ou humaniza a candidata, tida como dama de ferro? As pesquisas vão apontar se o anúncio da doença foi positivo? Foram essas algumas das questões que fizeram submergir as mais comezinhas considerações humanas com a pessoa Dilma Rousseff. Compreende-se até certo ponto. O presidente vem trabalhando para conferir musculatura eleitoral a Dilma, que, aos 61 anos, nunca enfrentou as urnas. A assessora desconhecida deixou o ostracismo e se converteu em candidata viável. Há um ano, a "mãe do PAC" registrava 3% em uma pesquisa de intenção de voto do Datafolha. Hoje, está a 30 pontos do primeiro colocado, o governador paulista José Serra, do PSDB, mas já alcança 11%. O tratamento do linfoma, no entanto, pode reduzir a exposição pública de Dilma e congelar as articulações em torno de sua candidatura. Diante dessa ameaça, o governo partiu para uma exploração despudorada do câncer da ministra, a fim de manter o nome de Dilma na ribalta. Na versão oficial, Lula só soube da doença na véspera da entrevista coletiva. Mas, de acordo com um ministro muito próximo do presidente, o problema de saúde de Dilma lhe chegou aos ouvidos cerca de um mês antes. A ministra contou ao presidente que havia feito um check-up e que precisaria se ausentar do trabalho por um ou dois dias para fazer novos exames, que incluíam a coleta de material para uma biópsia. Na volta de São Paulo, depois do procedimento cirúrgico no Hospital Sírio-Libanês, Dilma contou ao presidente que havia retirado um nódulo. Interlocutores de Lula entrevistados por VEJA relataram que ela não deixou claro que havia a suspeita de câncer, embora isso tenha ficado subentendido quando falou da biópsia. A senha para o aproveitamento eleitoral da doença foi dada por Lula em um comício em Manaus, ao lado da ministra, realizado apenas dois dias depois da entrevista coletiva em que se anunciou a enfermidade. Disse o presidente: "Se você não rezava toda noite, agora trate de começar a rezar, porque esse povo vai precisar muito de você daqui pra frente". Seus subordinados seguiram em – aparente – ordem-unida. Com ainda menos sutileza, deixaram claro que gostariam de ver o câncer convertido em lucro nas urnas. "Pode fortalecer a identidade da ministra no projeto que se confunde com a superação das dificuldades do próprio país", disse o ministro da Educação, Fernando Haddad. "Tenho a impressão de que deve ter impactado muito favoravelmente na opinião pública do país", afirmou Marco Aurélio Garcia, assessor especial da Presidência e notório por ter comemorado com gestos de "top top" um laudo – que, para ele, teria efeito positivo para o governo perante a opinião pública – do acidente aéreo que matou 199 pessoas em São Paulo em 2007.
*Leia mais na revista Veja, desta semana, já nas bancas.

Greve de sexo no Quênia

Publicada no ste kibelouco.com.br

Uma mancada no governo de Barack Obama

Alguma coisa espetacularmente idiota foi feita quando o presidente dos Estados Unidos manda dizer, de todas as maneiras possíveis, que ficou "furioso" – mesmo quando ele é um sujeito de cabeça fria como Barack Obama. Ainda assim é difícil acreditar que um assessor até então desconhecido, Louis Caldera, de um mais desconhecido ainda Gabinete Militar da Casa Branca, mandou um dos aviões presidenciais, seguido de dois caças da Força Aérea, sobrevoar Nova York bem baixinho. Claro que o voo do Boeing provocou as memórias mais terríveis do 11 de Setembro, com gente correndo e gritando na rua. A "missão" era tirar umas fotos promocionais e o comando da polícia nova-iorquina até foi avisado, mas teve de jurar segredo. "Foi um erro. E não vai acontecer de novo", fuzilou Obama, algo desnecessariamente, pois é difícil imaginar alguém repetindo a prodigiosa besteira. Além do susto, o voo reativou o gene do conspiracionismo em sua mutação mais extrema, a que tece todo tipo de teoria exótica sobre os atentados de 2001. A mais comum apregoa que os ataques foram obra do malévolo governo Bush para se apoderar do petróleo da Ásia Central (Afeganistão) e do Oriente Médio (Iraque). A partir daí, os sequestradores suicidas se tornam agentes plantados pela CIA, os prédios do World Trade Center ruem com explosivos, o avião lançado contra o Pentágono vira um míssil e o que caiu na Pensilvânia foi derrubado pela Força Aérea. E seus passageiros? Talvez abduzidos. Ou levados para Roswell, onde se encontram com John Kennedy e Elvis Presley. Será que não sobrou um lugarzinho lá para Louis Caldera?

Tem vacina contra a ignorância?

