sábado, 27 de agosto de 2011

"Zé Dirceu" ainda manda em Brasília...

Zé Dirceu, "o chefão do PT",é mais influente no governo do que se pensa.
Desde que foi abatido pelo escândalo do mensalão, em 2005, tudo em que o ex-ministro José Dirceu se envolve é sempre enevoado por suspeitas. Oficialmente, ele ganha a vida como um bem sucedido consultor de empresas instalado em São Paulo. Na clandestinidade, porém, mantém um concorrido “gabinete” a 3 quilômetros do Palácio do Planalto, instalado numa suíte de hotel. Tem carro à disposição, motorista, secretário e, mais impressionante, mantém uma agenda sempre recheada de audiências com próceres da República – ministros, senadores e deputados, o presidente da maior estatal do país. José Dirceu não vai às autoridades. As autoridades é que vão a José Dirceu, numa demonstração de que o chefão – a quem continuam a chamar de “ministro” – ainda é poderoso.
A edição de VEJA que chega às bancas neste sábado revela a verdade sobre uma das atividades do ex-ministro: mesmo com os direitos políticos cassados, sob ameaça de ir para a cadeia por corrupção, ele continua o todo-poderoso comandante do PT. E agora com um ingrediente ainda mais complicador: ele usa toda a sua influência para conspirar contra o governo Dilma – e a presidente sabe disso.
A conspiração chegou ao paroxismo durante a crise que resultou na queda de Antonio Palocci da Casa Civil, no início de junho. Na ocasião, Dirceu despachou diretamente de seu bunker instalado na área vip de um hotel cinco estrelas de Brasília, num andar onde o acesso é restrito a hóspedes e pessoas autorizadas. Foram 45 horas de reuniões que sacramentaram a derrocada de Palocci e nas quais foi articulada uma frustrada tentativa do grupo do ex-ministro de ocupar os espaços que se abririam com a demissão. Articulação minuciosamente monitorada pelo Palácio do Planalto, que já havia captado sinais de uma conspiração de Dirceu e de seu grupo para influir nos acontecimentos daquela semana.
Imagens obtidas por VEJA e que estão na galeria que ilustra esta reportagem mostram que Dirceu recebeu, entre 6 e 8 de junho, visitantes ilustres como o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, os senadores Walter Pinheiro, Delcídio Amaral e Lindbergh Farias, todos do PT, e Eduardo Braga, do PMDB, o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, e os deputados Devanir Ribeiro e Cândido Vaccarezza, do PT, e Eduardo Gomes, do PSDB. Esteve por lá também o ex-senador tucano Eduardo Siqueira Campos.
Apesar de tantas articulações, Dirceu não conseguiu abocanhar cargos para seus indicados no governo. A presidente Dilma já havia sido advertida por assessores do perigo de delegar poderes a companheiros que orbitam em torno de Dirceu. Dilma também conhece bem os caminhos da guerrilha política e não perde de vista os passos do chefão. “A Dilma e o PT, principalmente o PT afinado com o Dirceu, vivem uma relação de amor e ódio”, diz um interlocutor da confiança da presidente e do ex-ministro.
Dirceu anda muito insatisfeito com o fato de a legenda não ter conseguido, como previra, impor-se à presidente da República. Dilma está resistindo bem. Uma faxina menos visível é a que ela está fazendo nos bancos públicos. Aos poucos, vem substituindo camaradas ligados a Dirceu por gente de sua confiança. E o chefão não tem gostado nada disso.
                              O advogado Hélio Madalena e o hotel onde funciona o "gabinete" do ex-ministroProcurado por VEJA, Dirceu não respondeu às perguntas que lhe foram feitas. A suíte reservada permanentemente ao “ministro” custa 500 reais a diária. Quem paga a conta é o escritório de advocacia Tessele & Madalena, que tem como um dos sócios outro ex-assessor de Dirceu, o advogado Hélio Madalena. Na última quinta-feira, depois de ser indagado sobre o caso, Madalena instou a segurança do hotel Naoum a procurar uma delegacia de polícia para acusar o repórter de VEJA de ter tentado invadir o apartamento que seu escritório aluga e, gentilmente, cede como “ocupação residencial” a José Dirceu.
O jornalista esteve mesmo no hotel, investigando, tentando descobrir que atração é essa que um homem acusado de chefiar uma quadrilha de vigaristas ainda exerce sobre tantas autoridades. Tentando descobrir por que o nome dele não consta na relação de hóspedes. Tentando descobrir por que uma empresa de advocacia paga a fatura de sua misteriosa “residência” em Brasília. Enfim, tentando mostrar a verdade sobre as atividades de um personagem que age sempre na sombra. E conseguiu. Mas a máfia não perdoa.
*Leiam a matéria completa e galeria de fotos em Veja.abril.com.br

Porque hoje é sábado, uma bela mulher.

