sábado, 4 de fevereiro de 2012

A Soberana... que pena, é a nossa "presidenta"!



Ai, ai…

Quando começo um texto assim, virá um certo desconsolo, sabem?, aquilo a que Santo Agostinho definia como “acídia”… Abaixo, há o vídeo completo com a entrevista de Dilma Rousseff em Cuba, em que ela disse algumas enormidades. Se quiserem ver inteiro, bom proveito. Destaco algumas questões.

Em primeiro lugar, noto que poucos dirigentes no mundo — na verdade, nenhum que eu conheça — espancam tanto a própria língua como os brasileiros. É uma coisa impressionante! Em entrevista tão curta, destaco os erros mais grosseiros da Soberana:

- “Os demais passos NÃO É da competência do governo brasileiro…”

- “Não podemos achar OS DIREITOS HUMANOS É uma pedra…”

-“ESSES PROJETOS VAI LEVAR para o Brasil, para Cuba…”

- “ESTAVA TODOS OS PRESIDENTES, todos os primeiros-ministros…”

E AS COISAS VAI POR AÍ, VOCÊS ENTENDE, PESSOAL? Lula, preguiçoso, nunca quis estudar e sempre fez praça de sua ignorância. Mas Dilma é universitária. No governo, quando ministra, era até chamada de doutora. Evo Morales trata melhor o espanhol do que Dilma, o português. Sigamos.

Na entrevista, ela explica por que o Brasil financia quase US$ 1,5 bilhão em projetos em Cuba, justifica a sua omissão no que diz respeito aos direitos humanos e, no momento mais tipicamente seu, diz, em dilmês castiço, por que enfiar dinheiro na ilha é um bom negócio pra todo mundo, também para o Brasil. Está ali, a partir de 4min46s. Transcrevo:

“Quem ganha? Ganha o Brasil por fazer uma cooperação com uma país e um povo E TODA UMA ESTRUTURA INSTITUCIONAL que é visivelmente competente, capaz, na área de biotecnologia, na área de ciências médicas e com uma grande competência para todas as questões ligados (sic) à biotecnologia. Então o Brasil ganha com isso. Ganha Cuba também porque é uma parceria em que o Brasil entra tamém (sic) com seus conhecimentos nesta área, suas empresas privadas, que também implicam numa (sic) capacidade tecnológica do nosso país. E nós queremos uma parceria estratégica e duradoura. Nós estamos fazendo aqui uma parceria com essas, essas, através desses projetos, que eu acredito que vai levar para o Brasil e para Cuba um processo do desenvolvimento. Então, acredito que é isso que nós estamos fazendo aqui em Cuba. É esta contribuição.”

Voltei

Entenderam? Não há o que entender porque essa é a língua da embromação. Pra começo de conversa, o que há de compreensível apela a uma comprovada falsidade: o suposto avanço da medicina cubana. Isso, hoje, é uma piada. Ao contrário: o país está atrasado porque não há investimento. Xucro, Chávez foi tratar seu câncer com médicos cubanos; esperto, Fernando Lugo preferiu os brasileiros do Sírio-Libanês… O Brasil está financiando na ilha um porto, a produção de alimentos e a compra de máquinas agrícolas. Com juros de pai pra filho. Podem escrever: o dinheiro vai entrar como uma doação. O que ganharão as empresas brasileiras? Bem, se forem criar unidades de produção em Cuba para explorar a mão-de-obra quase escrava e exportar, talvez role alguma grana. Uma coisa é certa: não estão de olho no mercado interno da ilha, né?, que praticamente inexiste. Vão lá porque cedem ao apelo do governo brasileiro, que lhes garante facilidades no Brasil mesmo.

Acho fascinante aquele trecho grifado do discurso de Dilma. Depois de falar, falar e falar sem dizer nada, saca o “então”, como se tivesse demonstrado o que pretendia demonstrar.

Ali pelos 7min23s, a presidente diz ser contra a guerra e coisa e tal e a “violência contra os movimentos sociais”. Vocês sabem muito bem a que ela estava tentando se referir: sim, à desocupação do Pinheirinho, que violenta não foi, a despeito da confusão que o governo federal tentou criar.

É uma pena que a Soberana não tenha, até agora, se interessado por um estudante que ficou cego de um olho num confronto com a PM do Piauí, estado governado pelo PSB e pelo PT, e por uma cozinheira da Bahia, que também perdeu um olho, agredida por um policial militar, no estado governado pelo companheiro Jaques Wagner.

Maria do Rosário não mandou nem para o Piauí nem para a Bahia os representantes do Conselho Nacional dos Direitos Humanos. No Piauí e na Bahia, afinal, a PM pode não saber direito por que está cegando as pessoas, mas os cidadãos sabem muito bem por que estão sendo cegados, certo? É ou não é, Soberana?

Em homenagem ao apreço de Dilma pelos direitos humanos e à sua postura firmemente contrária à violência contra os movimentos sociais, republico a imagem destes dois símbolos da truculência dos “companheiros” com o povo. ( Reinaldo Azevedo)

Qual é a da blogueira cubana? Tem caroço nesse angu...

Yoani Sanches e o visto que ela não viu.
A imprensa amestrada espalhou para os quatro cantos do universo que a Blogueira CÚbana, Yoani Sanches poderia vir ao Brasil para participar do lançamento de um filme no qual ela andou fazendo umas pontas.
Bem, o aparelhado Itamaraty realmente concedeu o visto a Blogueira sabendo que ela não sairia da ilhota caribenha nem a pau. O "guvêrnu" dos irmãos Castro negaou a saída da prisioneira ideológica da ilha pela 19ª vez.
É certo que a concessão desse visto não passou de uma baita fraude política onde o DESgoverno brasileiro já havia feito um pré acordo com os donos da ilha apenas para dar a impressão de que o Brasil "ser muito bonzinha". Uma verdadeira democracia, o paraíso na terra.
Já imaginaram uma "prestigiada" Blogueira que se opõe ao regime comunista dentro de CÚba o que poderia dar de munição para a oposição e para a imprensa independente da pocilga?
E o que mais incomoda de verdade neste assunto é ver a imprensa amestrada aos berros dizendo que a blogueira queria uma entrevista com presidANTA Dilmarionete. Mas se essa blogueira que dizem ser umas das poucas vozes que denunciam a farra contra os direitos humanos que acontece naquele buraco imundo que é a ilha dos irmãos Castro, como é que ela não sabe que de nada adiantaria pedir para conversar com a Dilmarionete? E para mim é aí que a coisa pega.
O mundo sabe do alinhamento ideoestúpido que todo ptralha e esquerdofrênico possui com o governo CÚbano.
Parece até que todo ptralha adoraria poder passar umas horas lambendo as bolas do saco da múmia caribenha.
Nossa democracia é tão atuante que concede um visto para uma "dissidente" CÚbana poder vir a passeio ao Brasil, e consegue devolver dois atletas que pediram asilo político durante o PAN de 2007 em tempo recorde. O DESgoverno do Brasil levou medalha de ouro na competição de filhadaputagem ideológica no caso dos dois lutadores. Mas coitado do baba ovos do ditador que não mandasse de volta os dois atletas....
Bem amigos, esta história do visto da CÚbana está pra lá de mal contada, o desgoverno de Banânia só fala em direitos dus manus quando a coisa não é para o lado de CÚba. O visto serviu de propaganda mentirosa de uma falsa democracia, CÚba já havia sinalizado que não iria deixar Yoani sair da ilha prisão, e o mais estranho, é que uma Blogueira tão atuante contra os desmandos dos esquerdofrênicos querer as bençãos da Dentuça.
Ou a Blogueira é uma puta de uma fraude, ou a imprensa amestrada Tupiniquim deveria estar diante do "paredón".
CÚba ainda tem esse "romantismo" arcaico e burro porque o TIO SAM ainda não percebeu, ou sabidamente percebeu, que o que mantém os dois Castro no poder rodeados pelas putas socialistas espalhadas pela Amérdica Latrina inteira é o tal embrago que perdura há uns 50 anos.
No dia em que Uzistadusunidus retirarem o embargo e fecharem Guantanamo os comunistóides anti americanos perderão a referência e o motivo para continuar lutando. Sem contar que a ilha vai esvaziar, não vai ter muita gente querendo continuar a viver na idade média que só uma ditadura faz para você.
Então Uzistadusunidus é que mantém vivo o socialismo nos corações de alguns debilóides.
Então..viva Uzistadusunidus!!!!
E vou dizer mais uma coisa, essa comemorada internacionalmente Blogueira...tem algo de errado, ela vive numa ilha prisão, numa ditadura, não tem acesso a tecnologia, consegue se manter viva, não vai para a cadeia por crime de opinião como todos os outros CÚbanos, não sofre sanções do governo e ainda tem voz para pedir entrevista com a maior esquerdofrênica manipulada da Amérdica Latrina?
Parem para pensar, é estranho...muito estranho....Tem algo de muito errado nessa situação, não sou fã da Yoani, não encho a bola dela justamente por achar que ela, ou faz trabalho duplo, ou está servindo aos interesses de CÚba.
É a propaganda dazisquerdas atuando sem parar para iludir o povão.
* Blog O mascate

Presidente Dilma, a senhora não tem vergonha?

