sábado, 2 de março de 2013

Mais um roubo petralha?

"Assinado pelo Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minerais e derivados de Petróleo do Estado do Rio de Janeiro, um informe de quatro páginas denuncia licitações viciadas e superfaturadas bancadas pela Petrobrás. Uma delas foi para a ampliação e modernização da fábrica de lubrificantes da BR em Duque de Caxias. A obra custaria R$ 80 milhões. Saiu por R$ 180 milhões. Diz o informe que o dinheiro obtido por meio das irregularidades foi desviado por militantes do PT que trabalham na Petrobras para fazer face a despesas com campanhas eleitorais."
*Do Blog do Ricardo Noblat

Porque hoje é Sábado, uma bela mulher.

A bela atriz Jennifer Lawrence

sexta-feira, 1 de março de 2013

O PT só gosta do que não presta.


Elogiar qualquer ato político petista é a glorificação da imoralidade. O PT parece estar conseguindo seu intento: transformar um povo idiota em uma grande horda de imorais e de bandidos, dada a conivência e apologia ao crime .
Salvo as raras exceções, a imprensa brasileira já se vendeu e o que resta de gente sensata já não sente o mesmo vigor e apoio dos setores "ditos democráticos".

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

A renuncia de Bento XVI...


 
Aí está um pequeno exemplo de como Bento XVI estava sendo escanteado pelos "mandões" da Igreja Católica.
O papa era conservador e isso jamais foi segredo para ninguém. Neste vídeo os cardeais o ignoram. É só observar o vídeo. Ele fala por si só.
Embora saibamos que há uma corrente dentro da igreja buscando mudanças, a rigidez de Bento XVI e seu conservadorismo, de certa forma até explícita, levou-o a uma forte pressão, por parte do grupo de cardeais, para sua renúncia. Assim creio.
O argumento de sua debilidade física é apenas um argumento. 
Há muita hipocrisia na Igreja Católica Apostólica Romana. Não me surpreenderia se surgirem, doravante, correntes na igreja que admitam o casamento gay, a pedofilia como "uma doença", etc.
A saída de bento XVI pode ser uma "adaptação aos novos tempos" e ao  "mundo moderno" em que vivemos.
Quando vejo a forma como os cardeais, no vídeo, dão pouca importância ao Papa, nada vejo de alvissareiro no futuro da Igreja.
É! Quem sabe não seja os fins do tempos. Dos tempos de vergonha e decência, com apoio da igreja, claro!
Nossa Senhora nos proteja!
*Com apoio de santimcross

O PT faz história : criou a Buracobrás.

 

http://2.bp.blogspot.com/_3sBu64hy_5s/TId3bGA4CYI/AAAAAAAABlU/08DZ2eY7jj8/s1600/Pol%C3%ADtica_dinheiro+no+buraco.jpg

A máquina petista de fabricar prejuízos produziu mais uma vítima. Depois de abater a Petrobras e praticamente inviabilizar a operação da Eletrobrás, agora é a vez de o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ir para o buraco. Sua estratégia de produzir "campeões nacionais" está se mostrando ruinosa.
 
Na segunda-feira, o banco divulgou seu balanço relativo a 2012.
Seu lucro caiu quase 10%, na segunda queda consecutiva, segundo O Globo.
Não fosse um artifício contábil, da lavra da infindável criatividade da equipe econômica do PT, a perda teria sido ainda maior, com redução de 36% na lucratividade.
Mas o pior desempenho se deu mesmo foi no BNDESPar, o braço responsável pelos negócios da instituição. A subsidiária obteve como resultado em 2012 um lucro de R$ 298 milhões, isto é, 93% menor que o de 2011, que fora de R$ 4,3 bilhões.
 
Ou seja, foram R$ 4 bilhões a menos de um ano para o outro - e isto é grave.
 
O balanço explicita os maus negócios em que o BNDES tem se metido, menos por gosto, mais por imposição de Brasília. Sua carteira de ações caiu de quase R$ 90 bilhões para cerca de R$ 78 bilhões no ano passado. As provisões para créditos de difícil recuperação somaram R$ 3,3 bilhões.
 
Trata-se de dinheiro que o BNDES admite que possivelmente não irá reaver - e isto é grave.
 
Os recursos que o banco empresta não caem do céu, não dão em árvore, não vêm na enxurrada. Vêm em parte de empresas e trabalhadores - uma das fontes é o Fundo de Amparo ao Trabalhador - ou dos contribuintes em geral, que bancam os bilionários aportes feitos pelo Tesouro - neste caso, apenas nos últimos quatro anos foram R$ 285 bilhões.
 
A lista de operações duvidosas bancadas pelo BNDES é longa. Começa pela fusão da Oi com a Brasil Telecom, passa pela união de Perdigão e Sadia, inclui o frigorífico JBS, a VCP, a Aracruz e mais uma série de companhias eleitas pelo governo petista para serem agraciadas com dinheiro público.
 
No total, o banco tem em carteira ações de 142 empresas.
 
Em novembro passado, o Tesouro calculou quanto os empréstimos subsidiados concedidos pelo BNDES custam aos cofres públicos. Chegou, oficialmente, à cifra de R$ 20 bilhões até 2015, conforme publicou a Folha de S.Paulo à época.
 