A bela atriz Christiani Torloni

Collor aumenta rigor para acesso a documentos secretos do governo.

Do que será que elle tem medo?
BRASÍLIA. Relator na Comissão de Relações Exteriores, o senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL) fez profundas alterações no projeto aprovado na Câmara que cria a Lei de Acesso à Informações. Collor tirou poderes da Comissão de Reavaliação de Informações, dificultou a publicação na internet de documentos que deixam de ser sigilosos, restringiu o pedido de acesso às informações e ainda criou mais uma classificação de documentos, a "confidencial". Pedido de vista coletivo feito ontem, na comissão, transferiu a votação para a semana que vem. A proposta ainda mantém o sigilo eterno de documentos ultrassecretos, como previa a proposta original do Executivo.
Para justificar os obstáculos à liberação dos documentos na internet, Collor disse que seria a "verdadeira oficialização do Wikileaks". "Preocupou no projeto o excesso em se tornar públicas informações eminentemente sigilosas em qualquer nação do globo... Seria a oficialização do wikileaks, que tantos desconfortos gerou entre as maiores democracias do planeta", argumentou Collor no seu parecer.
Collor quer que os documentos desclassificados sejam publicados no Diário Oficial. "Vai proporcionar mais clareza, confiabilidade, igual publicidade e menor possibilidade de ações de hackers".
A classificação "confidencial", que incluiu, vai proibir a divulgação de documentos por dez anos. As outras três classificações foram mantidas: ultrassecreta (25 anos), secreta (15 anos) e reservada (5 anos).
*Evandro Éboli - O GLOBO

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Dilma, a Ex-faxineira, está refém.

A presidente Dilma Rousseff “fica na mão” de decisões tomadas por PT e PMDB no Congresso, afirmou o governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), nesta quarta-feira (24).
 “Ela está absolutamente condicionada a decisões que PT e PMDB tomem”, disse.
E ela disse que não vai demitir ninguém sem que a base solicite. A corrupção em vários ministério ( Turismo, Pesca, Cidades) será varrida para debaixo do tapete. (Jorge Roriz)

Diretor da Itaipu diz que exonerou Gleisi da empresa

O presidente da Itaipu Binacional, Jorge Samek, afirmou que foi dele a decisão de demitir a ministra Gleisi Hoffmann (Casa Civil) da diretoria financeira da empresa, em 2006.
Segundo Samek, essa decisão contrariou o pedido dela de voltar ao cargo, caso não vencesse a eleição para o Senado, que disputou naquele ano. Gleisi perdeu a eleição e também a diretoria de Itaipu.
"Eu, como diretor geral da empresa, disse: Você não volta. Porque o sonho dela era fazer o licenciamento e disputar a eleição e, não sendo feliz na eleição, voltar. Então, tomei a decisão", disse.
Samek, em entrevista à Rádio CBN, conta que a conversa foi nesse tom: "Você vai e eu vou exonerar você. Sai, levanta teu fundo de garantia e vai, vai para tua campanha".
A Folha de São Paulo revelou ontem que, embora tenha deixado Itaipu para disputar a eleição, a ministra recebeu R$ 41 mil de indenização. Se não fosse demitida, perderia o direito de receber a multa de 40% do saldo do FGTS para efeito de rescisão trabalhista e de fazer o resgate naquele momento do fundo.
Questionada pela Folha sobre o motivo do pagamento da multa do FGTS, já que ela pretendia sair para disputar a eleição, afirmou que foi exonerada de Itaipu, conforme decreto publicado no "Diário Oficial" e que o valor recebido a título de indenização do fundo foi de R$ 41.829,79.

PSDB quer que PGR investigue exoneração de Gleisi de Itaipu

Foto
Deputado Duarte Nogueira
O PSDB informou nesta quinta (24) que vai pedir que a Procuradoria Geral da República investigue as ondições pelas quais a ministra Gleisi Hoffmann recebeu cerca de R$ 41 mil após sua exoneração do cargo de diretora financeira da Itaipu Binacional. Segundo o partido, Gleisi teria pedido para ser exonerada, portanto não teria direito a um benefício pago somente aqueles que tenham sido demitidos sem justa causa. "Como diretora financeira, ela pagou a si própria. Isso precisa ser investigado", disse o líder do PSDB na Câmara, Duarte Nogueira (SP). O fato de a ministra ter recebido o dinheiro pode configurar em improbidade administrativa e peculato. Gleisi deixou Itaipu para concorrer ao Senado pela primeira vez, em 2006.
 