Presidente Dilma, a senhora não tem vergonha?
Sim "Presidente"! Uso esta palavra porque estudei em ótimas escolas públicas, que já não existem mais, e nelas, como todos aprendíamos, independentemente do sexo de quem o exercia, essa é a palavra certa para esse cargo, apesar da senhora ter tentado, no início de seu governo, por mero capricho, ser chamada de Presidenta.
Os puxa-sacos de plantão - apesar de saberem que a palavra presidente é um substantivo de dois gêneros, válida tanto para o masculino quanto para o feminino - até tentaram ajudá-la a mudar a nossa língua, mas não conseguiram, pelo menos não na prática, pois, por coerência, teríamos que começar a chamar uma pedinte de pedinta e assim por diante. Mas os novos "doutores", Presidente, estão saindo das centenas de universidades particulares sem sequer saberem conjugar corretamente os verbos empregados no seu teste para o primeiro emprego.
Nunca votei e jamais votarei em alguém do seu partido político e menos ainda em uma pessoa com o seu passado, pois as ideias defendidas por seus "companheiros" já foram desmoralizadas em todo o mundo, inclusive pelo ditador e assassino Fidel Castro, de Cuba, onde a senhora esteve agora. As ditaduras de esquerda só destruíram países e populações, com a ideia utópica de estatização geral e de que o Estado supriria a todos igualitariamente.
Mas este não é o tema central que pretendo abordar aqui. O meu questionamento refere-se ao fato amplamente noticiado de que em sua viagem a Cuba, o Brasil emprestou dinheiro àquele país.
Em sua volta não deve ter sentido nenhum problema de aterrissagem com seu avião, pois como Presidente teve o espaço aéreo temporariamente bloqueado para que o fizesse sem demora ou riscos. Mas não foi o que ocorreu com os outros brasileiros que naquele momento estavam voando com o mesmo destino e que por incapacidade do aeroporto já estavam circulando sobre a cidade esperando sua vez de aterrissar.
Já em nosso solo, mudou de aeronave e, de helicóptero, dirigiu-se tranquilamente à sua residência oficial, pois, caso contrário, teria sentido na pele o que é transitar pelas ruas e estradas brasileiras, todas esburacadas ou repletas de remendos de péssima qualidade, pois a diferença de dinheiro entre o bom e o mau produto teve de ser repassada aos corruptos de seu governo.
No período noturno, quando todos deveriam descansar, teria passado defronte a um posto de atendimento ou a um hospital conveniado do SUS, e visto filas enormes, com mães segurando filhos doentes no colo, esperando o dia amanhecer para, se tiverem muita sorte, conseguirem pegar senhas para serem atendidas naquele dia. Saberia, pela imprensa, que alguns morreram nessas filas, sem sequer chegarem a ser atendidos.
Determine, senhora Presidente, que lhe seja reservado, em rede nacional, um horário nobre da televisão brasileira, para que explique aos brasileiros que pessoas diagnosticadas com doenças graves esperam meses na fila para serem operadas porque o país não possui recursos suficientes para suprir sua população com o atendimento médico necessário, mas pode oferecer dinheiro emprestado ao Mercado Comum Europeu para sanar suas dívidas e emprestar dinheiro para Cuba.
Explique aos brasileiros, Presidente Dilma, porque todos os anos brasileiros morrem soterrados nas encostas dos morros em diversos estados, porque o governo não possui dinheiro suficiente para lhes financiar, com juros subsidiados, moradias dignas, construídas em locais seguros.
Que a educação brasileira é de péssimo nível porque o país não possui verbas suficientes para preparar melhor os professores e lhes pagar salários dignos, de quem tem a responsabilidade de ensinar aos que serão o futuro do país, mas pode construir uma embaixada brasileira em Tuvalu e perdoar dívidas de países africanos em troca de votos para conseguir um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU como queria seu antecessor.
Explique coisas simples assim à população brasileira, Presidente Dilma, ou a senhora tem vergonha?
*Texto por João Bosco Leal - www.joaoboscoleal.com.br, Jornalista, reg. MTE nº 1019/MS, escritor, articulista político, produtor rural e palestrante sobre assuntos ligados ao agronegócio e conflitos agrários

MPF apura não repasse a municípios em 8 anos de governo de Zeca do PT

A Procuradoria Geral da República está investigando o não repasse aos municípios, no período de 1999 a 2005, de dinheiro do Fundersul (Fundo de Desenvolvimento do Sistema Rodoviário), referente ao recolhimento sobre o combustível. A investigação se refere aos 8 anos da administração do ex-governador Zeca do PT.
A informação sobre a apuração está em despacho de dezembro da procuradora-geral da República Débora Duprat, em processo que corre no STJ (Superior Tribunal de Justiça), movido pela Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul. A investigação pelo Ministério Público Federal é por causa da possibilidade de não terem sido repassados recursos para saúde e educação, que tem previsões legais de investimento vinculado às receitas.
O advogado da Assomasul, Alexandre Bastos, explica que os municípios entraram com uma ação conjunta para solicitar os recursos que não foram repassados aos municípios, que têm direito a 25% de tudo o que o Estado arrecada do Fundersul. Bastos não quer falar sobre o montante a ser restituído, para evitar especulações devido ao alto valor, mas analisa que a legalidade da ação é indiscutível. Segundo Bastos, a ação está no STF (Supremo Tribunal Federal), mas o Ministério Público Federal decidiu acompanhar o caso.
O advogado argumenta que ao deixar de repassar a verba aos municípios, o Estado pode ter deixado de registrar como ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). O Ministério Público Federal quer saber se a Saúde e a Educação, que têm verba carimbada, ficaram sem receber o percentual referente a esta arrecadação.
Na ação, não constam os valores que teriam que ser repassados aos municípios. Só no ano passado, arrecadação do Fundersul foi prevista em R$ 170 milhões. Procurado pelo Campo Grande News para explicar o porquê do recurso não ter sido repassado, o ex-governador Zeca do PT disse que não estava sabendo do assunto.
Durante a conversa rápida, mudou de assunto e preferiu criticar a Prefeitura Municipal, dizendo que o prefeito Nelson Trad Filho (PMDB) dizendo que é preciso investigar a aplicação dos recursos em obras contra enchentes em Campo Grande.
*campograndenews

Polícia mineira prende mensaleiros, mutreteiros e falsificadores ligados ao PT.


Investigações conduzidas pela Polícia Civil de Minas Gerais, através da Divisão Especializada de Operações Especiais (Deoesp), do Departamento de Investigações de Crimes Contra o Patrimônio, desmantelaram uma quadrilha responsável por fraudes milionárias, com atuação em Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro.
Para elucidação dos golpes foi constituído um grupo especial de investigação que reúne membros da Polícia Civil e do Ministério Público Estadual e por peritos especializados em apurar crimes cometidos através de equipamentos de informática. Durante as investigações foram reunidas provas materiais robustas de falsificação de vários documentos, como procurações, notas promissórias, contratos de confissão de dívida e de transferência e cessão de direitos e obrigações, documentos públicos judiciais, recibos, entre outros. Dados preliminares destas investigações também apontam transações suspeitas com títulos do Tesouro Nacional de mais de um bilhão de reais.
“A ousadia dos criminosos era tamanha que chegaram até a falsificar termos de declarações e depoimentos, que teriam sido falsamente prestados à Polícia, com o intuito de levar a justiça a erro em processos contra desafetos”, disse o Delegado Geral de Polícia Márcio Simões Nabak, Chefe do DEOESP, que comanda as investigações. Os crimes foram descobertos a partir da análise de milhares de documentos localizados nos computadores encontrados em um dos endereços residenciais do indiciado Nilton Antônio Monteiro, em Belo Horizonte.
“As investigações confirmaram as nossas suspeitas de que ele utilizava de computadores pessoais para falsificar papéis, a partir do escaneamento de assinaturas e logotipos de empresas para produzir os mais variados documentos. As provas já localizadas podem ser classificadas em dois importantes grupos, que são os papéis relacionados à falsificação de documentos utilizados para cobrar por dívidas milionárias na justiça, que somam cerca de 300 milhões de reais, e ao caso da ‘Lista de Furnas’”, disse o delegado.
Além do indiciado, encontra-se detida uma cúmplice dele que afirmou em depoimento que Nilton Monteiro chegou a falsificar a assinatura dela em diversos documentos. Os arquivos digitalizados continuarão sendo analisados e seu conteúdo será tornado público o mais rapidamente possível, tendo em vista o alcance dos golpes, e o fato de que processos relativos a vários deles se encontram em andamento na justiça.
*Leia mais aqui

Jogo de cena de Dilma e a óbvia escravidão do povo cubano

Dilma, o "poste" daqui, num jogo de cena muito comum aos "estadistas de mentirinha", concedeu visto de entrada no país para a blogueira Yoani. Só que sabia muito bem que Fidel Castro e seu irmão, o "poste cubano", dificilmente concederia visto de saída a quem prega democracia e liberdade de expressão.
Vejamos, a seguir, o texto de Reinaldo Azevedo, muito próprio neste momento de inequívoca demonstração de anti-democracia:
"Yoani não obtém visto. Deve ser culpa do embargo americano e da prisão de Guantánamo, não é, Maria do Rosário? Não é, Dilma?
Pois é… Como diria a ministra Maria do Rosário, com aquela inteligência e perspicácia que a todos espantam, deve ser tudo culpa do embargo imposto pelos Estados Unidos. Ou, como quer Dilma, que não nos surpreende menos nos dons do pensamento, até que não se ponha fim à prisão de Guantánamo, como permitir que as pessoas sejam livres para ir e vir?
Como é mesmo o nome daquela professora de história da USP que afirmou que Dilma estava certíssima em não tocar no tema dos direitos humanos em Cuba? Ah, lembrei: Maria Aparecida de Aquino! Explique aí, acadêmica!
O Brasil, claro!, não vai querer se meter num assunto interno de outro país, certo? Só continuará a jogar dinheiro fora — “grande oportunidade de negócios”, querem alguns — sustentando uma ditadura decrépita e assassina.
Como sugeriu Dilma, o Brasil fez a sua parte; o resto era com os cubanos. Entendi. A blogueira pode entrar em nosso país desde que consiga sair do seu… Se ela fizer a mágica, o PT garante a generosidade. Que gente!!!" (Reinaldo Azevedo)
COMENTÁRIO: Se Dilma, com aquele cheque de U$ 400 milhões que "regalou" do nosso bolso para Raul Castro, exigisse que a blogueira recebesse o visto para visitar o Brasil, os tiranos assassinos de Cuba concederiam. Mas Dilma acha que o problema é Guantânamo, onde outros asassinos terroristas estão pagando a pena por terem assassinado a sangue frio os mais de 3.000 inocentes do WTC. Dilma é como se fosse a carcereira de Yoani.
O governo cubano negou nesta sexta-feira, 3, permissão para que a blogueira Yoani Sánchez deixe a ilha para uma viagem ao Brasil. Segundo a jornalista, que critica publicamente o regime político em Cuba, é a 19ª vez em quatro anos que seus pedidos de autorização para saída do país são negados. ( Blog coturnonoturno)