Tem vacina contra populismo? E contra corrupção? Não, não é gripe suína, o Ministério da Saúde já garantiu que “o Brasil está preparado, os aeroportos estão sendo monitorados e dobrou a fiscalização de quem chega”. E todo mundo acreditou, porque aqui só chega marola, não é assim? O vírus cruzará o Atlântico e chegará aqui fraquinho. A epidemia que me preocupa é outra. A da ignorância. Tem injeção contra contaminação? Não quero meus filhos só três horas por dia na escola sem aprender nada. E se eu rezar? O maior escândalo da semana foi o aproveitamento político do câncer da ministra Dilma Rousseff pelo presidente Lula, no calor do palanque amazônico. Dilma não merece. E a gente menos ainda. Ele é o cara que encanta o povo brasileiro, pela simplicidade e simpatia. Mas ter de ouvir de Lula que sua candidata “certamente não tem mais nada” porque “o câncer já foi tirado” e ela fará agora apenas “um tratamento preventivo” é um pouco demais. Porque é tudo mentira. Lula subestima seus ouvintes. Uma coisa é ser otimista. A outra é faltar com a verdade de maneira calculada, para tornar a ministra da Casa Civil, aos olhos do povo, uma mulher como qualquer outra. Do palanque, Lula apelou por apoio e sentimentalismo em momento que exigiria reserva e cuidados: “Rezem por ela”. Quem conhece Dilma – e a maioria dos brasileiros ainda não conhece – ficou profundamente entristecido com a notícia. É mais um drama para essa mulher que foi guerrilheira aos 19 anos, caiu na clandestinidade sob o codinome Estela e foi torturada com choques elétricos. Dilma leva tudo a sério. Submeteu-se a uma cirurgia plástica para suavizar as rugas e a aparência durona, e se jogar com força e charme na campanha presidencial, rodando pelo país. Tudo leva a crer que vai sair desta e recuperar a saúde. Mas prever que a ministra não abandonará a “agenda dupla” é irresponsável. Ouvir de Lula que “Dilma não tem mais nada” é um pouco demais. Porque é mentira.Conversei com uma médica brasileira, sumidade em diagnósticos. Ela já salvou amigas minhas que tiveram câncer e estão muito bem: “Ruth, eu adoro e admiro muito a Dilma, e essa notícia foi um choque tremendo para mim. Essa quimioterapia, que dizem aí que durará cinco meses, na verdade pode chegar a seis, sete meses, e é uma pancada brutal no organismo. Em breve, a ministra acordará e todos os seus cabelos estarão sobre a cama. Cairão sobrancelhas, cílios. A nutrição terá de ser controlada, alimentos esterilizados. Com a imunidade baixa, não poderá se expor a contato com multidão”. Como esperar, humanamente, que a ministra se mantenha neste ano sob holofotes e em campanha para uma eleição já em 2010? Esse risco, só a própria Dilma e seus parentes mais próximos podem avaliar. E Lula chama o tratamento de “preventivo”. A doença de Dilma (câncer ainda é uma palavra que se evita) e a epidemia de gripe suína colocaram em segundo plano as estripulias no Congresso. Nem fantasma aguenta essa bagunça toda. Tem vacina, moço?
*Texto extraído da matéria da Coluna de Ruth de Aquino (foto)em http://revistaepoca.globo.com/