FHC afirma que Lula consolidou 'corrupção sistêmica'

Foto: Leandro Moraes/UOL
Cada vez mais próximo de Dilma Rousseff, Fernando Henrique Cardoso distancia-se o mais que pode de Lula, o patrono dela.
Nesta terça (23), após fazer uma palestra a empresários, FHC conversou rapidamente com os repórteres. Falou sobre corrupção.
Sem citar o nome de Lula, o grão-tucano responsabilizou-o pela sistematização dos malfeitos:
“[É preciso] acabar com a corrupção sistêmica que, na verdade, foi o que foi sendo consolidado no governo anterior [de Lula]. Isso é uma tarefa de todos nós.”
Instado a comentar a ciumeira que sua aproximação com Dilma ateou no tucanato e no petismo, FHC ironizou:
“A essa altura da vida vou despertar ciúmes de alguém? Tá louco? Isso é conversa fiada.”
Disse que mantém com Dilma “uma relação de respeito mútuo, só isso. Uma relação civilizada, como tem que ser. Acho que é uma coisa normal.”
Antes, na palestra aos empresários, FHC também despejara sobre o microfone meia dúzia de palavras sobre corrupção:
“Não se consegue mais exercer o poder sem a corrupção, fruto desse jogo do toma-lá-dá-cá…”
“…Ou me dá isso ou não voto em você. E aí não se discute quais são as políticas para o país.”
FHC se absteve de recordar que, nos seus dois reinados, também vigorou o regime de toma-lá-dá-cá que fomenta a cleptocracia brasileira.
Recorde-se que, sob FHC, Jader Barbalho mandou e, sobretudo, desmandou na $udam. Renan Calheiros foi ministro da Justiça.
Nessa matéria, excetuando-se Tancredo Neves, salvo pela morte, nenhum presidente do Brasil pós-redemocratização livrou-se da lógica franciscana. Dilma mantém a tradição.
* Escrito por Josias de Souza

O legado de Luiz Inácio

A prova de ensino fundamental ABC, também mostrou que 57% das crianças não sabem matemática. Devem ter aprendido naquele livro do MEC: 10-4 =7.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

"Fogo amigo" no Ceará.

Governador Cid Gomes dispara: "Por mim, nem carreira existiria"

Como já é do conhecimento dos professores cearenses, o governador Cid Gomes não esconde o seu desprezo pelos profissionais do magistério da rede estadual de ensino. Ontem (22), na cerimônia de inauguração das novas instalações da EEEP Mons. Expedito da Silveira, em Camocim, Cid disparou mais uma vez contra os professores. Uma comissão formada pelo representante do Sindicato APEOC na região norte, Prof. Antonio Junior e por docentes dos municípios de Camocim, Granja, Barroquinha e Chaval foi recebida pelo governador a fim de entregá-lo um documento requerendo a reabertura do processo de negociação garantindo o cumprimento da Lei do Piso dentro da carreira vigente.
De pronto, Cid disparou: "Por que vocês fizeram concurso? Por que não foram para a escola privada?". E mais, sendo questionado sobre o esmagamento da carreira proposta nas tabelas apresentadas no final de julho, o executivo declarou: "Por mim, nem carreira existiria!".
Sob o olhar pasmo dos que estavam em volta, inclusive da Secretária Izolda Cela, durante mais de 10 minutos, a discussão se prolongou entre os grevistas e o governador, que insistia em afirmar que "A escola privada era melhor, pois apresentava os melhores resultados".
Finalizando, sem entendimento algum, só foi confirmado aquilo que todos já sabem: Cid, que tem predileção pela escola privada, continuará dando execução ao seu plano de terceirização da escola pública.
*Fonte: Sindicato APEOC - www.apeoc.org.br
COMENTO: Os sindicatos dos professores do Ceará, sempre liderados ou orientados por petistas, esquerdistas, gente da CUT, bem como os de outros Estados e também dos demais funcionários públicos, em todo país, ficaram calados durante oito anos.
Salário minguado, inflação mascarada, mas calados...
Após este lapso de tempo, onde pontificou o amor ao líder Luiz Inácio e até desprezo a quem criticava seu "português ruim", surgem os protestos e reivindicações de reajustes para recuperar "as perdas" dos "anos de ouro" de Lulinha paz e amor.
É justo, muito justo, justíssimo, mas tardio...deveriam ter feito antes, também. Mas exerçam o direito de reivindicar.
Daqui a pouco, quem sabe (?), poderão surgir até procuradores caçando corruptos dentro do governo. Quiçá isto aconteça.
Quanto aos professores do Ceará, e de todo Brasil, apenas um conselho: Protestem, reivindiquem, exijam o que têm direito. Mas, parodiando o que diz o estatuto da gafieira: "...protestem o tempo inteiro mas façam direito!!!
Professores do Ceará protestam em greve por melhores salários. 'É justo, muito justo, justíssimo!!!