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

O Supremo dá com uma mão e toma com a outra

Quem não se lembra da atuação de Dornelles em veemente defesa pela absolvição do Senador Renan Calheiros, disse:
"...Crime tributário não é causa para quebra de decoro. Amanhã isso pode ser usado contra os senhores. Porque muitos aqui têm problemas fiscais".
Pois bem...
Tinha EU especial admiração ao paulista desembargador Nelson Calanga, presidente da AMB, e, fiquei enojado com a sua incisiva defesa a "classe" que 3.426 magistrados e servidores do Judiciário fizeram movimentações consideradas "atípicas" no valor de R$ 855 milhões entre 2000 e 2010. Cerca de R$ 400 milhões desse total envolvem apenas quatro pessoas no Rio, São Paulo e Bahia.
Calanga, diferentemente da opinião pública, não se indignou sobre as operações financeiras dos Magistrados que fugiram aos padrões da norma bancária e do sistema nacional de prevenção à lavagem de dinheiro, e sim, ficou extremamente indignado ao que considerou a investigação como uma violenta "quebra de sigilo".
Ainda mais nauseante Calanga ao comemorar a decisão do STF de "condenar" o Juiz Corrupto, "punindo-o" com a aposentadoria compulsória. Disse o desembargador Nelson Calanga que o magistrado não pode ficar marcado para sempre, perdendo o que conquistou e que é seu de direito.
A exoneração do juiz que cometeu um ato ilícito, com perda total de seus vencimentos, na opinião de Calanga, seria uma punição das mais injustas.
Na mesma noite que o STF, com uma mão dá um doce para a opinião pública, com a outra enfia no fiofó da UNIÃO uma pimenta como essa, que, como outras mais em todas as esferas, arde mesmo no  no povâo.
E, dá para enxergar que é assim justamente a Têmis vendada-vendida. Nada cega a Justiça, pendendo a balança para o vendável e a espada crava como um martelo na pancada do corporativismo.
*Plínio Sgarbi, por e-mail, via Resistência Democrática

Suspeita de propina derruba presidente da Casa da Moeda

Relatório sustenta que houve desvio por meio de empresas montadas no exterior.
Dirigente afirma que relatório que o acusa é uma "fraude" e que foi vítima de perseguição e armação partidária.
O presidente da Casa da Moeda, Luiz Felipe Denucci, foi demitido no sábado por suspeita de receber propina de fornecedores do órgão via duas empresas no exterior em nome dele e da filha.
A exoneração do servidor, indicado para o cargo pelo PTB em 2008, foi formalizada no fim de semana por um funcionário do terceiro escalão do Ministério da Fazenda e publicada ontem no "Diário Oficial da União".
Ela ocorre após ter chegado à Fazenda informação de que a Folha preparava reportagem sobre o caso.
Denucci relatou a auxiliares do ministro da Fazenda, Guido Mantega, ser vítima de uma armação partidária para tirá-lo do cargo, conforme a reportagem apurou.
Em uma das conversas, chegou a dizer que pediria demissão. Procurou Mantega, mas não foi atendido por ele.
No fim de semana, porém, o governo resolveu se antecipar à reportagem em apuração e o exonerou.
A Fazenda também trabalha com a informação de que o Ministério Público deverá entrar no caso.
As "offshores" dos Denucci foram constituídas nas Ilhas Virgens Britânicas, conhecido paraíso fiscal, em 2010, quando o servidor já comandava a Casa da Moeda.
A Junta Comercial de Miami, nos EUA, confirma a criação das duas empresas: a Helmond Commercial LLC, em nome do próprio Denucci, e a Rhodes INT Ventures, em nome da filha, Ana Gabriela.
Nos últimos três anos, essas "offshores" teriam recebido U$ 25 milhões de operações financeiras no exterior, segundo um relatório da WIT, companhia especializada em transferência de dinheiro com sede em Londres.
Denucci confirma a existência das empresas, mas nega ter feito movimentações financeiras com essas contas.
A WIT aponta que os valores são oriundos de pagamento de comissão feito por dois fornecedores exclusivos da Casa da Moeda, equivalente a 2% dos contratos firmados.
Procurada, a WIT diz ter sido contratada para realizar as transações por Jorge Gaviria, advogado em Miami e procurador dos Denucci.
Informou, ainda, que a movimentação está registrada em sua contabilidade.
Denucci admite conhecer o dono da WIT, a quem chama de primo, mas disse que o relatório é falso.
Apesar de indicado pelo líder do PTB na Câmara, Jovair Arantes, Denucci foi abandonado pelo padrinho. "Ele tratou o partido como se não tivesse obrigações com ele", disse Jovair.
Enquanto o petebista trabalhava para substituí-lo, o governo resistia. Alegava bom desempenho do servidor e elogiava sua gestão: um lucro inédito de R$ 517 milhões em 2011.
No discurso de despedida proferido ontem para funcionários, Denucci atribuiu sua saída ao que chamou de perseguição implacável contra ele e sua família.
Denucci também é investigado pela Polícia Federal por suposta remessa ilegal de dinheiro do exterior para o Brasil. Ele não teria comprovado a origem de R$ 1,8 milhão depositado em sua conta no Brasil, em 2005.
O Ministério Público Federal também abriu inquérito e, em paralelo, investiga denúncia de direcionamento de licitação.
Em novembro, o Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) confirmou multa da Receita a Denucci devido a essa remessa.
*José Ernesto Credencio, Andreza Matais, Natuza Nery, com colaboração de Flavia Foreque - Folha de São Paulo.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Os hermanos que se cuidem

HMS Dauntless indo para as Ilhas Falkland
O navio de Sua Majestade (HMS) chamado Destemido (Dauntless) foi enviado para as Ilhas Malvinas (Ilhas Falkland) para mostrar que o Reino Unido não está de brincaderia na defesa daquele seu território no Atlântico Sul. O navio Dauntless é mais equipado em armas anti-balísticas do mundo. Ele pode destruir aeronaves argentinas assim que elas decolarem. Vale 1 bilhão de libras.
O ministro britânico das relações exteriores, Jeremy Browne,  visitará as ilhas Malvinas em junho nas comemorações do 30o aniversário da guerra.
O Reino Unido controla as ilhas malvinas desde 1833. Em 1982, a Grã-Bretanha entrou em guerra contra a Argentina depois que forças argentinas as ocuparam. Cerca de 650 argentinos e 255 soldados britânicos morreram no conflito que durou apenas 10 semanas.
O Brasil disse que em apoio a uma possível soberania da Argentina nas Malvinas, junto com o Mercosul, não vai aceitar que navios com bandeiras das Malvinas atraquem em seus portos. Mas o Uruguai parece que aceita se o navio trocar pela bandeira do Reino Unido. Em todo caso, o Reino Unido não tem amigos na região.

Corrupção e incompetência

O tempo está sendo implacável com a imagem que arduamente a presidente Dilma Rousseff tenta construir para si - como fez durante a campanha eleitoral de 2010, com a inestimável colaboração de seu patrono político, o ex-presidente Lula -, de administradora capaz, tecnicamente competente e defensora da lisura e da moralidade dos atos públicos. É cada vez mais claro que tudo não passa da construção de uma personagem de feitio exclusivamente eleitoral.
As trocas de ministros no primeiro ano de mandato por suspeitas de irregularidades são a face mais visível dos malefícios de um governo baseado não na competência de seus integrantes - como seria de esperar da equipe de uma gestora eficiente dos recursos públicos -, mas em acordos de conveniência político-partidárias que levaram ao loteamento dos principais postos da administração federal. O resultado não poderia ser diferente do que revelam os fatos que vão chegando ao conhecimento do público.
A amostra mais recente dos prejuízos que essa forma de montar equipes e administrar a coisa pública pode causar ao erário é o contrato assinado em 2010 pelo Ministério do Esporte com a Fundação Instituto de Administração (FIA) para a criação de uma estatal natimorta. O caso, relatado pelos repórteres do Estado Fábio Fabrini e Iuri Dantas (30/1), espanta pelo valor gasto para que rigorosamente nada fosse feito de prático e porque o contrato não tinha nenhuma utilidade.
A FIA foi contratada para ajudar na constituição da Empresa Brasileira de Legado Esportivo Brasil 2016, legalmente constituída em agosto de 2010 para executar projetos ligados à Olimpíada de 2016. De acordo com o contrato, a FIA deveria "apoiar a modelagem de gestão da fase inicial de atividade da estatal". A empresa não chegou a ser constituída formalmente - não foi inscrita no CNPJ nem teve sede, diretoria ou empregados -, pois, em agosto do ano passado, foi incluída no Programa Nacional de Desestatização, para ser liquidada. E por que, apenas um ano depois de a constituir, o governo decidiu extingui-la? Porque ela não tinha nenhuma função. Mesmo assim, a fundação contratada recebeu quase R$ 5 milhões - uma parte, aliás, paga depois de o governo ter decidido extinguir a empresa, cuja criação fora objeto do contrato com a FIA.
Em sua defesa, o Ministério do Esporte afirma que a contratação se baseou na legislação. É risível, no entanto, a alegação de que "os estudos subsidiaram decisões, sugeriram alternativas para contribuir com os debates que ocorreram nos governos federal, estadual e municipal e deram apoio aos gestores dos três entes para a tomada de decisões mais adequadas".
Mas tem mais. Pela leitura da mesma edição do Estado em que saiu a história acima, o público fica sabendo que, de 10 contratos na área de habitação popular firmados pela União com Estados e municípios, 7 não saíram do papel. Pode-se alegar, como fez a responsável pela área de habitação do Ministério das Cidades, que alguns Estados e prefeituras não estavam tecnicamente capacitados para executar as obras ou realizar as licitações previstas nos contratos de repasse de verbas federais. Isso significa que o governo federal se comprometeu, por contrato, a transferir recursos a quem não estava em condições de utilizá-los adequadamente, o que mostra no mínimo falta de critério.
Além disso, o programa que assegurou boa parte dos votos da candidata do PT em 2010, o Minha Casa, Minha Vida, sobre o qual Dilma falou maravilhas, na Bahia, antes de partir para Cuba, praticamente não saiu do papel no ano passado, e continuará parado em 2012, se não for mudado em alguns aspectos essenciais, alertam empresários do setor de construção civil.
E muitos outros programas considerados prioritários pelo governo Dilma se arrastam. Os investimentos efetivos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), outra grande fonte de votos para Dilma em 2010, são bem inferiores aos programados, e boa parte se refere a contratos assinados em exercícios passados.
O problema não é novo. A má qualidade da gestão é marca da administração do PT. E Dilma tem tudo a ver com isso, pois desempenha papel central nessa administração desde 2003.
*http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,corrupcao-e-incompetencia