São, na prática, transferências de renda de toda a sociedade para os setores beneficiados. É de se questionar:
quanto o consumidor e o contribuinte brasileiro ganha - ou, mais provavelmente, perde - com isso?
 
Quais benefícios efetivos a estratégia de produzir "campeões nacionais" bancados por dinheiro público rende aos cidadãos brasileiros?
 
No ano passado, dois terços dos recursos liberados pelo banco foram destinados a grandes conglomerados. Um dos negócios mais ruinosos em que o BNDES se enfiou foi o da LBR Lácteos, resultado da fusão de dois laticínios tradicionais, entre eles a Parmalat. Em janeiro de 2011, lá aportou R$ 700 milhões para ficar com 30,3% da nova empresa.
 
Mas, em lugar de leite, a LBR produziu prejuízos e, agora, dois anos depois, o BNDES reconhece que perdeu R$ 865 milhões no negócio micado.
"Como acionista e como financiador, o BNDES tem-se notabilizado pela seleção de maus negócios ou, simplesmente, pela escolha de prioridades com escasso ou nenhum significado estratégico para o desenvolvimento econômico e social do país. (...)
 
O BNDES claramente perdeu o rumo e se afastou de suas tradicionais funções estratégicas", opinaO Estado de S.Paulo em editorial em sua edição de hoje.
 
O que também vem ocorrendo é que a carteira do BNDES, por meio do BNDESPar, está cada vez mais exposta aos mandos e desmandos do próprio governo. O banco experimenta, assim, do veneno destilado por Brasília, com sua concepção equivocada do que seja o capitalismo.
 
Com seu balcão de negócios, o governo do partido mais adepto do Estado forte está produzindo bancarrotas em série com o dinheiro do contribuinte.
 
 
                                                              O PT faz história: criou a Buracobrás.

*Fonte: Instituto Teotônio Vilela
BNDES é nova vítima da 'Buracobrás'

Filhos de Lula: Todos fenômenos?

Alegria, alegria! Quem disse que dinheiro não traz felicidade. Não é Lurian?
Consta das inúmeras informações na Internet, de que a filha de Lula, Lurian, a exemplo de seu irmão lulinha, também teve muita sorte e herdou a facilidade de ganhar muito dinheiro sem muito esforço.
E dizem que também ficou RICA com dinheiro público lá em Santa Catarina.
Fundada pela famosa filha de Lula, Lurian, a ONG "Rede 13 Santa Catarina", de Blumenau, recebeu mais de R$ 20 milhões.
Como utilizou este dinheiro não se sabe. Mas o que mais intriga os especialistas no assunto é que a ONG foi aberta em abril de 2003 e fechada em seguida, em agosto de 2003.
Huumm, estranho? Sei lá!

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

E o vento levou...

*Colaboração de Waldo Luis Vianawaldo@infolink.com.br - Via Grupo resistência Democrática.

O governo quer criar o "mendigo magnata."

O ex-miserável que continua paupérrimo
Às vésperas da celebração dos 10 anos da Descoberta dos Cofres Federais, a presidente da República animou a quermesse do PT com outra notícia assombrosa: falta muito pouco para a completa erradicação da miséria em território nacional. “Mais 2,5 milhões de brasileiras e brasileiros estão deixando a extrema pobreza”, informou Dilma Rousseff em 17 de fevereiro. Eram os últimos indigentes cadastrados pelo governo federal. Graças aos trocados distribuídos pelo programa Brasil Carinhoso, todos passaram a ganhar R$ 71 por mês. E só é miserável quem ganha menos de R$ 70. Passou disso, é pobre. Nesta segunda-feira, depois de cumprimentar-se pela façanha, Dilma reiterou que o miserável-brasileiro só não é uma espécie extinta porque cerca de 500 mil famílias em situação de pobreza extrema estão fora do cadastro do Bolsa-Família.
 
 
Como nem sabe quem são, quantos são e onde moram esses miseráveis recalcitrantes, o governo não pôde transferi-los para a divisão superior. “O Estado não deve esperar que essas pessoas em situação de pobreza extrema batam à nossa porta para que nós os encontremos”, repetiu no Café com a Presidenta. Até dezembro de 2014, prometeu, o governo encontrará um por um.
Queiram ou não, estejam onde estiverem ─ num cafundó da Amazônia ou no mais remoto grotão do Centro-Oeste ─, todos serão obrigados a subir na vida. Enquanto isso, perguntam os que não perderam o juízo, que tal resolver a situação dos incontáveis pedintes visíveis a olho nu, o dia inteiro, nas esquinas mais movimentadas de todo o país?
 
O que espera a supergerente de araque para estender os braços do governo às mãos de crianças que vendem balas, jovens com malabares, adultos que limpam parabrisas sem pedir licença, mulheres que sobraçam bebês, velhos hemiplégicos e outros passageiros do último vagão? Porque não são miseráveis, informam os especialistas em ilusionismo estatístico a serviço dos farsantes no poder.
Desde maio de 2012, por decisão do Planalto, vigora a pirâmide social redesenhada pelo ministro Wellington Moreira Franco, chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos. Segundo esse monumento ao cinismo, a faixa dos miseráveis abrange quem ganha individualmente entre zero e R$ 70 reais. A pobreza vai de R$ 71 a R$ 250. A classe média começa em R$ 251 e a acaba em R$ 850.
 