Supremo Tribunal Federal revoga a lei de imprensa

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quinta-feira revogar a Lei de Imprensa, criada no regime militar. Agora, os jornalistas ficam submetidos à Constituição Federal e aos códigos Penal e Civil. A extinção da lei foi apoiada por sete dos 11 ministros da Corte. Votaram a favor da revogação total os ministros Carlos Alberto Menezes Direito, Cezar Peluso, Carmen Lucia, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello. Eles seguiram os votos do relator do caso, Carlos Ayres Britto, e do ministro Eros Grau, que apresentaram seus posicionamentos na sessão de 1º de abril. Os ministros Joaquim Barbosa, Ellen Gracie e Gilmar Mendes sugeriram a revogação parcial da lei e o ministro Marco Aurélio Mello votou pela manutenção da norma e a criação de novas regras. Para os ministros favoráveis, a lei é incompatível com a Constituição. "O preço do silêncio para a liberdade dos povos é muito mais alto do que a livre circulação das ideias. Não é possível legislar com conteúdo punitivo que criem condições de intimidação. Por outro lado, a dignidade da pessoa humana deve ser assegurada para a liberdade de imprensa", afirmou Menezes Direito no seu voto. Os ministros Joaquim Barbosa e Ellen Gracie defenderam a manutenção dos artigos 20, 21 e 22, que tratam dos crimes de injúria, calúnia e difamação. Estes três itens eram os mais polêmicos da lei, porque batiam de frente com alguns artigos da Constituição Federal. No caso do crime de calúnia, por exemplo, a pena prevista no Código Penal é de um ano. Na lei de imprensa, a punição sobe para três anos. Ellen Gracie fez ainda uma outra ressalva pedindo a manutenção do artigo 1º, que estabelece que "não será tolerada propaganda de guerra, preconceito de raça ou classe". "Esses artigos são garantias de proteção à intimidade da vida privada, honra e imagem das pessoas", disse. Barbosa foi mais duro e criticou a postura da imprensa para defender a continuidade dos artigos. "A imprensa pode ser destrutiva de pessoas públicas e privadas como temos assistidos neste país. Sou defensor da mais ampla liberdade de imprensa especialmente sobre a fiscalização de agentes públicos, mas tenho reticências que o mesmo tratamento seja dado ao cidadão comum", completou Barbosa.
No entendimento de alguns ministros, no entanto, não se justifica que jornalistas estão submetidos a penas mais rígidas do que as estabelecidas no Código Penal. A Lei de Imprensa determinava penas maiores para os crimes de calúnia e difamação do que o código. Segundo a lei de imprensa, as punições para esses crimes podem chegar a três anos, enquanto no código são de até dois anos. O ministro Marco Aurélio foi voto vencido, mas chegou a propor que os colegas voltassem atrás e defendesse a elaboração de uma nova lei para regulamentar a imprensa, antes de optar pela revogação da atual norma, para impedir um vácuo de regulamentação. "O Congresso Nacional deve fazer a edição de uma nova lei que substitua esse sem deixar esse vácuo que leva a babel", disse. O ministro Celso de Mello fez uma defesa veemente da liberdade de expressão, como base do Estado democrático. "O fato é que nada é mais nocivo, perigoso do que a pretensão do Estado em regular a liberdade de expressão. O pensamento deve ser essencialmente livre, sempre livre. Ninguém ignora ou mostra-se intolerável a repressão ao pensamento. Ainda mais quando a crítica, por mais dura que seja, tenha interesse público. A liberdade de imprensa garante o direito de informar, buscar a informação e de criticar", apontou o ministro. Gilmar Mendes destacou a importância de normas para repreender abusos midiáticos. "É compreensível que o poder social acabe de forma abusiva com os efeitos do abuso do poder de imprensa que são devastadores e de dificílima reparação", disse. Durante o julgamento, os ministros trataram do direito de resposta. Alguns defenderam a manutenção para manter a honra e cercear perseguições. Para outros, como o ministro Menezes de Direito, o direito já está estabelecido na Constituição, no artigo 5. A discussão sobre a validade da Lei de Imprensa chegou ao Supremo em 2007, com uma ação do PDT pedindo a revogação total da lei. O deputado Miro Teixeira, autor da ação, alega que a atual legislação impõe sanções muito severas aos jornalistas e, por isso, acaba sendo usada como instrumento contra a liberdade de expressão dos meios de comunicação. O presidente do STF defendeu uma norma para tratar do direito de resposta. "Não basta que a resposta seja no mesmo tempo, mas isso tem que ser normatizado. Vamos criar um vácuo? Esse é o único instrumento de defesa do cidadão", afirmou.

quinta-feira, 30 de abril de 2009

O esquema vip no Poder Judiciário

Na mesma semana em que a Câmara dos Deputados se viu pressionada pela opinião pública a acabar com a chamada "farra das passagens aéreas", documentos obtidos com exclusividade por ISTOÉ demonstram que, na Esplanada dos Ministérios, a obtenção de privilégios pessoais ou para parentes, graças à função pública, não estava restrita ao Legislativo. Doze ofícios do Superior Tribunal de Justiça (STJ), emitidos entre fevereiro e dezembro de 2008, revelam que familiares e amigos do ministro Carlos Alberto Menezes Direito, do Supremo Tribunal Federal (STF), tinham acesso a um esquema VIP nos embarques e desembarques internacionais no Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro.Assim, era possível ir a Paris numa classe superior à determinada pela passagem e voltar de Miami sem passar pelos trâmites impostos pela Receita Federal aos cidadãos comuns, que muitas vezes se veem obrigados a abrir as malas nos saguões de desembarque. Familiares e amigos do ministro também não ficavam nas filas que antecedem os equipamentos de raio X da Polícia Federal e tinham franqueado acesso a áreas restritas do aeroporto. O Superior Tribunal de Justiça tem, no Rio de Janeiro e em São Paulo, representações destinadas a facilitar o deslocamento dos ministros quando estão a serviço da corte. Direito foi ministro do STJ durante 11 anos, mas em agosto de 2007 o presidente Lula o indicou para o Supremo Tribunal Federal. Direito, contudo, continuou a usar a estrutura do outro tribunal para facilitar o trânsito da mulher, dos filhos, da nora e de amigos no Aeroporto Internacional do Galeão.Em 10 de fevereiro do ano passado, por exemplo, Carlos Gustavo Vianna Direito, juiz do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, e sua mulher, Theresa Direito, chegaram ao Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, no Rio de Janeiro, às 7h25. Viajaram no voo 0442 da Air France, procedente de Paris. Três dias antes, em 7 de fevereiro, o ofício 018/08 do Superior Tribunal de Justiça, informava ao inspetor-chefe da Receita Federal no aeroporto, Elis Marcio Rodrigues e Silva, que Carlos Gustavo é filho de Carlos Alberto Menezes Direito, ministro do Supremo Tribunal Federal, e solicitava que ele e a mulher recebessem "atendimento especial para o desembarque".