Por quê os totalitários gostam tanto de matar?

"Dêem-me uma boa razão para um comunista ser considerado uma pessoa mais decente do que um nazista — nem do discurso anti-semita essa escória escapou." (Reinaldo Azevedo)
Por quê totalitários gostam tanto de matar? Não matam necessariamente adversários, mas qualquer um que os critique, por qualquer motivo.
Dilma Roussef, em sua visita a Cuba quis seguir a linha de não intervenção em outros países.
Pois bem, quando lhe perguntaram sobre se iria falar em Direitos Humanos, em Havana, respondeu com o seu modo peculiar: "Quem tem telhado de vidro não pode atirar a primeira pedra".
Talvez ela pretendesse dizer: "Atire a primeira pedra quem não tem telhado de vidro".
Mas o Brasil tem telhado de vidro nesse caso? Creio que não.
Podemos ter problemas de pobreza e injustiças, que ainda terão que ser resolvidos, mas vivemos numa democracia e com plenos direitos civis.
O Brasil é um estado democrático de direito.
Cuba é uma ditadura a 50 anos! 
Qualquer crítica é considerada subversão e adversários políticos, mesmo de esquerda, são considerados inimigos.
Ser dissidente em Cuba é pecado mortal.
Ao tentar escapar de fazer qualquer crítica a um regime ditatorial cruel o qual admira (mais de 100 mil mortos, sendo 17 mil por fuzilamento) que o Brasil alimenta
com recursos públicos (via BNDES), com bilhões de reais em impostos que deveriam ser aplicados aqui mesmo, num país ainda tão cheio de problemas, Dilma Roussef resolveu criticar os Estados Unidos, fazendo referência à prisão de Guantânamo, onde estão quase 200 terroristas presos, alguns perigosíssimos.
Enquanto isso os irmãos Castro mantém a ilha-prisão com 11 milhões de pessoas.

PSDB: Culpa ou covardia?

Até hoje o processo que o PSDB ia colocar contra o autor do livro não saiu do lugar. Preferem dar R$ 100 mil para cada pré-candidato tucano comprar votos de delegados nas prévias de São Paulo. Mas o partido não paga o melhor advogado do Brasil para recolher o livro e prender os caluniadores.
Em resenha sobre o livro "A Privataria Tucana", o site da "Revista de História da Biblioteca Nacional" criticou o PSDB e afirmou que o ex-governador José Serra (PSDB) está "aparentemente morto". A biblioteca é vinculada ao Ministério da Cultura. Além de ser patrocinada pelo governo e pela Petrobras, a revista tem o nome da presidente Dilma Rousseff e da ministra Ana de Hollanda no seu expediente. O texto foi ao ar no dia 24 de janeiro. As críticas a Serra foram repercutidas nesta quarta pelo jornal "O Globo".
O livro, escrito pelo jornalista Amaury Ribeiro Jr., acusa Serra de receber propinas de empresários que participaram das privatizações conduzidas pelo governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). Assinada por um dos repórteres da revista, a resenha diz que o livro joga "uma pá de cal na aura de honestidade de certos tucanos". Afirma ainda que ele mostra que o "jornalismo está vivo".
Em nota, a direção do PSDB criticou o texto. "O PSDB, que é o verdadeiro alvo dessa vilania, presa sua história e seus valores. Por isso, continuará combatendo o aparelhamento político-partidário desenfreado do Estado brasileiro e seus efeitos secundários indesejáveis", diz o presidente da legenda, Sérgio Guerra. A associação que edita a revista admitiu o erro e pediu desculpas. De acordo com ela, o texto não foi avaliado pelos editores antes de ser publicado.
"O artigo é um posicionamento pessoal do repórter e contraria a linha editorial da revista, que não defende posições político-partidárias", diz o presidente da Sociedade de Amigos da Biblioteca Nacional, Jean-Louis de Lacerda Soares. De acordo com ele, a Biblioteca Nacional não tem responsabilidade sobre os textos da revista. A Folha entrou em contato com o Ministério da Cultura, mas ainda não obteve resposta.
*Postado por O EDITOR
COMENTO: É claro que o Estado brasileiro está completamente aparelhado. É evidente que o site da "Revista de História da Biblioteca Nacional" fez uma resenha proposital, direcionada, sob a leniência governamental.
Que o livro, a que se refere,  traz uma ficção política direcionada ao PSDB é incontestável.
Que o PSDB se transformou num partido de panacas, também é evidente, senão teriam esboçado alguma reação forte e digna.
Evidente que os tucanos vitimados, pela infâmia que caracteriza a tal publicação, evitaram falar  a respeito para não dar mais publicidade a uma obra que, em si, é uma verdadeira "excrescência encomendada".
Mas, e os tucanos? São covardes? Têm "culpa no cartório"?
Nem falar "coisa com coisa" eles falam!
Estão sendo desmoralizados aos poucos. À conta gotas.
Por quê? Porque se deixam ser acusados até do que, indubitávelmente, não têm culpa.
Porque não acusam o governo que se mostra o mais corrupto de todos os tempos.
Porque não apresentam provas incontestes de sua isenção de culpa, isto se as têm, claro!
A verdade é que se este país for levado a mesma situação que vimos em 1964, o PSDB, como maior partido de oposição, terá a culpa maior e os fatos, assim como a história, o esmagará.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Mais um crime do molusco

Amigo estrangeiro de Lula fura a fila e é naturalizado a jato
O espanhol José Lopez Feijoo, amigo de Lula, furou a fila e obteve nacionalidade brasileira no prazo recorde de duas semanas, passando à frente de processos tramitando até há seis anos. Antes, foi nomeado ilegalmente assessor especial da Secretaria Geral da Presidência, em ato de Antonio Palocci (Casa Civil). O artigo 5º da Constituição proíbe estrangeiros em cargos públicos.
*Comprovantes em poder da coluna do Jornalista Claudio Humberto

Para os petistas "mentir é preciso". Eles não sobreviveriam a verdade.

Charge original de Néo Correa, com frases adaptadas
Mentir é a maior ( e talvez a única ) aptidão de um petista.  Mentir já se tornou uma necessidade. Diante da verdade eles não sobreviveriam.
Em recente episódio, na reintegração de posse, determinada pela Justiça, do local denominado "Pinheirinho", os mentirosos petistas alardearam a seguinte mentira: “Derramou-se sangue, foi um massacre, uma barbárie, uma praça de guerra. Até crianças morreram. Esconderam cadáveres”.
Nada disso coresponde a verdade. Foi uma mentira daquelas tão uilizadas pelos petistas em época de eleição.
O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) escreve na Folha de hoje um artigo intitulado “As mentiras do PT sobre Pinheirinho”. Traz uma boa síntese do caso. Vamos nos ater, apenas, na declaração mentirosa acima, e vamos ler o que o senador esclarece:
...
"Não houve, felizmente, nenhuma morte, assim como nas 164 reintegrações feitas pela Polícia Militar em 2011. O massacre não existiu, mas o governo do PT divulgou industrialmente a calúnia. A mentira ganhou corpo quando a “Agência Brasil”, empresa federal, paga com dinheiro do contribuinte, publicou entrevista de um advogado dos invasores dando a entender que seria o porta-voz da OAB, entidade que o desautorizou. A mentira ganhou o mundo. Presente no local, sem explicar se na condição de ativista ou de servidor público, Paulo Maldos, militante petista instalado numa sinecura chamada Secretaria Nacional de Articulação Social, disse ter sido atingido por uma bala de borracha. Não fez BO nem autorizou exame de corpo de delito. Hoje, posa como ex-combatente de uma guerra que não aconteceu."
...
Viram? É televisão estatal construindo mentiras, é militante posando de representante da OAB, de mentira, e isso é falsidade ideológica!
É militante mentindo ao dizer que fora atingido por bala de borracha. Atingido? Onde está o BO? Por quê não autorizou o exame de corpo de delito? 
Mentirosos! Falsários! Cínicos! Nojentos!
Não se pede muito dos petistas. Pede-se, apenas que sejam verdadeiros, honestos, enfim, que tenham vergonha!
Mas tal coisa parece ser impossível para quem chegou ao poder mentindo e o mantém construindo mentiras.