Há algo de sujo entre os "súditos" de dona Dilma.

Negromonte: " Imagine se começar a vazar o currículo de alguns deputados. Ou melhor, folha corrida. "
Um dia depois de ser advertido de que, se insistisse em se meter na disputa interna do PP , seu partido, poderia perder o cargo, o ministro das Cidades, Mário Negromonte, partiu para o ataque e alertou a legenda das consequências do racha na bancada: - Em briga de família, irmão mata irmão, e morre todo mundo. Por isso que eu disse que isso vai virar sangue. Acusado de oferecer mesada de R$ 30 mil para os deputados do PP , ele diz que está disposto a ir até a CPI e desafia qualquer deputado do partido a formalizar a acusação contra ele.
Numa conversa de duas horas, Negromonte disse ao GLOBO que foi procurado por um grupo de deputados porque o ex-ministro das Cidades Márcio Fortes começou a colher assinaturas para derrubar o deputado Nelson Meurer (PP-PR), o ex-líder substituído pelo deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). Fragilizado no cargo por falta de sustentação política, ele reconhece que a sua situação é ruim e diz que não tem apego ao cargo. Mas manda um recado ao PP: se ele cair, o ministério não vai nem para um grupo nem para o outro. Mas, sim, para um terceiro nome, numa referência ao que aconteceu com o Ministério dos Transportes: Dilma não aceitou indicação do partido e efetivou o ministro Paulo Sérgio Passos. Negromonte recordou que, no partido, foi do grupo que defendeu a candidatura de Dilma quando ela tinha 2%. E avisa: se for chamado para uma conversa, vai contar tudo o que aconteceu. (Coturno noturno)
Leia aqui, na íntegra, a escandalosa entrevista do ministro pepista.

Dilma diz que combater a corrupção ( faxina ) não é prioridade.

Dilma suspende faxina para conter aliados insatisfeitos. Enquanto isso a oposição não conta com os poliicos, de outros partidos, que antes se diziam "corretos" e contra a corrupção na política e no governo.
Triste omissão.

Lider petista no senado tem discurso diferente da prática.

O Senador Humberto Costa (PT/PE), na tribuna do senado, fala no combate à corrupção, mas não assina CPI  e ainda chama de Histrionicos (palhaços) àqueles que a defendem .
O líder do PT, senador Humberto Costa (PT-PE), e o senador Mário Couto (PSDB-PA) tiveram um bate-boca nesta quarta-feira no plenário do Senado. A discussão entre os dois começou quando o líder petista criticava da tribuna a estratégia da oposição de insistir na criação da CPI da Corrupção e sua tentativa de atribuir ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva uma herança maldita. Diante da reação exaltada do senador tucano, que o acusou de defender a corrupção no governo, Humberto Costa se irritou e solicitou providências à Mesa, reclamando que as agressões do colega normalmente não eram repreendidas com o argumento de que se "tratava de um louco ou débil mental".
A briga prosseguiu no cafezinho Senado, onde o líder petista se refugiou, depois de ter garantido o direito de responder Mário Couto da tribuna. O tucano cutucou Humberto Costa e disparou:
"Você é que responde a processo na justiça. Da próxima vez, vou dizer isso da tribuna" - ameaçou o tucano.

Dilma, a poderosa.

Dilma, a poderosa. Saudade do tempo em que petralha combatia a “mídia imperialista”
Ai, que chato ficar agüentando petralha: “Tá vendo? Dilma é a terceira mulher mais poderosa do mundo na lista da Forbes!” E daí? Sinto saudade do tempo em que os petistas achavam que esse negócio de “mídia imperialista” era contra-revolucionária…
Que bom! Deixe-me ver. Entre as seis ou sete maiores economias do mundo, duas são governadas por mulheres: Alemanha e Brasil. A mais poderosa é Angela Merkel. A segunda é Hillary Clinton — não governa (Obama também não), mas ocupa o segundo cargo político mais importante dos EUA. E aí vem Dilma, o que é muito natural. Qualquer governante do Brasil estará entre os mais “poderosos” do mundo em razão da posição que o país ocupa no continente. Como se criou o grupo específico das mulheres, ela vai para o topo. Pensemos um pouquinho: não fosse ela, seria quem?
É bem verdade que Dilma anda podendo mais na Forbes do que no PMDB ou no PP…
* Por Reinaldo Azevedo

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Faxineira...até quando?