Uma bela desempregada: Ana Paula Padrão

O SBT anunciou oficialmente que não vai renovar o contrato com a jornalista Ana Paula Padrão.
Segundo a coluna Ooops! da última sexta-feira (24), a emissora só manteria Ana Paula caso ela aceitasse ancorar um telejornal de segunda a sexta. Há cerca de um mês, a jornalista e o SBT se reuniram, mas não chegaram a um acordo. Na ocasião, Silvio Santos chegou a oferecer à apresentadora um salário de R$ 100 mil, bem menor do que o atual, de cerca de R$ 300 mil.
A Record chegou a sondar Ana Paula para comandar um programa no canal, mas o que atrapalha as negociações é o fato de a jornalista não querer mais fazer telejornal diário.

Marolinha: Lucro da Caixa cai 48% no 1º trimestre

O aumento das provisões para os créditos de liquidação duvidosa e novas constituições para contingências de processos cíveis colaboraram para uma redução de 48,2% no lucro da Caixa Econômica Federal no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. Entre janeiro e março de 2009, o lucro líquido da instituição financeira foi de R$ 452 milhões, ante ganhos de R$ 873 milhões em iguais meses de 2008. Em relação ao quarto trimestre do ano passado, a queda foi de 26,9%.No período, as despesas com provisões somaram R$ 725 milhões, o que representa uma alta de 98,5% em relação ao mesmo período do ano passado. Segundo o vice-presidente de Risco e Controle, Marcos Vasconcelos, a elevação da despesa acompanha o crescimento da carteira de crédito, que nos últimos 12 meses até o fim do primeiro trimestre teve uma expansão de 52,2%.Além dessa despesa, a Caixa inclui em seu balanço do primeiro trimestre deste ano R$ 285 milhões em contingências para processos cíveis e R$ 152 milhões em provisões para despesas de benefícios de servidores desligados. De acordo com Vasconcelos, essa provisão faz parte da adaptação às novas normas contábeis.A Caixa tem como expectativa expandir a carteira de crédito em 30% este ano. No fim do primeiro trimestre, o total de empréstimos somava R$ 89,21 bilhões, valor 11,4% superior ao registrado em dezembro do ano passado e 52,2% ao registrado em março de 2008.
*Com informações da Agência Estado

OMS se curva à pressão e muda nome da gripe suína

A Organização Mundial da Saúde (OMS), cedendo à pressão dos produtores de carne e dos governos, disse nesta quinta-feira que vai passar a se referir ao novo vírus de gripe como influenza A (H1N1), e não mais gripe suína.
"A partir de hoje, a OMS vai se referir ao novo vírus de influenza como 'influenza A (H1N1)'", disse a organização em um breve comunicado publicado em seu site na Internet.O novo vírus já contaminou 257 pessoas no mundo, causando 8 mortes (7 no México e 1 nos Estados Unidos).
O H1N1 se derivou de um vírus de gripe suína, mas só foi encontrado em humanos. Nenhum porco pegou a doença até o momento.A OMS afirmou repetidas vezes que a doença não pode ser contraída ao se comer carne de porco assada.O nome da gripe levou vários países a decretarem proibições a importação de carne de porco do México e dos Estados Unidos, onde a epidemia apareceu.O governo do Egito ordenou o abate de porcos por temores da gripe.