Os que embolsam mais de R$ 851 são ricos, e é nessa categoria que se enquadram milhares de seres andrajosos que plantam de manhã à noite nos principais cruzamentos de São Paulo. Esmolando oito horas por dia, cada um ganha de R$ 35 a R$ 40. Quase todos rondam os R$ 1.200 por mês. São, portanto, pedintes de classe média. Caso melhorem a produtividade, logo serão mendigos milionários.
Os analfabetos são quase 13 milhões, há mais de 30 milhões de analfabetos funcionais, a rede de ensino público está em frangalhos. Metade da população não tem acesso a serviços básicos de saneamento, o sistema de saúde pública é indecente. As três refeições diárias prometidas por Lula em fevereiro de 2003 nunca desceram do palanque, um oceano de desvalidos tenta sobreviver com dois reais e alguns centavos por dia.

 De costas para o mundo real, os vigaristas no comando seguem fazendo de conta que o Primeiríssimo Mundo é aqui. O pior é que uma imensidão de vítimas do embuste parece acreditar na existência do Brasil Maravilha registrado em cartório. E vota nos gigolôs da miséria com a expressão satisfeita de quem vive numa Noruega com muito sol e Carnaval. Essa parceria entre a esperteza e a ignorância faz milagres.

Depois de inventar o pobre que sobe para a classe média sem sair da pobreza, inventou agora o ex-miserável que não tem onde cair morto.

Vai acabar inventando o mendigo magnata.

A eterna língua de aluguel.

Petistas agora alugam a língua de Ciro Gomes, que dispara contra Eduardo Campos… Tudo para fazer a quarta disputa “FHC X Lula”