Se pudesse escolher, Dilma soltaria todos os presos de Guantánamo e manteria prisioneiro o povo cubano. Em nome do sonho!


Revejam a foto, acima.
Aquele que aparece com ar quase infantil amarrando a venda do condenado à morte é Raúl Castro. Pelo menos 17 mil pessoas foram assassinadas assim na ilha. Estima-se em 83 mil as que morreram afogadas tentando fugir do país! Adiante.
Em janeiro do ano passado, o presidente da China, Hu Jintao, visitou os EUA. Ele e Barack Obama concederam uma entrevista coletiva conjunta. O americano afirmou com todas as letras:
“A história mostra que as sociedades são mais harmônicas, as nações são mais bem-sucedidas, e o mundo é mais justo quando os direitos e as responsabilidades de todos os países e todos os povos são cumpridos, incluindo os direitos de cada ser humano. Os EUA vêem os direitos humanos como um valor universal, até mesmo para a China”.
Não parou aí. Defendeu o diálogo do governo daquele país com o Dalai Lama, líder religioso do Tibete. Obrigou Jintao a sair do silêncio: “A China fez um enorme progresso na área de direitos humanos. Reconhecemos e respeitamos a universalidade dos direitos humanos. Ainda há muito o que fazer em matéria de direitos humanos. Mas devemos ter em conta as diferenças e o princípio da não intervenção”.
No Estadão de hoje, Maria Aparecida de Aquino, petista que é professora de história da USP, fala como membro de partido, não como acadêmica — que é o que fazem todos os professores universitários brasileiros ligados à legenda, o que evidencia má destinação do dinheiro público: comportam-se como esbirros da organização, como meros “apparatchiki”. Segundo a preclara, se Dilma cobrasse respeito aos direitos humanos, “estaria ferindo todas as normas diplomáticas”. Como se vê pelo exemplo que abre o texto, esta senhora não sabe o que diz e põe a sua reputação acadêmica a serviço da causa. Trata-se de uma fala vergonhosa. Essa gente tem coragem de encarar os alunos no dia seguinte?
Pergunto a Maria Aparecida — e, se ela tiver uma boa resposta, publico: Jimmy Carter “feriu todas as normas diplomáticas” quando defendeu os direitos humanos em sua visita ao Brasil em 1978? Fez mal? Não que as duas ditaduras se igualassem, é claro! Numa contagem bastante alargada, já informei aqui, morreram 424 pessoas durante o regime militar brasileiro; a tirania cubana responde pela morte de 100 mil. E ainda não parou de matar. No Chile, a ditadura de Pinochet (que serve como o ”Judas de direita” a Maria Aparecida e a seus amiguinhos de esquerda) matou três mil pessoas. Mesmo a carnificina argentina, com escandalosas 30 mil vítimas, perde feio dos irmãos Castro, os tarados por cadáveres.
Estou fazendo campeonato de mortes ou livrando a cara das ditaduras latino-americanas? Eu não! Que vão todas elas para a lata do lixo. Eu tenho compromisso é com a vida. São bem poucas as pessoas que se atrevem a defender esses regimes. Se o fazem, tendem a ser severamente combatidas como partidárias da violência e da truculência. E é justo. O que me pergunto é por que temos de considerar respeitáveis algumas vozes que se alinham com os porcos  da esquerda. Não gostamos de assassinos porque assassinos ou porque “de direita”? Se forem “companheiros”,  tudo bem? É por isso que essa escória matou 25 milhões na antiga URSS, 70 milhões na China, 3 milhões no Camboja, para citar os casos mais escandalosos. Dêem-me uma boa razão para um comunista ser considerado uma pessoa mais decente do que um nazista — nem do discurso anti-semita essa escória escapou.
Guantánamo
A fala de Dilma que foi divulgada pelo jornalismo online não fazia jus à delinqüência da política externa por ela vocalizada, que segue sendo a de Celso Amorim — só mudou o gerente da padaria, mas o serviço continua péssimo. Vamos ver.
“Nós vamos falar de direitos humanos em todo o mundo? Vamos ter de falar de direitos humanos no Brasil, nos EUA, a respeito de uma base aqui que se chama Guantánamo”.
Pouco treinado que anda o jornalismo em análise de discurso, poucos se deram conta de que Dilma se nega a cobrar de Cuba respeito aos direitos humanos, mas se acha no direito de cobrar dos EUA, ainda que em solo cubano. Uma coerência  mínima, então, deveria levá-la a silenciar também sobre Guantánamo, certo? Mas este é um governo que segue, nesse particular, o brilhante raciocínio do sambista Chico Buarque: fala grosso com os EUA e fino com ditaduras. O que Dilma sugere? Aquele anão homicida que governa Cuba, Raúl Castro, pode, então, fazer o que bem entender enquanto existir Guantánamo e enquanto perdurar o embargo — que já não embarga, de fato, coisa nenhuma? Essa é só uma das fantasias da esquerdopatia sobre Cuba. Então que se registre: a Dilma que não se mete na realidade de outros países acha-se, no entanto, em condições de questionar os EUA.
Não que as questões se igualem, é bom deixar claro. Os leitores antigos sabem — e os mais recentes podem procurar em arquivo — que escrevi aqui dezenas de vezes que Barack Obama não iria desativar a prisão de Guantánamo porque se criou, de fato, um nó jurídico e tanto, decorrente de uma situação inédita. Os presos que lá estão eram mercenários ou militantes religiosos oriundos de diversos países que foram “defender” o regime do Taliban, no Afeganistão. Há muitos casos, pesquisem, de prisioneiros que deixaram a base e voltaram para os campos de treinamento terroristas. É o que vai acontecer com uma boa parcela se forem devolvidos a seus respectivos países. Se levados a julgamento em solo americano, há uma boa possibilidade de que sejam soltos.
Então Guantánamo é uma maravilha e deve continuar lá indefinidamente? As repostas são “não” e “não”, mas Dilma incorre em estupidez semelhante a seu antecessor ao evocar Guantánamo. Em visita a Cuba em fevereiro de 2010, questionado sobre Orlando Zapata, prisioneiro que morrera no dia de sua chegada à ilha em decorrência de uma greve de fome, o Apedeuta afirmou: “Imaginem se todos os bandidos presos em São Paulo fossem fazer greve de fome”… Lula, que já havia comparado a oposição iraniana a uma torcida que perde o jogo, não via diferença ente oponentes do regime e marginais. Agora chegou a vez de Dilma fazer uma escolha entre os cidadãos comuns de Cuba, que anseiam por liberdade, e cento e poucos presos que restaram em Guantánamo, que lá não estão porque gostem de brincar de amarelinha… A exemplo do Babalorixá, Dilma tripudia sobre um cadáver ainda fresco. O opositor Wilmar Villar Mendoza morreu, também de greve de fome, no dia 19 de janeiro.
Encerrando
É evidente que o Brasil não pode impor a sua pauta a países com os quais mantém relações. Não é isso o que se está a cobrar do Itamaraty ou de Dilma Rousseff. Nem mesmo se esperava que a presidente censurasse Cuba. O que se está a pedir é bem menos do que isso: só uma defesa enfática, clara, insofismável e sem ressalvas dos direitos humanos, como Carter fez ao regime militar brasileiro em 1978 e como Obama fez à China no ano passado.
Mas isso não vai acontecer. O coração dos companheiros ainda dispara de emoção quando vê um inimigo de olhos vendados, pronto para ser executado. É o que teriam feito a milhões no Brasil se tivessem vencido a batalha e implementado o regime dos sonhos, ainda vigente em Cuba. Dilma, afinal, não consegue ir contra esta outra ilha de sua antiga utopia.
Como seu discurso dá a entender, se pudesse escolher, A Soberana soltaria todos os presos de Guantánamo e manteria prisioneiro o povo de Cuba, com Raúl a lhes vendar os olhos e a atar os braços. Em nome do sonho!
* Por Reinaldo Azevedo

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Sinto vergonha!

Sinto vergonha da foto acima!
Vejo dois símbolos, impunes, da anti-democracia.
Uma roubou, assaltou e participou de assassinatos em nome do comunismo e em busca de implantar a ideologia marxista anti-democrática, assassina e predadora dos direitos individuais.
Hoje deixa roubar enquanto tenta implantar a mesma ideologia, aos poucos, através de uma lavagem cerebral e da compra do povo com punhados de pão ( vide Bolsas ) e de uma base aliada cujo maior apoiador e traidor da democracia é o PMDB que se vende, cínicamente, em troca de cargos e mordomias.
Será o primeiro partido a ir para o "paredão" do ostracismo político se for implantado o socialismo no Brasil.( Que Deus nos livre!) O PT odeia o PMDB e irá desmoralizá-lo, a nível nacional, até a exaustão. Tenciona levá-lo à lona e usufruir do poder só. Num regime ditatorial, eles poderiam, sim. Sabiam Sarney, Renan e Cia?
A imprensa vermelha também é responsável ( ou será irresponsável ) por dar eco ao aniquilamento da ética nas instituições e vender uma falsa imagem dos que aparelham e destróem o arcabouço democrático nacional. Ela será transformada em reles capacho e encarregada de releases oficiais. Serão os pau mandados das redações. A vergonha da imprensa. Mas isso já o são.
O outro comunista e imbecil, depois de anos, à fio, ao lado de irmão Fidel ( ídolo do mal e do caos ) matando, perseguindo, torturando a todos que reinvindicavam a liberdade de ir e vir, de escrever sobre a democracia, de concebê-la como melhor opção, crer que "abrindo um pouco" a economia, poderá se perpetuar no poder por si e seus sucessores, lavando o chão cubano com os escarros da miséria, do sangue dos injustiçados, das lágrimas dos democratas convictos e das viuvas da democracia.
Eis dois falsos. Dois mentirosos. Duas criaturas construidas. Dois postes. Duas nulidades.