Sobe para 4 número de casos suspeitos de gripe suína no país

SÃO PAULO (Reuters) - Subiu para quatro o número de casos suspeitos de gripe suína no país, informou o Ministério da Saúde nesta quinta-feira. Três dos suspeitos de terem contraído a doença estão em Minas Gerais e o outro está em São Paulo.
"Eles estão internados em hospitais de referência para tratamento de influenza", afirma nota do ministério.Segundo o ministério, outros 42 casos espalhados por 12 Estados estão sendo monitorados pelas autoridades, mas não são considerados casos suspeitos. Ainda não foi confirmado nenhum caso da doença no Brasil.A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta quinta-feira que passará a denominar a doença como "influenza A (H1N1)". A doença já contaminou 257 pessoas, e a OMS confirmou oito mortes em sua decorrência.

EUA confirmam 109 casos de gripe suína e uma morte até agora

WASHINGTON (Reuters) - Autoridades dos EUA disseram na quinta-feira que o número total de casos de gripe suína no país subiu para 109, mas que apenas uma morte foi registrada até agora por causa do surto. O Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) informou em seu site na Internet que Nova York lidera o número de casos, com 50 no total. O Texas registrou 26 casos, e a Califórnia, 14. Já a Carolina do Sul confirmou 10 novos casos, segundo o CDC. O centro informou na quarta-feira que a morte de um menino mexicano de 1 ano e 10 meses no Texas foi a única registrada em território norte-americano por causa da doença. Foi também a única morte fora do México.

quarta-feira, 29 de abril de 2009

TSE adia julgamento de ação contra Lula e Dilma por suposta propaganda antecipada

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) adiou o julgamento da representação contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) por suposta propaganda eleitoral antecipada no encontro de prefeitos, em fevereiro, organizado pelo governo federal, em Brasília. A ação não foi apreciada na sessão desta terça-feira porque o ministro-relator do processo, Arnaldo Versiani, está em viagem fora de Brasília. Ainda não previsão de quando o caso voltará para a pauta. O DEM e o PSDB alegam que o clima do evento era eleitoreiro e que o encontro serviu para impulsionar a candidatura de Dilma. "O clima eleitoreiro do evento era tão evidente que os participantes do encontro poderiam até mesmo levar de recordação fotografias digitalmente montadas com as 'estrelas' do evento", dizem os dois partidos. Os partidos de oposição sustentam também que mesmo sem pedido de voto expresso para Dilma, o encontro com 5.000 prefeitos "consegue levar ao conhecimento de todos o nome de um agente público que, se depender da vontade do presidente da República, será oficialmente anunciado como candidata à sucessão presidencial". O presidente Lula já afirmou publicamente que Dilma é sua preferida para a sucessão presidencial de 2010. Na defesa de Lula e Dilma, a AGU (Advocacia Geral da União) atacou os governadores de São Paulo, José Serra (PSDB), e do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM). O ministro José Antônio Dias Toffoli afirmou que Serra também promoveu evento semelhante em São Paulo --e que o encontro em Brasília contou com o apoio do governador do DF, que é da oposição. Parecer do vice-procurador-geral eleitoral, Francisco Xavier, encaminhado ao TSE, diz que o presidente e a ministra não fizeram propaganda no encontro com prefeitos.
Comento: Incrível é o posicionamento da AGU. Não se posicionou, à luz da Legislação em favor de Dilma e Lula, mas sim com críticas a terceiros que nada tinham a ver com a ação em curso. Em todo caso, meu palpite é que o TSE de Ayres Britto e Joaquim Barbosa não punirá Dilma e Lula por propaganda política ilegal.

O New York Times agoniza

Bíblia do jornalismo americano, o New York Times está sufocado por dívidas, pela recessão e pelainternet – e, se falir, poderá marcar o começo de uma era perturbadora na qual os jornais seriam irrelevantes.
O fechamento de um jornal é o fim de um negócio como outro qualquer. Mas, quando o jornal é o símbolo e um dos últimos redutos do bom jornalismo, não importa quanto isso custe, como é o caso do New York Times, morrem mais coisas com ele. Morrem uma cultura e uma visão generosa do mundo. Morre um estilo de vida romântico, aventureiro, despojado e corajoso que, como em nenhum outro ramo de negócios, une funcionários, consumidores e acionistas em um objetivo comum e maior do que os interesses particulares de cada um deles. Desde que os romanos passaram a pregar em locais públicos sua Acta Diurna, o manuscrito no qual informavam sobre disputas de gladiadores, nascimentos ou execuções, os jornais começaram a entrar na veia das sociedades civilizadas. Mas, para chegar ao auge, a humanidade precisou fazer uma descoberta até hoje insubstituível (o papel), duas invenções geniais (a escrita e a impressão) e uma vasta mudança social (a alfabetização). Por isso, um jornal, ainda que seja um negócio, não é como vender colírio ou fabricar escadas rolantes. A Áustria orgulha-se de ter o diário mais antigo do mundo, o Wiener Zeitung, de 1703. A Suécia lamentou quando, há dois anos, o Post-och Inrikes Tidningar, o mais antigo semanário do mundo, de 1645, passou a existir só na internet. Nos EUA, a agonia dos jornais tem impacto especial pelo papel histórico que tiveram na construção da democracia e na introdução de uma relíquia constitucional – a garantia da liberdade de expressão, que ocupa lugar vital nos valores americanos. O dramático é que muitos leitores não parecem incomodados com a ameaça sobre os jornais. Uma pesquisa mostra que 42% dos americanos sentiriam "pouco" ou "nada" se seu jornal fechasse.