Na sexta-feira, escrevi aqui um post em que afirmava o que me parecia e me parece ainda óbvio: o PSDB havia caído numa espécie de truque do PT — que tem Lula como protagonista —, aceitando uma disputa sobre o passado que só pode ser prejudicial aos tucanos. Não porque eles tenham feito pouco ou menos pelo país, mas porque o PT está no poder há dez anos, detém a máquina e pode, assim, mentir à vontade. Está lá: “Os petistas decidiram escolher ‘o’ adversário com dois anos de antecedência — o PSDB — e o candidato desse adversário; no caso, Aécio Neves (nem ele próprio se atribui ainda tal condição, que eu saiba). Trata-se de uma tentativa de criar desde já aquele que se lhes afigura o melhor cenário. O pior é outro, que contasse com as candidaturas de Dilma, Eduardo Campos, Marina, Aécio e, como o mundo é dinâmico, J. Pinto Fernandes, ‘o que não havia entrado na história’, como no poema de Drummond.” Manchete do Estadão deste domingo anunciava: “FHC entra na campanha de Aécio para neutralizar Lula”.
Todo leitor sabe, sem precisar recorrer a arquivo, que considero que o tucano foi um presidente muito mais importante para o Brasil do que o petista. E daí? Não elejo presidente — é mesmo uma pena… DISPUTAR A QUARTA ELEIÇÃO COM FHC É TUDO O QUE LULA QUER. O tal livreto do partido, cheio de picaretagens e mentiras contadas a partir de verdades parciais, deixa isso claro. Eu não sei onde os tucanos aprenderam a fazer política assim. Sei que não é um bom método. Deixar-se pautar pelos adversários nunca é um caminho virtuoso. Mas, até aqui, nestes dois parágrafos, fiz só uma curta memória. Meu ponto é outro. Lula já está em ação para tentar inviabilizar as demais candidaturas. Do Ceará, já foi disparado outro tiro: o alvo, agora, é Eduardo Campos, e quem puxou o gatilho da pistola foi Ciro Gomes.
O que disse o irmão do governador do Cid Gomes, que é do PSB? Desqualificou todos os possíveis candidatos à Presidência em 2014, exceção feita, é evidente, à presidente Diilma Rousseff. Em entrevista concedida no sábado à rádio Verdes Mares, informa a Folha Online, disse: “O Eduardo não tem estrada ainda. Não conhece o Brasil. O Aécio não conhece o Brasil. A Marina Silva representa uma negação ética, uma negação desses maus costumes, mas não representa a afirmação de rigorosamente nada”.
O “Eduardo”, no caso, é Eduardo Campos, governador de Pernambuco, que vem tentando pavimentar a sua candidatura à Presidência da República. É isto mesmo: Ciro está dizendo que o mais importante líder do seu partido não tem condições de disputar o cargo. Notem: nem se trata aqui de entrar no mérito do juízo que Ciro faz de cada candidatura. Para ser franco, eu também não sei o que cada um deles propõe — aliás, não sei nem o que Dilma propõe a não ser “mais do mesmo”, que, visivelmente, não está funcionando. Mas o ponto não é esse.
Ciro está — e agora volto ao meu texto de sexta-feira — tentando evitar o cenário realmente temido pelo PT: uma disputa com vários candidatos que são, vá lá, mais ou menos fortes ou que têm potencial para levar uma disputa para o segundo turno. No arranjo dos sonhos do petismo, Dilma faz com Aécio um segundo turno já no primeiro: PT (e todas as outras legendas) contra PSDB (com PPS e DEM). Aí seria barbada, aposta o partido: leva a eleição no primeiro turno. Com a economia crescendo 1% (ou um tiquinho mais), a popularidade de Dilma está na casa dos 70%. Neste ano, vai crescer mais do que isso; se ficar na mediocridade dos 3%, por exemplo, já é bastante mais, não é? Se passar disso, então, aí é foguetório. E pode acontecer. Os estoques estão baixos, já foram desovados. A economia pode esquentar mesmo com eventual elevação da taxa de juros.
Caso consiga viabilizar seu partido, Marina Silva, com aquela conversa esquisita, tem potencial para arrebanhar votos que tenderiam a ir para o PT. O partido não tem muito o que fazer com ela. Havendo as condições técnicas, disputará a eleição. Num eventual segundo turno, seu eleitorado volta às origens e vota em Dilma — a maioria ao menos. Ainda que, com efeito, Eduardo Campos tenha muito mais presença na imprensa do que no eleitorado — exceção feita a Pernambuco —, é certo que pode crescer. A presidente perdeu prestígio no Nordeste. Aécio, caso vá mesmo para a disputa, terá a maioria esmagadora de Minas, mas as pesquisas indicam que ainda precisa acontecer fora do estado. Se for o nome da oposição, avança. A questão é saber até onde.
Não são poucos os analistas que entendem que o petismo tomou de tal sorte conta da agenda política e construiu tal hegemonia que só será apeado do poder se o bloco hegemônico que lidera for fraturado. Cumpre lembrar que esse foi o episódio inaugural da derrota do PSDB em 2002: o fim da aliança com o PFL. Não estou escrevendo que tal episódio, sozinho, determinou a derrota. O fato é que as coisas começaram a desandar ali…
O dedo que puxou o gatilho da fala de Ciro Gomes é de Lula, do Planalto. Ciro é um político que fala pelos cotovelos. Querem ver que curioso? Em 2010, ele queria se candidatar à Presidência pelo PSB, mas Campos obstou-lhe o caminho. O ex-governador do Ceará mandou brasa sobre Lula e Dilma:
“Lula está navegando na maionese. Ele está se sentindo o Todo-Poderoso e acha que vai batizar Dilma presidente da República. Pior, ninguém chega para ele e diz: ‘Presidente, tenha calma!’. No primeiro mandato eu cumpria esse papel de conselheiro, a Dilma, que é uma pessoa valorosa, fazia isso, o Márcio Thomaz Bastos fazia isso. Agora ninguém faz”.
No dia 6 de julho de 2002, o então candidato da “Frente Trabalhista” à Presidência, Ciro Gomes, afirmou o seguinte sobre Luiz Inácio Lula da Silva:“Ele tem talento e força política, e poderia ter sido o que quisesse, mas não quis fazer nada e agora quer, como primeira experiência, governar o país.”
Como viram, segundo Ciro, Lula e Dilma não tinham experiência… Agora, tenta colar a mesma pecha em Eduardo Campos.
EncerroO PT sabe que a multiplicação de candidaturas, especialmente se uma delas sair de uma fratura do atual bloco liderado pelo partido, lhe é o pior cenário. O partido quer continuar a dançar o minueto com os tucanos, especialmente numa narrativa em que ele dita a forma e o conteúdo.
*Texto por Reinaldo Azevedo

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

PT a marca da conspiração contra a liberdade.

Para o PT e demais partidos socialistas, governar é conspirar contra os bens, a liberdade e a decência dos que lhes deram votos. Canalhas!!!
Nivaldo Cordeiro

Show de cinismo.

 