Os canalhas nos ensinam mais

Nunca vimos uma coisa assim. Ao menos, eu nunca vi. A herança maldita da política de sujas alianças que Lula nos deixou criou uma maré vermelha de horrores. Qualquer gaveta que se abra, qualquer tampa de lata de lixo levantada faz saltar um novo escândalo da pesada. Parece não haver mais inocentes em Brasília e nos currais do País todo. As roubalheiras não são mais segredos de gabinetes ou de cafezinhos. As chantagens são abertas, na cara, na marra, chegando ao insulto machista contra a presidente, desafiada em público. Um diz que é forte como uma pirâmide, outro que só sai a tiro, outro diz que ela não tem coragem de demiti-lo, outro que a ama, outro que a odeia. Canalhas se escandalizam se um técnico for indicado para um cargo técnico. Chego a ver nos corruptos um leve sorriso de prazer, a volúpia do mal assumido, uma ponta de orgulho por seus crimes seculares, como se zelassem por uma tradição brasileira.
Temos a impressão de que está em marcha uma clara “revolução dentro da corrupção”, um deslavado processo com o fito explícito de nos acostumar ao horror, como um fato inevitável. Parece que querem nos convencer de que nosso destino histórico é a maçaroca informe de um grande maranhão eterno. A mentira virou verdade? Diante dos vídeos e telefonemas gravados, os acusados batem no peito e berram: “É mentira!” Mas, o que é a mentira? A verdade são os crimes evidentes que a PF e a mídia descobrem ou os desmentidos dos que os cometeram? Não há mais respeito, não digo pela verdade; não há respeito nem mesmo pela mentira.
Mas, pensando bem, pode ser que esta grande onda de assaltos à Republica seja o primeiro sinal de saúde, pode ser que esta pletora de vícios seja o início de uma maior consciência critica. E isso é bom. Estamos descobrindo que temos de pensar a partir da insânia brasileira e não de um sonho de razão, de um desejo de harmonia que nunca chega.
Avante, racionalistas em pânico, honestos humilhados, esperançosos ofendidos! Esta depressão pode ser boa para nos despertar da letargia de 400 anos. O que há de bom nesta bosta toda?
Nunca nossos vícios ficaram tão explícitos! Aprendemos a dura verdade neste rio sem foz, onde as fezes se acumulam sem escoamento. Finalmente, nossa crise endêmica está em cima da mesa de dissecação, aberta ao meio como uma galinha. Vemos que o País progride de lado, como um caranguejo mole das praias nordestinas. Meu Deus, que prodigiosa fartura de novidades sórdidas estamos conhecendo, fecundas como um adubo sagrado, tão belas quanto nossas matas, cachoeiras e flores. É um esplendoroso universo de fatos, de gestos, de caras. Como mentem arrogantemente mal! Que ostentações de pureza, candor, para encobrir a impudicícia, o despudor, a mão grande nas cumbucas, os esgotos da alma.
Ai, Jesus, que emocionantes os súbitos aumentos de patrimônio, declarações de renda falsas, carrões, iates, piscinas em forma de vaginas, açougues fantasmas, cheques podres, recibos laranjas de analfabetos desdentados em fazendas imaginárias.
Que delícia, que doutorado sobre nós mesmos!… Assistimos em suspense ao dia a dia dos ladrões na caça. Como é emocionante a vida das quadrilhas políticas, seus altos e baixos – ou o triunfo da grana enfiada nas meias e cuecas ou o medo dos flagrantes que fazem o uísque cair mal no Piantella diante das evidências de crime, o medo que provoca barrigas murmurantes, diarreias secretas, flatulências fétidas no Senado, vômitos nos bigodes, galinhas mortas na encruzilhada, as brochadas em motéis, tudo compondo o panorama das obras públicas: pontes para o nada, viadutos banguelas, estradas leprosas, hospitais cancerosos, orgasmos entre empreiteiras e políticos.
Parece que existem dois Brasis: um Brasil roído por ratos políticos e um outro Brasil povoado de anjos e “puros”. E o fascinante é que são os mesmos homens. O povo está diante de um milenar problema fisiológico (ups!) – isto é, filosófico: o que é a verdade?
Se a verdade aparecesse em sua plenitude, nossas instituições cairiam ao chão. Mas, tudo está ficando tão claro, tão insuportável que temos de correr esse risco, temos de contemplar a mecânica da escrotidão, na esperança de mudar o País.
Já sabemos que a corrupção não é um “desvio” da norma, não é um pecado ou crime – é a norma mesmo, entranhada nos códigos, nas línguas, nas almas. Vivemos nossa diplomação na cultura da sacanagem.
Já sabemos muito, já nos entrou na cabeça que o Estado patrimonialista, inchado, burocrático é que nos devora a vida. Durante quatro séculos, fomos carcomidos por capitanias, labirintos, autarquias. Já sabemos que enquanto não desatracarmos os corpos públicos e privados, que enquanto não acabarem as emendas ao orçamento, as regras eleitorais vigentes, nada vai se resolver. Enquanto houver 25 mil cargos de confiança, haverá canalhas, enquanto houver Estatais com caixa-preta, haverá canalhas, enquanto houver subsídios a fundo perdido, haverá canalhas. Com esse Código Penal, com essa estrutura judiciária, nunca haverá progresso.
Já sabemos que mais de R$ 5 bilhões por ano são pilhados das escolas, hospitais, estradas. Não adianta punir meia dúzia. A cada punição, outros nascerão mais fortes, como bactérias resistentes a antigas penicilinas. Temos de desinfetar seus ninhos, suas chocadeiras.
Descobrimos que os canalhas são mais didáticos que os honestos. O canalha ensina mais. Os canalhas são a base da nacionalidade! Eles nos ensinam que a esperança tem de ser extirpada como um furúnculo maligno e que, pelo escracho, entenderemos a beleza do que poderíamos ser!
Temos tido uma psicanálise para o povo, um show de verdades pelo chorrilho de negaças, de “nuncas”, de “jamais”, de cínicos sorrisos e lágrimas de crocodilo. Nunca aprendemos tanto de cabeça para baixo. Céus, por isso é que sou otimista! Ânimo, meu povo! O Brasil está evoluindo em marcha à ré!
*Texto por Arnaldo Jabor - republicado na coluna de Augusto Nunes

Dívida pública sobe 10% em 2011, para R$ 1,86 trilhão

A dívida pública federal, o que inclui os endividamentos interno e externo, subiu 10,17% em 2011, para R$ 1,86 trilhão, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (30) pela Secretaria do Tesouro Nacional.
O crescimento da dívida pública no ano passado foi de R$ 172,3 bilhões. Em 2010, a dívida pública havia registrado o crescimento de 13,15%, ou R$ 197 bilhões, para R$ 1,69 trilhão. ( Portal G1)

Dois pesos, duas medidas

Menos a Maria do Rosário, que foi para o Canadá.
Não, a Maria do Rosário, ministra dos Direitos Humanos, não saiu do gabinete para andar 30 km e ver a destruição causada pelo governo do PT na Fazenda Salvia, ali no Distrito Federal, onde 450 barracos foram tratorados e 29 foram presos. Também não foi verificar a escandalosa denúncia feita pela revista Época. Talvez a Maria do Rosário tenha ido para o Canadá. Ou Cuba, com a Dilma. Afinal de contas, lá os direitos humanos são respeitadíssimos!
* Coturno Noturno

O começo do capitalismo

Reunidos no Fórum Econômico Mundial, financistas, políticos e intelectuais exalam pessimismo. Discutem o suposto fracasso das economias liberais e suas economias de mercado. A nova ordem global seria na verdade uma desordem. A celebração anual da era dos excessos em Davos tornou-se agora um Muro das Lamentações. Pela indigência das análises apresentadas, os ocidentais se limitam a concluir, aturdidos, evocando a Lei de Murphy original: "Se uma coisa (o 'capitalismo') tem chance de dar errado, vai dar errado." Ora, as democracias e o capitalismo são instituições extraordinariamente flexíveis, que foram bombardeadas por choques colossais nas últimas duas décadas. O mergulho de 3,5 bilhões de eurasianos, deserdados pelo colapso do socialismo, nos mercados de trabalho globais. Uma revolução tecnológica agudizou as pressões da competição global. E os governos ocidentais recorreram a velhos truques para manter artificialmente o crescimento ante os novos desafios.
Os financistas anglo-saxões sabem de seus abusos, estimulados por bancos centrais que promoveram excessos com dinheiro barato e regulamentação frouxa. A obsoleta social-democracia europeia sabe também de seus excessos, sob o pretexto de promover o bem-estar social. Quando celebravam seu sucesso em Davos, exibiam suas pretensas virtudes e sabedoria. Mas, agora expostas a farra do crédito e a irresponsabilidade fiscal, financistas e políticos dissimulam hipocritamente sua contribuição à crise contemporânea. A culpa é do "capitalismo".
E o que dizer dos bem pagos intelectuais, que sempre enfeitaram com seu brilho as celebrações dessa época de excessos — designada pelos pobres economistas, para sua eterna vergonha, como "Era da Grande Moderação"? Ora, dizem todos agora que é o fim do "capitalismo". Por ressentimento com os privilégios dos financistas? Em busca de atenção e influência? Ou pelo simples cacoete ideológico de renovação das profecias do fim do "capitalismo"?
Não é só Bill Gates que diz, com uma perspectiva histórica, que o "mundo está muito melhor hoje", em entrevista a Deborah Berlinck publicada ontem no GLOBO. Os bilhões de eurasianos que saem da miséria pelo mergulho nos mercados globais em busca de inclusão social também acham isso. Pergunte particularmente aos chineses o que acham de sua inserção na ordem "capitalista". Afinal, para eles, é apenas o começo do "capitalismo". (Paulo Guedes, em O GLOBO)