Dicas para saber se o cara é ruim de cama

1. Vai rápido demais ao ponto
Antes de você decidir se quer que a coisa vá adiante, ele coloca as mãos nos seus seios ou no seu bumbum. Ou nos dois... Epa, alto lá! O homem que tem pressa fora da cama terá pressa quando estiver nela. Ou sofre de ejaculação precoce ou não se importa em deixar à vontade a parceira.
2. Tem língua de hélice de ventilador
Pode parecer meio óbvio, mas um cara que não sabe beijar dificilmente se sairá bem entre os lençóis. Um beijo bem dado é meio caminho andado. E, do mesmo jeito que não sabe o que fazer com a língua, também não sabe o que fazer com o pênis.
3. Bebe demais ou usa drogas
Um drinque, todo mundo sabe, é ótimo para relaxar, diminuir a tensão e liberar a libido. Mas só se for na dose certa. O cara que passa dos limites no álcool dificilmente surpreenderá entre quatro paredes. Em excesso, a bebida é um fator depressivo. O final infeliz também vale se o sujeito usa drogas, pois, enquanto aproveita a viagem, pode deixar a parceira a ver navios.
4. É desengonçado quando dança
Não, não é preciso ter o gingado do Justin Timberlake, mas ao menos algum ritmo na pista. Fazer sexo, assim como dançar, exige um mínimo de controle corporal para que seja bom tanto para ele quanto para você. Convenhamos, se o bonitão não consegue nem controlar as próprias pernas ou os quadris enquanto está em pé e equilibrado, imagine o que acontecerá na horizontal com ele por cima do seu corpo.
5. Só fala sobre si mesmo
Você sabe tudo sobre o carro novo que ele comprou, a promoção no trabalho e o fim de semana incrível com os amigos na praia. Sabe até a marca do perfume, da calça e da camisa. Não por ter visto a etiqueta das roupas quando elas estavam no chão. Mas porque o rapaz só fala sobre uma coisa o tempo todo: ele mesmo. E quer saber mais? Na cama, vai querer ser ótimo, mas não pela parceira. Apenas para contar aos amigos vantagens sobre o desempenho espetacular.Na verdade sempre chega aos finalmentes sem se importar com a parceira.
6. Promete o melhor sexo de sua vida
E vocês nem se beijaram. Nesse caso, a propaganda não é a alma do negócio. Chegar na caradura e contar tamanha vantagem ou é desespero ou é grosseria. Em nenhum dos dois casos vale a pena tentar. Na verdade, muitas vezes, é um vexame.
7. Não sabe onde é o clitóris
A não ser que você queira incorporar a mulher-flanelinha, fique fora dessa. Não sabe o que é isso? Ora, ora! Se você quiser vai guiando... Mas dificilmente este tipo se liga aonde "ele" está.
8. Diz que mulher quase nunca chega lá na primeira vez
E acha isso supercomum. É o tipo de homem que deve fazer parte de alguma comunidade no Orkut chamada "Eu nunca prometi nada a você". Não gosta de assumir coisa alguma, nem relacionamentos nem a responsabilidade de agradar uma mulher na cama. E o cara vai logo dizendo que já que não será bom nem vai se esforçar.
9. Reclama que não dá sorte no amor
Pode ser que tenha mesmo azar e escolha sempre garotas que não querem compromisso. Pode ser que seja um canalha e não queira admitir. Mas há chances também de o moço não agradar entre os lençóis - o que causa debandada da ala feminina. Desconfie.
10. Come de boca aberta
E faz barulho. Vale experimentar?
Leia mais na revista NOVA, nas bancas.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Lula diz que é cedo para escolher vice de Dilma