A verdade é que os fatos dizem por si. Todos os dias, a imprensa estampa graves denúncias contra o lamaçal que domina Brasília, fruto final das décadas de uma política fisiológica e pseudopoderista. A política se tornou um vergonhoso conglomerado de bandidos. Lula sustentou-se em meio aos escândalos utilizando as suas costumeiras bravatas. Dilma começou a demitir por não possuir a mesma técnica de seu padrinho, que possibilitaria a manutenção dos bandidos nos cargos, mas a imprensa generalizou como uma faxina. E fechou o tempo com a politicalha, até o senador e ex-presidente Collor vem cochichando ao pé do ouvido de seus pares no Congresso Nacional: "Já vi esse filme e ele não é bom". Será essa uma revisão ou uma antevisão? Se encarna o bordão da "faxina", que já conquistou a plateia, deixará claro que recebeu de herança uma maldita sujeirada, jogando a bomba diretamente no colo de seus antecessores, em especial do ex-presidente, seu padrinho político e conhecido pela camaradagem com a bandalheira da "companheirada". Isso sem falar que será obrigada a comprar brigas com o PT, e com as legendas sanguessugas da base aliada, colocando em risco seu governo. Se recusar a necessária "faxina", Dilma pode até acalmar as siglas de sua governabilidade, mas cairá em desgraça junto ao eleitorado, que começa a cobrar uma limpeza urgente na administração.
Mas na visão de Collor, a presidenta pode acabar mesmo "faxinada".
*Texto: Plínio Sgarbi, 24-08-2011

Ministério das Cidades oferece mesada em troca de apoio.

Em guerra para retomar o controle do PP, o ministro Mário Negromonte ofereceu pagamentos de 30.000 reais a parlamentares da legenda.
Depois dos escândalos que derrubaram os ministros dos Transportes e da Agricultura, o radar do Palácio do Planalto está apontado desde a semana passada para o gabinete do ministro Mário Negromonte (PP), das Cidades.
A edição de VEJA que chega às bancas neste sábado traz informações levadas à ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, por um grupo de parlamentares do PP.
Em guerra aberta com uma parte da legenda pelo controle do partido, Negromonte estaria transformando o ministério num apêndice partidário e usando seu gabinete para tentar cooptar apoio.
 Segundo relatos dos deputados que foram convocados para reuniões na pasta, a ofertas em troca de apoio incluem uma mesada de 30.000 reais para quem aderir.
 O PP é o terceiro maior partido da base aliada, com 41 deputados e cinco senadores. Controla há anos o Ministério da Cidade, que dispõe de um orçamento de 22 bilhões de reais e programas de forte apelo eleitoral em todos os cantos do país.
 Na formação do governo Dilma, Negromonte foi indicado mais por suas relações com o PT da Bahia do que pelo trânsito junto aos colegas.
 Uma parcela do PP queria manter Márcio Fortes, ministro por mais de cinco anos no governo Lula.
Há duas semanas, o grupo ligado ao ex-ministro conseguiu destituir da liderança do partido o deputado Nelson Meurer, aliado de Negromonte.
 Colocou no lugar dele Aguinaldo Ribeiro, aliado de Márcio Fortes.
Ao perceber o poder se esvaindo, Negromonte contra-atacou montando um bunker numa sala anexa ao seu gabinete, onde quatro aliados de sua inteira confiança – os deputados João Pizzolatti, Nelson Meurer, José Otávio Germano e Luiz Fernando Faria – tentam persuadir os deputados a se alinhar novamente com o ministro.
Apenas na última terça-feira, doze parlamentares estiveram no ministério. Sob a condição do anonimato, três deles revelaram que ouviram a proposta da mesada de 30.000 reais.
 Confrontado, o ministro atribui tudo a um jogo de intrigas e aponta o rival Márcio Fortes como responsável: “Sei que há boatos de que pessoas vieram aqui para fazer isso e aquilo, da mesma forma que o pessoal estava dizendo que o Márcio Fortes foi lá na liderança fazer promessa, comprometer-se na tentativa de arranjar assinatura. Não me cabe ficar comentando boato”.
 Fortes, por sua vez, rebate de maneira lacônica: “No dia 31 de dezembro, deixei o cargo de ministro e me afastei das atividades partidárias”.
 A compra de votos não de parlamentares não é algo novo na história do PP, um dos protagonistas do escândalo do mensalão – que, aliás, envolvia pagamento de mesada.
Na ocasião, líderes da legenda receberam 4,1 milhões de reais em propina e quatro integrantes do partido estão denunciados no processo que tramita no Supremo Tribunal Federal.
 O Ministério das Relações Institucionais confirma ter recebido as denúncias e está acompanhando a guerrilha do PP com muita atenção.
A presidente Dilma Rousseff também já foi informada do problema.
*Blog da Resistência Democrática  no  Resistência Democrática.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

O "governo paralelo" de Luiz Inácio.