Diante de plateias amestradas, que ovacionam até ponto, vírgulas e reticências, ninguém é mais falante do que Lula. Cercado por devotos genuflexos, todos exibindo a cara deslumbrada de presidiário transferido sem escalas da cela para o set de um filme pornô, ninguém fabrica mais bravatas por minuto do que o ex-presidente. Reverenciado por bajuladores vocacionais, que começam a gargalhar antes do início da piada, ninguém é mais valente do que o inventor do Brasil Maravilha. Só havia gente assim na festa organizada pelo PT para celebrar os 10 anos da chegada ao poder. E o palanque ambulante sentiu-se como pinto no lixo.
“Todas as coisas que eles pensaram em fazer nós fizemos melhor”, caprichou na abertura do cortejo de bazófias. “Eles”, como sabem os ouvintes castigados pela discurseira interminável, são Fernando Henrique Cardoso, a elite golpista, a mídia reacionária, os granfinos paulistas, os loiros de olhos azuis e todos os demais viventes que se negam a engrossar a seita lulopetista. “As coisas” são boas ideias do governo FHC prostituídas pelo Bolsa Família, o maior programa oficial de compra de votos do mundo.
Em seguida, como faz desde 1976, o animador de comício desdenhou da oposição: “Eles estão inquietos, sem valores e sem propostas”. (De valores e propostas Lula entende, sobretudo quando envolvem contratos com a base alugada). Depois, atacou o senador Aécio Neves, gabou-se de eleger qualquer poste e, claro, criticou FHC ─ sem se atrever a soletrar em voz alta a sigla que está para o SuperLula como a kriptonita verde para o Super-Homem. “Vou dizer apenas que a resposta que o PT deve dar a eles ─ e eles podem se preparar, podem juntar quem quiserem ─ é a reeleição da presidente Dilma em 2014”.
As salvas de palmas animaram campeão da gabolice a cruzar a fronteira da prudência. “Nós não temos medo da comparação, inclusive no debate da corrupção”, escorregou na areia movediça o recordista mundial de escândalos por mandato. Risonhos na plateia, os mensaleiros José Dirceu, José Genoíno e João Paulo Cunha aplaudiram com especial intensidade a ousadia do chefe. Mas os três sabem com quem estão lidando. É possível que Lula faça duas ou três visitas dominicais à cadeia que hospedará os companheiros condenados pelo Supremo Tribunal Federal. Mas antes disso terá esquecido o que disse na festa do PT.
Ele foge de comparações com FHC como o vampiro foge da claridade. Se não temesse o duelo penosamente desigual entre um homem que pensa e sabe e uma figura que pensa que sabe, teria topado em fevereiro de 2010 o debate imediatamente aceito por Fernando Henrique. À época, o ministro da Propaganda, Franklin Martins, informou que um presidente não poderia debater com um ex-presidente. Fora do gabinete há mais de dois anos, Lula segue refugando o convite ─ que será reapresentado pela coluna já nesta quinta-feira.
É improvável que crie agora a coragem que faltou quando o Brasil ignorava a existência de Rosemary Noronha. Depois do escândalo protagonizado pela primeiríssima amiga, o medo certamente aumentou. A Polícia Federal revelou há 90 dias que o escritório da Presidência da República em São Paulo fora doado por Lula a uma quadrilheira juramentada. Faz 90 dias que o protetor de Rose e seus comparsas não abre a boca sobre o assunto. Nesta quarta-feira, ao propor que a comparação entre os governos do PT e do PSDB inclua a taxa de roubalheira, tornou obrigatória a incorporação à pauta de perguntas para as quais não tem resposta.
Não lhe será difícil fugir outra vez do debate com FHC. Mas não conseguirá escapar da hora da verdade enquanto existirem jornalistas que não temem rosnados, prezam a independência e jamais renunciarão ao compromisso com a verdade.
*Augusto Nunes

Porque Yoani incomoda?


Incomoda porque representa o sofrimento de um povo escravizado pelo comunismo.
Incomoda por causa do rosto sofrido e maltratado por uma vida sem sonhos e sem o mínimo conforto.
Incomoda porcausa da falha de dentes da frente , bastante visível. Aliás, esta é prova incontestável que a Medicina e Odontologia não são em nada avançadas. Tudo balela!
Incomoda pelas roupas anacrônicas, algumas parecidas à fantasias de boneca como o vestido usado em SP, na visita ao memorial de 64. Isto apenas a dificuldade ue tem as mulheres cubanas de adquirir roupas de melhor qualidade.
Incomoda mesmo sem nada dizer, porque sua aparência fala por ela e expõe cruelmente o que um governo comunista faz com seu povo.
* Com o auxílio luxuoso de gracias ala vida

Um país dominado pelos vermes.

Enquanto milhões estão sentados nos seus sofás assistindo o BBB da TV Globo os vermes do petismo se movimentam para apodrecer cada vez mais o Brasil.
O cheiro de podre paira no ar que é respirado pela sociedade, valente no virtual mas a mais omissa e mais covarde do mundo no mundo real , uma sociedade de palhaços e idiotas que permite sem qialquer contestação nas ruas que seu país seja destruído pelos neofacistas do PT.
Os poderes da República do suborno e da corrupção estão tomados pelos canalhas esclarecidos subalternos do petismo.
E os contribuintes trabalham mais de cinco meses por ano para sustentar esses patifes.
Vamos sonhar com uma nova revolução. Pode ser que algum dia a caserna acorde de sua hibernação covarde e honre suas fardas, as mesmas fardas que lutaram contra os comunistas durante o Regime Militar.
*GERALDO ALMENDRA, por e-mail, via Grupo Resistência Democrática

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Nunca em 500 anos da história deste país.

ABC fecha 52 mil vagas na indústria; 33 mil só no setor metalecânico.