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje em Manaus (AM) que é cedo para escolher o vice da possível chapa da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) para as eleições presidenciais de 2010. Dilma está tratando um linfoma --câncer nos gânglios linfáticos.
"Não, é cedo para escolher. Não vamos especular", disse Lula. "Primeiro temos que acertar com os partidos. Depois que acertarmos com os partidos é que vamos decidir quem é o vice, em função daquilo que ele pode agregar." Lula citou ainda a formação de sua chapa com o vice José Alencar. "Eu não tenho dúvida nenhuma de que o José Alencar agregou muito na minha campanha, porque o José Alencar ajudou a quebrar um preconceito junto a um segmento social muito importante, que são os empresários e os pequenos empresários."
"Eu acho que é assim que a gente compõe uma chapa. Não é que as pessoas [votem] no vice, até porque não tem como votar no vice, mas as pessoas votam no presidente porque sabem que ele tem um vice competente e um vice que vai [ajudá-lo]. Se for um vice encrenqueiro, ninguém vota, mas se for um vice que ajuda, as pessoas votam."
Lula descartou também a possibilidade da oposição usar a doença da Dilma contra a candidatura dela. "Eu não sei como alguém pode explorar um problema de saúde, eu não sei como. Sobretudo no caso de uma pessoa jovem como a Dilma."
Ele também rejeitou a hipótese levantada por alguns políticos de que Dilma sairia fortalecida, já que a doença suavizaria sua imagem. "Não posso imaginar como alguém sai fortalecido por dizer que tem câncer. Só desejo a sua recuperação. Certamente ela não tem nada mais. Agora é só tratamento preventivo."
Lula elogiou ainda a disposição de Dilma, que mantém sua agenda de trabalho apesar da doença. "A Dilma já tirou o câncer que ela tinha. Ela agora tem que fazer o tratamento de quimioterapia, que é uma coisa preventiva, que é feito em outras pessoas. O que eu acho admirável é a coragem de comunicar à imprensa, não ficar escondendo."

segunda-feira, 27 de abril de 2009

TSE deve julgar amanhã ação contra Lula e Dilma por suposta propaganda antecipada

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) deve julgar nesta terça-feira a representação contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) por suposta propaganda eleitoral antecipada no encontro de prefeitos, em fevereiro, organizado pelo governo federal, em Brasília. O DEM e o PSDB alegam que o clima do evento era eleitoreiro e que o encontro serviu para impulsionar a candidatura de Dilma. "O clima eleitoreiro do evento era tão evidente que os participantes do encontro poderiam até mesmo levar de recordação fotografias digitalmente montadas com as 'estrelas' do evento", dizem os dois partidos. Os partidos de oposição sustentam também que mesmo sem pedido de voto expresso para Dilma, o encontro com 5.000 prefeitos "consegue levar ao conhecimento de todos o nome de um agente público que, se depender da vontade do presidente da República, será oficialmente anunciado como candidata à sucessão presidencial". O presidente Lula já afirmou publicamente que Dilma é sua preferida para a sucessão presidencial de 2010. Na defesa de Lula e Dilma, a AGU (Advocacia Geral da União) atacou os governadores de São Paulo, José Serra (PSDB), e do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM). O ministro José Antônio Dias Toffoli afirmou que Serra também promoveu evento semelhante em São Paulo --e que o encontro em Brasília contou com o apoio do governador do DF, que é da oposição. Parecer do vice-procurador-geral eleitoral, Francisco Xavier, encaminhado ao TSE, diz que o presidente e a ministra não fizeram propaganda no encontro com prefeitos.
Comento: Será que o TSE de Joaquim Barbosa e Ayres Brito vão condenar Dilma e...Lula???

Bloquinho avalia que destempero de Ciro comprometeu seu nome para 2010

Em privado, líderes do chamado "bloquinho" avaliam que o mais recente destempero de Ciro Gomes (PSB), a propósito da farra das passagens aéreas na Câmara, comprometeu o esforço para reapresentar o deputado e ex-ministro como nome alternativo da base governista para a eleição presidencial, informa o "Painel" do Jornal Folha de São Paulo, editado por Renata Lo Prete. Na semana passada, Ciro chamou colegas na Câmara de "babacas" e falou palavrões enquanto conversava com jornalistas.
"Até ontem era tudo [o uso de passagens] lícito, então por que mudou? É um bando de babaca", disse. Ao negar em plenário que tenha emitido passagens de sua cota para a sua mãe ir a Nova York (EUA), ele foi mais moderado. "Trata-se de leviana e grosseira mentira aquilo que foi feito, envolvendo pelo menos o nome de minha mãe, octogenária", disse. Minutos depois, no entanto, Ciro repetiu por diversas vezes aos jornalistas que creditavam a informação ao Ministério Público: "Ministério Público é o caralho! Não tenho medo de ninguém. Da imprensa, de deputados. Pode escrever o caralho aí".
Leia a coluna completa no Jornal Folha de São Paulo desta segunda-feira, nas bancas.