Ministro Haddad e seu "eterno presidente"
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva despachou em São Paulo na segunda-feira (22) com dois ministros de Dilma Rousseff no Instituto Cidadania, ONG que retomou após deixar a Presidência, revela reportagem de Vera Magalhães, publicada na Folha desta terça-feira (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).
Segundo a reportagem, Lula recebeu o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, e o ministro da Educação, Fernando Haddad. O assunto das audiências foi a demora na implementação do piso nacional do magistério, projeto que patrocinou em sua gestão.
O ex-presidente queria explicações porque o piso ainda não entrou em vigor, embora tenha promulgado a nova legislação há três anos.
Em declarações após deixar a Presidência, Lula disse em diversas oportunidades que gostaria de "desencarnar" do cargo de presidente.
COMENTO: Será???? Não é o que dizem por aí, nos corredores do Palácio do Planalto e no Congresso Nacional. A "coisa" comenta, ao pé de ouvido de empresários e políticos, que sua "cria" só age quando lhe consulta, e pasmem, faz tudo o que ele quer...ou determina? Sei lá!!!

Sarney e o uso irregular de aeronaves oficiais.

Sarney usa o helicóptero custeado pelo Estado do Maranhão, para lazer, mas diz que tem "direito"... 
Relatório da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) afirma que dois helicópteros custeados pelo Estado do Maranhão, governado por Roseana Sarney (PMDB), para transportar pessoas doentes foram usados de forma "inadequada" na locomoção de "autoridades", informa reportagem de Felipe Seligman e João Carlos Magalhães, publicada na Folha desta terça-feira (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).
Ontem, a Folha revelou que o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), pai de Roseana, utilizou ao menos duas vezes outro helicóptero do Estado para passear durante finais de semana na ilha de sua família, próxima a São Luís (MA).
Vídeo que circula na internet mostra Roseana viajando em aeronave com o mesmo prefixo citado pelo relatório, no Maranhão, durante a campanha que a reelegeu.
Sobre este caso, o governo do Maranhão disse que a reportagem deveria procurar o PMDB. No diretório regional da sigla, ninguém atendeu na tarde de ontem. (Folha online)

Mesmo abusando de propriedade pública, assessor de Roseana desrespeita a população.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

O golpe parlamentar do PT e do PMDB.

Por Elio Gaspari - O Globo, 21/08/2011
Enquanto o país vê o serviço de faxina da doutora Dilma, a comandita PT-PMDB, ajudada por discretos silêncios do PSDB e do DEM, prepara um golpe parlamentar de proporções inauditas desde que, na ditadura, baixou-se o Pacote de Abril de 1977. Essa jararaca de muitas bocas move-se há meses no escurinho do Congresso. Se ninguém fizer nada, a matéria será aprovada ainda neste ano.
O deputado Henrique Fontana (PT-RS) apresentou à Comissão de Reforma Política um anteprojeto que institui o voto de lista preordenada para a composição de metade da Câmara. O eleitor deverá votar duas vezes, uma no candidato e outra na lista.
Além disso, pretende buscar na Bolsa da Viúva todos os recursos para as campanhas eleitorais, atribuindo às direções dos partidos a distribuição do dinheiro. A choldra pagará a conta toda, mas só escolherá metade de seus deputados.
Tudo o que há de ruim no atual sistema, ruim continuará. As coligações mudarão de nome, chamando-se federações. Para piorar, se um micropartido se juntar a outro, grande, bicará seus recursos.
Os defensores da jararaca dizem que a reforma destina-se a revigorar a democracia, fortalecendo os partidos. Tudo bem. José Genoino e Delúbio Soares, ex-presidente e ex-tesoureiro do PT, são réus na quadrilha que aguarda julgamento no STF. Roberto Jefferson, o cronista do mensalão, é o presidente de honra do PTB. Valdemar Costa Neto presidiu o PL. Alfredo Nascimento, defenestrado do Ministério dos Transportes, preside o PR. Baleia Rossi, filho do ex-ministro da Agricultura, preside o PMDB paulista.
O aspecto golpista do projeto está na maneira como querem votar a essência da proposta. Matéria dessa magnitude exige uma emenda constitucional, para a qual seriam necessários os votos de 308 deputados e 49 senadores. Querem descer o voto de lista e o avanço sobre a Bolsa da Viúva goela abaixo como projeto de lei, coisa que pode passar até mesmo com 129 votos na Câmara e 21 no Senado.

Tripoli é controlada por rebeldes, mas paradeiro de Gaddafi é desconhecido.

Gaddafi está no fim...e seu amiguinho?
O líder do Conselho Nacional de Transição (CNT), órgão político da rebelião na Líbia, afirmou nesta segunda-feira que o paradeiro do ditador Muammar Gaddafi é desconhecido, mas que espera que ele seja capturado vivo.
Nesta segunda-feira, os rebeldes oposicionistas líbios controlam a maior parte da capital Trípoli no que a comunidade internacional vê como sinal da queda iminente do ditador. Os rebeldes enfrentam as forças do regime nos arredores do complexo de Bab al-Aziziyah, quartel-general do ditador.
(Folha online)

Do jeito que o diabo gosta.