O ABC paulista, berço do sindicalismo brasileiro pós-ditadura viu suas indústrias fecharem 52 mil postos de trabalho formais e informais em 2012, enquanto os serviços passavam a responder, pela primeira vez na história, por mais da metade do saldo de empregos da região.
O corte foi quase quatro vezes maior que o executado em todas as fábricas da região metropolitana de São Paulo, que inclui os sete municípios que formam o ABC.
A região metropolitana perdeu 11 mil vagas na indústria, de acordo com a pesquisa de emprego e desemprego da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) e o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Não fosse o ABC, o nível de emprego metropolitano poderia ter ficado positivo em 41 mil postos no setor industrial.
"Foi, um período complicado em que passamos da euforia para a depressão várias vezes", diz Alexandre Loloian, coordenador de análises de pesquisa da Fundação Seade. O movimento de altas e baixas no ABC teve início em agosto de 2011, quando o governo começou a reverter a política econômica de contenção, na tentativa de retomar o crescimento da atividade por meio da redução dos juros e ampliação do crédito. O emprego industrial deu um salto, particularmente no ABC, onde foram abertas 40 mil novas ocupações. O nível de emprego industrial atingiu em dezembro um pico considerado fora do normal. Tanto que durou pouco.
"Criou-se uma expectativa absolutamente irreal e a ocupação cresceu muito", conta Loloian. "Chegou no primeiro trimestre de 2012 e deu aquela capotada, porque não se confirmou a retomada." Em março, as fábricas da região já tinham eliminado 58 mil vagas, 18 mil além das que tinham sido abertas. A situação se complicou, também, porque o emprego industrial no ABC está concentrado nos setores que mais sofreram com a crise mundial, como o metalmecânico, que reúne de fabricantes de máquinas para escritório a veículos e autopeças e máquinas e equipamentos.
Responsável por 58% da ocupação na indústria no ABC, o setor metalomecânico fechou 33 mil postos de trabalho em 2012. Na Região Metropolitana de São Paulo, cuja estrutura industrial é mais diversificada, o emprego ficou praticamente estabilizado. Perto de 38% dos empregos da região metropolitana estão nesse setor.
Na avaliação de Paulo Francini diretor da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o ABC tem o azar de ter uma concentração de setores industriais que mais perdem na atual conjuntura. "Temos um ambiente que é de pobreza, e dentro da pobreza tem a miséria. Pobreza é o Estado de São Paulo, que perdeu milhares de empregos. A miséria são as áreas, como o ABC, que concentram os setores que mais perderam."
*Fonte: O Estado de S. Paulo

Estudantes venezuelan​os exigem que Chávez mostre a cara;

Grupo diz que se governo não apresentar provas da presença do presidente no país, haverá protestos no hospital onde o coronel está internado.

(Foto:Miguel Gutiérrez/EFE)

Imagem de Hugo Chávez na fachada do Hospital Militar Dr. Carlos Arvelo, em Caracas
Um grupo de estudantes exigiu nesta quinta-feira que o governo dê provas concretas sobre a presença de Hugo Chávez na Venezuela. Caso contrário, os estudantes afirmam que vão ao Hospital Militar na próxima segunda-feira para verificar seu estado de saúde para conferir se o coronel tem capacidade de governar. “Assim como exigimos sua volta à Venezuela, hoje exigimos que saia e mostre a cara”, disse a jornalistas a líder universitária Gabriela Arellano.

Na madrugada de segunda-feira, a volta de Chávez a Caracas foi anunciada por meio de sua página no Twitter e divulgada por integrantes do governo. No entanto, nenhuma imagem do coronel foi divulgada até agora. Nesta quarta-feira, o presidente da Bolívia, Evo Morales, disse que na véspera havia tentado se encontrar com o coronel na capital venezuelana, sem sucesso. “Não pude vê-lo, só me reuni com seus médicos e familiares”, explicou.

Nas últimas semanas, diferentes movimentos estudantis fizeram manifestações pelo país relacionadas à ausência de Chávez, que foi submetido a uma nova cirurgia para combater um câncer em 11 de dezembro, em Havana, e permaneceu em Cuba para o tratamento pós-operatório. Os protestos pediam que fosse declarada a ausência temporal do caudilho, ou ainda o respeito à soberania do país – mote de manifestação realizada na semana passada, em frente à embaixada de Cuba em Caracas, movimento que foi reprimido pela Guarda Nacional. Os estudantes acreditam que suas ações obrigaram o governo a divulgar as primeiras imagens do mandatário em dois meses, por meio de fotos divulgadas no dia 15. (Veja.com)

O Nióbio brasileiro

O nióbio é ‘nosso’ e os resíduos radioativos/tóxicos também
Uma coisa que deve ser amplamente investigada é o fundo de lucro acumulado operado pela estatal CODEMIG. A Codemig é órgão do governo resposável pelo gerenciamento das licenças de exploração da terra feita pela CBMM. O acordo entre eles determina que 50% do lucro da venda do nióbio seja depositado em uma conta da CODEMIG para uso em função de benefícios para a população brasileira.
Ocorre que somas bilionárias são depositadas anualmente na conta da CODEMIG por cerca de 50 anos e nunca, eu digo nunca, algum extrato bancário foi revelado para a população, tão pouco se sabe qual o montante envolvido, visto que acredita-se ser uma das maiores fortunas do mundo, tudo nas mãos de meia dúzia de políticos colocados no controle da CODEMIG pela própria CBMM e com ajuda do alto escalão do governo federal. Um dos líderes da CODEMIG é o ex-prefeito de Araxá Antonio Leonardo Lemos que inclusive, foi eleito prefeito com financiamento da CBMM.
Isso revela um pouco do tamanha da conspiração e merece ser investigado.