Susan Boyle, pode não ganhar o "idolos" britânico

Simon Cowell, um dos jurados "Britain's Got Talent", disse que a cantora Susan Boyle, sucesso na internet com o vídeo de "I Dreamed a Dream", pode não ganhar o programa de calouros.
Segundo informou o site "Access Hollywood", Cowell disse que a superexposição de Boyle pode prejudicá-la. "Tudo poderia dar errado porque há muitas outras distrações". O jurado, um dos criadores do formato do "American Idol", ainda afirmou que está cansado de ouvir histórias sobre a vida de Boyle com seu gato, Pebbles. "Ela tem quatro semanas para se preparar para a maior noite da sua vida. Precisa cantar melhor do que antes", considerou. Mas Cowell torce para a vitória da escocesa. Caso ela ganhe, Boyle se apresentará no "America's Got Talent", a versão americana do programa. Para o jurado, a participação de Boyle aumentaria a audiência do reality show nos Estados Unidos. Na semana passada, Boyle apareceu com um novo visual, com os cabelos tingidos de castanho e usando jaqueta de couro.
Vejam o vídeo da apresentação de Susan Boyle no programa "ídolos" britânico pela primeira vez:

Suspeitas de mortes por gripe suína passam de cem no México

O ministro de Saúde do México, José Ángel Córdova Villalobos, anunciou neste domingo que o número de mortes por suspeita de gripe suína chega a 103 e mais de 1.600 pessoas foram infectadas no país. O governo, contudo, confirma 22 mortes. Também há casos confirmados da doença nos Estados Unidos, Espanha e Canadá. "Os relatos mais recentes que temos são de 1.614 casos, com 103 mortes [22 confirmadas] e nós ainda temos cerca de 400 pacientes no hospital", afirmou Cordova. A gripe suína é uma doença respiratória causada pelo vírus influenza A, chamado de H1N1. Ele é transmitido de pessoa para pessoa e tem sintomas semelhantes aos da gripe comum, com febre superior a 39ºC, tosse, dor de cabeça intensa, dores musculares e articulações, irritação dos olhos e fluxo nasal, mas com vômitos e diarreia mais severos.
Segundo o ministro mexicano, as autoridades continuam com esquema de contingência, "estabelecendo todas as ações de prevenção e distribuição ampla de medicamento". "É muito importante que as pessoas saibam que o tratamento nas primeiras 48 horas é muito efetivo", disse o ministro. No Brasil, gabinete criado pelo governo federal contra a gripe suína divulgou nota neste domingo na qual descarta evidências de circulação do vírus no país. O Ministério da Saúde confirmou que a Secretaria de Saúde de São Paulo chegou a notificar o governo sobre a suspeita de que dois brasileiros que chegaram de uma recente viagem ao México apresentaram sintomas de gripe. Mas, segundo a nota, as análises iniciais indicam que os sintomas não estão relacionados com a doença. Os EUA já confirmaram 20 casos de contaminação pelo vírus e declararam um estado de emergência sanitária no país. No Canadá, há sete casos confirmados da doença. Nenhuma pessoa morreu nesses países. A Espanha confirmou nesta segunda-feira o primeiro caso da doença no país, ampliando os temores de que a epidemia chegue ao continente europeu. No resto do mundo, há suspeitas de 13 pessoas infectadas na Nova Zelândia --estudantes e professores que voltaram de viagem recente ao México-- e uma em Israel.
O ministério francês da Saúde confirmou nesta segunda-feira que o país não tem nenhum caso suspeito de gripe suína, já que o último dos quatro casos investigados neste domingo apresentou resultado negativo. O vírus da gripe suína identificada no México é do tipo influenza A --uma variação do H1N1-- e é transmitido de pessoa para pessoa. Ele possui material genético de vírus de aves, porcos e humanos, com elementos de vírus suínos europeus e asiáticos. A diretora da OMS, Margaret Chan, reforçou, neste domingo, a necessidade de todos os países adotarem medidas de prevenção à gripe suína. Segundo conselho do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, lavar as mãos é um dos principais meios para prevenir a infecção pelo vírus. De acordo com o órgão, esse vírus se dissemina entre as pessoas da mesma forma que o da gripe convencional, por meio de gotículas emitidas pelo espirro ou a tosse do doente. Por isso, é recomendável evitar o contato com pessoas infectadas --se estiver doente, evite grandes aglomerações, para não espalhar o vírus. É recomendável inclusive usar máscaras.
Também é possível ser infectado ao tocar superfícies que contenham o vírus e depois levar a mão à boca, ao nariz ou aos olhos. Por isso, é preciso lavar as mãos com frequência, por 15 a 20 segundos, usando água e sabão ou até gel à base de álcool.

domingo, 26 de abril de 2009

Bom Domingo

Trailler de A noviça rebelde-versão nacional

video