DILMA APLICA GARROTE NA BASE ALUGADA, ABRE O COFRE PARA O PT E O PSDB CAI NA ESPARRELA ANULANDO OPOSIÇÃO. TÁ DO JEITO QUE O DIABO GOSTA.
Isto não quer dizer absolutamente nada. A tal base alugada permanecerá alugada e fiel à malta petista. A única desgraça é que a Nação está submetida a um jogo mafioso do toma lá da cá. Os impostos recolhidos aos cofres públicos pelos cidadãos contribuintes é utilizado de forma vil e criminosa pelo governo do PT.
Enquanto isso, FHC e Alckmin trocam afagos com a Dilma e lhe dispensam apoio à suposta 'faxina' que varreria a corrupção, anulam a oposição parlamentar fazendo de graça o trabalho que interessa ao projeto petista.
Ora, a corrupção está de pé como nunca e permanecerá assim enquanto o PT continuar no poder.
Ou a manipulação eleitoreira do dinheiro público como mostra esta matéria que é a manchete da Folha de São Paulo deste domingo não é corrupção?
Constata-se assim que Dilma envia o recado para a base alugada, abre o cofre para o PT e a Oposição cai na esparrela enterrando a CPI, do jeito que o diabo gosta. A tucanada verá o que é bom para a tosse nas eleições do ano que vem.
Leiam:
O controle de gastos promovido pelo governo Dilma Rousseff poupou ministérios controlados pelo PT e atingiu com mais força os que estão nas mãos dos outros partidos que apoiam o governo, contribuindo para alimentar a tensão na base de sustentação do Palácio do Planalto.
Uma análise detalhada das contas do Tesouro Nacional mostra que, nas dez pastas entregues no início do governo a PMDB, PR, PSB, PP, PDT, e PC do B, os investimentos caíram 4,8% no primeiro semestre deste ano.
O desempenho contrasta com o dos 13 ministérios da cota petista: em conjunto, eles investiram 13,7% a mais do que na primeira metade do ano eleitoral de 2010, sem considerar as cifras modestas do apartidário Itamaraty e das secretarias especiais vinculadas à Presidência.
Embora sejam teoricamente prioritários para o Executivo federal, os investimentos -obras de infraestrutura e compras de equipamentos destinadas a ampliar a capacidade produtiva da economia- viraram o principal alvo do ajuste fiscal.
Trata-se do único grande grupo de despesas federais que sofreu redução real neste ano, depois de considerada a variação da inflação.
Há razões técnicas para a queda: são gastos não obrigatórios e sujeitos a atrasos. Mas são razões políticas que explicam o aperto desigual na Esplanada.
Pelo modelo de repartição de poder iniciado no governo Lula e reforçado por Dilma, o PT ocupa pastas de mais relevo, como Fazenda, Planejamento, Saúde e Educação.
Os demais partidos ficam com a maior parte das verbas que movimentam as negociações com o Congresso.
Ministérios como Cidades (comandado pelo PP), Integração Nacional (PSB), Turismo (PMDB) e Esporte (PC do B) concentram ações incluídas por deputados e senadores no Orçamento por meio de emendas parlamentares.
São, na maioria, obras paroquiais típicas de prefeituras, como a recuperação de ruas e a construção de quadras esportivas, mas igualmente classificadas como investimentos -e vítimas preferenciais do corte de gastos.

Não por acaso, o governo promete agora liberar R$ 1,7 bilhão em emendas para atenuar a insatisfação dos partidos e facilitar as próximas votações no Congresso.
Entre os ministérios controlados por partidos aliados, dois registraram alta significativa nos investimentos neste ano, mas ambos passaram por crises e trocaram recentemente de mãos.
O PR foi varrido dos Transportes após acusações de corrupção e desligou-se da base governista.
O PMDB teve de substituir o bombardeado Wagner Rossi na Agricultura, na semana passada.
Uma das pastas petistas que mais investiram é a Educação. Seu titular, Fernando Haddad, quer ser candidato à Prefeitura de São Paulo nas eleições de 2012 e conta com programas para a criação e a expansão de escolas e universidades.
Entre as pastas petistas, apenas o Desenvolvimento Agrário teve queda expressiva do investimento.
* Folha de São Paulo-21.08.2011

Por quê o petismo abomina a verdade?