Yoani critica silêncio do Brasil sobre direitos humanos.

http://www.gloria.tv/thumbnail/2013-02/media-402766-2.jpg
Yoani Sanchez
“Não me surpreenderam”, disse, ao comentar os protestos. “Os blogs oficiais do meu país já haviam avisado que eu teria uma ‘resposta contundente’ durante a viagem. Todos têm direito de manifestar sua opinião. O que me surpreendeu foi a violência física. Nunca imaginei que me impediriam de falar”.
A blogueira aproveitou o evento para responder parte das críticas que os defensores dos irmãos Castro fazem a ela. Ao ser questionada sobre quem está financiando sua viagem – Yoani percorrerá mais de dez países em 80 dias –, a cubana respondeu que o dinheiro vem de diversas instituições, como a Anistia Internacional, universidades e blogueiros. “Não tenho milhões de dólares, mas tenho milhões de amigos”. Um dos objetivos de Yoani é receber os prêmios (que somam mais de mais de 300 000 reais) que recebeu ao longo dos últimos anos pelo trabalho em Generación Y.
Yoani aproveitou para salientar que as pessoas que a ajudam com o blog (traduzido para 18 idiomas) são voluntários espalhados pelo mundo. “Quem traduz meus textos para o inglês, por exemplo, é uma motorista de ônibus de Nova York de 65 anos”, conta. “Mas o governo não acredita mais na espontaneidade. Quando eles querem algo, ordenam, pagam”.
Nesta quinta-feira, às 18h, Yoani participará de um evento com blogueiros na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo, e, em seguida, autografará o livro De Cuba, com carinho. A blogueira permanece na capital paulista até sábado, quando embarcará para a Republica Checa.
Veja abaixo alguns dos temas comentados por Yoani Sánchez no debate desta quinta-feira:
Internet: A internet é para os cubanos uma plataforma de liberdade. Um campo de treinamento para o que algum dia pode se tornar realidade. Ela possibilita que mais pessoas possam se tornar o epicentro da informação. É um espaço democrático, com pessoas boas e más.
Fidel e Raúl Castro O governo de Raúl nasceu de um pecado original: ele não foi eleito. As reformas econômicas que tem feito estão na direção correta, mas num ritmo absurdamente lento e sem profundidade. O governo de Fidel Castro, por sua vez, queria controlar cada aspecto da vida dos cubanos, desde o que vestíamos ao café que tomávamos. Sobre a repressão, Fidel fazia dela um espetáculo, com grandes julgamentos e punições exemplares. No governo de Raúl, a repressão é velada.
Comunismo e capitalismo Tenho uma relação ruim com as ideologias. Sou uma pessoa pós-moderna, que cultua a liberdade. Não creio que em Cuba haja um socialismo e muito menos um comunismo. Classificaria o governo cubano como um capitalismo de estado. O patrão é o governo.
Educação e saúde A estrutura física e a extensão da rede de ensino e de saúde em Cuba são aspectos positivos. Existem escolas e postos de saúde em cada bairro. Porém, existe um colapso material. Os professores ganham menos de trinta dólares por mês, o que diminui a qualidade. São pessoas despreparadas.
Economia Cuba vive hoje uma esquizofrenia monetária. Existe o peso cubano e o peso conversível. O cubano acorda todos os dias com um objetivo: o que fazer para conseguir pesos conversíveis e alimentar sua família. Existem algumas alternativas. Caso ele seja um cozinheiro de um grande hotel, por exemplo, pode roubar um azeite ou um pedaço de queijo para vender no mercado negro. Também pode se prostituir, trabalhar clandestinamente ou pedir que parentes que emigraram enviem dinheiro. Quem não tem nenhum desses caminhos passa mal. O salário não é mais a principal fonte de renda.
Embargo econômico: Há uma teoria que diz que o embargo é uma caldeira. O fogo geraria precariedade econômica e material, o que levaria as pessoas à rua. Mas o embargo não resulta em rebeldia, mas na imigração dos cubanos. Outro motivo pelo qual sou contra o embargo é o fato de que ele embasa os argumentos do governo cubano que diz que não há batatas, não há tomates, não há comida por causa do império. Sem essa desculpa, quem eles vão culpar?
Protestos internosDesde pequenos, os cubanos recebem uma série de informações e propagandas que fazem com que eles acreditem que o país não lhes pertence. Pertence a uma geração histórica, que foi a protagonista da revolução. Isso cria uma apatia grande. Além disso, tem uma paralisia provocada pelo medo. Não um medo da morte, mas um medo da delação. Você acha que será denunciado pelo seu vizinho. Isso leva muitas pessoas a tentarem resolver os seus problemas individualmente. Mas existe uma oposição hoje de jovens que se manifesta artisticamente, via internet, que procura divulgar as informações de forma ampla.
Manifestações no BrasilMuitas dessas pessoas que protestaram contra mim nunca estiveram em Cuba. Outras estiveram por duas semanas fazendo turismo. É uma visão muito superficial. Para os mais velhos, acredito que seja difícil assumir que aquilo em que eles tanto acreditaram está morto, não seu certo. O governo cubano cria uma realidade distorcida. Eles propagam uma Cuba que não existe, uma cidade utópica, de esperança, onde todos têm chances. Quando meu filho era criança chegou em casa da escola dizendo que antes de Fidel Castro não havia universidades em Cuba. Isso é mentira.
*Por Branca Nunes, na VEJA.com

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Um país nivelado por baixo.