Querem fazer de Belo Monte uma usina anã

A área de inundação da usina de Belo Monte foi reduzida de 1100 km2 necessário para uma usina decente para 512km2 por causa de 180 indios. Bastava realocar os indios para uma area não inundavel. 1100 km2 de área inundada equivale a minusculos 0,003% de toda a Amazonia que tem 5 milhões de km quadrados. Com isso vai deixar de gerar milhares de kwh de energia necessaria para o desenvolvimento e progresso do povo brasileiro.
Pelos videos abaixo os maiores opositores são a esquerda católica, principalmente o bispo de Altamira-Pa dom Erwin de origem austriaca.
*Diogo CW
Brasilianas.org - Usina de Belo Monte
http://www.youtube.com/watch?v=SajNGpTgtxk
Ação Nacional Usina Belo Monte part 02

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

A verdade sobre a desocupação do "PINHEIRINHO"


A juíza da 6 Vara Cível de São José dos Campos, Márcia Loureiro, responsável pela ordem de reintegração de posse da área do acampamento sem-teto do Pinheirinho, conversou com a reportagem da TV O VALE e disse que foi difícil tomar a decisão.

PT, que dá a oposição como liquidada, estuda agora um futuro confronto com os evangélico​s

O fato mais importante da semana passada se deu na sexta-feira, em Porto Alegre. Seu protagonista é Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência e olhos, ouvidos e mão — pesada! — de Luiz Inácio Lula da Silva no governo. Carvalho é o homem que guarda os arcanos petistas, os seus segredos, os seus porões. Depois do Babalorixá de Banânia, é quem mais conhece o partido. Transita em todas as esferas, especialmente no mundo sindical — e o sindicalismo nunca foi para pessoas de estômago fraco. O de Carvalho é de avestruz. Não por acaso, ele foi o principal articulador do PT nos eventos pós-morte de Celso Daniel. Foi quem organizou a reação do partido e determinou o papel que cada um deveria desempenhar. Tinha sido braço-direito do prefeito. Segundo irmãos de Celso, confessou-lhes que levava malas de dinheiro do esquema de corrupção de Santo André para o PT — no caso, para José Dirceu. Ambos negam, é evidente. Mas volto.
O evento mais importante foi a palestra de Carvalho a militantes de esquerda no Fórum Social de Porto Alegre. É aquele evento que contou, na sua fase palaciana, com a presença do terrorista e assassino Cesare Battisti, a quem os petistas deram guarida. Para Carvalho, no entanto, “terrorista” é a polícia de São Paulo… Esse foi o trecho politicamente mais delinqüente de sua fala, mas não foi o principal.
Depois de confessar que o governo quer criar uma mídia estatal para a chamada “classe C” — que, segundo Carvalho, não poderia ficar à mercê da mídia conservadora —, ele avançou: é preciso fazer uma disputa ideológica com os líderes evangélicos pelos setores emergentes!
Uau! Não pensem que isso é feito assim, na louca, sem teoria — nem que seja uma teoria aprendida, não exatamente lida. Esse pensamento de Carvalho tem história.
Os petistas, embora não o digam em público, consideram que a oposição está liquidada. Conversei dia desses com um intelectual petista que se mostrava, até ele, escandalizado com a incapacidade da oposição de articular o discurso conservador para se opor ao suposto “progressismo” do PT. Ele também estranhava o que vivo estranhando aqui: será o Brasil a única democracia do mundo com medo dos eleitores que estão mais à direita no espectro político? Pelo visto, sim! Lá nas suas tertúlias, os petistas chegam a zombar dessa covardia.
Notem, a propósito, que os únicos momentos em que demonstram realmente alguma aflição e põem as suas hordas na rua é quando temem que a população adira ao discurso da ordem: então mobilizam seus bate-paus para confrontos com a polícia. Assim, podem sair gritando: “Fascistas!” Se e quando a oposição souber falar essa linguagem de modo eficiente e moderno, o PT pode ter problemas. Mas a aposta dos companheiros é que isso não vai acontecer. Tucanos, por exemplo, são reféns de sua “ilustração”.
A outra força
A força que o partido teme é justamente a religiosa. E, no caso, não é a Igreja Católica que os preocupa. Embora tenha cooptado o PRB — o partido da Igreja Universal do Reino de Deus, do auto-intitulado “bispo” Edir Macedo, dono da Record —, o PT sabe tratar-se de uma vistosa, mas pequena parte dos evangélicos. Seguindo os passos da teoria gramsciana, o “partido” tem de se consolidar como um “imperativo categórico”, de modo que toda ação concorra para fortalecê-lo. Mesmo os movimentos de crítica e reação hão de estar subordinados a este ente. Haver organismos, entidades, grupos ou religiões que cultivem valores fora do abrigo do partido é inaceitável.
Os “pensadores” do PT querem começar a criar as condições para limitar ou anular a influência das igrejas evangélicas especialmente nas questões relativas a costumes. O projeto petista se consolida é com a completa laicização da sociedade, sem espaço para a moral privada ou de grupo. Teses como descriminação do aborto, legalização das drogas, união civil de homossexuais, proselitismo sexual nas escolas (nego-me a chamar de “educação” o tal kit gay, por exemplo) tendem a encontrar resistência. E as vozes que lideram essa resistência costumam ser justamente as dos evangélicos. Setores da Igreja Católica também reagem, sim, mas sabemos que a Santa Madre está infestada de esquerdistas de batina (ou melhor: sem batina!).
Ora, conjuguemos as duas propostas de Carvalho, feitas no Fórum Social: ele quer o estado produzindo “informação” para a classe C justamente para disputar almas com os evangélicos. O PT chegou à fase em que acredita que pode também ser “igreja” — e seu “deus”, como se sabe, é o Apedeuta… Os petistas ainda não engoliram o recuo que tiveram de fazer em 2010, no debate sobre o aborto, por causa da pressão dos cristãos.
Os cristãos evangélicos entraram no alvo de médio prazo do PT. Cuidem-se ou serão também engolidos.
*Por Reinaldo Azevedo

O Brasil importando álcool. Por quê?


Indústria canavieira no Brasil: falta o quê?
Décadas de investimentos e esforços da iniciativa privada, décadas de subsídios e facilidades de sucessivos governos – e o Brasil, pioneiro no uso do álcool como combustível de veículos em grande escala, está importando álcool!
O país não apenas não está aproveitando a queda das barreira dos Estados Unidos ao álcool brasileiro para exportar e trazer divisas como está GASTANDO para comprar álcool lá fora!
Os produtores preferem produzir açúcar, por causa dos preços?
Falta incluir o etanol como parte da política energética do país, e retirá-lo da política agrícola?
Falta “vontade política”?
Falta vergonha na cara?
Falta alguma outra coisa?
Me expliquem, que eu quero entender.
* Ricardo Setti, na Veja

Milícias infantís na Venezuela

Já postei aqui no blog as fotos das Milícias Camponesas de Hugo Chávez. Todavia é inacreditável que já exista na Venezuela as Milícias Infantis armadas. Mas, segundo está postado no site Noticiero Digital, confirmam-se os boatos dando conta da existência dessas Milícias Infantis. Nesse site há fotos e vídeo mostrando que um grupo de mulheres parece estar treinando as criancinhas a empunhar armas pesadas. Os pequenos usam um lenço que lhes cobre parte do rosto, como fazem os grupos terroristas em suas ações criminosas.
Por aí dá para ter uma idéia do estrago que o caudilho Hugo Chávez está fazendo na Venezuela que já é tido como um dos países mais violentos do planeta.
Vamos quer o que diz a ONU através da UNICEF, ante essas imagens publicadas nesse site noticioso. veja tudo aqui
* Por: ALUISIO AMORIM

domingo, 29 de janeiro de 2012

Rita Lee surta, insulta policiais e é detida em Aracaju


O governador Marcelo Déda (PT), que assistiu à apresentação, disse ter testemunhado “um espetáculo deprimente” por parte de Rita. “A polícia não tinha feito nenhum tipo de ação que justificasse [a atitude da cantora]“, declarou Déda. Para o governador, a cantora tentou colocar o público, estimado em 20 mil pessoas pela organização, contra os policiais, o que poderia levar a uma “confusão generalizada”, segundo ele.

No Twitter, Beto Lee, filho de Rita, protestou: “A policia de Aracaju levou minha velha para a delegacia. Bando de frouxo”. A própria cantora tuitava ao lado dos policiais: “Tô indo p/ a delegacia…a polícia d Aju ñ gosta d mim mas Sergipe gosta, estou dentro do carro, eles estaaoentravv [sic]“. Pelo microblog, o cantor Lobão também se manifestou: “Mas era soh o que faltava…prender a Ritinha eh de última!”.

Voltei
O que eu tenho a dizer? Ou o remédio da Rita Lee acabou ou que ela precisa trocar de substância. Tem todo jeito de ser um surto. Imaginem se milhares de, sei lá, 5% de uma platéia estimada em 20 mil pessoas decidissem partir pra cima de policiais, pais de família que estão lá fazendo o seu trabalho. Poderia acontecer uma tragédia.