Adaptação da charge de Neu Correia
É simples: porque verdade é correspondência entre o que se diz, se afirma ou se enuncia e os fatos, isto é, a realidade.
O petismo sempre brigou com os fatos: não houve mensalão, não há corrupção etc. - apesar das comprovações factuais e judiciais e dos processos criminais.
Resumindo: o petismo, principalmente na versão lulista - dominante -, é relativista feroz. Não há fatos, mas apenas argumentos: os "nossos" argumentos e os "deles". É um relativismo que se reproduz na ética: os "nossos" princípios e os "deles". O que é crime para "eles", é apenas um erro para "nós".
Tudo o que se diz não passa de versão, opinião, interpretação e por aí vai.
Verdade é o que Lula diz. Os juízes, através das sentenças, e as polícias, através das investigações, só emitem versões e opiniões. Nada a ver com os fatos que, ah, estes são inalcançáveis...
O relativismo instituído pelo lulopetismo já anulou a diferença entre verdade e falsidade - na sociedade, na política e na ética. É um mal que DEMORARÁ A SER EXTIRPADO.

domingo, 21 de agosto de 2011

Faxina no governo: Menos um ou menos dois?

Foto Revista Época
Leio, na revista Época, que o Ministro das Comunicações e Esposa, ora Ministra da Casa Civil (foto)viajavam em jatinho de empreiteira do Paraná seu estado.
Pelo visto a soma de Ministros demitidos subirá de 4 para 6...
Será que sobra algum?
Deve sobrar né?
Afinal são absurdos 39 ministros.
Lembrem-se de quem paga a conta.
* Douglas Cardoso, por e-mail, via grupo resistência democrática.

Um país de alienados e idiotas.

video
Clique o power (seta) e assista.

O próximo escândalo?

A próxima semana vai começar com um novo escândalo.
Agora a coisa pode entornar contra a Ideli Salvatisequempuder ou, "O Bagulhão oficial da república".
Gravações da polícia mostram que, quando estava no Ministério da Pesca, Ideli Salvatti negociou cargos no DNIT e lutou para manter um dirigente acusado de irregularidades.
As conversas foram com o presidente local do PR, hoje preso por pedofilia.
Esse é o Brasil do PT.
Será que a sinistra, que tem cara de doméstica que perdeu a condução, é a próxima a cair?
Façam suas apostas.
No governo do PT ética e honestidade são palavras esquecidas!!!!
* Leia mais em IstoÉ

Petista quer fragilizar o Ministério Público.

O  senador Humberto Costa, que hoje é o líder do PT no Senado, e por isso um aliado e porta voz dos objeivos de Dona Dilma, na última quarta-feira, 10 de agosto, apresentou proposta de Emenda Constitucional (PEC nº 75/2011), para extinguir a garantia de vitaliciedade dos membros do Ministério Público.
Considerando que o Poder Judiciário não tem iniciativa de agir por conta própria, as denúncias de crimes, inclusive os perpetrados por governantes e parlamentares, dependem de iniciativa (denúncia) por membros do Ministério Público, entende-se que esta iniciativa seja a busca de legalizar uma forma de dificultar ou impedir que os corruptos abrigados no governo, sejam punidos criminalmente é evitar que sejam denunciados pelos membros do Ministério Público, os quais, desprovidos daquelas garantias e sem vocação para se martirizar e as próprias famílias, tenderão a preferir, humanamente, a inércia.(veneno veludo)

Quase R$ 2 milhões para Glória.

Vista aérea de Glória-BA
O município de Glória, na Bahia, que tem como prefeita Ena Vilma, mulher do ministro das Cidades, Mario Negromonte (PP), anda com tudo junto ao governo federal. A prefeita recebeu, este mês, R$ 975 mil do Fundo Nacional de Segurança e Educação no Trânsito, da pasta do marido, para projetos no município.
Glória é um município de 15 mil habitantes na divisa com Pernambuco e Alagoas, longe do litoral, por onde circulam 425 carros, 858 motos e 43 caminhões, segundo o IBGE. Somados tratores, ônibus e camionetes, chegam a 1.500 o número total de veículos. Se a cada um corresponder um único motorista, o programa está custando, para os contribuintes, R$ 650 por condutor.
O Ministério das Cidades não explica que projeto da cidade baiana está sendo incentivado pela pasta. Informa apenas que Glória foi um dos 499 municípios contemplados, em 2009, para obter recursos e investir num programa que visa, entre outros objetivos, reduzir o número de acidentes de trânsito.
Como o Brasil tem 5.565 municípios, ficaram de fora 5.066.
O ministério informa também que os recursos do fundo foram empenhados antes da chegada de Mário Negromonte ao ministério. Mas o pagamento,via Caixa Econômica Federal, só saiu agora.
A prefeitura de Glória também recebeu R$ 975 mil do Ministério do Turismo, em julho, para investir na infra-estrutura turística da cidade, no sertão baiano. Somadas as duas verbas federais, são quase R$ 2 milhões em dois meses para Glória.