O povo brasileiro não é um povo educado, instruído sobre o debate político. É este eleitor que se torna alvo fácil dos mentirosos esquerdistas e seus discípulos que tentam fazer do Brasil um país imenso e próspero, numa Republiqueta de dimensões grandes  mas de política pequena, de bases esquerdistas retrógradas, de um povo submisso a “líderes de barro” que destroem, aos poucos, o que antes foi conquistado e construído .
Querem nivelar nosso país e nosso povo por baixo, mantendo uma elite comunista a usufruir das benesses do poder.
Muitos dos chamados "grandes empresários e banqueiros brasileiros" estão muito satifeitos com o que ganham do governo e, porisso, patrocinam sua propagando positiva nos órgãos de imprensa.
Os órgãos de imprensa estão muito satisfeitos com as verbas que recebem do governo ( verbas diretas ) e dos grandes conglomerados industriais e financeiros ( verbas outras).
Enfim, o sistema dominante já comprou o sistema formador de opinião. E o sistema formador de opinião já se vendeu por dinheiro e por medo.
Não temos forças armadas com brios para a defesa do instrumentos democráticos. Hoje o militar está mais preocupado com seu salário e sua aposentadoria.
Não há debate político porque a oposição o apresenta, mas os donos do poder e seus postes e asseclas o classifica de vazio porque bnão tem propostas. A oposição apresenta propostas e a situação se apropria das mesmas, mesmo que, antes, as criticasse as atribuisse como nefastas, utilizasse como "mote" de campanha, mas hoje as põe em prática num cinismo que só se compara a omissão da imprensa nacional.
Temos no governo e como legisladores, além de influenciadores no exterior, os maiores exemplares do "bicho homem" cínico, mentiroso, ardiloso e egoísta.
Estamos perdidos? Não! O povo unido jamais será vencido.
Fora a corja comunista no poder!

Oposição aproveita melhor politicame​nte visita de blogueira cubana.

 
PSDB, o DEM e o PPS mandaram ao Congresso militantes para abafar o ruído dos manifestantes pró-Cuba e críticos de Yoani Sánchez.

Partidos de oposição levaram ampla vantagem sobre o governo na obtenção de resultados políticos durante a passagem da blogueira cubana e colunista do Estado Yoani Sánchez pelo Congresso, ontem. Os grupos que gritam contra Yoani apareceram e ela deu sua opinião sobre tudo o que lhe perguntaram. Mas tiveram de aguentar a reação.


André Dusek/AE
Yoani cumprimenta senador tucano Aécio Neves

O PSDB, o DEM e o PPS mandaram ao Congresso militantes para abafar o ruído dos manifestantes pró-Cuba.
Os anti-Yoani entoavam: "Yoani, eu já sabia, quem te financia é a CIA". Resposta: "Vendam seus smartphones e mudem para Cuba".
Yoani e a oposição tiraram proveito até de uma armadilha que o deputado Glauber Braga (PSB-RJ) tentou montar para a blogueira. Ele lhe fez quatro perguntas sobre o que achava do bloqueio econômico a Cuba, da prisão de segurança máxima da base americana instalada na Baía de Guantánamo, da prisão dos chamados "cinco heróis cubanos" pelos Estados Unidos e sobre quem é que financia o giro que ela está fazendo pelo mundo, começando pelo Brasil.


A blogueira respondeu calmamente, depois de agradecer Braga. "O embargo deve terminar já. Essa é minha posição de sempre. Porque provoca mal-estar na população e ainda serve de justificativa para o fracasso do governo, toda vez que é cobrado", disse ela, sob aplausos.

Quanto a Guantánamo, disse que é civilista, portanto é contrária à existência da prisão. A respeito dos "cinco heróis", afirmou que eles eram 12 - e pertenciam a uma rede de espionagem.

Sobre seus financiadores, Yoani disse que são blogueiros como ela, além da Anistia Internacional e de universidades europeias pelas quais deve passar na fase seguinte de sua viagem.
Ela disse ainda que hoje existe uma Cuba oficial, na qual o trabalhador recebe salário mensal de US$ 20 (cerca de R$ 40), e uma Cuba real.

Com esse salário, segundo a blogueira, todos os cubanos são obrigados a viver na ilegalidade, roubar o próprio governo, prostituir-se e receber remessa ilegal de dinheiro.
Disse também que sonha com o dia em que trabalhadores cubanos poderão ir para a praça pública fazer um protesto por melhores salários.
A ida de Yoani ao Congresso foi proposta pelo deputado Otávio Leite (RJ) e pelo senador Alvaro Dias (PR), ambos tucanos.
O DEM, por intermédio do deputado Mendonça Filho (PE), requereu proteção da Polícia Federal à blogueira, enquanto o PPS, outro partido de oposição, prestou a ela solidariedade.

Ao se despedir da Câmara dos Deputados, Yoani agradeceu, mais uma vez : "Muito obrigado por essa lição de democracia. Gostaria que os 11 milhões de compatriotas cubanos pudessem ver pelo menos um pedacinho do que estou vendo. Estou impressionada com o Brasil. Nenhum incidente negativo vai manchar a lembrança que levarei de tudo isso".

*Texto por João Domingos, de O Estado de S.Paulo