O Beto Lee acha que a polícia é composta por um “bando de frouxos”. Que vá lá pessoalmente e repita os impropérios da mãe, cara a cara, a policiais, para mostrar como age um não-frouxo. Lobão acha “de última”? Por quê? Ele já demonstrou várias vezes ser contra a impunidade dos políticos. Eu também sou. É, no entanto, a favor da impunidade e da irresponsabilidade dos artistas??? Talvez se possa dizer em favor de Rita Lee que não está em seu juízo perfeito. Bem, então seu lugar não é o palco.

Eu estou com 50 já. Acho que a única vantagem de ir envelhecendo é ganhar alguma sabedoria. Rita Lee está recusando esta também. Está na hora de começar a ouvir, sei lá, Bach talvez. Tomando leite com chocolate. Tenham paciência!

Agora outro aspecto
Imaginem um roqueiro velho, já gozando da condição de inimputável, sendo preso pela POLÍCIA DE SÃO PAULO por rigorosamente estes mesmos motivos. Aquela gente de sempre, aliada de Déda, sairia dizendo que o governo de São Paulo militarizou a USP, a cracolândia, o Pinheirinho e o rock!!!

Eduardo Suplicy, com a agilidade costumeira, correria à delegacia para cantar um rap dos Racionais… Paulo Teixeira emitiria um manifesto em parceria com a turma do Desentorpecendo a Razão… Aquela canalha a soldo do governo federal e das estatais, que se finge de jornalista, gritaria “censura”! Os vigaristas que dão plantão nas redes sociais fariam um escarcéu dos diabos.

Mas, sabem como é, foi a “polícia do PT”. Se um estudante que ficou cego de um olho num protesto no Piauí não comove o coração dessa gente, é provável que a detenção de Rita Lee também não mobilize ninguém.
* Reinaldo Azevedo

Um governo perdulário e cínico

Nos meus mais de meio século de vida, jamais vi um governo tão perdulário e cínico no meu país. O PT destila cinismo e derrame de dinheiro público por todos os lados. Os desvios de dinheiro público, dizem, financiam os petralhas, seus blogueiros e jornalistas de plantão, todos à soldo, suas base parlamentar e imprensa alugadas.
E  não adianta denunciar porque não se vê providência alguma.
Uma vez desviado, eternamente desviado. Exoneram ministros por força da imprensa que mobiliza a consciência nacional ( inerte, como sempre, há 9 anos ) o dinheiro dos nossos impostos desaparece no ralo e fica por isso mesmo.
Justiça? Os petralhas não se assustam. Muitos não tem o menor pudor de afirmar, em todos os lugares, em alto e bom som: “ o supremo é nossso, companheiro!”.
Quero acreditar que eles não se referem ao Supremo Tribunal Federal. Seria uma lástima. Aliás, seria uma vergonha sem tamanho.Deve ser, apenas, mais uma bravata petista.
Diante de um caos absoluto nas estradas assassinas, cheias de crateras, dos hospitais e escolas caindo aos pedaços, o governo perdoa dívidas de países que se dizem “amigos” , sustentam com  milhões de reais milhares de ONGs de fachada e financia o governo cubano com quase UM BILHÃO DE DÓLARES.
Investir um bilhão de dólares em Cuba é dar um tremendo fôlego a uma ditadura falida, um sistema de governo jurássico, totalitarista, assassino, tudo isso com o dinheiro nosso. Com nossos impostos que deveriam retornar em nosso benefício.

O PT perdeu a parada.

O PT perdeu esta parada! 82% dos paulistanos apóiam ação da PM na cracolândia. Povo gosta de lei e ordem; quem acha a bagunça uma fatalidade da democracia é intelectual pé-de-chinelo.
A Folha publica hoje uma pesquisa Datafolha que evidencia que nada menos de 82% dos paulistanos concordam com a ação da Polícia Militar na Cracolândia. É mesmo, é? Algum leitor deste blog está surpreso? Quando classifico de “extrema minoria” esses burguesotes radicalizados — muitos deles usuários declarados de drogas — que vão queimar carne e neurônios da antiga cracolândia, há quem reclame: “Que preconceito!” Preconceito??? Se 82% estão de um lado, chamo de minoria os que estão do outro. Podem se manifestar? Ora, podem, sim, desde que não agridam direitos constitucionais, como o de ir e vir — que era desrespeitado justamente pelos antigos usurpadores daquela região da cidade. Ao contrário do que disseram alguns promotores, alguns defensores públicos, alguns militantes de ONGs que são proxenetas morais dos viciados e certos “intelectuais dos narcóticos”, a Polícia Militar levou o estado democrático e de direito à antiga cracolândia. É fácil demonstrar: hoje, na região há mais ou há menos artigos da Constituição e do Código Penal sendo respeitados? Para respondê-lo, atenção!, é preciso pensar também nos moradores do Centro que não eram e não são consumidores de drogas. São apenas a esmagadora maioria!!!
O PT perdeu! Os proxenetas morais perderam! A esquerda incrustada no Ministério Público e na Defensoria perdeu.
Achei um tanto curioso o lead da Folha porque, ou as palavras têm um sentido que não coincide com o do dicionário, ou há ali uma não-correspondência entre o texto e a realidade. Está escrito:
“O bate-boca entre pré-candidatos do PT e do PSDB à Prefeitura de São Paulo sobre a operação da Polícia Militar na cracolândia não encontra eco entre os eleitores. Ouvidos pelo Datafolha na quinta e na sexta, 82% dos paulistanos concordam com a ação da PM para tentar desbaratar o tráfico e o consumo de crack na região central de São Paulo.”
Como não??? Calma lá! O que não encontra “eco entre os eleitores” é a posição adotada pelo PT e por seu pré-candidato, Fernando Haddad, ora essa! Partido e agora ex-ministro atacaram a operação da cracolândia. Os tucanos a apoiaram de maneira clara e aberta, muito especialmente Andrea Matarazzo, em que pretendo votar, que aceitou fazer o debate. E com razão também particular para tanto: é um antigo defensor de uma intervenção firme na área e sempre enfrentou as falanges comuno-fascistóides da desqualificação. Que história é essa de “não encontra eco”???  O texto dá a entender que, nesse particular, estão todos em desconexão com a população e com o eleitor. E, obviamente, não é verdade. Aliás, no que diz respeito à Cracolândia, Haddad resolveu confrontar até os que têm o PT como partido de preferência: 83% apóiam a ação da PM; entre os tucanos, 90% — nos dois casos, acima da média da cidade. Outro que atacou a ação da polícia foi o neopeemedebista e ex-um-monte-de-coisas Gabriel Chalita.
Sabem, né?, sempre é preciso chamar os “especialistas” para iluminar o debate. O sociólogo Renato Sérgio de Lima, secretário-geral do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, opina: “O paulistano gosta desse tipo de polícia que impõe mais rigor. Mas é necessário que ela seja controlada e transparente, para evitar abusos”.Huuummm… Não entendi… Nas outras cidades, a população prefere uma polícia menos rigorosa? Sim, claro, “controlada e transparente”! E não há “mas” nenhum, Lima! As polícias pouco rigorosas é que costumam ser opacas e descontroladas…
Aí vem o “cientista político Fernando Abrucio: “O uso político da ação na cracolândia vai exigir muito cuidado. A classe média vai aplaudir porque considera que o problema está sendo enfrentado. Mas quanto tempo dura esse efeito midiático, de uma cracolândia limpa? Além disso, é preciso ver se os viciados não vão se espalhar, o que provocaria um efeito negativo”.
O uso de um cortador de unhas exige cuidado, ou se fica sem a ponta do dedo. Embora a fala de Abrucio tenha muitas interrogações e afirmações oblíquas, entende-se que ele considera que a classe média apóia a operação mais do que os pobres — o que é mentira — e que a aprovação decorre da “operação midiática”, o que também é mentira: boa parte da imprensa paulistana atacou a decisão do governo e da Prefeitura. “Operação midiática” foi a que setores da imprensa, petistas e vagabundos da Internet promoveram CONTRA a PM. Quanto ao resto, dizer o quê? Os “viciados” já se espalharam, e é bom que tenham se espalhado. A intervenção naquela região não tinha o objetivo de acabar com o vício! Era necessário interromper o fluxo contínuo de drogas, oferecendo, como está sendo feito, chance de tratamento a quem quer se tratar. O objetivo era devolver a região à Constituição! E como a polícia de São Paulo é aquela “do rigor”, não uma espalha-bandido, traficantes foram presos.
Não é trouxa
A pesquisa evidenciou que a população é menos trouxa do que supõem alguns quase intelectuais. Dizem que os viciados — que a imprensa chama “usuários” — vão buscar drogas em outro lugar 82% dos entrevistados; 57% acham que não é possível acabar com o tráfico e o uso e crack. Viram? As pessoas não se iludem, não! Elas sabem que não é a PM que faz alguém deixar de ser viciado ou que o tráfico sempre vai existir. MESMO ASSIM, APÓIAM A PM NA CRACOLÂNDIA PORQUE NÃO QUERM SER MOLESTADAS NEM POR TRAFICANTES NEM POR VICIADOS.
Os únicos que acham que viciados têm o direito de importunar a vida dos não-viciados, juntando-se em hordas, são intelectuais pés-de-chinelo, que estão longe das cracolândias, moram em bairros seguros e não hesitam, como é o certo, em discar o 190 quando ameaçados.
Achar uma nova causa
Os petistas tentam desesperadamente fazer do Pinheirinho uma causa porque não estão conseguindo ganhar a opinião pública. Tentaram com os desordeiros da USP. Não deu! Tentaram com a cracolândia. Não deu! Agora têm a nova causa. Desta vez, vêem até com o peso-pesado (eticamente, peso-leve) Gilberto Carvalho, que decidiu partir para o terrorismo político.
Sim, trata-se de uma tramóia eleitoral. Que cada partido e cada líder seja devidamente ligado à sua obra!
*Por Reinaldo Azevedo